A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

02/11/2011

O nosso Cosme Damião nasceu há 126 anos

02/11/2011 + 8 Comentários
EFEMÉRIDE



 
Texto (agora com mais desenvolvimento) publicado no jornal “O Benfica” em 16 de Maio de 2008
Fotos da História do SLB 1904-1954 de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva
Documentos do Centro Cultural Casapiano, muito prestável e inexcedível no auxílio a quem quer aceder a informação biográfica de antigos alunos

Fundador, capitão, treinador e dirigente, foi um extraordinário jogador a médio-centro.


Cosme Damião nasceu em 2 de Novembro de 1885 na cidade de Lisboa, completam-se hoje 126 anos.



DE ÓRFÃO POBRE A RICO EM EDUCAÇÃO ESMERADA
Aos 10 anos, em 30 de Abril de 1896, órfão de pai e a pedido de sua mãe foi admitido nessa nobre Instituição de amparo às crianças carenciadas, a Real Casa Pia de Lisboa. Aí fez a sua aprendizagem como Homem, Cidadão e Artífice, instruindo-se de modo a prosseguir a sua vida pessoal e profissional, colmatando o profundo infortúnio de perder o pai, aos nove anos. Ele e mais dois alunos casapianos tentaram revitalizar dentro desta Instituição, em 13 de Dezembro de 1901, o futebol, que no último decénio do século XIX atingira grande destaque naquele nobre estabelecimento educativo. Em 1 de Setembro de 1904, já com o "Glorioso" fundado deixa definitivamente a Casa Pia, ainda que, tal como todos os "gansos" seja sempre, e eternamente, casapiano!



UM DOS 24 GLORIOSOS DE TÃO BOA HORA
Cosme Damião foi um dos 24 fundadores do nosso clube, em 28 de Fevereiro de 1904. Tinha 18 anos. Não fez parte do grupo dos primeiros dirigentes, nem dos jogadores que formaram a 1.ª categoria. Mas, na temporada de 1904/05, em 19 de Fevereiro de 1905, jogou como médio-centro na estreia da 2.ª categoria, ou seja a equipa de reserva, na vitória por 1-0 com a 2.ª categoria do Grupo do Campo de Ourique, encontro realizado nas Terras do Desembargador, nas Salésias. Na época de 1905/06 continuou a jogar a médio-centro na 2.ª categoria, mas a falta do defesa-direito da equipa principal, permitiu-lhe a estreia, aos 20 anos, no 10.º encontro da 1.ª categoria, realizado em 17 de Março de 1906. Foi uma participação episódica, num jogo em que defrontámos o Lisbon Cricket Club, para o Torneio Interclubes Viúva Sena.


RESISTÊNCIA E CORAGEM
Quando no final da temporada de 1906/07, oito futebolistas do “Glorioso” – sete da 1.ª categoria e um da 2.ª categoria – abandonam o Clube para formar a equipa de futebol do Sporting CP, Cosme Damião assume-se como um dos principais resistentes, tomando várias iniciativas para permitir que o “Glorioso” não sucumbisse perante as dificuldades. Uma dessas iniciativas foi inscrever, no campeonato regional de Lisboa de 1907/08, os futebolistas que constituíram a 2.ª categoria da época de 1906/07. Uma inscrição de risco, mas que se revelou acertada, pois essa 2.ª categoria do “Glorioso” era a mais forte do seu campeonato, podendo “bater-se” com as principais equipas de grande parte dos clubes de Lisboa.



METÓDICO, PERCURSOR E VISIONÁRIO
Esteve na fundação do Clube, tal como nos momentos mais marcantes dos primeiros vinte anos nosso querido emblema. Na debandada de Maio de 1907 foi um dos que disse NÃO À DESERÇÃO e implementou processos de revitalização do "Glorioso". Em 1907/08 foi um dos que percebeu que a equipa do "Manto Sagrado" só singraria, como melhor entre os melhores, se aglutinasse o Sport Benfica com Campo de jogos, Sede condigna e um bom conjunto de Dirigentes. Em Setembro de 1908 foi um dos que exigiu que o Sport Lisboa mantivesse a sua identidade, ou seja independência, não permitindo ingerências na esfera de futebol do futuro SLB. Em Maio de 1909 implantou uma estrutura dinâmica e de responsabilidade em todas as categorias de futebol, alicerçada nos capitães e na promoção/ despromoção entre categorias com base nas capacidades físicas e técnicas individuais, mobilidade táctica e espírito colectivo dentro das equipas e reforço da identidade Benfiquista. Entre os anos 10 e meados da década de 20, foi o grande impulsionador das sucessivas mudanças de instalações, sempre à procura do melhor para engrandecer um emblema ímpar. Destacou-se em: absorção do "Desportos de Benfica", para beneficiar de uma Sede fantástica (1916); construção do Estádio das Amoreiras, primeiro recinto propriedade do Clube, até aí sempre por terrenos arrendados (1921); desmultiplicação administrativa, para possibilitar maior acessibilidade a associados e simpatizantes com a organização de uma Secretaria, em 1922, próxima da Baixa (centro da cidade). Um inovador implacável.



DA RESERVA A CAPITÃO E TREINADOR
Em 1907/08, o Clube estreou a 1.ª categoria (ex-2.ª categoria de 1906/07) em 17 de Novembro de 1907, no campo da Quinta Nova, em Carcavelos, com Cosme Damião a jogar como médio-centro. Tinha 22 anos. Iniciava-se um percurso fabuloso em que o nosso fundador seria durante nove épocas consecutivas titular como médio-centro. Ainda durante esta temporada de 1907/08 marcou o primeiro golo, em 8 de Dezembro de 1907 ao Football Cruz Negra, para o campeonato regional e estreou-se como capitão, em 23 de Fevereiro de 1908 em jornada do Regional de Lisboa com o Sporting CP. Seria o nosso capitão durante os próximos oito anos, até 1915/16, num total de 160 jogos. Ainda é o 8.º capitão com mais jogos, sendo o 5.º por ordem cronológica. Na época de 1908/09 orientou tecnicamente as nossas equipas, sendo nomeado “Capitão-Geral” (responsável por todo o futebol) no final da temporada, em 1 de Maio de 1909, uma forma oficial de reconhecer o seu trabalho. Ainda é treinador com mais jogos, sendo o 2.º por ordem cronológica! Inesquecível, Cosme!


TER UMA VIDA E SER BENFICA
Tudo isto enquanto desenvolvia a sua actividade profissional como Secretário da Casa Palmela, constituía família e ocupava vários cargos, de eleição anual, nas Direcções do Clube: vogal (1909), vice-presidente (1910 e 1911), vogal (1912 e 1913), tesoureiro (1918 e 1919), vice-presidente (1923), tesoureiro (1924) e vice-presidente (1925).


ACTUAL RECORDISTA
Jogou no Benfica, ao mais alto nível, durante nove temporadas consecutivas, entre 1907/08 e 1915/16, mantendo-se como titular a médio-centro. Entre 17 de Novembro de 1907 e 27 de Junho de 1915, durante sete anos e sete meses, correspondendo a oito temporadas integrais, participou em todos os 155 encontros realizados pela nossa principal equipa de futebol. Ainda recorde!


SABEDORIA, ROBUSTEZ E CLARIVIDÊNCIA
Futebolista com amplos recursos físicos e técnicos distinguiu-se como um dos melhores futebolistas portugueses da década de 10. Robusto como poucos, se bem que não muito alto nem com fisionomia de lutador. Possuía uma colocação extraordinária, um bom arranque, que lhe permitia alcançar a bola sem extensas corridas, e o tempo exacto para o alívio, quase sempre a entregar a bola a um avançado com a conta precisa. Conhecia todos os segredos do futebol, pois era um exímio observador, frequentando os campos de futebol com regularidade para observar futebolistas e equipas. Muito metódico, observava as características dos adversários, corrigindo posições na nossa equipa e dando informações preciosas aos colegas, acerca das virtudes e fraquezas dos futebolistas adversários, bem como da vulnerabilidade das equipas contrárias. A sua correcção era exemplar – um cavalheiro ao serviço do futebol. 


O MELHOR NO SEU TEMPO
Participou durante onze temporadas na equipa principal do “Glorioso”, com nove épocas a titular. Jogou um total de 15 170 minutos (correspondentes a 10 dias a jogar consecutivamente) em 169 jogos marcando duas dezenas de golos. A médio-centro jogou 14 730 minutos, participando em 164 encontros, marcando todos os golos da sua longa carreira. Na primeira e na última temporada – 1905/06 e 1921/22 – apenas participou num jogo da equipa principal. 


DESPEDIDA AOS 30 ANOS
Em 26 de Fevereiro de 1916, na recepção ao clube espanhol RC Fortuna de Vigo, jogo disputado no nosso campo de Sete Rios, despediu-se como futebolista. Tinha 30 anos. Uma despedida preparada, pois Cosme Damião não deixava nada para o improviso, tendo já um valoroso substituto para o seu lugar – o “internacional” Carlos Sobral. Regressou episodicamente, em 10 de Junho de 1922, para participar num jogo com um jovem clube que “lhe dizia muito”, o Casa Pia AC! Pela equipa de honra do Benfica, jogou um total de 169 encontros e marcou 20 golos, com destaque para 76 jogos e 14 golos no Regional de Lisboa, 43 jogos particulares nacionais e um golo, 31 jogos internacionais particulares (três golos) e 12 encontros – três internacionais - em torneios, com um golo.


ESTREIA INTERNACIONAL
Fez parte da primeira selecção de futebolistas portugueses a deslocar-se ao Brasil, entre 26 de Junho e 27 de Julho de 1913, actuando como médio-centro em seis (dos sete) encontros, capitaneando as equipas por escolha dos outros futebolistas. Entretanto, em 22 de Maio de 1911, no nosso campo da Feiteira, jogou como médio-centro na estreia internacional da nossa equipa frente aos gauleses do Stade Bordelais Université Club. 


TÍTULOS OFICIAIS
Na equipa de 1.ª categoria conquistou cinco títulos oficiais, no campeonato regional de Lisboa, a competição mais importante – e durante muitas épocas, única – do seu tempo: 1909/10, 1911/12, 1912/13, 1913/14 e 1915/16. Nos 169 jogos em que representou o Benfica ajudou o Clube a obter 102 (60 por cento) vitórias e 23 empates. Como médio-centro em 164 jogos, esteve em 101 vitórias e 23 empates. Entre os futebolistas do Benfica, é o 5.º médio-centro mais utilizado e o 92.º jogador com mais tempo de jogo. Isto em temporadas onde se disputavam poucos jogos!


DIRIGENTE CONCEITUADO
Após deixar de jogar futebol, em 1915/16, manteve-se como “Capitão-Geral”, ou seja, continuou a seleccionar e treinar futebolistas e a organizar e orientar as nossas equipas, de futebol e também nas outras modalidades, até 1925/26, durante mais uma década. Em 5 de Agosto de 1926 foi eleito presidente da Direcção, mas não aceitou, optando por afastar-se dos cargos directivos. Regressaria cinco anos depois, sendo eleito em 6 de Setembro de 1931, presidente da Mesa da Assembleia Geral, sendo sucessivamente reeleito para os Órgãos Sociais em 1932, 1933 e 1934.


“ÁGUIA DE OURO” NOS ANOS 30
Foi o 7.º Águia de Ouro do “Glorioso”, distinção concedida na assembleia geral em 15 de Outubro de 1935. Nove anos depois, em 3 de Julho de 1944, o jornal “O Benfica” homenageou os pioneiros do Clube, reunindo os futebolistas que conquistaram para o “Glorioso” os primeiros troféus e títulos. Foi uma homenagem vibrante, que juntou as nossas primeiras glórias. Já combalido da doença que o minava, faleceu três anos depois, na vila de Sintra, em 12 de Junho de 1947, aos 61 anos.

Legou-nos um Clube sem igual. Engrandecê-lo, ainda mais, é a melhor forma que as gerações de Benfiquistas que lhe sucederam têm para honrar a sua memória.


Alberto Miguéns

NOTA: Em breve, ainda neste mês de Novembro, vamos desmontar - com documentação - algumas notícias e textos que não dignificam a memória do nosso Cosme Damião, por desvirtuarem as suas acções e não corresponderem à verdade histórica.
8 comentários
comentários
  1. Grande COSME DAMIAO.
    Sem ti, não sei se seria agora órfão de clube!!!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Julio Cosme Damião!

    ResponderEliminar
  3. Luís Neves2/11/11 11:03

    Sem dúvida a mais alta figura da Nossa História, tantas vezes esquecido pelo próprio clube. Felizmente aos poucos algumas pessoas já vão abrindo os olhos para a Nossa riquíssima História. Devagar, muito devagar, mas antes assim do que permanecerem de olhos fechados.
    Obrigado Pai Fundador pelo "Belo Monstro" que criaste.
    Descansa em Paz, Júlio Cosme Damião.

    ResponderEliminar
  4. caro Sr. Alberto,

    Entretanto descobriu-se quem forneceu os dados à abola para a elaboração daquele joguinho cheio de erros:

    http://www.slbenfica.pt/Clube/Noticias/noticiasclube_clubeaniversariocosmedamiao_021110_68625.asp

    Foi o mesmo tipo que felicitou hoje, no site do SLB, o Cosme Damião pelos seus 125 (?!?) anos...

    Noutro prisma: há umas semanas coloquei aqui uma questão, mas como não foi publicado o comentario, penso que não o terei enviado convenientemente e o Sr. Alberto não terá recebido. Era a seguinte:

    Já li em alguns locais a existência de uma Associação de Bem, à qual estariam afiliados alguns dos sócios fundadores do SLB. É veridica a existência da mesma? Tinha algum propósito desportivo e pode ser considerada percursora do SLB? Se sim, teve algum papel relevante na formação do nosso clube?´

    Entendo perfeitamente que tenha mais que fazer do que responder a estas questões, mas agradecia se me pudesse elucidar sobre a mesma Associação (caso a mesma tenha tido algum papel relevante na fundação do SLB. Se preferir, pode-me responder via e-mail para amaodevata@gmail.com.

    (não precisa publicar este comentário, apenas aquie screvi por ser mais facil entrar em contacto consigo por este meio).

    Obrigado.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. Que Deus seja justo com ele ,pois em terra os benfiquistas adoram esta ilustre figura timida mas de um grande coração Benfiquista .
    obrigada a Júlio Cosme Damião e a todos que elevaram o nome do glorioso aos quintos cantos do mundo Mundo

    ResponderEliminar
  6. A verdade: http://www.forumscp.com/index.php?topic=40867.0

    ResponderEliminar
  7. A mentira travestida de verdade

    A verdade verdadeira no EDB em 3 de Outubro de 2011 "Ser Ou Não ser Eis a Questão".

    Alberto Miguéns

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde Alberto.

    Para quem vem a este local (link) procurar informação rápida... deixa um pouco a desejar!

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Cosme_Dami%C3%A3o

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail