115 Anos: O Percurso de Vida Para 24 Idealistas
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o SL Benfica e a sua Gloriosa História. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

28/02/2019

115 Anos: O Percurso de Vida Para 24 Idealistas

28/02/2019 + 20 Comentários
NESTE DIA EM QUE CELEBRAMOS A FUNDAÇÃO.




Comemoramos o colectivo. A consumação de uma Ideia que depois se transformou num Ideal generoso e de superação.



Em tempos...há dois anos
Foi possível saber que os 24 fundadores eram muito jovens, com uma média de 20 anos (clicar para o texto publicado em 28 de Fevereiro de 2017). Apesar dessa juventude, os 24 Fundadores souberam - por amor a essa Ideia original e inovadora - "fazer um team só com portugueses" juntando miúdos do bairro de Belém sedentos de vitórias com um grupo de casapianos veteranos "bons de bola".



Agora é possível perceber o seu percurso de vida
Com uma investigação notável Victor João Carocha conseguiu balizar o percurso de vida da maioria dos Fundadores. Para já passamos a conhecer o tempo que cada um viveu antes e depois do "Glorioso" nascer nesse Dia do Ideal Solidário (24 pares entre pares), sem protagonismos de um sobre os outros, com escolhas democráticas que iriam ser um dos pilares do Benfica para sustentar uma Glória Imorredoira.



O que dá mais prazer nestas descobertas
Além de resgatar para a memória colectiva, esses 24 pioneiros, ou seja, como escreveu Luís de Camões "libertá-los da morte" que tudo faz esquecer, é também perceber que quase todos tiveram uma vida biológica que lhes permitiu perceber que aquele gesto na Farmácia Franco não foi efémero, muito menos episódico. A maioria viveu para ter a noção que a fundação do Clube, teve um significado amplo e grandioso. Ao reunirem-se e fundarem o Clube iniciaram a vida do maior e mais popular clube português e um dos mais notáveis no Futebol Mundial. E perceberam ao longo das suas vidas que isso estava a ser uma realidade.



Quase todos viram o Benfica fazer o primeiro TRI
No campeonato nacional entre 1935/36 e 1937/38. Bem como a primeira «dobradinha», em 1942/43. Todos viram o Benfica ser altaneiro no futebol português, com oito títulos de campeão regional em onze temporadas (1909/10 a 1919/20). Viram o Benfica "só com portugueses" derrotar os ingleses do Carcavellos Club, em 1907, 1910 e 1911. Quase metade viu a conquista da Taça Latina (1950) e houve ainda quem visse que partindo-se de um pequeno grupo que dava para fazer treinos jogados de onze contra onze, o Clube chegou à Glória de se sagrar Bicampeão Europeu, em 1960/61 e 1961/62. Que orgulho não devem ter tido.


História do Sport Lisboa e Benfica 1904/1954; Mário de Oliveira e Rebelo da Silva; I Volume, 1.º fascículo; página 13; Lisboa, Janeiro 1954; edição dos autores


O tempo justificou na perfeição os trabalhos e canseiras de carregar barrotes e redes, regadores e cal, bandeirolas e cordas com o rectângulo de jogo definido para marcar terrenos públicos, em Belém, para poderem jogar e treinar. De modo algum foi incómodo e inadequado, face aos meios existentes, a necessidade inicial de partilhar as Gloriosas camisolas já suadas do jogo anterior, de se equiparem ao ar livre e de tomarem banhos improvisados com um balde de água fria deitado sobre as suas cabeças. Tempos difíceis, só suportáveis por Homens de rija têmpera, acima de tudo crentes naquele Ideal generoso e de superação.

Vinte e quatro indomáveis legaram a milhões um Clube com classe e irascível em nunca desistir, de não querer nunca perder ou sequer empatar. Um Clube que sabe ganhar e reconhecer a superioridade do adversário na derrota mas com isso aprende para depois os vencer na desforra (jogo seguinte).

No seu túmulo, os 24 Fundadores descansam para a eternidade, credores perenes do carinho e reconhecimento dos actuais Benfiquistas e daqueles que hão-de vir. Sabemos agora onde a maioria repousa.




Que Descansem Em Paz.

Eis o génese do Benfica. O Clube que se tornou gigante porque começou solidário. Vinte e quatro entre 24.

Carocha, Victor João
Miguéns, Alberto
20 comentários blogger
comentários facebook
  1. A publicação deste texto dá-me um enorme satisfação e orgulho pois considero-o um avanço efectivo para o conhecimento da História do Sport Lisboa e Benfica.

    É antes de mais uma homenagem aos 24 fundadores do nosso Clube. Uma contribuição para que sejam correcta e devidamente lembrados.

    É um texto que também contribui para que os Benfiquistas interessados conheçam mais e melhor a História inicial do SLB.

    O texto permitiu-me também voltar a ter o prazer e privilégio de colaborar com o Alberto.

    Gostaria deixar mais algumas notas, salientando:

    1 - a intensidade e dimensão das pesquisas.
    Este texto assenta em dados factuais revelados - sem exagero - após a consulta sistemática de centenas de livros e milhares de páginas armazenadas em arquivos, militares, civis e paroquiais.
    Na ausência de índices ou motores de busca adequados, esta pesquisa exigiu paciência, persistência, organização e rigor. Valeu bem a pena.

    2 - o prazer dos momentos pós-descoberta.
    Nos momentos seguintes à revelação de um dado biográfico de um fundador há uma satisfação solitária, indescritível.

    3 - o valor da interacção com o Alberto.
    A partilha de informação e ideias é fundamental, a interacção é um prazer, acrescenta mais do que a simples soma. Faz sentido. É parte essencial do Benfiquismo.

    4 - o valor deste conhecimento.
    Os resultados destas pesquisas acrescentam muito ao conhecimento que temos de factos e protagonistas da História inicial do nosso Clube. Mais conhecedores, mais Benfiquistas.

    Nos últimos dois anos temos progredido muito no conhecimento sobre os 24 fundadores do nosso Clube.
    Para quase todos os 24 fundadores, sabemos agora qual o seu nome próprio completo, a filiação e as datas do seu nascimento e óbito (dos 48 eventos falta-nos saber 6)

    A informação agora revelada permite desfazer algumas ideias erradas acerca da nossa Fundação.
    Como se esperava, o que nos foi contado por Mário de Oliveira e Rebelo da Silva em 1954, é inteiramente correcto e permanece uma referência de rigor e riqueza acerca da História do Clube.
    O que agora se revela acrescenta alguns valiosos detalhes biográficos dos 24 fundadores.
    Apesar dos 115 anos de distância sabemos agora mais sobre os múltiplos laços familiares, de vizinhança, escolares ou profissionais. Esses laços foram muito importantes para a fundação do nosso Clube.

    A partir de agora não há mais desculpas para que se continuem a propagar as historietas do "clube dos pés descalços" ou do "Júlio Cosme Damião". Basta!

    5 - há trabalho por fazer
    para quem quer que se proponha, ainda há trabalho a fazer.
    Dois fundadores continuam por localizar e muitos detalhes biográficos estão por revelar para os restantes.


    Viva o Sport Lisboa e Benfica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grandíssimo trabalho de amor Victor.

      Deve ter sido fantástico.

      "Nos momentos seguintes à revelação de um dado biográfico de um fundador há uma satisfação solitária, indescritível". Tenho um momento destes com o Benfica que um dia, por manifesta incapacidade da minha parte, terei de passar ao Alberto. ;)

      Saudações Gloriosas

      Eliminar
  2. Quem tem estes conhecimentos, dedicação e um amor incondicional ao Sport Lisboa e Benfica, devia estar na estrutura do Museu Cosme Damião. Para que conste.

    ResponderEliminar
  3. Incrivel, muitos parabIncrível, muitos parabéns e obrigado pelo artigo, qualquer Benfiquista ficará ainda mais orgulhoso depois de ler isto.

    ResponderEliminar
  4. Caros Alberto Minguéns e Victor Carocha,

    Este post deveria ser lido por qualquer Benfiquista que se preze. Gostei muito!

    Muito obrigado pelo vosso trabalho.

    Tico

    ResponderEliminar
  5. Uma só palavra: OBRIGADO!
    Manuel Arons Carvalho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui está outro grande Benfiquista caros leitores do EDdB...

      Grande abraço Manuel.

      Eliminar
  6. Muito obrigado a ambos.

    Excelente trabalho!

    ResponderEliminar
  7. Como é possível os actuais dirigentes do clube desprezarem esta riqueza, este BENFIQUISMO?
    Como é possivel não haver um programa sobre a história profunda do Benfica na BTV?
    Como é possível que a parte ideológica e idealista do clube seja dirigida por quem não o compreende, não o vive e nem o AMA?
    Tenho muito orgulho em fazer parte dos amigos do Alberto Miguens.
    VIVA O GLORIOSO SPORT LISBOA E BENFICA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande António Melo! O nosso Benfica necessita de pessoas dedicadas como você e como o Alberto,,,saudades de os ver na BTV. Espero pelo dia em que o verdadeiro benfiquismo (a tal parte ideológica e idealista) volte ao nosso clube. Bem haja e Viva o Benfica!

      Eliminar
    2. Que bom "ver" o António de novo.

      Espero que esteja tudo bem consigo.

      Eliminar

    3. O Miguens nunca podia ser empregado no Benfica pois jamais trocaria por dinheiro algum o rigor que exige estudo e paciência pelo facilitismo do elogio fácil a quem quer ser idolatrado e ter destaque mesmo que extemporâneo.

      Eliminar
  8. BENFIQUISMO 100%
    Muitos parabéns pelo Artigo.

    ResponderEliminar
  9. Eu fiquei sinceramente comovido com a descoberta destes dados dos nossos Irmãos Fundadores, em perceber que existem entre nós tantos benfiquistas que amam de tal maneira o clube que dispensam tempo sem fim do seu tempo para conhecer, e dar-nos a conhecer, cada vez mais e melhor, este nosso glorioso clube.

    Obrigado ao AMiguens, um indefectível benfiquista, de quem sou imensamente grato, e obrigado ao Vitor Carocha.

    Possam os nossos dirigentes ter a capacidade de perceber que quem ama assim o clube, desinteressadamente, merece ver o seu trabalho valorizado e reconhecido.

    Parabéns a ambos, e parabéns ao nosso grande Amor, o glorioso Benfica!

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
  10. Extraordinário texto sobre a Vida do nosso Glorioso

    ResponderEliminar
  11. Perante tão excelso painel de comentadores (Arons de Carvalho e António Melo) tinha de aqui deixar o meu eterno agradecimento ao Alberto Miguéns e ao Victor Carocha.

    Senti-me que nem uma criança a desembrulhar um presente quando de manhã li este artigo!

    Deixo este excerto do texto para que quem lê os comentários possa voltar a ler o Benfica:

    "O tempo justificou na perfeição os trabalhos e canseiras de carregar barrotes e redes, regadores e cal, bandeirolas e cordas com o rectângulo de jogo definido para marcar terrenos públicos, em Belém, para poderem jogar e treinar. De modo algum foi incómodo e inadequado, face aos meios existentes, a necessidade inicial de partilhar as Gloriosas camisolas já suadas do jogo anterior, de se equiparem ao ar livre e de tomarem banhos improvisados com um balde de água fria deitado sobre as suas cabeças. Tempos difíceis, só suportáveis por Homens de rija têmpera, acima de tudo crentes naquele Ideal generoso e de superação".

    Mais uma vez, o meu eterno agradecimento ao Alberto e ao Victor e desculpem mas vou guardar as fotografias.

    Saudações Gloriosas para todos.

    ResponderEliminar
  12. Que maravilha de artigo!
    Parabéns ao Alberto Miguéns e ao Vitor Carocha, um trabalho fantástico sobre a história do nosso Benfica.
    Tenho o prazer de ter o Vitor como meu grande amigo,sei o quanto ele ama o Benfica.
    Vitor, que continuemos por muitos anos, a viver grandes momentos no nosso lindo estádio.

    Mais uma vez, muitos parabéns aos dois!

    Grande abraço,

    Vitor Gonçalves

    ResponderEliminar
  13. Obrigado Vítor! O nosso grupo leva já décadas de Amizade e partilha de Benfiquismo. Todos por um.
    Que o nosso Estádio continue a ser palco de momentos inesquecíveis. Benfica, sempre!

    ResponderEliminar
  14. Emociono-me a ler isto.

    Obrigado!

    ResponderEliminar
  15. Fantástico. Os verdadeiros guardiões da nossa maravilhosa História.

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue