Neno no Quarto Anel | Em Defesa do Benfica -->
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o SL Benfica e a sua Gloriosa História. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

11/06/2021

Neno no Quarto Anel

11/06/2021 + 8 Comentários

FALECEU, EM 10 DE JUNHO DE 2021, A GLÓRIA DO BENFICA: NENO.




Com 59 anos, assinalados em 27 de Janeiro de 1962, foi guarda-redes do «Glorioso» durante oito temporadas: 1984/85 a 1986/87 e 1990/91 a 1994/95. Faleceu no dia em que se completaram 28 anos do fantástico jogo da final da Taça de Portugal (vitória, por 5-2, frente ao Boavista FC).

 



Campeoníssimo

Com 15 355 minutos, em 183 jogos, com 17 a capitanear as equipas do Benfica. Esteve em sete conquistas, para competições oficiais: três campeonatos nacionais (1986/87, 1990/91 e 1993/94), três Taças de Portugal (1985/86, 1986/87 e 1992/93) e uma Taça de Honra de Lisboa (1985/86). Estreou-se, em 19 de Agosto de 1984 (GD Bragança) e fez o derradeiro encontro, a 20 de Junho de 1995 (FC Porto). Em 1990/91(a par de Silvino) 1991/92 e 1993/94 foi o guarda-redes titular, mas esteve em jogos "emblemáticos" na temporada de 1992/93 (final da Taça de Portugal) além do jogo em Londres, frente ao Arsenal FC (1991/92) e em Leverkusen (1993/94). Tal como nos "jogos do título": frente ao FC Porto, em 28 de Abril de 1991; e frente ao Sporting CP, em 14 de Maio de 1994.




1990/1991 (28 de Abril de 1991)



1991/1992 (6 de Novembro de 1991)



1992/1993 (10 de Junho de 1993)



1993/1994 (16 de Março de 1994)


 

1993/1994 (14 de Maio de 1994)



Entre chegar e ser Glorioso um longo caminho percorrido

Iniciou-se num pequeno clube do "interior" do concelho do Barreiro, o Santoantoniense FC, em 1975/76. 



Depois seguiu para o FC Barreirense onde foi contratado pelo Benfica, em 1983/84, mantendo-se emprestado a este clube da "Outra Banda".

No FC Barreirense, em 1981/82, a competir na zona sul da II Divisão


Glória (parte I: 1984/85 a 1986/87) 

Estreia-se na pré-temporada de 1984/85 mas com Bento (desde 1972/73), Delgado (desde 1982/83) e Silvino (contratado também em 1984/85) seria sempre "uma quarta opção". Silvino tinha 25 anos e Neno contava menos três anos (22). O treinador Pal Csernai opta por Silvino e Neno ruma ao Vitória SC Guimarães. Em 1985/86 regressa para ficar no plantel sendo Silvino emprestado. 



Em 1986/87 a tripla, com a saída de Delgado, passa a ser: Bento, Silvino e Neno. Neno joga um encontro no campeonato nacional (11.ª jornada) em 30 jornadas e na Taça de Portugal (no Bombarral) em oito jogos. Com a fulanização do futebol é campeão nacional e conquista a Taça de Portugal, ou seja, "faz a dobradinha". Em 1987/88 o Benfica contrata Dias Graça e Neno segue para Setúbal (Vitória FC) e depois para Guimarães (Vitória SC) em 1988/89 e 1989/90.


Glória (parte II: 1990/91 a 1994/95) 

Regressa, em 1990/91, mas a época faz-se de alternância entre Neno e Silvino, com Bento como "terceiro guarda-redes". "Toca-lhe" o jogo frente ao FC Porto, no estádio deste clube que "abre a conquista do título" de Campeão Nacional. Em 1991/92, o titular é Neno, defendendo a «Gloriosa Baliza» num jogo "emblemático" em Londres, frente ao Arsenal FC. 


Em 1992/93, o titular é Silvino, com Neno e Pedro Roma (estreante nesta temporada). Na final da Taça de Portugal, o treinador Toni surpreende colocando-o no "onze titular" que derrota, inapelavelmente, por 5-2, o Boavista FC. Em 1993/94, Neno regressa à titularidade num trio com Silvino e Paulo Santos. Neno é o guarda-redes em Leverkusen (Taça dos Vencedores das Taças) e frente ao Sporting CP (no terreno do adversário) na 30.ª jornada em 34 rondas, do campeonato nacional. 



Em 1994/95, a titularidade é de Preud'homme (contratado esta época) com Silvino dispensado, Neno e Tomás Silva (contratado, também, em 1994/95) como outras opções. Neno ainda joga dez encontros, com sete a titular sendo depois, no final da temporada, "vítima da razia" que Artur Jorge decide fazer, dispensando os nove futebolistas mais antigos do plantel: Veloso, Neno, César Brito, Mozer, Abel Silva, Vítor Paneira, Paulo Madeira, Izaias e William. Rumou a Guimarães (Vitória SC) onde encerrou a carreira como guarda-redes. 



Obrigado, Neno.

 

Alberto Miguéns 


NOTA: Agradecimento ao dedicado leitor desde blogue Victor João Carocha pela imagem que honra Neno junto de Gloriosos que já partiram.

  1. Grande Neno!!!! ... Sempre com um sorriso e uma alegria contagiante... Um guarda-redes acima da média que aprendi a respeitar e que ficará para sempre na história do Sport Lisboa e Benfica... As minhas condolências à familia e amigos... Um abraço glorioso.

    ResponderEliminar
  2. Descansa em paz, Campeão.

    Paz à sua alma, sentidas condolências à família.

    Foi um dos mais bem dispostos jogadores que passaram pelo Benfica.
    Elogiado por múltiplos companheiros de equipa. A alegria do balneário.
    Jogador competente para a sua função, colecionou títulos no nosso Clube.
    Esteve em muitos dos mais emocionantes jogos do Glorioso na década de 90.
    Foi uma notícia brutal, completamente inesperada. Uma noite muito triste.
    A vida é um sopro. É preciso vive-la bem e amar e respeitar os que amamos.

    Obrigado, Neno.

    ResponderEliminar
  3. Adorava este homem, mesmo tendo dado tantas dores de cabeça e arrepios na espinha nas bolas paradas e cruzamentos.....mas pela alegria contagiante, a pureza do ser humano. Era vida no balneário.

    Grande Neno! Estarás para sempre nas minhas melhores memórias do Sport Lisboa e Benfica.

    Obrigado por tudo. Descansa em paz.

    ResponderEliminar
  4. Para mim o grande jogo de Neno foi contra o Barcelona no Estádio da Luz, com 80.000 adeptos nas bancadas, por 2 vezes negou o golo ao Stoichkov, que ia isolado para marcar.
    Lembro-me de no inicio de cada época na escola discussões sobre quem ia ser titular durante a época - ele ou o Silvino.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso só aconteceu na epoca 90/91 depois de um famoso jogo na Luz contra o Porto em que empatamos 2-2, depois iriamos ganhar nas Antas no jogo ou um dos mais famosos da historia do desporto nacional, o pior de sempre em termos de pressão e ambiente.

      Mas isso foi uma faceta do Eriksson nada boa por acaso, que me 83 já tinha sacrificado o João Alves e que foi mais notoria na 2ª passagem em que sacrificou varios jogadores que em determinado jogo tiveram uma exibição menos boa, lembro-me de cabeça do Jose Carlos contra o Barcelona os 2 golos do Stoiko pelo seu lado, Fonseca nas Antas um penalty perdemos 1-0 nunca mais jogou, Silvino e Fernando Mendes no tal jogo com o Porto, que custou o lugar aos 2, Silvino pelo golo sofrido o 2 e o Mendes pela forma como permitiu ao Kostadinov cruzar para o mesmo golo, depois Eriksson invventava e colocava Paneira a defesa direito, Samuel a defesa esquerdo, passou a colocar o Neno, mas o Silvino era bem mais gr que o Neno, que como companheiro e pessoa era excelente e já agora dava uns toques em musica

      Eliminar
  5. Como GR não gostava do Neno, muita dor de cabeça deu, mas como pessoa era excelente e como companheiro devia ser do melhor, noticia triste, só mostra como nós não somos nada nesta vida, de um momento para o outro tudo termina. Continuará a sorrir e a rir como sempre, DEP

    ResponderEliminar
  6. Descansa em paz Neno! A vida é um momento muito curto. E é, às vezes,muito madrasta. Eras uma pessoa fantástica de quem eu muito gostava.
    As minhas condolências à família.

    ResponderEliminar
  7. Grande NENO.
    Foste um campeão que nos deu muitas alegrias.
    Espero que lá no Céu, olhes e torças pelo GLORIOSO!!!

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue

Apoio de: