A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

23/06/2016

Torino FC no Troféu Eusébio? Excelente, mas…

23/06/2016 + 12 Comentários API
SERÁ QUE NUMA QUARTA-FEIRA EM FINAL DE JULHO VAMOS TER A “CATEDRAL” CHEIA?



Como Eusébio merece, bem como os que continuam a lutar desde esse fatídico 4 de Maio de 1949 com a camisola de Mazzola e colegas?

Homenagem ao Grande Torino (parte I)
Neste blogue em tempos escrevi acerca dessa tragédia como pode ser visualizado em 21 de Março de 2013 (clicar). E é possível verificar nesse texto que aquando dos 50 anos da tragédia, em 1999, apercebi-me de outra “tragédia” embora seja ínfima quando comparada com a verdadeira ocorrida meio século antes. Em 1999, falava com os Benfiquistas e ninguém sabia o que tinha ocorrido. Os Benfiquistas das gerações mais novas, mesmo nascidas no início dos anos 40 não sabiam o que se tinha passado. Depois apercebi-me do porquê? Recordava que nunca ninguém falou do assunto. Nos media portugueses não houve evocações aquando dos chamados anos redondos: 10, 20, 25, 30 e 40 anos. Pelo menos relatos dos acontecimentos de causar impacte. Não falo de notícias de rodapé.

A primeira vez do Benfica em Superga. A ida ao Memorial depois da edição de 1956 (2 e 3 de Julho) da Taça Latina disputada em Milão. Sete anos e dois meses depois da tragédia

Homenagem ao Grande Torino (parte II)
O Benfica num gesto de gentileza, em 6 de Maio de 1964, colocou a equipa à disposição dos dirigentes do Torino FC para assinalar os 15 anos da tragédia, homenageando em Turim, o Grande Torino, com um confronto entre os dois emblemas. E assim foi. Eusébio marcou dois golos, o seu segundo golo a fazer o resultado final (4-1) foi um dos melhores da sua proveitosa carreira, num livre directo em potência, efeito e colocação a 30 metros da baliza. Depois caiu-se num esquecimento que em meados dos anos 80 e durante a década de 90  sempre me fez confusão (antes não sei, pois nem da ocorrência soube até fazer a recolha dos jogos de futebol do "Glorioso").




Homenagem ao Grande Torino (parte III)
Em 1999, pensei que o Benfica não podia deixar passar os 50 anos sem falar do assunto. Escrever acerca disso seria uma forma de homenagear as vítimas e honrar o Benfica. Incrivelmente na primeira abordagem – aí por Março de 1999 - fui mal sucedido. Para quê gastar uma ou duas páginas do jornal “O Benfica” a trazer um assunto desagradável? Recordar um acontecimento que estando relacionado com o Clube não era “do Clube”? Fiquei estupefacto. Mas como sou teimoso tanto insisti que os responsáveis acabaram por aceitar. E depois apoiar com entusiasmo. Até porque colaborando eu graciosamente com o Clube (ver NOTA FINAL) até cheguei a propor - na brincadeira - que se fosse necessário até pagava (desde que não fosse cobrado como página de publicidade) para falar do assunto e trazer para o conhecimento dos Benfiquistas o que estava como que esquecido para não se querer recordar o que todos temem. Serem vítimas de um acidente aéreo. Até porque eu tinha um livro. Comprado nos anos 80, em italiano, precisamente na Sede do clube de Turim aquando de um Inter-Rail, que fiz, aí por 1982 ou 1983. O livro era (é) de 1974 (25 anos da tragédia). Aliás as fotografias utilizadas no artigo que escrevi são desse livro pois em Abril de 1999 não havia internet como na actualidade. Onde se encontra de tudo e mais alguma coisa. Houve fotografias a cores porque tinha (e tenho) esse livro. Em 26 de Abril de 2014 voltei a falar do tragédia neste blogue (clicar). Nunca é de...mais. Parece sempre de...menos!

Homenagem ao Grande Torino (parte IV)
Felizmente hoje o tema é muito conhecido dos Benfiquistas e não é por causa do artigo que fiz. Este deve ter sido lido por poucas centenas de pessoas. Talvez um milhar que seria o número de exemplares vendidos mensalmente pelo jornal semanal transformado em revista mensal “O Benfica”. Houve algum fenómeno que transformou um assunto ignorado, num assunto mediatizado. Até me lembro do Benfica ter jogado, em 1992/93, com a Juventus FC, em Turim, e ter questionado dirigentes do Clube - que sabia terem ido na comitiva - se tinham ido a Superga e eles nem saberem do que se tratava. Actualmente mudou radicalmente. Tenho ideia que foi já dentro do século XXI que a memória daquele fatídico dia passou a fazer parte do Benfiquismo. Como deve ser. Felizmente! Porque aconteceu e não foi esquecido. Infelizmente! Porque nunca deveria ter ocorrido tamanha desgraça.


Eis O Benfica. Coluna (capitão), José Torres (goleador), José Augusto (driblador), Adolfo Vieira de Brito (presidente) e Eusébio (simplesmente). Em Superga! É este O Benfica de Sempre!

O histórico não é favorável a grandes assistências
Nos jogos de pré-época, na “Catedral”, em dias de semana nos meses de Julho e Agosto.

Número de espectadores por edição
Edição
Ano
Dia da semana
Presenças
I
2008
Sexta-feira/Feriado
53 768
II
2009
Sábado
62 407
III
2010
Segunda-feira
20 215
IV
2011
Sábado
40 883
V
2012
Sexta-feira
35 476
VI
2013
Sábado
30 638
VII
2014
Sábado
25 240
VIII
2015
-
-
IX
2016
Quarta-feira
?

Espero que…
Os responsáveis pela organização do jogo consigam fazer do jogo aquilo que ele deve ser o que não me parece fácil pelos condicionantes que já enumerei.

Estádio cheio
Que a “moldura humana” envolvente seja a adequada a um acontecimento com este significado. E não é a dar bilhetes, pois muitos desses bilhetes dados depois são desaproveitados por quem prefere ir para outros lados e aceita o bilhete porque “a cavalo dado não se olha o dente”. Eu que tenho Título Fundador desde 25 de Outubro de 2003 já tenho recusado oferta de bilhetes, até para jornadas da Liga dos Campeões (daquelas que já não contam ou contam pouco para a classificação)! Que os bilhetes sejam vendidos para estar um número de pessoas com qualidade e interessadas em presenciar o “Glorioso” e o clube que já foi de Mazzola. Pelo qual morreu. Que os Benfiquistas se mobilizem e consigam entusiasmar outros e outras - mesmo de outros clubes - para que o estádio tenha o maior número de pessoas.

Estádio completo
Que não aconteça o habitual se o adversário vencer, embora espero que seja o Benfica a conquistar o troféu. Assim que o árbitro dá o jogo por terminado (até antes disso) debandada geral. Quando os futebolistas do Tottenham HFC conquistaram o troféu despediram-se para meia dúzia de «gatos pingados» do Benfica que teimaram em ficar na bancada a bater-lhes palmas, porque homenagear o vencedor do Troféu dedicado a Eusébio é sempre agradecer a Eusébio, mesmo que o troféu rume para longe. Será sempre Eusébio que ficará nas salas de troféus dos clubes que o conquistarem. Que seja o Benfica a vencer esta nona edição. Se tal não acontecer que o Torino FC o mereça. Mazzola e todos os seus companheiros estarão nessa noite no Quarto Anel. Junto dos futebolistas do Benfica que com eles jogaram e que já ocupam os seus lugares nesse Anel para lá dos confins do Céu. Se nesse dia 27 de Julho de 2016, na “Catedral”, olharmos para o alto vamos ver muitas estrelas duplas. Umas mais brancas, outras mais encarniçadas de grená. Vai ser como estivessem a marcar-se em campo, à semelhança do que ocorreu no Estádio Nacional, em 3 de Maio de 1949. O último dia completo de felicidade para eles e para os Benfiquistas que viveram o fatídico dia seguinte! 

Viva o Torino FC em 2016, pois em 1949 não foi possível!

Alberto Miguéns


NOTA FINAL (que justifica a promessa que fiz aqui há umas semanas de contar a minha ligação contratual ao Clube, bem como a história de não me importar de pagar, em Maio de 1999, para publicar a homenagem/divulgação, no meio século da Tragédia de Superga): Entre Setembro/Outubro de 1993 e a exploração do jornal a ser feita, a partir de Janeiro de 2005, pelo sportinguista Cunha Vaz nunca recebi um tostão do "Glorioso". Seja a fazer o que fosse, embora a maior parte fossem textos para o jornal "O Benfica". Daí em Maio de 1999 estar na situação de poder pagar, pois nada recebia. Como já sei quando passou para a ACV (clicar), isso quer dizer que durante onze anos, mais de 132 meses (entre finais de 1993 e 2004) nem um centavo cobrei. Não me arrependo e voltaria a fazer o mesmo. Só estou à espera de encontrar o primeiro texto pago para fazer o prometido historial. Até eu vou gostar de saber - pois nunca o fiz - quantos meses estive à borla e quantos a receber por circunstâncias extra-normais como foi o caso da Cunha Vaz a administrar um jornal do "Glorioso". Também é bom dizer que entre Janeiro de 2000 e Fevereiro de 2001 - embora a revista mensal "O Benfica" terminasse em Agosto de 2000 retomando em 28 de Fevereiro de 2001 como jornal semanário - não colaborei regularmente com a revista "O Benfica" por discordar do que estava a ocorrer na mesma durante a gerência de Vale Azevedo, mas a seu tempo contarei. Apesar desta nota já ir longa resta dizer que nada tenho a criticar à empresa de assessoria de ACV. De zero a 20, dava 20! Sportinguista (por isso foi obrigado a pagar se quisesse que eu continuasse a colaborar com o jornal) foi impecável. Um senhor. Liberdade total. Incentivo acolhedor. Acompanhava quem trabalhava e estava sempre pronto a opinar. Para melhorar. Crítica construtiva Q.B. Pagamento sempre atempado: o que tinha sido acordado e ao cêntimo. E mais que tudo. Respeitador de opinião. Um democrata e empresário com classe! Só tenho a dizer bem! Embora quando cessou a sua responsabilidade como administrador de "O Benfica" pouco depois, a seguir, cessasse a minha, a receber, e não demorou muito, a colaborar com regularidade. Mas isso é a tal história que um dia destes vai ser contada com ilustrações. 


12 comentários
comentários
  1. Grande notícia a reabertura da antiga sede. Muitos benfiquistas por lá passaram! Fechou em que ano?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As taças saíram em 1987. A secretaria, como edifício, encerrou em 1998 (cito de memória) quando deixaram de jogar bilhar. Entre 1987 e 1998 foi perdendo as valências que tinha. Inscrições e pagamento de quotas, bar, bilhares, etc. Foi "morrendo" aos poucos...

      Saudações

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. Lembro-me vagamente de ter tomado conhecimento da tragédia por alturas do início dos anos 90 do passado século.

    Mas não tenho a certeza. Penso que foi numa das revistas que tenho no baú, minhas (Benfica Ilustrado) ou do meu pai (umas raridades fantásticas que tenho de ir procurar de novo para guardar).

    Interessante: Aquando da última meia-final europeia do Benfica, no jogo da segunda mão em Turim fente a Juventus, os adeptos do Torino vieram apoiar o Benfica (tal como o Alberto explicou e bem num dos artigos aqui "linkados"! Coisa que gerou precupação nas forças de segurança... Mas que demonstra que há memórias que o tempo não encurta certo?

    NOTA: Sempre a aprender com o resumo sobre Cunha e Vaz... É quase como afirmar que há vida inteligente fora do planeta Terra :-))))

    Saudações TRIGloriosas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve ser esse artigo de Maio de 1999. Se houver outro da responsabilidade do Benfica nos anos 90 agradecia que comunicasse.

      A ideia que tenho é que o Benfica foi a Superga em 1964 e depois em 1968 (meias-finais da TCCE frente à Juventus FC).

      Depois caiu no esquecimento. Mas nestes assuntos que não envaidecem o meu benfiquismo adoro estar enganado.

      TRIsaudações a querer ser TETRA.

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  3. Albertini23/6/16 12:27

    Passei pelo monumento na Superga a semana passada, e là estava, como sempre està, uma bandeira do Glorioso deixada por um adepto.

    Pena é nos muros que rodeiam a estrada de acesso estarem algumas mensagens grafitadas a ofender o clube do outro lado da segunda circular, provavelmente deixadas aquando do(s) ultimo(s) jogo(s) em Turim ha dois anos... era dispensavel. Menos mal que provavelmente apenas portugueses saberao quer quem terao sido os responsaveis quer os visados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Albertini

      Eu fui lá nesse tal ano de 1982 ou 1983. Nada havia do Benfica. Por isso - até por aqui se percebe - que a evolução foi para melhor. Muito melhor!

      Essa dos muros grafitados num memorial é que não lembra a ninguém. Pode ser que alguém com poder dentro do clube leia o seu comentário e acorde com os responsáveis do Torino FC - nestes contactos para o jogo de 27 de Julho - proceder à limpeza.

      Obrigado pelo comentário e tornar público uma situação que não dignifica os nossos adeptos e por acréscimo o Benfica.

      Saudações TRIgloriosíssimas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Albertini23/6/16 15:05

      Passei por la 3 vezes nos ultimos 5 anos, e sempre encontrei uma bandeira do Glorioso... e todas diferentes (portanto nao a mesma).

      Quanto aos graffitis, nao é exactamente no memorial ou na catedral, é na estrada que dà acesso ao topo da colina de quem vem do centro de Turim, e nesses muros outros graffitis la estao (que nao teem nada a ver connosco). Mas (pelo menos) dois ofendendo a claque/2° clube de Lisboa consegui identificar enquanto guiava.

      Jà agora em nota de rodapè, embora seja mais um comentario ao seu outro texto de 2013 do que a este, de todos os adeptos da Juventus que conheci por aqui nenhum era de Turim... e todas as pessoas de Turim que conheci eram adeptas do Torino!

      Eliminar
  4. Fico contente por o jogo que homenageia Eusébio seja feito com o Torino. Da minha parte irei fazer tudo para que os meus companheiros de redpass e outros estejam neste jogo.
    Saudações

    ResponderEliminar
  5. Caro Albertini

    Obrigado pelo esclarecimento.

    Eu até porque achei que já havia muitos "eus" no texto e gosto mais de escrever "nós" não quis escrever mais um eu no texto que fiz. Mas aproveito para dizer que desde 2000 que sugiro, cada vez que há um dirigente eleito que penso poder ter capacidade de decisão neste assunto, que o Benfica devia todos os anos ter alguém que colocasse uma coroa de flores em nome do SLB a cada 4 de Maio. Isto desde 2000. Já lá vão 16 anos com 4 de Maio. Pode não ser fácil fazer isso mas parece-me possível para quem não ache a ideia estúpida! Certamente haverá um associado do Clube que viva perto ou através da Embaixada saber de um português que tenha gosto em ir a Superga levar uma coroa de flores ou qualquer outro adereço do "Glorioso". Hoje em dia com transferências bancárias seria fácil o Benfica transferir para alguém Benfiquista que viva perto e que tenha gosto em representar o Benfica a cada 4 de Maio. O Benfica é constituído em sentido restrito e real pelos sócios mas em sentido amplo é por que é do Benfica e honra o Benfica, ou seja, pelos Benfiquistas. Um Benfiquista podia perfeitamente representar o Clube recordando anualmente que todos nós sentimos a perda de um plantel que era mais que um plantel (e isso já seria importante). Era o melhor plantel de Itália - tetracampeão e liderava o campeonato aquando da tragédia - a base da selecção de Itália, ou seja, um dos melhores conjuntos de futebolistas de um clube a nível mundial. Que ficou reduzido a nada. Por terem ido a Portugal homenagear o capitão do Benfica e da selecção nacional.

    Como associado, por respeito a Francisco Ferreira, ao Benfica e ao Torino FC gostava de ver o Benfica todos os anos, em 4 de Maio, no local onde o avião teve o acidente, homenagear esses heróis que perderam a vida por uma causa nobre. Num gesto de gratidão disporem-se a ir a outro país, entre jornadas do campeonato italiano, para prestarem homenagem a um dos seus, enquanto, futebolista.

    Pode ser que um dia seja possível fazer isso. Sendo o Benfica um clube universal não me parece difícil conseguir uma pessoa que habite perto de Superga, até mais que uma, que tenha gosto e orgulho em fazer isso. Recordar junto ao memorial que o Benfica recorda eternamente o que se passou.

    Saudações

    Alberto Miguéns

    ResponderEliminar
  6. Encontrei Alberto!

    Mas é coisa pouca... Foi publicado na Benfica Ilustrado de Fevereiro de 1990! Num artigo de Arons de Carvalho intitulado "As Grandes datas do Benfica", que pelo menos nesta edição, vai dos anos 00 aos anos 40.

    É um artigo mais de imagens do que de texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Minha Chama

      É tipo nota de rodapé! Sem grandes explicações. Tem para aí três linhas. Mesmo assim o Manuel Arons de Carvalho era dos poucos, nos anos 90, com possibilidade de escrever acerca dele, que sabia do assunto. Tinha lido a descrição no Volume II da História do Benfica 1904 - 1954. A tragédia está descrita nas páginas 498 (texto em metade da página), 499 (duas fotos) e 500 (a foto impressionante com a multidão junto da embaixada de Itália).

      Saudações

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Aqui, só tem uma foto da tal multidão (com as respectivas legendas), que realmente é uma enchente imensa...

      Digitalizei e tive de fazer uma edição porque estava em páginas separadas. Vai por email.

      Saudações TRIGloriosas

      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail