A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

26/02/2014

Glória Eterna Coluna (13)

26/02/2014 + 0 Comentários


OPINIÃO

Aos 29 anos Coluna, na primeira temporada em que a UEFA tornou obrigatório o uso da braçadeira de capitão, eis o "Monstro Sagrado" entre José Torres e Simões. Foram anos e anos de cumplicidades e triunfos retumbantes

Nos anos 60 o Benfica tinha um prestígio inigualável no mundo do futebol. Para além de conquistar inúmeros títulos nacionais, entre campeonatos e Taças de Portugal, foi o clube europeu com melhores resultados nas competições da UEFA, com destaque para a mais carismática e importante de todas, a Taça dos Clubes Campeões Europeus. Apesar de só ter conseguido conquistar dois troféus no início do decénio (1960/61 e 1961/62), as constantes vitórias permitiram no entanto estar presente em fases adiantadas da competição, estando em mais duas finais no espaço de tempo de cinco anos: 1962/63 e 1964/65. Quatro finais em cinco temporadas. É obra!
Tricampeonato Nacional
Em 1964/65 o Benfica sagrou-se Tricampeão Nacional, com seis pontos de vantagem para o 2.º classificado. Coluna foi um dos três "Gloriosos" com mais tempo de utilização: 2070 minutos para 23 jornadas e oito golos marcados. Apenas Costa Pereira e José Augusto fizeram igual.

Mais uma final da Taça de Portugal sem troféu
E não é que nova final da Taça de Portugal voltou a dar derrota. O Benfica esteve na final mas não foi capaz de derrotar o adversário impedindo mais uma "dobradinha". Coluna fez dez jogos (dois golos), tantos quantos fizeram Raul e o incansável Cavém, mas estes totalizaram mais 30 minutos que os 870 de Coluna devido a uma arreliadora lesão aos 60 minutos frente ao Atlético CP, num tempo em que não eram autorizadas substituições.

Mais uma final dos Campeões Europeus sem troféu
O "Glorioso" atinge a final da Taça dos Clubes Campeões Europeus, mas é obrigado pela UEFA, em parceria com o campeão europeu FC Inter a jogá-la em casa do... FC Inter. Ridículo! Em Milão os caseiros não foram além de um golo. E mais uma vez ficou uma Taça dos Campeões à nossa espera. Coluna foi um dos seis totalistas com o "Mato Sagrado", jogando em nove jogos, 810 minutos, marcando dois golaços.

E o Mundo a pedir por nós
Além das conquistas de títulos nacionais e presenças nas finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus, o "Glorioso" era solicitado todas as temporadas, nalgumas mais do que uma vez, para fazer digressões em países de todos os continentes. Coluna como capitão teve oportunidade de representar o Clube em vários estádios, alguns míticos, tornando-se uma referência do futebol mundial. Atingiu um patamar único, em afabilidade e relacionamento com vários futebolistas, além de personalidades da sociedade e política. No final de 1964/65, com Coluna a pouco mais de quinze dias de fazer 30 anos (como o tempo passou, ele que chegou aos 19 anos a Portugal) recebeu na Venezuela um dos troféus mais prestigiados dos anos 50 e 60, a Pequena Taça do Mundo para Clubes.

1964/65
Competições
Jogos
Golos
Adversários
Golos
TOTAIS
53
12


Campeonato Nacional
23
8


Taça de Portugal
10
2


Taça Clubes Campeões Europeus
9
2


Taça de Honra de Lisboa
2
-


Torneio Ramón de Carranza
2
-


Pequena Taça do Mundo
3
-


Particulares internacionais
4
-


NOTA: A vermelho troféus (e/ou) títulos conquistados

Alberto Miguéns

NOTA: Em Defesa do Benfica declara luto pelo falecimento de Coluna, com um fumo negro sobre o rosto do EDB. E em homenagem ao Eterno Capitão o EDB evocará de hora a hora durante as próximas 18 horas o percurso desportivo de um futebolista inigualável.
0 comentários
comentários

Enviar um comentário

Em Defesa do Benfica no seu E-mail