A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

16/01/2012

Robin dos Bosques Pimba

16/01/2012 + 9 Comentários
OPINIÃO
             
Assistimos nestas eleições para a Liga (LPFP) a mais uma pantomina, tal como já tinha ocorrido nas eleições para a FPF.

Antes das eleições na Liga
Na eleição para a FPF qualquer dos candidatos servia os interesses do FC Porto: Fernando Gomes por ser um homem de mão de Pinto da Costa/PdC (provável sucessor na presidência da FC Porto – Futebol SAD) que levou dos corpos gerentes da LPFP os elementos que interessavam ao portismo (entre eles o presidente da Comissão Disciplinar da Liga, portista e associado do FCP, Herculano Lima, agora presidente do Conselho de Disciplina da FPF). Além disso, PdC através da acção do presidente da Associação de Futebol do Porto (Lourenço Pinto) ainda conseguiu cavalgar as eleições com a criação de uma candidatura “testa de ferro” com o objectivo de androizar mais o Conselho de Arbitragem da FPF através de Paulo Costa, que numa composição de um órgão obtida através do método de proporcionalidade ficou bem representado, dando ao FC Porto motivos de satisfação. Ou seja, PdC (e o FCP) não necessitava de apoiar ninguém, porque estava com os dois, votando num (Fernando Gomes/ Vítor Pereira) e esperando sucesso do outro (Paulo Costa). O que interessa (essencialmente) ao FC Porto é controlar o Conselho de Arbitragem. E conseguiu-o.

Jogada “dupla” para as eleições na Liga
Com a Liga a perder funções e competências para a FPF, PdC apostou tudo na FPF e ganhou. Depois, foi gerir as eleições para a Liga, que passou a ter essencialmente três funções: organização das competições sob a sua jurisdição, sustentabilidade económica do futebol profissional (patrocínios, angariação de verbas – por exemplo, contratos televisivos, direitos de imagem, etc.) e divulgação da modalidade.

Falar de António Laranjo, mas lançar Mário Figueiredo
A candidatura de António Laranjo foi um “isco” lançado para cobrir a eleição de Mário Figueiredo que como se viu apresentou medidas que visam prejudicar o Benfica. Ou pelo menos, entre todos, será o mais lesado. Porque é o clube que é mais prejudicado com os dois principais objectivos de Mário Figueiredo: a negociação dos contratos televisivos e o alargamento do Campeonato Nacional (neste em paralelo com o FC Porto, se bem que haja diferenças…) O maior cego não é o que não vê é o que não quer ver.

Quanto vale o monopólio televisivo?
Qualquer pessoa minimamente informada e atenta sabe que, na economia, quando não há concorrência, ou seja, em domínio de monopólio os interesses dos monopolistas é limitarem o poder negocial dos “consumidores”. O melhor que ocorreu para a Olivedesportos (monopólio das transmissões televisivas em sinal fechado e pago) é a Liga querer negocial em bloco, ou seja, numa negociação nem vai haver a dita, trata-se de conversações: diz tu, digo eu. É que a proposta de negociação em bloco que a Liga quer implementar só fazia sentido se não houvesse monopólio, que é o que acontece nos países desenvolvidos, aliás com Mário Figueiredo a dar exemplos de vantagens como se houvesse semelhança de mercado: dimensão e operadores. Se não houvesse monopólio as várias operadoras interessadas nos jogos teriam de apresentar propostas diferenciadas para a Liga escolher a melhor. Em monopólio não! A Liga será obrigada a aceitar o que a Olivedesportos oferecer. Pensará ele que lá por trabalhar em escritórios de advogados ligados aos andróides engana os Benfiquistas. Vai-te catar… Pimba.

As estruturas dirigentes do futebol português estão nas mãos de Pinto da Costa, que já se dá ao luxo de jogar nos vários tabuleiros… sem tomar (como é óbvio) preferência por nenhum.

O QUE QUER A (ACTUAL) LIGA

Nivelar o futebol português por baixo
O actual quadro competitivo do principal escalão do futebol português é constituído por 16 clubes, desde 2006/07, ou seja nas seis últimas edições do Campeonato Nacional. A redução de quatro jornadas (de 34 para 30) permitiu – foi a justificação – ter disponibilidade de calendário para criar e inserir a Taça da Liga. Agora, o Pimba pretende alargar o Campeonato Nacional para 34 jornadas (18 clubes). Uma fórmula para atrair votantes, mas à custa da diminuição da qualidade do futebol praticado, pois vai aumentar o número de emblemas que jogam um futebol defensivo, repulsivo para que gosta de futebol. E que nem dá para apurar tácticas para as competições europeias onde se jogo à procura do golo. No “Futeluso” joga-se CONTRA, na UEFA joga-se COM. Fisicamente haverá maior desgaste dos principais clubes que terão menos tempo para prepara os jogos das competições europeias (em particular, a Liga dos Campeões), quanto a mim, a principal vantagem da redução de 18 para 16 clubes depois de 2006/07. O FC Porto terá menos problemas, porque vai fazer deslocações mais curtas, pois o futebol do 2.º escalão (II Liga) está repleto de clubes a norte do rio Mondego. Nos oito primeiros (metade superior da classificação) da Liga Orangina estão seis (!) emblemas de localidades a norte do Mondego (excepções: GD Estoril-Praia e Atlético CP. É assim esta época e nas próximas…

Limitar as receitas televisivas do Benfica
Com a possibilidade de negociar os contratos/direitos televisivos em bloco, o clube mais prejudicado será o Benfica pois é aquele que poderá ser mais afectado com a mania de “tirar aos grandes, para dar aos pequenos”. Que ninguém se iluda, diminuir a possibilidade de aumentarmos as receitas é diminuir a nossa capacidade de defrontar o FC Porto e de ombrear frente aos colossos europeus. O que interessa é nivelar por baixo. O FC Porto não é prejudicado porque tem os contratos televisivos negociados até 2017/18 e já recebe mais – desviado pelo facto de nos pagarem abaixo do retorno que proporcionamos - do que o retorno que oferece. E se para o “Glorioso” as receitas televisivas são percentagem importante, para o FCP nem tanto, porque fazem muitos milhões de euros na transacção de passas de futebolistas, vendidos muito acima dos valores que valem, ou seja, enfiam barretes por essa Europa fora!

Mário Figueiredo é o Robin dos Bosques “à portuguesa”, pensa que vai conseguir roubar os Grandes para dar aos Pequenos. Quando o padrinho cair, o Pimba cairá também…

Alberto Miguéns

NOTA: Quanto ao Sporting CP! Como se escreveu – e está no arquivo – no EDB em 28 de Novembro de 2011:
                  
Eu Vou…

Fazê-los inchar
Como se previa assim que o SCP começasse a encontrar jornadas do Campeonato Nacional com maior grau de dificuldade é que as suas capacidades seriam testadas. O calendário do SCP, muito desigual, porque complicado de início e muito complicado no final, permitiu que a comunicação social fosse moralizando o plantel e entusiasmando os adeptos, cada vez… em menor número. Como vai ser, agora, em que nas três últimas jornadas da primeira volta os sapóides vão jogar com três equipas cujos clubes estão classificados na metade superior da tabela classificativa (2.º, 5.º e 8.º lugar), incluindo uma deslocação à “Pedreira” e uma recepção aos andróides. Completamente ao contrário do nosso calendário, teoricamente, mais fácil, com um jogo muito complicado (12.ª jornada, nos Barreiros, frente ao 4.º classificado) e três mais fáceis (10.º, 14.º e 15.º lugar). 


Um clube em decadência acentuada
E as dificuldades para o SCP prolongam-se – apesar do calendário facilitado no seu grupo da 5.ª Taça da Liga – em finais de Janeiro e início de Fevereiro, ou seja, no início da segunda volta, com deslocações a dois recintos de clubes que foram conquistar pontos ao estádio sportinguista: SC Olhanense e CS Marítimo. Vamos esperar… mas surpreendia-me se na 18.ª jornada o SCP não estiver, pelo menos, a 10/ 12 pontos do “Glorioso”!

Já estão a… onze…. E ainda não jogaram em Olhão e nos Barreiros.

O Sporting CP vai pagar no futuro, com juros, a subserviência ao FC Porto após o Projecto Roquette, em 1999/2000. No início “lucraram” ficando à frente do Benfica, mas no futuro seria sua ruína. Como está a ser… O PdC deu-lhes o “Beijo da Morte” final.
9 comentários
comentários
  1. era isso, se nao existisse lei.
    a lei é clara, cada clube tem o direito de negociar com quem quiser.
    o Benfica negoceia com quem quiser, ninguem negoceio contratos para o Benfica, o Benfica fá-lo sozinho.
    o Benfica não é obrigado a participar em colectivos e não esquecer que há sempre a opção Benfica tv.
    o Benfica só sai prejudicado nos direitos de transmissão se quiser.
    e essa das negociaçoes colectivas, nao será pra já, e o Benfica tem que negociar as transmissoes já, pois o contrato existente acaba esta epoca.
    essas coisas não afectam o Benfica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atenção:

      1. A lei actual (negociação dos direitos televisivos por clube) é válida até que numa AG da Liga a maioria vote outra lei que obrigue os clubes a cederem os direitos televisivos à Direcção da Liga ou a uma qualquer Comissão legalmente constituída para tal;

      2. O contrato do "Glorioso" é válido até final da temporada de 2012/13 (ou seja não acaba nesta época... mas na próxima);

      3. Os contratos do FCP e do SCP acabam em final de 2017/18;

      4. Em Outubro de 2012 há eleições no Benfica. Ainda com o contrato actual em vigor. O fecho do negócio antes das eleições vai condicionar as contas da SAD a partir de 2013/14, ou seja, a decisão dos dirigentes actuais, que podem não continuar depois de Outubro de 2012, vão condicionar a gerência eleita em 2012 para contratos a entrarem em vigor seis meses depois das eleições Um novelo.

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. Excelente poste...como sempre !!!

    ResponderEliminar
  3. angolanovermelho16/1/12 01:45

    ...os inquilinos mudaram de casa, o mobiliário é diferente mas os odores são os mesmos.
    Nos quartos vão dormir os mesmos, na sala de jantar os comensais mantêm as mesmas cadeiras, na cozinha serão cozinhadas as mesmas iguarias com os mesmos condimentos.
    Muda o continente, mas o conteúdo é o mesmo.
    ...na casa abandonada, o novo inquilino conhece muito bem o senhorio e como este não gosta que se danifique o edifício, já que em tempos de crise, as obras podem custar caro e o graveto não abunda. A água e a luz estão em atraso, o telefone vai ser cortado, o jardineiro, o motorista e a empregada doméstica dizem que já não recebem há algum tempo, os filhos queixam-se que a semanada já não é a mesma.
    Desculpem, pensei que estava no documento onde estou a escrever um romance, mas já que levantei um pouco o véu, não vou defraudar as expectativas...
    Romances à parte, são sobejamente conhecidas as pretensões do Benfica nos direitos desportivos e o Benfica deverá saber muito bem o que se pretende fazer nesta matéria.
    Estatísticas muito recentes (e não só), têm mostrado as audiências que o Glorioso gera nas tvs e desde 1904 que arrastamos multidões e o que isso representa para os clubes que visitamos. E isto são euros, que aos olhos dos nossos concorrentes... nem pensar!
    É bom que se lembre que os nossos direitos desportivos representam no mínimo, quarenta milhões. O Benfica não pode perder este jogo...
    Saudações Benfiquistas

    ResponderEliminar
  4. pensei que o contrato acabaria ja nesta epoca, assim sendo, mantenho a minha, ninguem pode obrigar o Benfica a ceder o direito das transmissoes, o Benfica pode a qualquer momento decidir (e por no papel) que os seus jogos passam a ser transmitidos pela Benfica Tv e ninguem pode fazer nada.
    em relação às eleições, tudo indica que a direcção vai continuar, por isso é um cenário que praticamente não se coloca, mas mesmo que não continuassem, cabe a eles faze-lo, defendendo sempre os superiores interesses do Benfica.
    pra que esperar? assim o Benfica nao se sujeita a acordos colectivos, quanto mais rapido melhor.
    a nivel desportivo nao me parece que seja muito relevante, pois se ate agora pagaram pouco e o Benfica está como está (fortissimo), mesmo com contratos colectivos o Benfica iria receber sempre mais do que recebe agora, logo daí a nivel desportivo nao faz diferença.
    claro que quanto mais receber, mais verbas têm para se fortaleceram, mas pelo que têm recebido e pelos resultados desportivos, ja se vê que uma coisa não tem nada a ver com a outra.
    o Benfica nao depende do dinheiro das transmissoes, o Benfica nao fica afectado com isso desportivamente.
    claro que deveria receber o que tem direito e merece, mas mesmo que nao recebesse, isso em nada afectaria.

    "Na entrevista do oliveira no outro dia, a ideia chave que tentaram passar foi a de que em tudo mandam, e que LFV e o Benfica não têm qq poder. Que eles escolhem tudo e todos e os clubes aceitam porque dependem deles, dependem do dinheiro das transmissões televisisas.

    Só que o problema é que, no caso do Benfica, isso não é verdade! Há muito que não é verdade, pois essas receitas não representam mais do que 10.15%, o que é inferior às receitas da quotização e bilhética (39,34%), publicidade (17.14%) e prémios da UEFA (16%).

    Num passado recente (4 a 5 anos), as receitas televisivas eram bem mais importantes para o Benfica. Representavam entre 20 a 25% do total de receitas. Mas com o excelente trabalho feito pelos dirigentes do clube e da SAD, outro tipo de receitas cresceram de forma sustentável e hoje poderiamos perfeitamente sobreviver se ficassemos sem os cerca de 8 milhões que a Olivedesportos nos paga, bastando para isso vender um jogador de 2ª linha do plantel ou investir um pouco menos nas contratações.


    Dependência do dinheiro das transmissões televisivas??? Essa mensagem não é para nós, de certeza. Somos os que recebemos menos e no final somos os que temos as maiores receitas operacionais."



    mas claro, queremos um Benfica cada vez mais poderoso, por isso a importancia de conseguir que paguem muito mais do que têm pago pelos jogos do Glorioso.

    ResponderEliminar
  5. ...o gajo está a soldo da Olivedesportos!
    Afirmou isso para alarmar o Benfica fazendo com que aceitemos a proposta do Oliveira para evitarmos a negociação colectiva.
    Mas enfim, é como dizes, eles agora jogam para ganhar de qualquer forma...
    DeVante

    ResponderEliminar
  6. Ops! Desculpem... Esquecemos que falar de jogos de bastidores para a sporttv é como falar um palavrão.

    ResponderEliminar
  7. Ou seja: para diminuir a resistência dos benfiquistas à tese da sporkttv, nada melhor que esconder no texto a informação[aliado do fcport ,mesmo sendo eu dos largatos] mais importante, que aparece perdida entre inúmeros apupos e sentenças indignadas dos benfiquistas reais..

    ResponderEliminar
  8. As redações estão cheias de militantes dessa laia "jagunça", cuja menor preocupação é transmitir a verdade desportiva!..... basta ver ou ler AS tvs dessas midias...

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail