A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

27/07/2016

3 de Maio de 1949

27/07/2016 + 6 Comentários API
O TORINO FC ESTÁ JUNTO DE NÓS. 



ESTÁ EM CASA. BEM-VINDOS AO ESTÁDIO DO SPORT LISBOA E BENFICA.


Que seja um dia de alegria. Um dia que honre o Grande Torino de 1949.



Manhã
Da formação habitual do AC Torino registou-se apenas uma alteração no defesa-esquerdo com Martelli a substituir Moroso. Depois de pequenos exercícios nos jardins do Hotel do Parque estava tudo pronto para o grande jogo. 


A formação habitual do AC Torino com Moroso no lugar de Martelli

Tarde
Às 18 horas iniciou-se aquele que seria um grande jogo com sete golos (4-3) e também o derradeiro encontro do Grande Torino. Que mostrou o porquê de ser grande!



O Último Onze do "Il Grande Torino". Da esquerda para a direita. De cima para baixo. Livesley (treinador inglês), Castigliano, Ballarin, Rigamonti, Loik, Mazzola (capitão), Bacigalupo e Egri Erbenstein (director desportivo do Torino); Martelli, Menti, Grezar, Gabetto e Ossola 

O excelente Onze do Glorioso. Da esquerda para a direita. De cima para baixo. Jacinto, Moreira, Fernandes, Félix, Francisco Ferreira (capitão), Hipólito (massagista) e Contreiras; Corona, Arsénio, Espírito Santo, Melão e Rogério


O árbitro inglês e os capitães: Mazzola e Francisco Ferreira



Crónica do Jogo



Primeiro quarto-de-hora (0-15)
O AC Torino deslumbrou nos primeiros minutos exibindo tudo aquilo que se dizia ser o seu jogo. Defesa sólida, dura quase intransponível. Meio-campo criativo e tacticamente exigente fazendo as compensações de modo a auxiliar a defesa e fornecer a linha avançada. Esta era poderosa e rápida como se não houvesse segredos. O expoente máximo que o futebol atingira em quase um século de existência (26 de Outubro de 1863 à formação progressiva do plantel do AC Torino entre o início e meados dos anos 40 do século XX).



Segundo quarto-de-hora (16-30)
O Benfica agiganta-se perante tamanha qualidade pondo em campo aquilo que nos caracterizava desde a fundação. A genica. Nunca dar um lance por perdido e muito menos aceitar a derrota de ânimo leve.
 - 

Terceiro quarto-de-hora (31-45)
A terminar a primeira parte assistiu-se a um jogo de "parada-e-resposta". Os italianos com um futebol  mais elaborado e o "Glorioso" a aproveitar com inteligência os espaços deixados livres. Moreira e Francisco Ferreira gigantes no meio-campo defendendo com denodo e os dois interiores (Arsénio e Melão) sempre em movimento procurando espaços para contra-atacar servindo os três avançados que jogavam a toda a largura do campo.



Intervalo
Estava acordado que os guarda-redes podiam ser substituídos durante todo o encontro, mas os três futebolistas "de campo" apenas até ao início da segunda parte. Segundo a Imprensa portuguesa o Benfica fez a substituição do guarda-redes e de mais um futebolista. Os italianos já tinham realizado uma substituição durante o primeiro tempo.



Quarto quarto-de-hora (46-60)
O primeiro quarto-de-hora ficou marcado pelo facto do Benfica não ter cumprido o acordo pré-estabelecido. Para não ficar a jogar 40 minutos com dez futebolistas fez entrar Vítor Baptista para o lugar do lesionado Julinho. Incompreensível num Clube de valores e princípios acima de toda a suspeita. Respeitado por se dar ao respeito. Em 1949 era assim! Compreensível perante o poderio do adversário. Era goleada pela certa. Mesmo a vencer por 3-2. Em 40 minutos ia ser um sufoco. A quebra do pacto de honra só se justifica porque o Benfica mostrou ter medo do adversário. e quebrou o compromisso. Não sendo um gesto correcto serve para elogiar o AC Torino. O poderio. Eu como adepto, em 2016, peço desculpa (vale apenas isso, simbolicamente) ao AC Torino pelo facto do Benfica não se ter portado à altura. Mas voês eram muito fortes. Fortes de-mais! 


Quinto quarto-de-hora (61-75)
Foi um quarto-de-hora em que o Benfica praticamente só defendeu. O adversário procurava o empate a três golos. E ia apertando o "cerca" à Gloriosa Baliza. Mesmo Vítor Baptista (a avançado-centro) entrou mais para batalhar que para tentar ampliar a vantagem para 4-2. Foi um sufoco que só não deu, provavelmente, resultados porque Mazzola estava inferiorizado. E só aceitou jogar por respeito a Francisco Ferreira. Mas na segunda parte era um futebolista "a menos". Era quase dez contra onze!


Sexto quarto-de-hora (76-90)
E foi a aproveitar o ataque desenfreado, ansioso do adversário que Rogério começou a ter espaço para fazer o que mais gostava. Apanhar o marcador directo "em contra-pé" ganhar-lhe em velocidade e alvejar a baliza. O guarda-redes Bacigalupo mostrou porque era considerado o "melhor do mundo" nessa posição específica de defender uma baliza. "Tantas vezes o cântaro vai à fonte que lá fica"! E assim foi. Num contra-ataque Rogério aumenta a vantagem para 4-2 com cinco minutos para jogar. Estava encontrado o vencedor. O poderoso AC Torino ainda reduziu de grande penalidade. Mas a vitória não fugiria ao "Glorioso"



E no final................................................
No final, a Taça "Olivetti" foi nossa. Francisco Ferreira e Mazzola. O Grande Torino (apesar da frustração de uma derrota inesperada perante uma equipa inferior mas superior durante 90 minutos) gentis como só os grandes campeões sabem. Só merece ser campeão quem sabe perder. O Grande Torino sabia! Por isso era um grande campeão. E de que maneira! Viva o Grande Torino. Ele viverá eternamente no Benfiquismo


Para os italianos houve mais uma substituição  no AC Torino (clicar)


NOTA:
1. Os italianos referem duas substituições mas os jornais portugueses apenas uma (Gabetto por Bongiorni, aos 30 minutos). Como apenas me interessaram as equipas do SLB nunca liguei a este desfasamento. Mas agora tenho curiosidade em saber. O AC Torino utilizou 12 ou 13 futebolistas. Pode sr que em Itália alguém consiga consultar os jornais italianos para saber os minutos da suposta substituição de Castigliano por Fadini.
2. É compreensível os nomes dos Gloriosos Futebolistas estarem mal escritos e a substituição de Vítor Baptista ter sido para o lugar de Júlio/Julinho e não para o lugar de Corona. O Benfica era praticamente desconhecido em Itália. A conquista da Taça Latina seria na temporada seguinte. E aí tudo mudou!

Noite
O Benfica presenteou a delegação do AC Torino com um grande jantar para agradecer a disponibilidade de um clube que muitos diziam ter o melhor plantel de Futebol do Mundo!

(Clicar em cima da imagem para melhorar a visualização)





De todos resta o nosso decano. Rogério Lantres de Carvalho. A caminho dos 94 anos, com 100 à vista!





Para Sempre
O reconhecimento de Francisco Ferreira. Nunca mais esqueceu aquele momento de alegria que depois se fez triste!


Até ao final dos seus dias, em 1986, Francisco Ferreira - falei meia dúzia de vezes com ele, pelo menos duas acerca do Grande Torino - nunca mais se esqueceu do horror de perder tantas vidas para o virem homenagear. Francisco Ferreira passou a ser também uma vítima. A vitimizar-se. Foi assim que teve de acontecer. Lá no Quarto Anel vão estar todos os 25 futebolistas juntos a cintilarem do infinito rumo à Catedral. Mas jogaram 26. Pois mas há um que ainda está entre nós. Rogério Lantres de Carvalho. Há vida passados quase 70 anos. Ele conduz a Chama Imensa de todos os outros!
Foto obtida em casa de Rogério Lantres de Carvalho, popularmente e "mundialmente" conhecido por "Pipi" (marcou o 4-2 em 3 de Maio de 1949) em 25 de Julho de 2016. Grande campeão. É um prazer continuar a falar com o Senhor Rogério acerca de futebol, das "miúdas" (não é Pipi por acaso), de carros (foi o maior vendedor da Ford em Portugal nos anos 50) e de outros temas. O nosso Rogério é uma enciclopédia e faz frases deliciosas. Como adágios. Um dia destes publico as dezenas de frases que ele vai fazendo. E faz o favor de me dar. A caminho dos 94 anos! 

É assim que o «Em Defesa do Benfica» quer terminar esta série dedicada à estadia do Grande Torino. Com a alegria. O último dia de felicidade de um grupo dos melhores futebolistas que já pisaram os campos de futebol em Portugal e não só! Celebrar a Vida!

Viva o Il Grande AC Torino. Bem-vindo Torino FC.

Alberto Miguéns


6 comentários
comentários
  1. Grande série de artigos. Ficou ilustrado de forma excelente uma visita com mérito e classe no campo desportivo e no campo social. Os Italianos do AC Torino eram grandes Senhores do futebol. Quem sabe se teriam ainda uma palavra a dizer na Taça dos Campeões Europeus desafiando a hegemonia inicial do Real Madrid. Certo é que alguns dos homens do AC Torino já tinham alguma idade. Mas, ainda assim é certo que o Real Madrid acabou por ter alguma fortuna dentro do seu enorme mérito da conquista da série de 5 Taças dos Clube Campeões Europeus. Não teve como oponente o AC Torino nem o Honvéd da Hungria, equipa despedaçada com a invasão soviética.

    Uma palavra de gratidão aos bravos Italianos, à sua generosidade e classe. Custou-lhes a vida mas para sempre ficam nos nossos corações. Que amanhã seja um momento de comovida exaltação de tantos campeões já partidos deste mundo. Os saudosos Italianos, o saudoso Francisco Ferreiro e companheiros (felizmente Rogério ainda está connosco) e do King. Em honra do nosso King!

    Obrigado

    ResponderEliminar
  2. Deixo esta mensagem para agradecer os excelentes artigos sobre este tema.
    Há alguns anos que tenho conhecimento desta tragédia e que torço pela equipa do Torino.
    Agora ainda mais.
    Não sei qual o peso desse desastre sobre o clube actualmente. O que é certo é que eram o clube mais titulado de Itália e depois do acidente apenas por uma vez foram campeões.
    Espero que voltem a reerguer-se e voltem a ser o Grande Torino.

    Deixo uma pergunta agradecendo desde já, se o Alberto tiver a amabilidade de responder.
    O Benfica já foi jogar a Turim algumas vezes, algumas recentes. Sabe se existe alguma tradição do nosso clube homenagear os malogrados jogadores do Torino, do tipo colocar uma coroa de flores no local do acidente?

    Um bem-haja!
    CP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro CP

      Agradeço as palavras de simpatia.

      Nos anos 60 o Benfica foi duas vezes a Superga (1964 e 1968, quando defrontou a Juventus nas meias-finais da TCCE). Há até uma foto da delegação do SLB junto ao memorial. Já publiquei. Vou encontrar e anexar a ligação.


      Depois perdeu-se essa ida.

      Ultimamente o Benfica tem ido a Superga (ainda na meia-final (Juventus FC) e final da LE frente ao Sevilha FC foi a Superga).

      Eu se fosse dirigente do SLB arranjaria maneira de conseguir que alguém fosse, todos os anos, em 4 de Maio a Superga depositar uma coroa com 31 rosas vermelhas!

      TRIsaudações

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  3. A última vez que publiquei a fotografia foi em 26 de Junho de 2016:

    http://em-defesa-do-benfica.blogspot.com/2016/06/torino-fc-no-trofeu-eusebio-excelente.html

    ResponderEliminar
  4. Alberto Miguéns:

    Vi agora, no "relato" do que foi acontecendo durante o jogo com o Torino que o meu amigo Henrique Pinto Machado também participou no encontro, facto que eu desconhecia.
    Conheci o Pinto Machado mais pelos feitos conseguidos no remo da As. Naval 1º de Maio onde foi campeão nacional por diversas vezes e chegou inclusive a ganhar um campeonato ibérico, embora naquele tempo estas provas entre portugueses e espanhóis não tivessem um carácter muito oficial. Para o seu tempo Pinto Machado era um excelente atleta, pois praticava em simultâneo futebol, remo e basquete, trabalhando ao mesmo tempo com torneiro mecânico nas oficinas dos irmãos Varanga na Figueira da Foz.

    Bom espectáculo para logo.

    Um abraço

    Luis Belot Fernandes

    ResponderEliminar
  5. Caro Alberto,

    Coloquei em destaque no meu blog esta sua série de artigos sobre o Torino de 1949 e a sua relação com o Benfica.

    Soube hoje ao lê-lo, com pena, que não respeitámos as regras acordadas para esse encontro com aquela substituição. O próprio Francisco Ferreira, capitão, poderia ter "relembrado", mesmo que custasse o resultado. Compreendo que era de facto uma imparável equipa este Torino (como nunca se conseguiram reerguer!) - espero que a homenagem hoje seja grandiosa, dentro e fora do campo.

    Cumprimentos,
    Isaías

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail