A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

11/10/2015

Má Sorte Ser Rigoroso no Benfica

11/10/2015 + 5 Comentários API

QUANDO SE COMPARA A INFORMAÇÃO ACERCA DO FUTEBOL QUE ESTÁ PUBLICADA OS ERROS SÃO TANTOS QUE…



Começo a recear que um dia já nem eu dê importância à aldrabice. Torna-se hábito. É a vida… O que impressiona é a semelhança (igualando-se em erros e nos mesmos) entre a informação do Almanaque e do zerozero! Quais Dupond e Dupont!

Aqui há dias publiquei dois textos
Um até foi ontem acerca de Arsénio (clicar) e outro acerca de Félix (clicar). Como gosto de comparar a minha informação com outra já existente apanhei assim, como do nada, dois erros que alteraram a história do Clube. E da responsabilidade dos actuais (ir)responsáveis pelo Clube.

O primeiro é acerca de Eusébio
Quem “almanacar” ou “zezozerocar” vai pensar (com toda a razão) que este quadro está mal feito. E está porque o Almanaque é Produto Oficial do Clube.

CINCO GOLOS DO SL BENFICA MAIS RÁPIDOS NO CAMPEONATO NACIONAL
Futebolista
Min.
Época
Res.
Adversário
Sit
 Arsénio
27
1950/51
V 7-0
GD Estoril Praia
F
 Eusébio
37
1967/68
V 8-0
Varzim SC
C
 José Águas
41
1956/57
V 6-0
GD CUF
C
 Eusébio
44
1969/70
V 8-0
Boavista FC
C
 Eusébio
45
1963/64
V 10-0
Seixal FC
C
NOTAS: 1. Eusébio oficialmente “gastou” 42 minutos em 1967/68 para marcar cinco golos. Na realidade (pela maioria dos jornais gastou 37); 2. Em relação aos três outros valores não gastei tempo a almanacar e zezozeroar!



RESUMO DOS JORNAIS (1967/68)
Golos
Mundo
Desportivo
A Bola
O Benfica
Record
1.º
52
52
52
52
2.º
62
63
62
63
3.º
79
80
79
80
4.º
82
82
82
87
5.º
89
89
89
90


Jornal "O Benfica"; Página 5; 14 de Maio de 1968
Toca a despachar
Quem fez a recolha da informação percebe-se que foi sem critério. Deve ter consultado apenas o “Record” (o jornal onde os Tovares trabalhavam) despachou os minutos, entendeu que o último era ainda o 89 e seguiu para outra. Só que ninguém consegue enganar a Gloriosa História. Nem os Tovares, os zerozeros ou os marquetingueiros do SLB que aprovam tudo o que cheire a euros!

O segundo envolve a notável recuperação de um resultado de 0-1 para 2-1
Quando fiz o texto acerca do “Caso Félix” deparei-me com uma incongruência. Sabia que o jogo em “casa” frente ao SC Braga tinha sido complicado, mas não tanto como o Almanaque e o zerozero faziam crer: que o Benfica apenas nos dois últimos minutos teria passado de vencido a vencedor. Ao contrário daquilo que a minha informação indica que a recuperação (1-1) tinha começado aos 78 minutos.


RESUMO DOS JORNAIS (1953/54)
Golos
Mundo
Desportivo
A Bola
Diário de
Lisboa
O Benfica
(2)
Record
(2)
0-1
?
37
37
-
-
1-1
78
78
(1)
-
-
2-1
?
88
88
-
-
NOTA: (1) À entrada do último quarto de hora/ Depois dos 75 minutos; (2) Os jornais “O Benfica” e “Record” não discriminam os minutos



Parece mais difícil errar que acertar
Como foi possível inventar um golo para José Águas aos 88 minutos e para Du Fialho aos 90? Teria sido mais fácil colocar a informação correcta e não enganar os leitores!

Trapalhões encartados
O que impressiona é a facilidade com que se detectam/encontram erros no Almanaque e no zerozero. Não é preciso andar à procura. Eles caem-nos a ritmos impensáveis. Só prova que na Gloriosa História a mentira tem perna curta. E quando são aos milhares a mentira parece-se como folhas no Outono. Tombam com facilidade.

Há 30 anos nunca pensei
Que tendo cuidado em verificar a informação em mais de um jornal (três tinham de dar a mesma versão dos acontecimentos) ocupando mais tempo, muito mais, que chegar, copiar e andar, copiando de apenas um, um dia, três décadas depois teria de continuar a gastar mais tempo e dinheiro para justificar os erros de quem gastou muitíssimo menos tempo e poupou dinheiro. Eu, nos anos 80, só gastei tempo porque ocupei-o por paixão. Outros pouparam dinheiro porque gastaram muito menos do que deviam para terem a preocupação de não vender mentiras aos compradores. Ora bolas. Má sorte ser Benfiquista. E interessar-se pela Gloriosa História. E querer honrar os ases que nos honraram o passado.

Só em digitalizações. Fora o tempo gasto (que também é dinheiro) para deslocações e ate compor este texto no blogue para que seja entendido o que também não é fácil. Para os autores do Almanaque (e do zerozero) poderem ser trapalhões e cobrarem "uns euros" há quem seja obrigado a aliviar a carteira. Para além de ter ocupado uma "posta" no blogue com este assunto que devia de ser inexistente. E estaria aqui a falar de outro assunto bem mais interessante acerca do Benfica!

Aldrabar (I)
Há uma impossibilidade evidente na própria existência do Almanaque. É que sabendo-se do processo moroso nunca será possível fazer um trabalho decente de recolha apenas com objectivos comerciais. Porque jamais quem o fizer será financeiramente recompensado. É uma impossibilidade. Um trabalho criterioso de recolha da informação é demasiado moroso (por isso dispendioso) para que seja feito com intuito comercial. Foi esse o erro crasso dos dois sportinguistas Rui Tovar (pai) e Rui Tovar (filho). Pensar que podiam vender aos Benfiquistas uma recolha dos jogos do “Glorioso”. E venderam. Só que numa recolha “às três pancadas, rápida e atabalhoada” para embaratecer os “custos de produção”. Mesmo com custos em 15/20 mil erros. Que viciam a história.

Aldrabar (II)
E hoje os erros até são pormenores (minutos) pois o motivo é esse. O “tal” recorde de menos tempo para marcar cinco golos nos campeonatos nacionais. Muito mais grave são as trapalhadas de atribuição aos futebolistas de títulos (a mais e a menos), épocas (a mais e a menos), jogos (a mais e a menos) e golos (a mais e a menos), por exemplo.

Agora
Por enquanto nada se pode fazer a não ser esperar. Os dirigentes do Clube com responsabilidade em poder resolver este assunto – corrigir erros que provocam injustiças – não têm sensibilidade para isso. Entre cinco minutos a mais e cinco euros a mais, optam pela segunda.

Futuro
Esperar que num dia, quanto mais próximo possível melhor, surjam no “Glorioso”, Benfiquistas que pensem como eu e muitos dos leitores deste blogue. O que está certo é o que deve ser dado como certo. O que está correcto é o que deve ser transformado em informação prestada. Para não enganar o futuro e honrar o passado.

Um dia, acredito, será possível dar rigor (e verdade) à História do “Glorioso”

Alberto Miguéns

MANUAL DE SOBREVIVÊNCIA ATÉ AO JOGO COM O SC VIANENSE
(provisório como é evidente)
De 12 de Setembro a 16 de Outubro de 2015 (Sempre pela meia-noite)
Segunda-feira (de 11 para 12): Vai-te catar, portista!;
Terça-feira (de 12 para 13): O Lar dos Jogadores; 
Quarta-feira (de 13 para 14): Os treinos com Otto Glória;
Quinta-feira (de 14 para 15): O Campo Grande como nunca o viu;
Sexta-feira (de 15 para 16): O “Glorioso” e o SC Vianense
5 comentários
comentários
  1. Caro Alberto:
    São os sinais dos tempos!
    Se na vertente do desporto, de propósito ou não, por dinheiro ou por simples incompetência, se erra assim, se altera a história, como não serão nas outras vertentes da sociedade?
    A nível laboral, debato-me com o mesmo problema.
    A falta de rigor, o riscar a verdade, o polir a mentira.
    E, no final, eles é que ganham, como você bem diz, pela repetição da canalhice e pelo baixar dos braços de quem ainda tem coluna e memória!
    Viva o Glorioso!

    ResponderEliminar
  2. Mais nada...

    Já agora Alberto, e porque não o sei, qual foi o critério para escolherem os tovares como"construtores do almanaque?

    Em relação ao bolerolero (muita música dão eles - azulados), já lá deixei comentários quanto baste para que eles corrijam os erros... Mas é como o Alberto diz: Demora tempo e dinheiro. Qualquer dia, o doping do porto (clube) era afinal cal!

    Saudações Gloriosas

    ResponderEliminar
  3. Caro Alberto, da minha parte agradecimentos e votos de que nunca baixe os braços...《Para não enganar o futuro e honrar o passado.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  4. Aldrabices e inverdades a passarem pelo pente fino do Miguéns? Isso é que era bom....

    Tal como no dia 16 de Dezembro de 1383 o povo de Lisboa aclama o Mestre de Avis Regedor e Defensor do Reino, os Benfiquistas aclamam o Alberto Miguéns como Defensor da nossa Gloriosa História!!!

    ResponderEliminar
  5. Este sim é um sítio que vale a pena visitar com tempo.
    Fiquei fã!
    Os meus parabéns e os meus sinceros agradecimentos!

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail