Estreia de Trapattoni 15
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o SL Benfica e a sua Gloriosa História. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

17/07/2019

Estreia de Trapattoni 15

17/07/2019 + 2 Comentários
HÁ 15 ANOS, COM A HABITUAL EXPECTATIVA DE SE SAGRAR CAMPEÃO NACIONAL O BENFICA INICIOU A ÉPOCA 101.



Após dez temporadas consecutivas de insucesso no campeonato nacional, entre 1994/95 e 2003/04, a chegada de um novo treinador manteve a esperança no regresso aos títulos de Campeão Nacional. Giovanni Trapattoni era um treinador experiente, em idade (65 anos) e títulos/jogos, como futebolista (entre 1957/58 e 1971/72) e treinador (desde 8 de Abril de 1974...)


Álvaro Magalhães (adjunto) e Giovanni Trapattoni

Estreia em 17 de Julho de 2004 
Com o estágio em Nyon (Suíça) a iniciar-se em 9 de Julho, o Benfica demorou oito "longos dias" a iniciar a temporada. Em 17 de Julho, há 15 anos, no estádio do adversário, em Carouge/Genebra, o «Glorioso» derrotou, por 2-0, o Étoile (Estrela) Carouge FC. Percebeu-se logo o "perfil" do treinador que aliás só veio confirmar o que já se sabia dado o conhecimento que havia de uma das maiores figuras de sempre do futebol mundial, como treinador ou futebolista, só que neste caso não tão "estridente" por ser defesa ou médio defensivo em vez de avançado goleador. Cauteloso e prudente, "apalpando terreno para não perder o pé" mostrou logo o que queria e como o fazer. Mesmo no jogo de estreia frente a um adversário modesto, tendo os oito principais futebolistas do plantel em período de férias, devido ao «Euro'2004» (até Luisão devido à «Copa América»), apenas fez seis substituições, todas depois dos 59 minutos e nenhum "reforço" para 2004/05 substitui quem já estava no Clube. Todos os seis titulares substituídos, desse onze que iniciou a temporada, já estavam no plantel, em 2003/04, época de consagração com a Taça de Portugal. Sabedoria adquirida em muitos anos a treinar em campeonatos distintos (orientando clubes de Itália e Alemanha) e competições exigentes (seleccionador nacional de Itália). Eis o jogo e suas ocorrências:

GR: Yannick;
Def: Amoreirinha (2-0, aos 22 minutos), Argel (II cap), Ricardo Rocha (88/João Fonseca) e Eduardo Simões (74/Hélio Roque);
Méd: Paulo Almeida; João Pereira, Geovanni (59/Manuel Fernandes) e Bruno Aguiar (65/João Vilela);
Av: Sokota (1-0, aos 12 minutos; 65/Mantorras) e Zahovic (80/João Coimbra).   


Ricardo Rocha e Luisão

Pré-época
Com a integração dos oito futebolistas que estavam de férias o Benfica faz a habitual pré-temporada com sete jogos, correndo mal a Supertaça (com o FC Porto) "como se esperava" e a pré-eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões frente ao... RSC Anderlecht! Depois o Benfica (e Trapattoni) têm o primeiro "aviso" logo na primeira jornada, em Aveiro, com o Benfica a vencer, por 3-0, até aos 62 minutos o jogo termina com o Benfica "encostado às cordas" a sofrer para segurar o 3-2 final.  


Em 17 de Outubro de 2004 (7.ª jornada) mais do mesmo pelo árbitro Olegário Benquerença. Vítor Baía depois de "comer um pato" de Petit dá "descanso" ao árbitro auxiliar da baliza Sul da "Catedral" obrigando a uma vitória, por 0-1, do FC Porto, depois do golo do Benfica que não valeu!

A primeira parte da temporada foi mais do mesmo (pré-Apito Dourado)
Quando tudo parecia indicar que o campeonato português estava na mesma como a lesma eis que rebenta o escândalo do «Apito Dourado». Quando terminam as 17 jornadas iniciais, o Benfica era claramente o melhor, só que na tabela classificativa havia uma liderança tripartida (SL Benfica, Sporting CP e FC Porto) com 31 pontos em 17 jogos, a 17 de Janeiro de 2005, final da primeira volta. Mas... eis que chega o início de Abril e rebenta a bomba... até no «Jornal de Notícias» (clicar) de Joaquim Oliveira e companhia.




A segunda parte da temporada foi diferente do habitual (pós-Apito Dourado)
O FC Porto foi perdendo pontos, com o árbitro Pedro Proença a tentar o tudo-por-tudo para o Sporting CP ser campeão, em 7 de Maio de 2005, na 32.ª jornada, em Penafiel, num jogo que o devia envergonhar pela Eternidade. Na jornada seguinte, ao Sporting CP, na «Catedral», chegava um empate para ficar na liderança a uma jornada do final, recebendo o CD Nacional (12.º classificado) no seu terreno, no topo do Campo Grande. E nesse memorável 14 de Maio de 2005, esteve quase...


Em 14 de Maio de 2005, Luisão aos 84 minutos coloca o Benfica a depender apenas da sua vitória, frente ao Boavista FC, no estádio do Bessa (Porto) na 34.ª e última jornada.

Com 80 anos, completados em 17 de Março de 2019 
Pois Giovanni Trapattoni nasceu, em 1939, a temporada de 2004/05 merece um destaque mais desenvolvido neste blogue por aí num Futuro próximo.



Obrigado Trapattoni

Alberto Miguéns

2 comentários blogger
comentários facebook
  1. Mas já antes de Abril tinham acontecido "coisas". Exemplos: no 0-4 do Porto com o Nacional, o árbitro anulou um golo ao Porto quando o resultado era 0-1 (impensável antes); no 0-1 do Porto com o Boavista o bandeirinha (Delacroix) expulsou o MaCarthy ao intervalo (impensável antes). A intervençāo do Vieira e do Veiga no final do jogo do Olegário terá tido algum impacto? (no Proença percebemos que nāo teve). Nesse jogo pior que o golo anulado foram os pênaltis nāo assinalados. O do Seitaridis...ficou no top igualado mais tarde pelos socos na bola do Rodriguez (Lucílio Baptista) e do Mangala (Soares Dias)

    ResponderEliminar
  2. No meio te tanta confusão quer na direção no staff no plantel ou mesmo no campeonato e com um plantel fraco foi o único que soube limpar e organizar a casa. Acreditou sempre que no fim se chegaria a bom porto. E foi Campeão!
    Muito Obrigado!

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue