Cádis 1963: Deslumbrante - Em Defesa do Benfica
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

31/08/2017

Cádis 1963: Deslumbrante

31/08/2017 + 0 Comentários
A CONQUISTA DO IX TROFÉU RÁMON DE CARRANZA EM 1963 FOI EXTRAORDINÁRIA.


É uma das páginas mais brilhantes da Gloriosa História por isso merece três textos independentes. Este, um pela meia-noite e outro pelo meio-dia (com o esclarecimento e correcção acerca do facto de Eusébio ainda ser, isolado, com 9 golos o melhor marcador do torneio que teve, em 2017, a 63.ª edição.

O Torneio em oito edições tornou-se uma referência do Futebol Europeu (e depois Mundial)
Com o convite aos melhores clubes sul-americanos. Nesta 9.ª edição (1963) os quatro clubes eram dos mais poderosos do futebol europeu no início dos anos 60. O FC Barcelona conquistara as duas últimas edições (1961 (VII) e 1962 (VIII). 



O torneio "inventou" o desempate por pontapés da marca de grande penalidade
Que uma década depois substituiria para a UEFA, o desempate por "moeda ao ar".


Em oito edições nenhum dos 13 clubes não espanhóis conseguiu o que o Benfica conseguiria
Levar para fora de Espanha o troféu (a dois jogos por clube) mais prestigiado do Mundo. E foram 13 clubes de oito países.


Finalmente...dois anos e três meses depois
Os organizadores do torneio conseguiram em Agosto/Setembro de 1963 reeditar a final da VI Taça dos Clubes Campeões Europeus, em Berna (31 de Maio de 1961).



Havia muitos recordes para melhorar (como sempre...)
O jogo com a maior goleada era de 4-0, também a final com maior goleada: 6.ª edição (1960) com o Real Madrid CF a derrotar, por 4-0, o Athletic Club (Bilbau). O jogo com mais golos (nove) era uma das meias-finais da edição de 1969, quando o Real Madrid CF bateu, por 6-3, o AC Milan. O melhor marcador era Di Stefano e Puskas, ambos do Real Madrid CF e ambos com com sete golos (embora Di Stéfano possa ter sete ou oito e Puskas...seis ou sete) e numa final: Puskas, Real Madrid CF (dois golos, em 1959) e Czibor, FC Barcelona (dois golos. em 1961). O melhor marcador num jogo era Di Stéfano com cinco golos num dos jogos das meias-finais em 1959 (Real Madrid CF, 6 - AC Milan, 3).   
Outro era o número de espectadores. A edição em 1959 (V) era a referência com 82 431 pessoas nos quatro jogos. Uma edição que contou com a presença do Real Madrid CF e do FC Barcelona!



O Benfica pulverizou todos os recordes
Todos menos um!


O Benfica é isto!
0 comentários
comentários facebook

Enviar um comentário

Subscrever este blogue