A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

30/08/2016

Sob o Signo das Primeiras Vezes (I: Comboio)

30/08/2016 + 5 Comentários API
É COM MUITO ORGULHO QUE ESTE BLOGUE RECUA 104 ANOS. A PRIMEIRA VIAGEM À CIDADE INVICTA.

De cima para baixo. Da esquerda para a direita. Artur José Pereira, Germano de Vasconcelos, Francisco Viegas, Paiva Simões, Carlos Homem de Figueiredo, José Domingos Fernandes e António Marques; Luís Vieira, Henrique Costa, Cosme Damião (capitão) e Francisco Belas
Se há algo que me orgulha é o modo como verifico há anos como o Benfica era e é (bem) tratado na História dos clubes adversários, sejam eles portugueses ou estrangeiros. A grandeza do Benfica é garantia de poder comprar à vontade histórias de clubes adversários pois sabemos que o "Glorioso" merecerá palavras de elogio. Desta vez publico um texto retirado (digitalizado) da História do FC Porto (1906 - 1956). Mas também na Imprensa, o "Glorioso" foi notícia desde muito cedo. É este o combustível que nunca nos faz parar quando regressamos ao Glorioso passado. E estamos sempre a querer voltar para lá para saber mais... Que orgulho!



Não foi em Coimbra que o FC Porto quis jogar frente ao SL Benfica. Foi mesmo na cidade do Porto!
Em cima: o campo da Escola Agrícola (com as melhores condições) mas pouco utilizado por ficar longe do centro da cidade. Em baixo o campo da Ínsua dos Bentos, o espaço mais utilizado até a Associação Académica de Coimbra inaugurar o campo de Santa Cruz, em 17 de Fevereiro de 1918!

A primeira vez de comboio (27 de Abril de 1912)
O Benfica já tinha viajado de comboio, mas eram viagens curtas, entre o Cais do Sodré, ou mesmo Belém até Carcavelos, para jogar na Quinta Nova, do Carcavellos Club, defrontando este clube de ingleses, mas também o Internacional /CIF) e o Sporting CP. Aliás o primeiro Benfica/Sporting (1 de Dezembro de 1907) foi lá.
A primeira viagem longa - verdadeiramente uma viagem de comboio com horas de duração - foi à cidade do Porto para jogar um desafio (é mesmo a palavra certa) feito pelos dirigentes portistas. E ficou a dever-se à grande qualidade do plantel da temporada de 1911/12 uma das melhores (em termos relativos) da Gloriosa História. É só conhecer e perceber os resultados:


TEMPORADA 1911/12 (em 27 de Abril de 1912)
Competições
J
V
E
D
GM
GS
TOTAIS
19
12
2
5
42
19
Campeonato de Lisboa
5
5
-
-
15
2
Torneio “Taça Portugal” (1)
1
1
-
-
3
0
Particulares nacionais (2)
12
5
2
5
18
16
Particulares internacionais
1
1
-
-
6
1
NOTAS: (1) Torneio organizado pelo CS Império; (2) Entre as cinco derrotas, quatro foram frente ao Carcavellos Club; 
O SLB concluiu o campeonato de Lisboa (6.ª) jornada com uma vitória, por 6-2 (CS Império) e conquistou provisoriamente pela segunda vez o “vaso” nos 3.ºs Jogos Olímpicos Nacionais, após vitória, por 5-1, frente ao CIF/Internacional num jogo organizado pela Sociedade Promotora da Educação Física Nacional (SPEFN), que opunha o campeão regional de Lisboa frente ao 2.º classificado do Regional

A Imprensa de Lisboa começou a designar o Benfica como campeão de Portugal. Os dirigentes do FC Porto "insurgiram-se" (no sentido de terem um pretexto) e o FCP enviou uma carta a Cosme Damião - que se encontra no arquivo do Clube mas ao qual neste momento não tenho acesso, pois digitalizava-a e colocava-a neste blogue, mas um dia destes isso ocorrerá) - dizendo que não reconheciam o Benfica como clube campeão nacional. Para que tal fosse possível teria de se realizar um jogo entre o melhor clube do Sul e o melhor do Norte (FC Porto). Cosme Damião disse que não havia problema em encontrarem-se em Coimbra, na Ínsua dos Bentos, onde em 1912 se jogava futebol "paredes meias" com o rio Mondego, ao longo da margem direita ou no campo da Escola Agrícola. O FCP respondeu que preferia defrontar o SLB no seu campo na rua da Rainha! Cosme Damião disse não haver problema desde que o clube que desafiava e queria jogar no seu campo, pagasse os bilhetes de comboio, ida e volta. E assim foi!


O primeiro campo do FC Porto, entre 1906 e 1913, aproveitando os viveiros da família Monteiro da Costa. O pai era o "Chefe" dos jardineiros na cidade do Porto!

O FC Porto devia saber no que se estava a meter!
O FC Porto estava a colocar-se a jeito sem saber ou com negligência. Talvez a vontade de jogar frente ao famoso Benfica foi-se mais forte, por isso o FC Porto que recebeu o "Glorioso" foi um clube engalanado. Orgulhoso de o conseguir fazer em 1912, quando José Monteiro da Costa tanto quis, mas a sua morte prematura, em 30 de Janeiro de 1911, aos 29 anos, não permitiu ver o sonho concretizado. É que o FC Porto estava a expor-se ao poderio do Benfica. É que ainda nem havia campeonato regional no Porto (a AFP só foi fundada em 10 de Agosto de 1912). Os jogos do FC Porto eram esporádicos, frente a adversários pouco conceituados e numa região com poucos emblemas a jogar futebol. Pelos registos do seu historiador António Rodrigues Teles, o FC Porto, em 1911/12, tinha realizado:


JOGOS DO FC PORTO 1911/12 (até 27 de Abril de 1912)
Data
Competição
Adversário
Res
Campo
Sit
25.Fev
II Taça Monteiro da Costa
Boavista FC
V 7-0
Rua Rainha
C
03.Mar
 Particular 
  nacional
Internacional
D 1-5
Laranjeiras
F
17.Mar
 Particular
 internacional
Vigo FC
V 4-1
Rua Rainha
C
25.Mar
II Taça Monteiro da Costa
Leixões SC
V 4-0
Rua Rainha
C
11.Abr
II Taça Monteiro da Costa
As. Ac. Coimbra
V 5-3
Rua Rainha
C
16.Abr
 Particular 
 internacional
Grand Air Médoc
E 3-3
Rua Rainha
C

NOTAS: Como comparação o SLB venceu, por 6-1, o La Vie Au Grand Air du Médoc (França/Bordéus) e nos jogos “em casa” do Internacional registava: D 1-2 (particular), V 3-1 (Regional) e seria também no campo das Laranjeiras, ou seja, no recinto do adversário, que conquistaria o torneio dos Jogos Olímpicos Nacionais (V 5-1) em 19 de Maio de 1912

Cosme Damião era um metódico. Devia saber dos resultados e dificilmente não estivera no CIF frente ao FC Porto disputado em 3 de Março, na cidade de Lisboa. O FCP estava mesmo a pôr-se a jeito. E os Benfiquistas ansiosos. Já falei desse jogo, o primeiro FC Porto frente ao Benfica, neste blogue duas vezes, em 1 de Janeiro de 2012, a propósito da inauguração da Primeira Casa do Benfica, que foi na cidade do Porto, em 1 de Janeiro de 1950 (clicar) e em 28 de Abril de 2012, a propósito do Centenário do Clássico de Portugal e do motivo pelo qual as camisolas salgueiristas passaram de brancas a vermelhas (clicar) para quem quiser saber mais. Como já vou percebendo que o texto de hoje vai ficar gigantesco deixo "apenas" três documentos: o campo na rua da Rainha onde se realizou o jogo, que foi mesmo um desafio, o balancete das despesas da viagem (suportada em parte pelo FCP) e o que está escrito na História do FCP 1906 - 1956 acerca dele. O "comboio" ainda vai na primeira carruagem e já há texto em "barda"! É o Benfica!


Fotografia digitalizada na página 201 (I Volume); História do Sport Lisboa e Benfica (1904 - 1954); Mário de Oliveira e Rebelo da Silva

Jornais de Lisboa a par do acontecimento
Num misto de notícia e de alerta para a viagem os dois jornais de grande circulação em Lisboa deram desenvolvimento ao acontecimento, em 27 de Abril de 1912.




Seguir no comboio de final da tarde de sábado
Para chegar à cidade do Porto perto da meia-noite de domingo.

Estes eram os horários em 1914. Em 1912 deviam ser muito semelhantes. O "Glorioso" deve ter saído do Rossio por volta das seis horas e meia da tarde chegando à Invicta pelas 23 e 57 se o Rápido "chegou à tabela"

No "Jornal de Notícias"
Noticiou-se o encontro como um jogo a não perder.



Em Lisboa o jornal "Diário de Notícias"
Anunciou a vitória no dia seguinte (29 de Abril de 1912), uma segunda-feira. Os futebolistas devem ter chegado a Lisboa domingo à noite. Quase na segunda-feira. Com o encontro a terminar pelas cinco da tarde deve ter dado para partir de São Bento no Rápido das seis ou seis e meia para chegar por volta da meia-noite a Lisboa. Segunda-feira era dia de trabalho.



Contas feitas, contas certas
E no Benfica sabe-se quando custa e quem paga! Em 1912 sabia-se. E mais de cem anos depois sabemos. Se o Clube é dos associados, os associados devem saber do que é seu!

                         (clicar para visualizar com mais qualidade)


História do Sport Lisboa e Benfica (1904 - 1954); Mário de Oliveira e Rebelo da Silva; Volume I; página 202 (extracto); publicação em fascículos; 1954; Lisboa; Edição dos autores


1910/11 ou 1911/12. 2.ª categoria: De cima para baixo e da esquerda para a direita: Raul do Nascimento, Francisco Pereira, Álvaro Vivaldo, Jorge Rosa Rodrigues, Romualdo Bogalho e Carlos Costa; Virgílio Valente, Reis, Álvaro Gaspar, Rogério Peres e Alberto Rio. Digitalização retirada da página 155 (I Volume); História do SL Benfica (1904 - 1954); Mário de Oliveira e Rebelo da Silva
Uma grande jornada para o futebol português
O "Jornal de Notícias" deu grande destaque ao jogo. Anunciou-o (em 28 de Abril, como se reproduz acima) e fez dele crónica na edição de 3 de Maio. Os jornais em Lisboa não deram grande desenvolvimento à estadia e jogos na cidade do Porto. Mas em "Os Sports Ilustrados" (o mais antigo jornal desportivo em 1912) escreveu-se que os futebolistas do "Glorioso" e a comitiva Benfiquista regressaram cativados pela forma como foram recebidos na Invicta. Uma amizade que durou décadas. Destruída por um arrivista. Entre muitas iniciativas, o Benfica foi inaugurar o campo da Constituição (1913) e o estádio das Antas (1952). O FC Porto deslocou-se a Lisboa para inaugurar a "Saudosa Catedral" (1954). O FC Porto é o Sócio Honorário n.º 27 do "Glorioso" desde 11 de Março de 1955.
Há ainda um registo, alguns anos depois, feito em "A Bola" por um dos primeiros associados do FC Porto e futebolista (extremo-direito) nesse jogo, Camilo Moniz:


 (clicar para visualizar com mais qualidade)



Para o final o texto delicioso retirado da História do FC Porto
António Rodrigues Teles consultou o "Jornal de Notícias" copiando o texto que se reproduz acima. Depois é o registo portista do primeiro grande jogo da sua nobre história. Que fique o registo de quem sabe (Rodrigues Teles) e as palavras do adversário acerca de nós. Embevecidos. Pelo respeito e consideração para connosco.


 (clicar para visualizar com mais qualidade)





História do Futebol Clube do Porto (1906 - 1956); António Rodrigues Teles; Volume I; páginas 267 a 269; publicação em fascículos; 1955; Porto; Editor: Tipografia Marca (Cândido Rocha)

Glorioso Benfica! O Benfica é lindo!

Alberto Miguéns

Previsão para os próximos dias:
31 de Agosto: A primeira vez a atravessar a fronteira de comboio;
01 de Setembro: A primeira vez de barco;
02 de Setembro: A primeira vez de avião;
03 de Setembro: A primeira vez de autocarro;
04 de Setembro: A primeira vez de avião fretado.
5 comentários
comentários
  1. Extraordinário texto.
    A ser lido por Benfiquistas e portistas (que estou certo também aqui vêm parar de vez em quando).
    Tantos e tão interessantes detalhes! Aqueles extractos das despesas da viagem são deliciosos.
    De notar a presença de Joaquim Vidal Pinheiro que morreria em La Lys.
    Nõ constra que tenha havido agressividade depois da cabazada. Outros tempos.
    E esta coisa de vencer o FCP por 8-2 não seria exemplar único. Na inauguração das Antas foi também uma festa.

    Obrigado por este belo naco de história Gloriosa.

    ResponderEliminar
  2. Soberbo artigo, mais um, caro Alberto Miguéns. Gostaria apenas de assinalar que penso, não tendo a certeza absoluta (e peço desde já desculpa pela maçada se estiver enganado), mas penso que as fotografias dos campos de Coimbra estão trocadas e que a foto de baixo é que é a do campo da Escola Agrícola.

    Este artigo avivou-me ainda a memória sobre outra sobre uma série de artigos que o caro Alberto Miguéns iniciou mas, julgo, acabou por não concluir sobre uma sua visita ao Museu do FCP. Ou, pelo menos, não mais os "apanhei" por aqui. Gostaria de saber se continuou esses artigos ou se suspendeu mesmo essa "reportagem".

    Abraço Benfiquista e continuação de um bom trabalho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Igor

      Quanto às fotografias penso que não terá razão. Na de cima há aquela elevação que não existe junto ao rio Mondego enquanto na de baixo vislumbra-se ao fundo as águas do rio.
      Mas pode ser que esteja errado. Vou tentar arranjar fotografias melhores dos dois espaços e depois fazer a troca.

      Quanto ao Museu fiz uma primeira parte (de 3) depois "meteram-se" outros assuntos de actualidade e perdeu-se a sequência. Agora só faz sentido ir lá novamente, tirar fotografias e fazer texto. Quero manter as três partes:

      I. Um Benfiquista visita o Museu do FC Porto;
      II. O SLB no Museu do FCP by BMG;
      III. A História do FCP Vista do Museu.

      Abraço Benfiquista e obrigado pela consideração.

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  3. Se houvesse uma máquina do tempo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António Madeira30/8/16 20:33

      Não sei por que motivo refere isso, mas existe uma máquina do tempo: a memória reconstruída e registada por historiadores sérios cujo único objetivo, sabendo sempre que incorre na utopia da completude, é procurar e revelar essa memória da forma mais fiel possível.

      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail