A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

09/12/2015

Oportunidade Perdida

09/12/2015 + 4 Comentários
ENTRADA TÍMIDA DEU DOIS DE AVANÇO.

1-2 por Mitroglou (Golo-rioso n.º 12 812)


Ainda não foi desta. Os 13 pontos em seis jogos na Liga dos Campeões foram uma miragem.  Até os onze de um empate.

   SLB NA LIGA DOS CAMPEÕES (JORNADA-A-JORNADA)
Época
C
F
C
F
C
Pt
F
C
F
C
F
Pt
FINAL
Clas
Pt
1991/92
-
D
E
-
E
2
E
V*
D
-
-
3
3.º
5
1994/95
V
E
V
-
-
7
E
V
E
-
-
5
1.º
12
1998/99
-
D
V
D
-
3
-
E
-
V
E
5
2.º
8
2005/06
V
D
-
E
-
4
-
D
E
V
-
4
2.º
8
2006/07
-
E
D
D
-
1
-
V
-
V
D
6
3.º
7
2007/08
-
D
D
-
V
3
D
E
V
-
-
4
3.º
7
2010/11
V
D
-
D
-
3
-
V
D
D
-
3
3.º
6
2011/12
E
V
-
V
-
7
-
E
E
V
-
5
1.º
12
2012/13
-
E
D
D
-
1
-
V
-
V
E
7
3.º
8
2013/14
V
D
E
-
-
4
D
-
V
V
-
6
3.º
10
2014/15
D
D
-
E
-
1
-
V
D
E
-
4
4.º
5
2015/16
V
V
-
D
-
6
-
V
E
D
-
4
2.º
10
NOTAS: * Dois pontos por vitória (com a pontuação fazendo corresponder três pontos a uma vitória seriam seis pontos)
Épocas a vermelho - Primeira volta com dois jogos em "casa"
Épocas a verde - Primeira volta com dois jogos "fora"


Jogo 5 111. De cima para baixo. Da esquerda para a direita: Júlio César, Eliseu, Fejsa, Jardel, Lisandro e André Almeida; Gaitán, Jonas, Renato, Guedes e Pizzi  

Entrámos receosos
O 0-1 foi o primeiro aviso. O 0-2 "matou" o sonho. Depois foi na raça que surgiu o Golo-rioso. Muita posse de bola no nosso meio-campo. Ui. Assim não. Entrar a "partir"? Não!? Nos primeiros 20 minutos muita posse de bola mas...no nosso meio-campo. Quando tentámos (ao 0-2) já era tarde!


Retirado do portal da UEFA
Adversário previsível
Uma equipa espanhola com organização alemã! Ficaram na expectativa para perceber o que conseguia fazer o Benfica. Quando perceberam foram-se afoitando. E conseguiram o 1-0 (aos 32:19). Depois do intervalo, nem dez minutos tinham passado (54:40) já estava marcado o segundo. Se com 0-1 é muito difícil ultrapassar "teia simeonesca" com 0-2 é praticamente impossível. Mas o empate saberia a vitória. Nada. Um golo foi curto. Jogar para o empate é sempre muito arriscado. É preferível arriscar a vitória nos 15/20 minutos iniciais.

Há golos que deviam valer a dobrar
Este devia ser: um de Raúl (com o pé esquerdo) e outro de Mitroglou (com o pé direito). Ficava 2-2 e não se falava mais nisso!



Ao intervalo
Quase 60 por cento de posse de bola de quem?! Dos defesas centrais do Benfica a passarem a bola entre eles: Lisandro (um passe por minuto), Jardel (42 passes), Fejsa (como terceiro central com 40 passes), Renato (33 passes) e Eliseu (26 passes). Os quatro futebolistas com mais passes são do Benfica, mas curiosamente os cinco jogadores com maior distância percorrida são do adversário. Passes para o lado e para trás, pelos Gloriosos com o Manto Sagrado, a meio de cada meio-campo!



Boa arbitragem
Não me apercebi de dualidade no critério disciplinar e técnico. A equipa de arbitragem foi a melhor em campo. O "Glorioso" podia ter sido...



Venha Setúbal
Virar a "agulha" para o campeonato que é a competição fundamental, assegurada a passagem à fase a eliminar nesta edição da Liga dos Campeões. Ser TRIcampeão para poder estar no pote 1. E em 2016/17 aproveitar melhor!

TEMPORADA 2015/16
Competições
J
V
E
D
GM
GS
TOTAIS
25 (30)
12
3
10
43
27
Primeira Liga
11 (23)
8
-
3
27
7
Liga dos Campeões
6 (2)
3
1
2
10
8
Taça de Portugal
2
1
-
1
3
3
Taça da Liga
(5)
-
-
-
-
-
Torneios
4
-
2
2
3
5
Troféus
1
-
-
1
-
3
Supertaça
1
-
-
1
-
1

Os jogos em Portugal frente a espanhóis (foi o 66.º jogo)
Serão sempre muitos ou não tivesse Portugal apenas fronteira terrestre com um país: Espanha.

O jogo da 6.ª jornada do grupo C da Liga dos Campeões foi o 171.º do “Glorioso” frente a equipas de clubes espanhóis e o 66.º em Portugal (47 em “casa” e 19 em “campo neutro”). Em Espanha jogaram-se 93 jogos (contabilizando apenas os encontros frente a emblemas desse país) com 66 jogos em terreno alheio e 27 em “campo neutro”. Restam 12 jogos disputados em oito localidades fora da Ibéria: Caracas/Venezuela (cinco jogos) e um jogo em sete localidades: Berna, Amesterdão, Paris, Friburgo, Turim, Yverdon e Londres.

OS 66 JOGOS EM PORTUGAL ENTRE BENFICA E EQUIPAS DE CLUBES DE ESPANHA
Época
Res.
Sit
Adversário
Competição
Estádio/Cidade

1911/12
E 1-1
C
Sociedade Ginástica Espanhola (Madrid)
Particular
Laranjeiras/Lisboa
V 6-1
C
Sociedade Ginástica Espanhola (Madrid)
Particular
Laranjeiras/Lisboa
1912/13
V 7-0
N
Real Madrid CF
Particular
Sítio Mouras (SCP)
V 1-0
N
Real Vigo FC
Torneio 3 Cidades
Constituição/Porto

1914/15
E 2-2
C
RCD Espanhol
Particular
Sete Rios
D 1-4
C
RCD Espanhol
Particular
Sete Rios
D 1-2
C
RCD Espanhol
Particular
Sete Rios


1915/16
V 5-0
C
Racing Clube Madrid
Torneio 4 Cidades
Sete Rios
V 3-1
C
Racing Clube Madrid
Particular
Sete Rios
D 0-2
C
RC Fortuna Vigo
Particular
Sete Rios
V 7-0
C
RC Fortuna Vigo
Particular
Sete Rios
V 2-0
C
Racing Clube Madrid
Particular
Sete Rios
1917/18
E 1-1
C
Sevilha FC
Particular
Benfica
1920/21
V 4-0
C
Pontevedra AC
Particular
Palhavã/ Lisboa
E 2-2
C
Clube Comercial Vigo
Particular
Palhavã/ Lisboa
1923/24
D 1-2
N
Clube Atlético Madrid
Particular
Palhavã/ Lisboa
D 0-2
N
Clube Atlético Madrid
Particular
Palhavã/ Lisboa

1924/25
D 0-2
N
RCD Espanhol
Particular
Palhavã/ Lisboa
D 0-3
N
RCD Espanhol
Particular
Palhavã/ Lisboa
V 2-1
N
RC Deportivo Corunha
Torneio “Taça Páscoa”
Campo Grande (SCP)
1925/26
D 0-4
N
RC Celta Vigo
Particular
Campo Grande (SCP)
E 1-1
C
Racing Clube Madrid
Particular
Amoreiras
1931/32
D 2-5
C
FC Barcelona
Particular
Amoreiras
1932/33
D 1-3
C
Athletic Club Bilbau
Particular
Amoreiras
D 1-4
N
Athletic Club Bilbau
Particular
Stadium Lisboa
1933/34
E 4-4
C
Clube Atlético Madrid
Particular
Amoreiras
1948/49
E 1-1
N
Real Madrid CF
Particular
Estádio Nacional
1954/55
D 0-2
C
Real Madrid CF
Particular
Luz
1955/56
V 3-2
C
Valência CF
Particular
Luz

1957/58
V 4-0
N
FC Barcelona
Particular
Restelo (CF “B”)
E 0-0
C
Sevilha FC
Taça C. C. Europeus
Luz
V 2-0
C
RCD Espanhol
Particular
Luz
1958/59
D 0-1
C
Granada FC
Particular
Luz
1959/60
V 1-0
C
Real Clube Oviedo
Particular
Luz
1960/61
V 2-0
C
Real Bétis (Sevilha)
Particular
Luz
1964/65
D 1-2
C
Athletic Club Bilbau
Particular
Luz
V 5-1
C
Real Madrid CF
Taça C. C. Europeus
Luz
1966/67
V 1-0
C
FC Barcelona
Particular
Luz
1967/68
E 2-2
C
Clube Atlético Madrid
Particular
Luz
1982/83
V 2-1
C
Real Bétis (Sevilha)
Taça UEFA
Luz
1983/84
V 3-1
C
Athletic Club Bilbau
Taça Ibérica
Luz
1984/85
V 2-0
C
Clube Atlético Madrid
Torneio Internacional Lisboa
Luz
1991/92
E 1-1
C
Clube Atlético Madrid
Torneio “Taça Ibérica”
Luz
E 0-0
C
FC Barcelona
Liga Campeões (FG)
Luz
1992/93
V 2-0
C
Real Madrid CF
Taça Pepsi Cola
Luz
1993/94
V 2-1
C
FC Barcelona
Taça Pepsi Cola
Luz
1999/00
E 0-0
N
RC Deportivo Corunha
Troféu “Ibéria Cup”
1.º de Maio/ Braga
E 1-1
C
RC Celta Vigo
Taça UEFA
Luz
2000/01
D 0-1
N
RC Deportivo Corunha
Troféu “Ibéria Cup”
1.º de Maio/ Braga

2002/03
D 0-2
N
RC Celta Vigo
Particular
Arcos/ Vila do Conde
D 2-3
C
Real Madrid CF
Particular
Luz
D 0-1
C
FC Barcelona
Particular
Luz
2004/05
E 2-2
C
Real Madrid CF
Particular
SLB
2005/06
D 0-1
C
Villarreal CF
Liga Campeões (FG)
SLB
E 0-0
C
FC Barcelona
Liga Campeões (1/4)
SLB
2006/07
D 0-1
N
RC Deportivo Corunha
Torneio Guadiana
Municipal/
V. R. St.º António
E 0-0
C
RCD Espanhol
Taça UEFA
SLB
2007/08
E 0-0
N
Real Bétis (Sevilha)
Torneio Guadiana
Municipal/
V. R. St.º António
D 1-2
C
Getafe CF
Taça UEFA
SLB
2009/10
V 2-1
N
Athletic Club Bilbau
Torneio Guadiana
Municipal/
V. R. St.º António
D 1-2
C
Clube Atlético Madrid
Particular
SLB

2012/13
V 5-2
C
Real Madrid CF
Troféu Eusébio Cup
SLB
E 1-1
N
Real Bétis (Sevilha)
Particular
Portimonense
D 0-2
C
FC Barcelona
Liga Campeões (FG)
SLB
2013/14
V 2-1
N
Levante UD
Particular
Algarve
2015/16
D 1-2
C
Clube Atlético Madrid
Liga Campeões (FG)
SLB

Glorioso Benfica!

Alberto Miguéns

NOTA FINAL

Este quadro tem os clubes com a grafia actual, não com aquela que usavam quando foram adversários do “Glorioso”. Por exemplo o Real Madrid CF até 1920 foi Madrid Football Club. O adversário da noite passada já teve quatro nomes: Athletic Club Sucursal Madrid (clube de estudantes universitários bascos em Madrid ligados ao Athletic Club Bilbau) entre 1903 e 1919; Athletic Club Madrid (1919-1939), Athletic Aviación Club (1939-1946) e Club Atlético de Madrid (depois de 1946). Em Vigo o actual Real Club Celta de Vigo resultou da fusão, em 1923, de dois clubes que foram adversários do “Glorioso”: Real Vigo Foot-Ball Club (1913) e Real Club Fortuna de Vigo (1916). Qualquer deles também não foi desde logo "Real".

Os clubes espanhóis, tal como em qualquer país, num tão longo período de um século, foram tendo fases mais fortes e fracas, com o Benfica a enfrentá-los em situações distintas. O futebol em Espanha até aos anos 20 era dominado pelos clubes do País Basco (Bilbau, San Sebastian, Irún e Vitória) e da Catalunha (principalmente de Barcelona: CE Europa, Hispània AC, RCD Espanhol e FC Barcelona). Este é um dos poucos clubes elitistas do mundo que se tornou o mais popular do país. Claramente por motivos políticos: bandeira da Catalunha. O Hispània AC e o CE Europa eram muito mais populares em Barcelona durante a primeira década do século XX. O FC Barcelona colocava os espectadores mais pobres longe da burguesia, dando-lhes condições no campo (Les Corts) pouco dignas em bancadas com ripas de madeira estreitas muito afastadas (lá bem no alto) do campo de jogo, daí o apelido culés - rabo de fora. Haveria muito mais a dizer acerca dos jogos entre Benfica e equipas de clubes de Espanha.


O Benfica recebeu por duas vezes clubes espanhóis em instalações que utilizou como suas alugando-as. Em 1911/12 no campo das Laranjeiras (propriedade do Internacional/CIF) entre a saída do campo da Feiteira e a inauguração do campo de Sete Rios e em 1920/21 no campo de Palhavã (propriedade do Império LC) entre a saída do campo de Benfica e a construção do estádio das Amoreiras. Foi nestes dois espaços que também disputou os jogos, como visitado, para o campeonato regional de Lisboa.
4 comentários
comentários
  1. SR DR ALBERTO....excelente analise ao jogo,e também mais uma lição da história e estatística do futebol....permita-me como minha opinião,que mesmo não tendo conseguido o objetivo (1º lugar no grupo,(embora no sorteio essa coisa de TUBARÕES,é sempre subjetivo)este jogo serviu para que jogadores e treinador tenham ganho mais experiencia e cada um na sua função,tenham aprendido um pouco mais....abraço

    ResponderEliminar
  2. Alberto, eu até estou de acordo com a análise ao jogo. Mas falta referir que do outro lado estava o Atlético de Madrid, que não sofreu golos de mais ninguém, que vai em 3 em La Liga, que esteve recentemente na final da champions (com este treinador e muitos destes jogadores) e, dando uma de lopetegui, olhando prá estatística final.....
    Bem sei que a estatística não ganha jogos mas do outro lado não estava um Dinamo de Kiev qualquer.
    Não gostei de ouvir o Pizzi no final referir que "infelizmente não conseguimos evitar as equipas mais fortes nos oitavos" Equipas mais fortes? Este já não jogava. Perguntem ao Renato. Aposto que terá um pensamento diametralmente oposto.

    ResponderEliminar
  3. Caro Alberto,

    Faltam na sua lista os jogos da Taça Latina.

    Saudações

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Paulo,

      O Benfica em Portugal, para a Taça Latina, nunca defrontou clubes de Espanha. apenas um de Itália (SS Lázio) e outro de França (FC Girondinos Bordéus).

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns

      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail