Há 38 Anos "Perdi" as Eleições | Em Defesa do Benfica -->
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o SL Benfica e a sua Gloriosa História. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

25/03/2021

Há 38 Anos "Perdi" as Eleições

25/03/2021 + 11 Comentários

VOTEI CONTRA A "SITUAÇÃO" MAS OS "SITUACIONISTAS" VENCERAM. NADA A FAZER.



Até hoje tenho a sensação que se Jorge Brito tem vencido Fernando Martins, em 25 de Março de 1983, o FC Porto nunca passaria de um clube sem grande expressão. Pinto da Costa não resistiria ao sucesso do Benfica nos Anos 80. Previsível com Jorge Brito mas impossível de provar. Até poderia ser pior, ou menos bom, do que foi...embora não acredite. 


Os associados do Benfica escolheram e foram soberanos 
Eu só tinha direito a um voto (na revisão estatutária em vigor, a de 1966, até dez anos de filiação, os associados tinham direito a um voto e com dez ou mais anos, direito a vinte votos) mas até poderia ter direito a mil. O FC Porto cresceria imparavelmente perante o cruzar de braços. Quando Fernando Martins é derrotado, em 27 de Março de 1987, já o FC Porto era um colosso a nível nacional (destronando o Sporting CP) e estava lançado para ser Campeão Europeu. O que previra, em 1983, realizara-se. Em cinco anos, o Benfica ficara para trás. FC Porto Bicampeão nacional (1984/85 e 1985/86) arriscando o terceiro título consecutivo em 1986/87, mas depois optando pela inesperada benesse, ao eliminar o poderoso FK Dinamo Kiev, de poder sagrar-se Campeão Europeu em 1986/87. E conseguiu... A garantia que Pinto da Costa ficaria no FC Porto até quando muito bem entendesse. Há 34 anos! O tempo passa.

Só ontem é que soube disto (ao procurar informações e fotografias para este texto)!

Pinto da Costa nunca deixa para trás quem o ajuda e é fiel (clicar). Por vezes até tenho a sensação que ele sabe mais deles que eles próprios como neste "caso"! Em 2007, Fernando Martins tinha 90 anos! Eu conheci-o - falei algumas vezes com ele - por exemplo, em 2002, aos 85 anos, a memória de Fernando Martins era já uma..."miragem"!


Depois foi uma vida como associado a "perder" e a "vencer" eleições

Tenho ideia que "perdi" mais do que "ganhei": 1981, 1983, 1985, 1987, 1989, 1992, 1994, 1996, 1997, 2000, 2003, 2006 até 2009 quando, com o voto electrónico, passei a votar nulo e deixou de contar.

 

O primeiro jogo que vi, como associado n.º 74 224 do Clube, em 21 de Janeiro de 1979. Fotografia da da autoria de José de Oliveira Santos que a denominou «Um Banho de Mística»

Nas primeiras eleições (1979) como associado não podia votar mas tinha "vencido"

Em 10 de Maio de 1979, tinha quatro meses de associado, desde 19 de Janeiro de 1979 (já vi como sócio, o Benfica frente ao FC Porto, em 21 de Janeiro) mas oficialmente associado desde 23 de Janeiro (aprovação em reunião de Direcção). Se pudesse votar teria votado José Ferreira Queimado que era o presidente da Direcção que se recandidatava.

 

Depois foram três "penosas derrotas": 1981, 1983 e 1985

Com voto em Ferreira Queimado, a 29 de Maio de 1981, preferindo a situação à promessa de um estádio para 120 mil pessoas que considerava inoportuno pois para 75 mil só esgotava três/quatro vezes por temporada, mas os sócios decidiram derrotar o presidente em exercício mesmo campeão nacional (24 de Maio) e finalista na Taça de Portugal que já seria conquistada, em 6 de Junho, com Fernando Martins como presidente da Direcção, pois quis tomar posse - 4 de Junho - antes da final. Talvez assinale esta efeméride - 40 anos depois - em 29 de Maio de 2021, após a final da Taça de Portugal, prevista para 23 de Maio deste ano.

Em 1983 - completam-se hoje 38 anos - votei contra a situação por não concordar com o modo autoritário e autocrático do presidente do Clube, além da subserviência ao presidente do FC Porto que tão desagradável tinha sido em finais dos anos 70 achincalhando o Benfica, nas figuras de Ferreira Queimado e Mário Wilson (para denegrir este deixava por conta do treinador José Maria Pedroto) que estava sempre a mentir dando a entender que o Benfica queria era "Calabotes" para vencer, quando tinha perdido o campeonato nacional, em 1958/59, mas todas ou quase todas as pessoas acreditavam que o Benfica tinha conquistado o título, após mais de 15 minutos de "descontos", cinco penálties, três expulsões de futebolistas do GD CUF e o guarda-redes do adversário (Gama) "comprado" pelo Benfica. Além do Benfica ter enviado para Torres Vedras (onde o FC Porto jogava) o treinador adjunto Valdivielso para orientar a equipa do SCU Torreense! Pinto da Costa/José Pedroto e quem lhes dava cobertura nos media conseguiam com uma mentira enxovalhar a memória de três pessoas -  Inocêncio Calabote, Gama e Valdivielso - além de um clube (SCU Torreense) sem que isso fosse visto como uma afronta. Ainda hoje Pinto da Costa continua a mentir embora já não se atreva a dar a entender que o Benfica conquistou o "Campeonato com Calabote".  


Em 1985 - completam-se 36 anos, no dia 29 (segunda-feira) - votei contra Fernando Martins, votando em branco, pois não houve lista alternativa ao presidente da Direcção. Mas cada vez temia mais o poderio do FC Porto. Para mim já era o Benfica que estava "a correr atrás do adversário" e não o contrário.


Ao procurar informação para assinalar esta efeméride (25 de Março de 1983)

Encontrei um documento que nem me lembra de ter conhecido, mas talvez até o tivesse lido embora o tempo o tenha apagado da memória. Sendo habitual leitor do «Diário de Lisboa» não quer dizer que o tenha lido nesse dia. Se o tivesse lido identificava-me completamente com o texto (acho eu...que a quase quatro décadas de distância é muito tempo) mas, em 1983, os nomes dos subscritores nada me diziam. Em 2021, tenho o privilégio de poder dizer, que conheci pessoalmente muitos deles (26) e falei uma dúzia de vezes com alguns (sete) e muito mais com outros dois, desses 26: engenheiro químico (tintas) Armando Abreu Rocha e jornalista Manuel Arons de Carvalho.


Finalmente a "vitória" - 27 de Março de 1987 - completam-se sábado...34 anos!

Com a vitória de João Santos. Só que já era tarde. O FC Porto, desde 1982, instalara-se em tudo o que tinha "interesse para subverter a verdade desportiva" e deixava para os outros, cargos e organismos de fachada. Valeu a maior capacidade financeira de Jorge Brito para conseguir durante algumas temporadas enfrentar um poderio arrasador vindo da cidade do Porto e arredores... Pinto da Costa teve muitas bengalas e muitos tapetes, alguns até se dizendo Benfiquistas do tipo: «podem existir alguns tão Benfiquistas quanto eu, mas ninguém é mais Benfiquista que eu"! O habitual! Ainda por cima - já contei neste blogue - o Benfica lembrou-se de marcar estas Eleições para a sexta-feira anterior ao meu casamento nesse sábado que há muito estava marcado. Para complicar "ainda mais" numa igreja junto ao Estádio, a Igreja da Luz/Carnide. Resultado desastroso (na cerimónia) chegar atrasado mas glorioso no dia anterior (eleições). Tinha finalmente "ganho" umas eleições no Clube, à quarta "tentativa"!

 

Sabe-se lá...

Continuo a pensar que se Jorge Brito tem ganho em 1983 - Pinto da Costa era presidente do FC Porto há um ano - o Benfica não tinha deixado o FC Porto intimidar e instalar-se como se instalou em Portugal. E depois ter mais sucesso na UEFA refastelado no "controle interno das situações". Mas isto nunca poderá ser provado. Será sempre um "achamento". E estes valem zero.

O presidente da Direcção, Borges Coutinho e o associado Jorge Brito no dia da inauguração da pista sintética para atletismo no campo n.º 2, em 18 de Maio de 1974 (fotografia de Roland Oliveira)


Já agora algumas notas.

A tarefa de concorrer frente a Fernando Martins era hercúlea. Era mesmo uma questão de "cidadania Benfiquista". Praticamente impossível derrotar Fernando Martins se os associados fossem motivados pelos resultados do Futebol que estavam a ser muito bons:

Liderança no campeonato nacional, com quatro pontos de vantagem (23 J - 17 V - 5 E - 1 D com 52/11 em golos) a sete jornadas do final, "com o melhor Futebol desde Jimmy Hagan";

Apuramento para os quartos-de-final na Taça de Portugal que o Benfica conquistaria em...21 de Agosto de 1983, no estádio do FC Porto (Fernando Martins, parece-me pelo que fui lendo e ouvindo, que fez pouco para que não fosse no estádio das Antas);

Apuramento para as meias-finais da Taça UEFA (o Clube foi finalista) quando ainda se comentava a eliminatória frente ao clube transalpino, AS Roma, em 16 de Março.

Ainda que...

Havia a questão da promessa não cumprida, desde 1981, do "Fecho do Terceiro Anel" mas a justificação era política: foi necessário dar prioridade à organização desportiva do Clube, pagar a compra do edifício da Secretaria (rua Jardim do Regedor) e concluir o pavilhão polivalente n.º 2. Ficaria para este mandato. E ficou!

Para história

Aos valentes que desafiaram o que se considerava - alguns assim o entendiam - um desvio na tradição de tolerância, civismo, democracia e respeito pelo associativismo no Clube eis a Lista A derrotada. No Benfica, dos fracos reza a história. 



Quanto aos resultados das eleições (clicar para «Diário de Lisboa»)


O Benfica pode tropeçar mas nunca cai...porque a sua maior grandeza está nos que gostam dele e são muitos! Quem o ama nunca o deixará no chão!


Stumblin'in


Tropeçando

O nosso amor está vivo, e então começamos
Estupidamente colocando nossos corações na mesa
Tropeçando
Nosso amor é uma chama, queimando por dentro
Agora e então a luz do fogo irá nos pegar
Tropeçando
 
Onde quer que você vá, faça o que fizer
Você sabe que esses pensamentos imprudentes meus estão te seguindo
Estou me apaixonando por você, não importe o que você fizer
Porque querida, você me mostrou tantas coisas que eu não sabia
O que for preciso, querida eu farei por você
 
O nosso amor está vivo, e então começamos
Estupidamente colocando nossos corações na mesa
Tropeçando
Nosso amor é uma chama, queimando por dentro
Agora e então a luz do fogo irá nos pegar
Tropeçando
 
Você era tão jovem, e eu era tão livre
Eu posso ter sido jovem, mas querida isso não era o que eu queria ser
Bem, você foi a única, oh, por que tinha que ser eu?
Porque querida, você me mostrou tantas coisas que eu nunca vi
O que você precisar querida, você tem de mim
 
O nosso amor está vivo, e então começamos
Estupidamente colocando nossos corações na mesa
Tropeçando
Nosso amor é uma chama, queimando por dentro
Agora e então a luz do fogo irá nos pegar
Tropeçando
Tropeçando
Tropeçando
Estupidamente colocando nossos corações na mesa
Tropeçando
Aah, tropeçando
Mm tropeçando
Agora e então a luz do fogo irá nos pegar
Tropeçando
Oh tropeçando
Estou tropeçando
Estupidamente colocando nossos corações na mesa
Tropeçando
Whoa, tropeçando
Aah, tropeçando
Estou tropeçando
Continue a tropeçar
Agora e então a luz do fogo irá nos pegar
Tropeçando


Se...se...se... Nunca deixará de ser "se"!


Alberto Miguéns


NOTA: Mas Fernando Martins, para mim, tudo o que decidiu e fez foi "muito mau"? Claro que não! Não sou maniqueísta. Também fez e decidiu "muito bem"!

  1. Fernando
    O texto do saudoso Diário de Lisboa de 25 Março de 1983, mostra que afinal a história por vezes se repete, bem como as consequências dessa mesma história.

    ResponderEliminar
  2. Benfiquistas como Jorge de Brito e Borges Coutinho exerceram a sua presidência com ética, educação e decência. Nunca promoveram o culto da personalidade nem usaram o Clube como escudo para os seus problemas pessoais. Para além dessas virtudes foram homens que compreenderam e participaram nas raízes populares do nosso Clube. Gostavam de futebol, viam os jogos, sofriam com os resultados e as vicissitudes do jogo. Eram Benfiquistas na plenitude.

    Agora o situacionismo é ver quem nos governa a pensar com os bolsos e ir-se dedicando a lentamente subverter a democracia interna do Clube. Chegou-se ao desplante de desprestigiar a Assembleia-Geral do Clube e a falar em "eleições quaisquer". A subversão derradeira da democracia, uma das maiores virtudes do Clube, defendida até em tempos de ditadura. O Benfica, o verdadeiro Benfica será mais forte por muito que alguém se julgue dono do Clube e queira fazer dele apenas uma galinha dos ovos de ouro.

    ResponderEliminar
  3. Caro Sr. Alberto Miguéns...Em parte concordo consigo...O Presidente Fernando Martins para a época 1982-83 teve a visão de contratar um treinador desconhecido, em Portugal, o sueco Sven-Göran Eriksson, que se veio a revelar uma surpresa para muitos chamados "experts", na altura, do futebol português, só faltando ganhar a Taça UEFA (que ele tinha ganho em 81-82 pelo IFK Gotembürg)...A partir da época de 1984-85 cometeu erros atrás de erros, contratou um treinador irrascível, de seu nome Pal Csernai (que curiosamente tinha sido campeão pelo Bayern de Munique), que não deixou saudades a jogadores e adeptos (no início de época, depois da saída de Eriksson para o AS Roma, tinha contratado Tomislav Ivic e poderia ter feito um esforço para o deixar ficar, não o fez e deu no que deu) e vendeu o Fernando Chalana, na altura um dos melhores jogadores da Europa...para completar o Terceiro Anel...Se isto não acontecesse talvez o FC Porto não tivesse dois campeonatos nacionais seguidos (84-85 e 85-86) e assim não tinham sido Campeões Europeus....Pois se....se!!!! Um abraço glorioso.

    ResponderEliminar
  4. FM não foi um mau presidente, mas como diz o Alberto foi com ele que eles começaram a trepar e a afirmar-se.

    Olhando para aquilo que aconteceu a partir de 1987 até 93 com Jorge de Brito, acredito como diz o Alberto que aquilo que aconteceu nesse período teria acontecido mais cedo e quem sabe com a equipa que tínhamos e reforços a sério como vieram que poderíamos ainda ter feito melhor na década de 80, ou seja ganhar um título europeu, ainda que Stromberge Filipovic eram grandes jogadores, mas começamos a descurar o mercado nacional e isso veio a revelar-se fatal.

    Os sócios do Benfica são mesmo masoquistas, em 81 com resultados bons e uma das melhores equipas e futebol que vi jogar no Benfica decidiram mudar e não manter em 1983 decidaram manter em vez de mudar.

    Mas agora estamos no pior período da nossa história e não se vê fim à vista.

    2 grandes posts os últimos 2 Alberto, Benfica no estado puro, o Benfica que eu conheci e me fez adepto e sócio para toda a vida independentemente de mais ou menos pulhas e culambistas, bebfica é maior que eles todos e um dia vai-se libertar.

    Alberto o facto de voltarmos em candidatos que não vencem eleições não significa que estejamos do lado errado, eu só pude começar a votar a partir de 84, dos que fagaram votei no João Santos, Jorge de Brito e o lixo do Vilarinho, de resto perdi todas as outras

    ResponderEliminar
  5. E vi esse jogo da foto em 79, 1-1, o Benfica estece a ganhar 1-0 golo do luvas pretas e eles empataram com um golo mais que fora de jogo do Duda nos ultimos 15 minutos e o Benfica perdeu esse campeonato por 1 ponto. Apanhei uma molha das antigas e nem o sobretudo me valeu, de tao encharcado fiquei.

    Foi o jogo em que o Marco Aurelio vem por trás do Toni, este protege-se a perna com a bota com os pitons para tras e marco aurelio bateu no pitons e oartiu a perna, pelo menos é esta a ideia com que fiquei na altura

    ResponderEliminar
  6. Grande post Miguéns.
    Concordo com o Zé, quando diz que o facto de votarmos em candidatos que não vencem eleições, não significa que estejamos do lado errado!....
    Saudações Benfiquistas

    ResponderEliminar
  7. Nesses tempos ainda era difícil vislumbrar um FCPorto vencedor com consistência.
    Para mim, que ainda andava nos "vintes", nunca me passou pela cabeça que o clube do Porto fosse mais do que tinha sido até ali, e esperava um Sporting a crescer.

    Nesse tempo, era o tempo da inocência, em que benfiquistas como eu celebravam o titulo europeu do clube do Porto, como algo nosso, portugueses.

    Quem tinha o dever e a obrigação de estar vigilante e atento infelizmente não teve capacidade, ou interesse, de estar à frente dos acontecimentos.
    O tempo do desportivismo, ética e orgulho benfiquista, que foi o que aprendi com Borges Coutinho, foi sendo paulatinamente desperdiçado, ao mesmo tempo que nas catacumbas do futebol português, Pinto da Costa e o seu ideólogo Pedroto, acolitados pelos homens de mão, Adriano Pinto, Lourenço Pinto, Fernando Gomes e Reinaldo Teles, a que se foram juntando Valentim Loureiro e alguns jornalistas que passavam a mensagem, se criou um sistema de dependências e trafico de influencias que sustentaram o crescimento do clube do Porto, não obstante os méritos que também existiram.

    Na verdade, para mim, quem deu a machada final no nosso Clube foi Manuel Damásio, e depois foi desperdiçada a ocasião de podermos eleger Luis Tadeu, um homem que tinha ideias avançadas para a época. Nessa altura ainda andei em campanha por ele, mas infelizmente a opção foi outra.

    Noutro dia li que o facto de termos elegido sucessivamente Damásio, Vale e Azevedo, Vilarinho e depois Vieira dizia muito de nós.

    Viva o Benfica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca festejei os titulos deles, cedo percebi que eles seriam os rivais do Benfica no meu tempo, na Juventus jogava um dos jogadores que mais gostei o Platini, que chegou a ser fslafo para o Benfica antes domundual 82 ainda jogava ele no Saint Etienne, com o Bayern tiveram sorte ba primeira parte e depois acabsm por merecer, fizeram uma boa 2a parte, marcando dois golos em 2 minuts já perto do fim

      Eliminar
    2. E sim conseguirmos eleger 4 energumenos de seguida é obra, so votei no Vilarinho, nao porque quisesse, mas porque ou era ele ou Vale, ainda que ate hoje nao sei quem foi ou quem é pior, porque Vilarinho abriu caminho ao pulha, hoje acho que votava no Vale

      Eliminar
    3. Consideram Vilarinho um mau presidente?

      Eliminar
    4. Sim considero, só fez merda, começou logo pelo Mourinho, continou com os jogadoires na altura e abriu a porta do Benfica para um pulha

      Eliminar

Subscrever este blogue

Apoio de: