Rogério Imortal -->
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o SL Benfica e a sua Gloriosa História. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

08/12/2019

Rogério Imortal

08/12/2019 + 1 Comentários
FALECEU ESTA MADRUGADA, POUCAS HORAS DEPOIS DE TER COMPLETADO, 97 ANOS, UM DOS MELHORES FUTEBOLISTAS DE SEMPRE.



O último sobrevivente do jogo que estaria na origem da Tragédia de Superga quando regressava a Turim o plantel do AC Torino e o melhor futebolista português antes das chegadas de Coluna e Eusébio.



Rogério Lantres de Carvalho
Começou cedo a jogar futebol no bairro onde vivia, Chelas, em Lisboa. Rogério Lantres de Carvalho nasceu em Lisboa, há 97 anos e um dia, em 7 de Dezembro de 1922.


 Iniciou-se no futebol no clube do bairro onde vivia, o Chelas FC. Um clube familiar, pois a grande vedeta do simpático clube da zona Oriental de Lisboa era o seu irmão mais velho, Armínio França.  


Escolher ser Glorioso
Após concluir o 4.º ano na Escola Industrial Afonso Domingues, em Marvila, empregou-se no “Grémio das Carnes”. Em contacto com outros empregados, também futebolistas, entre eles Peyroteo, surgiu a oportunidade de treinar no Sporting CP. Rogério ainda participou num treino no Lumiar, mas não demorou muito a deslocar-se à Secretaria do Glorioso, na rua Jardim do Regedor, “assinar a ficha” e começar a treinar no nosso Estádio do Campo Grande. Tinha 19 anos!


Rogério no Chelas FC (1939/40)
Precoce, habituado a ver o irmão "estrela do Chelas FC" começou cedo nesse clube. Com muita habilidade integrou a 3.ª categoria (4.ª em hierarquia) do popular clube em 1939/40, com 17 anos. O Chelas FC disputava a II Divisão do campeonato Regional de Lisboa, organizado pela AFL, mas apenas havia competição na AFL para: Honra, Reserva e 2.ª categoria (3.ª em hierarquia). A 4.ª categoria fazia "uns joguinhos" como dizia o saudoso Rogério. O campo do Chelas FC onde Rogério deu os primeiros pontapés, meio a sério" na bola foi no Alto dos Toucinheiros onde está na actualidade a Escola Luís António Verney no topo do Bairro da Madre de Deus.


Rogério no Chelas FC (1940/41)
Com 18 anos (7 de Dezembro de 1940) integrou a 2.ª categoria (3.ª em hierarquia)  que se classificou em 2.º lugar (atrás do rival Marvilense FC) no respectivo campeonato regional, continuando o Chelas FC na II Divisão Regional (na Divisão de Honra: 4.º lugar entre seis clubes, atrás do GD "Os Fósforos", Marvilense FC e SG Sacavenense; à frente do Operário FC (Graça) e Casa Pia AC). Era o campeonato onde competia a categoria de Honra que definia onde competiam as duas categorias seguintes (Reserva e 2.ª categoria). Com a categoria de Honra do Chelas FC na II Divisão Distrital as outras dus também jogavam na II Divisão.



Rogério no Chelas FC (1941/42)
Com 19 anos (7 de Dezembro de 1941) continuou no Chelas FC mas empregou-se no «Grémio das Carnes» onde um dos funcionários era Fernando Peyroteo, vedeta do Sporting CP, de Portugal e um dos melhores futebolistas de sempre do futebol português, tal como Rogério. Num desses jogos entre funcionários Peyroteo (com 23 anos, 10 de Março de 1918) viu que Rogério "tinha muito futebol para a idade". Disse-lhe que podia ser futebolista. Levaria o colega aos treinos no Sporting CP. E assim foi.  Quando o irmão Américo França soube disse-lhe que não tinha que jogar no Sporting CP "lá por ser verde como o Chelas". O clube indicado para Rogério seria sempre o "Glorioso". E assim foi...

O «Grémio das Carnes» ficava no piso superior do edifício do «Café Chave de Ouro», no Rossio, em Lisboa

Terminou a carreira no Clube Oriental de Lisboa
Quando Rogério decidiu deixar de jogar no Benfica, com a vinda de Otto Glória, no início de 1954/55, ainda foi "ajudar" o COL/Oriental que jogava na II Divisão para colocar o clube que resultara da fusão, em 8 de Agosto de 1946, do Chelas FC, Marvilense FC e GD "Os Fósforos" na I Divisão. e assim foi. Em 1955/56 o Clube Oriental de Lisboa continuou na II Divisão Nacional, mas em 1956/57, o COL/Oriental ascendeu à I Divisão Nacional e Rogério - contrariado, mas tinha que ser responsável perante colegas e dirigentes - foi adversário do Benfica, em 11 de Novembro de 1956. 

José Bastos recebe agora o "testemunho" de Rogério. Dos 12 campeões latinos o guarda-redes Bastos continua entre nós... e bem. Nascido em 17 de Outubro de 1929, completou há dois meses 90 anos 

Continua...


Alberto Miguéns

Subscrever este blogue

Apoio de: