Todos, Muitos, Alguns, Poucos, Um - Em Defesa do Benfica
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

15/11/2018

Todos, Muitos, Alguns, Poucos, Um

15/11/2018 + 4 Comentários
O QUE SE ENTENDE POR "ADEPTOS DO BENFICA"?


Não vou escrever acerca de um programa específico que nem vi, muito menos utilizar uma imagem para definir um comportamento. Por isso este texto não é acerca de qualquer programa, de um canal de televisão ou de um comentador. É acerca das generalizações que se vão tornando hábito. E são perigosas porque encerram uma ideia de totalitarismo.

Cada um é livre de dizer o que pensa
E assume essa responsabilidade.

O que está em causa são as generalizações
É impossível definir "Adeptos do Benfica". É uma multidão de milhões. De associados ainda são duas centenas de milhares. Simpatizantes/adeptos (nunca percebi a diferença) são milhões. Como é que é possível definir o comportamento de milhões de adeptos?

Mesmo que fosse possível definir (e não é)
A crítica é sempre positiva desde que tenha sentido e seja assumida por alguém que seja possível identificar para avaliar a coerência.



Foi a crítica que fez do Benfica o maior clube português
Permite que quem o vai dirigindo desde 28 de Fevereiro de 1904 tenha oportunidade de ouvir outras opiniões acerca do rumo do Clube. Nunca foram, não são, nem nunca serão obrigados a aceitar o que muitos ou alguns simpatizantes pensam dever ser o futuro. Se tiverem ideia contrária. Saber ouvir e depois retocar, mudar ou manter o rumo não é fraqueza é virtude de quem dirige.

São os adeptos que permitem mudanças profundas no Clube
Em 1926, Cosme Damião percebeu que não concordavam com ele e afastou-se;
Em 1946, Félix Bermudes teve de aceitar que os associados não queriam um estádiozinho, queriam aquilo que seria uma "Catedral" e apesar de ser um pioneiro e referência com tantos anos quantos os do Clube foi derrotado quando se propôs à reeleição.
Foram as críticas, por vezes ferozes, que mantiveram forte e no rumo certo o Benfica durante os Anos 60 e seguintes...
Num clube acrítico nunca haveria Borges Coutinho. 


Quem não sabe viver com a crítica não sabe o que é o Benfica nem poderá ter responsabilidades no "Glorioso".

Alberto Miguéns

4 comentários
comentários facebook
  1. Assino por baixo.

    Há pessoas que não têm a noção do que é o Sport Lisboa e Benfica. Figurinhas.

    Eu por mim nunca me coíbo de criticar ou elogiar no Estádio ou ondee ahcar por bem fazê-lo. Nunca usei o lenço branco e nunca usarei mas reconheço o direito a quem o faz, mesmo pense que seja apenas uma foleirada vinda de Espanha.

    Eu mão conheço donos do Benfica. O Clube está acima de tudo e de todos. Não tolero que me digam que apoie sem ter espírito crítico, que não use a consciência e o bom senso que resulta de uma actividade pensante, reflexiva, em face do que vejo, escuto e sinto. O Sport Lisboa e Benfica não pode viver amordaçado. O Sport Lisboa e Benfica é a luz, o orgulho de muitos homens e mulheres e se alguns escolhem criticar é porque amam de forma diversa à de quem dirige. E essa é a razão deles que deve ser respeitada. Amam por amar, sem interesses de ser interesseiros. Se estão enganados então o tempo se encarregará de o mostrar como sempre o fez. Mas essa é a força do Clube. Respeitar quem dirige não é o mesmo de aceitar tudo. Respeitar os outros adeptos é obrigação de quem dirige, de todos os Benfiquistas. Compreender isso é perceber parte fundamental do que foi, é e será o Clube.

    O Sport Lisboa e Benfica são os sócios, os adeptos, simpatizantes e não são meia dúzia de iluminados mais ou menos bem falantes, geralmente bem pagos e que procuram viver à conta do Clube. Respeitem para ser respeitados!

    ResponderEliminar
  2. Estão a delirar. O vosso glorioso agora é um valor mobiliário transacionável no mercado. Manda quem pode e obedece quem deve!! A bolsa e o Vieira conseguiram aquilo que 48 anos de ditadura sonharam: tornar o Benfica num Belenenses.

    ResponderEliminar
  3. Caro Desconhecido

    Os Benfiquistas sempre souberam resolver os seus problemas. e não vai ser agora que isso deixará de acontecer.

    Saudações

    Alberto Miguéns

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue