A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

26/07/2017

Nota Que Pode Parecer e Ser Ridícula

26/07/2017 + 8 Comentários
ESTE BLOGUE SEMPRE PROCUROU RESPEITAR A LÍNGUA PORTUGUESA.

(clicar em cima da imagem para obter melhor visualização)

A essência de um blogue são as palavras e o modo como se utilizam. Um blogue é feito disso, embora este abuse de imagens e digitalizações. Que o diga o mestre Master Groove.

Se por vezes há erros de português neste blogue é por que eu ignoro todos os pormenores da Língua Portuguesa. Que é uma Língua "Rócócó" cheia de preciosismos e excepções à regra que são explicados a nível etimológico. Ora esta ligação deixou de ser perceptível quando passou a fonética com o Normalização Nacional Ortográfica em 1911. Quando há erros é por ignorância, não por desleixo.

Algo que me "tira do sério" é a quantidade de entendidos que são contra o Novo Acordo Ortográfico (AO) de 1990 mas depois utiliza estrangeirismos a "torto e a direito" sem nexo: target é alvo, rating é notação, remontada é reviravolta, cup é taça, etecetra. Mil e uma palavras. A utilização de estrangeirismos revela provincianismo, aculturação e pouco orgulho no que é português. São célebres as "vacances" dos emigrantes portugueses em França, nos anos 60 e 70. Dois anos depois já não regressavam a Portugal de férias, era de "vacances". Ora os estrangeirismos são infinitamente mais prejudiciais à Língua Portuguesa que escrever direção em vez de direcção que é como continuo a escrever neste blogue embora em documentos oficiais ou que utilizem o AO escreva segundo as normas deste.

Uma das maiores machadas que o futebol (a existência continuada de competições europeias) deu na Língua Portuguesa foi a adulteração dos nomes das localidades, muitas delas com nomes seculares em português ou não tivessem sido os portugueses o Povo que fez a primeira globalização. O desenvolvimento da Cartografia em Portugal e o estabelecimento de relações comerciais com as principais localidades da Europa e do Mundo permitiu que a Língua Portuguesa fosse enriquecida com milhares de nomes de localidades e nomes geográficos de rios, montanhas, mares, etecetra. 

Não faz sentido adulterar no final do século XX e XXI o que os portugueses desenvolveram desde o século XV. E isso, repito, muito se ficou a dever ao Futebol. É fácil perceber que os principais jornais diários portugueses na Segunda Guerra Mundial ainda designavam correctamente os nomes geográficos das localidades ou regiões onde se lutava sem dó nem piedade. Isto porque tinham um "Livro de Estilo" (de que escreverei a seguir) que era um dicionário respeitado porque além de respeitarem a Língua Portuguesa respeitavam (e instruíam) os leitores. 

Mais do que aldrabar e adulterar os nomes há situações ridículas de abastardamento dos nomes. Ainda há pouco tempo na Sport TV "teleouvi" em cinco minutos falar no Genoa e depois na Sampdoria de Génova. Ora isto é estupidez no estado mais puro. Em italiano, se é Genoa CFC então UC Sampdoria tem de ser também de Genoa, pois Genoa em português é Génova. Assim é que não. Há um clube que é pronunciado em italiano (Genoa) e outro em português (Sampdoria Génova). Inacreditável e incoerente. Entre centenas de exemplos. Infelizmente.

Qualquer Historiador ou Geógrafo tem obrigação de saber e conhecer os nomes verdadeiros que existem em português desde há séculos e que têm um manual extraordinário feito pelo investigador Ivo Xavier Fernandes, no período entre as duas guerras mundiais, publicado em 1941.



Este blogue fez-me ficar com um dilema ao aliar-se com a minha formação académica. Fazer de "Maria Vai Com as Outras" escrevendo como se passou a escrever erradamente os nomes ou escrever da forma que aprendi. Ai de mim que na cadeira de Coreografia escrevesse Leipzig em vez de Lípsia. Estava errado. E muitos erros destes, davam direito a reprovação.



É evidente que mesmo quem saiba que alguns nomes estão errados - escrever Leipzig em vez de Lípsia - é um erro ortográfico igual a escrever interviu em vez de interveio, por exemplo, mas a tendência é seguir o "rebanho". Mas um erro é sempre um erro e agora que encontrei os dois volumes da extraordinária obra de Ivo Xavier Fernandes passo a designar os nomes de forma correcta. Mesmo que pareça mal, soe mal, seja ridículo e vá contra a enxurrada de disparates que os media produzem.

O objectivo não é passar por pretensioso ou "chicoesperto". A finalidade é honrar a Língua Portuguesa, pois de palavras portugueses se constrói este blogue (sem elas não existia) tal como o propósito (e objectivo) deste blogue é defender o Benfica com a História Gloriosa e Grandiosa do próprio Benfica. Ou seja,

Honrar Agora os Ases Que Nos Honraram o Passado

Alberto Miguéns
8 comentários
comentários
  1. Muito bem Alberto Miguéns!

    Eu até ia mais longe na tua crítica, pois penso que as escolas também têm de reforçar ainda mais a nossa língua e a sua riqueza.

    Já agora, vou estar atento à forma como os "junta-letras" irão referir-se ao "Liverpool" com o estrangeirismo, ou com a palavra portuguesa Liverpul.

    Por fim, acabo de escrever este comentário e não deixa de ser curioso que a única palavra incorrecta para o Google é... advinha... Liverpul. Isto é também responsabilidade nossa e de quem tem essa responsabilidade específica. É preciso dinamizar ainda mais a riqueza da nossa língua.

    ResponderEliminar
  2. Caro Miguéns, onde encontrou este tesouro, por ventura não havia por lá mais um exemplar dos dois volumes?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro António Madeira

      Infelizmente não. São dois volumes e foram comprados nos anos 80. Há na Biblioteca Nacional. Mas deu-me uma boa ideia. Tentar que uma editora actual faça uma nova edição. Vou entrar em contacto com duas ou três.

      Saudações Gloriosas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Peço desculpa pelo atraso na minha resposta.
      Tenho dúvidas que alguém lance nova edição, mas não custa tentar e desde já lhe agradeço.

      Eliminar
  3. Curiosamente nessa mesma página está o nome que os cipriotas (ou os gregos) chamam à capital do Chipre. Então afinal vamos passar a dizer o nome original (Leucosia) em vez de Nicósia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro

      Habituaram-nos mal, no erro, e tudo depois nos parece ridículo. É como Liverpul.

      Há situações com duas grafias. É o caso. Também aparece Nicósia. Por exemplo, os gregos também podem ser helénicos (que até é como eles gostam, pois grego é um termo depreciativo inventado pelos turcos). Suíça pode ser também Estados Helvéticos e Holanda tem como alternativa Países Baixos.

      Saudações Gloriosas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Caro

      Como tenho mais tempo posso dar mais umas indicações complementares.

      A capital de Chipre pode escrever-se, em português, Leucósia ou Nicósia mas os seus habitantes não são nicósenses ou nicusenses. Em português mesmo sendo Nicósia são leucosenses.

      Tal como em Portugal há diferenças:

      os habitantes/naturais da Guarda não são guardenses, mas sim egitanienses, egitanenses ou egitanos.

      Beja....pacenses; Guimarães....vimaranenses; Santarém....escalabitanos ou santarenos; Chaves....flavienses; Tomar...nabantinos; Leiria...colipolenses, Castelo Branco...albicastrenses, Vila Viçosa...calipolenses; Ponta Delgada...micaelenses; Évora...eborenses; Coimbra...conimbricenses.

      Ler o II volume da citada obra é um romance por que tem informações de A a Z de Portugal e do Mundo.

      Os portugueses já foram gigantescos, «deram novos mundos ao Mundo», embora o provincianismo tenha "dado cabo de nós"! E continua a fazer Escola!

      Gloriosas TETRAsaudações

      Alberto Miguéns

      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail