A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

12/01/2017

Ganhar ou Perder o Campeonato Será Inédito (Parte I)

12/01/2017 + 6 Comentários API
O BENFICA TEM CINCO TRIS MAS NENHUM TETRACAMPEONATO. MAS TAMBÉM NUNCA PERDEU UM CAMPEONATO COM SEIS PONTOS DE VANTAGEM NA VIRAGEM DA PRIMEIRA PARA A SEGUNDA VOLTA.


O Benfica nunca desperdiçou uma vantagem de seis pontos no final da primeira volta. Foi sempre campeão nacional. Hoje os 47 títulos perdidos e como foram perdidos. Num próximo texto (previsto para  17 de Janeiro) os 35 campeonatos conquistados.



O Benfica, FC Porto e Sporting CP têm 80 em 82
Os três clubes só cederam dois títulos de campeão nacional em 82 edições da competição: em 1945/46 para o CF “Os Belenenses” e em 2000/01 para o Boavista FC. Os restantes 80 foram distribuídos entre eles: SLB (35), FCP (27) e SCP (18).

Nesses 80 em 71 (88,8 por cento) pelo menos dois deles ficaram nos dois primeiros lugares
Ou seja (é fazer uma simples subtracção) em nove edições outro clube se intrometeu no 2.º lugar. E foram “apenas” cinco clubes dos 68 (tirando os citados três) que já disputaram este primeiro escalão. Não há registo no Mundo, em campeonatos com mais de 50 edições disputadas de tal macrocefalia, neste caso “Tricefalia”!
1936/37 – CF “Os Belenenses”
1954/55 - CF “Os Belenenses” (2)
1966/67 – Associação Académica Coimbra
1971/72 – Vitória FC Setúbal
1972/73 – CF “Os Belenenses” (3)
1975/76 – Boavista FC
1998/99 – Boavista FC (2)
2001/02 – Boavista FC (3)
2009/10 – SC Braga

E destes 72 em 43 (60 por cento) os três clubes dominadores ficaram nos três primeiros lugares
Ou seja (continua a ser fácil fazer uma simples subtracção) em 29 edições outro clube se intrometeu no 3.º lugar. E foram “apenas” oito clubes dos 68 (tirando os citados três) que já disputaram este primeiro escalão. Não há registo no Mundo, em campeonatos com mais de 50 edições disputadas de tal macrocefalia, neste caso “Tricefalia”!
1939/40 – CF “Os Belenenses”
1940/41 – CF “Os Belenenses” (2)
1941/42 – CF “Os Belenenses” (3)
1942/43 – CF “Os Belenenses” (4)
1943/44 – Atlético CP
1944/45 – CF “Os Belenenses” (5)
1946/47 – CF “Os Belenenses” (6)
1947/48 – CF “Os Belenenses” (7)
1948/49 – CF “Os Belenenses” (8)
1949/50 – Atlético CP (2)
1952/53 – CF “Os Belenenses” (9)
1955/56 – CF “Os Belenenses” (10)
1956/57 – CF “Os Belenenses” (11)
1958/59 – CF “Os Belenenses” (12)
1959/60 – CF “Os Belenenses” (13)
1964/65 – GD CUF Barreiro
1968/69 – Vitória SC Guimarães
1969/70 – Vitória FC Setúbal
1972/73 – Vitória FC Setúbal (2)
1973/74 – Vitória FC Setúbal (3)
1975/76 – CF “Os Belenenses” (14)
1986/87 – Vitória SC Guimarães (2)
1987/88 – CF “Os Belenenses” (15)
1988/89 – Boavista FC
1991/92 – Boavista FC (2)
1997/98 – Vitória SC Guimarães (3)
2007/08 – Vitória SC Guimarães (4)
2011/12 – SC Braga
2012/13 – FC Paços de Ferreira

Assim em 82 – 2 – 9 – 29 = 42
Nos 82 campeonatos nacionais já disputados, em 42 (51 por cento) o SLB, FCP e SCP ocuparam os três primeiros lugares. Por isso as probabilidades de isto ocorrer todas as épocas é elevada, mas não “obrigatória” como mostram os dois títulos de outros dois clubes, os nove segundos lugares de cinco emblemas e os 29 terceiros lugares de oito clubes. Juntando estas 40 excepções elas resumem-se a nove dos restantes 68 (tirando os citados três). Além de oito que repartem terceiros e segundos lugares há a Associação Académica de Coimbra que já fez um segundo lugar mas nunca foi terceira classificada.

Clube
1.º
2.º
3.º
CF “Os Belenenses
1
3
15
Boavista FC
1
3
2
Associação Académica Coimbra
-
1
-
Vitória FC Setúbal
-
1
3
SC Braga
-
1
1
Atlético CP
-
-
2
GD CUF
-
-
1
Vitória SC Guimarães
-
-
4
FC Paços de Ferreira
-
-
1
Nove clubes em 69!
2
9
29

Como é que o “Glorioso” conseguiu perder 47 campeonatos
Eis a “revelação” do Mistério. O SLB só em sete dos 47 campeonatos perdidos estava no primeiro lugar após a “viragem” para a primeira volta! Mas nestes só em cinco tinha vantagem pontual pois em dois – 1945/46 e 2012/13 - liderava ex-aequo. Em 1940/41 apesar de ser segundo classificado o “Glorioso” estava em igualdade pontual com o líder (SCP). Em 1958/59 terminou a primeira volta com três pontos de vantagem para o 2.º classificado: CF “Os Belenenses”. O FC Porto até estava em 3.º lugar a quatro pontos e 13 jogos depois foi campeão nacional. O “célebre campeonato do Calabote”. No final o FC Porto conquistou o seu 5.º campeonato nacional em igualdade pontual (41 pontos), igualdade em resultados (0-0 na Luz e 1-1 nas Antas) com vantagem de um golo na diferença total entre golos marcados e sofridos. Em 1958/59, o maior fracasso – estatisticamente “falando” - do SLB em 82 campeonatos nacionais já concluídos. Em 1985/86 o Benfica liderava a competição no final da primeira volta (mais um ponto que o SCP e mais dois pontos que o FCP). O SLB terminaria o campeonato em segundo lugar a dois pontos do campeão (FCP).

47 NÃO-TÍTULOS DO “GLORIOSO”

Época
Adversários
Resultados na primeira volta
Primeira
Volta*
FINAL
FCP
SCP
3.º***
Cls
Situação**
Cls
DP
1934/35
(F) D 1-2
(C) E 1-1
-
5.º
- 4 (+ 1)
3.º
- 3
1938/39
(C) V 4-1
(F) V 1-0
-
2.º
- 1 (- 1)
3.º
- 2
1939/40
(F) D 2-4
(C) D 1-3
(C) V 4-2
3.º
- 5 (- 6)
4.º
- 11
1940/41
(C) V 3-2
(F) V 2-1
(C) V 2-1
2.º
=   (- 5)
4.º
- 5
1943/44
(F) E 2-2
(C) V 5-4
(F) D 1-3
4.º
- 2 (- 3)
2.º
- 5
1945/46
(C) V 4-0
(F) D 3-4
(C) V 2-0
1.º
=   (- 1)
2.º
- 1
1946/47
(F) D 2-3
(F) D 1-6
-
2.º
- 6  (=)
2.º
- 6
1947/48
(C) V 4-1
(F) V 3-1
(F) D 1-4
3.º
- 2 (+ 2)
2.º
=
1948/49
(C) E 1-1
(F) D 1-5
(F) V 1-0
3.º
- 4 (- 1)
2.º
- 5
1950/51
(F) D 2-5
(C) D 1-3
-
3.º
- 9 (- 6)
3.º
- 15
1951/52
(F) D 0-3
(F) V 3-2
-
3.º
- 3 (+ 2)
2.º
- 1
1952/53
(F) D 1-2
(C) D 2-3
(F) V 2-1
2.º
- 2 (- 2)
2.º
- 4
1953/54
(F) D 3-5
(C) D 0-2
-
4.º
- 4 (- 7)
3.º
- 11
1955/56
(F) D 0-3
(F) V 3-1
(C) V 1-0
2.º
- 2 (+ 2)
2.º
=
1957/58
(F) D 0-1
(F) D 0-2
-
3.º
- 8 (+ 1)
3.º
- 7
1958/59
(F) E 0-0
FCP + 4
(C) V 4-0
(C) V 3-2
1.º
+ 3 (- 3)
2.º
=
1961/62
(F) D 1-2
(C) E 3-3
-
3.º
- 4 (- 3)
3.º
- 7
1965/66
(F) D 0-2
(C) D 2-4
-
2.º
- 4 (+ 3)
2.º
- 1
1969/70
(C) V 2-0
(F) D 0-1
(F) D 0-1
2.º
- 3 (- 5)
2.º
- 8
1973/74
(C) V 2-1
(C) V 2-0
(C) D 2-3
4.º
- 4 (+ 2)
2.º
- 2
1977/78
(C) E 0-0
FCP + 2
(F) E 1-1
-
1.º
+ 2 (- 2)
2.º
=
1978/79
(F) D 0-1
FCP + 1
(C) V 5-0
-
1.º
+ 1 (- 1)
2.º
- 1
1979/80
(C) E 0-0
(C) V 3-2
-
3.º
- 1 (- 6)
3.º
- 7
1981/82
(F) D 1-2
(C) E 1-1
-
2.º
- 4 (+ 2)
2.º
- 2
1984/85
(F) D 0-2
(F) D 0-1
-
3.º
- 4 (- 8)
3.º
- 12
1985/86
(F) D 0-2
FCP + 2
(F) E 0-0
-
1.º
+ 1 (- 3)
2.º
- 2
1987/88
(C) E 1-1
(F) E 1-1
(C) V 2-0
2.º
- 7 (- 8)
2.º
- 15
1989/90
(F) D 0-1
(F) V 1-0
-
3.º
- 2 (- 2)
2.º
- 4
1991/92
(F) E 0-0
(F) E 0-0
(C) D 0-1
2.º
- 1 (- 9)
2.º
- 10
1992/93
(F) D 0-1
(F) D 0-2
-
2.º
- 4 (+ 2)
2.º
- 2
1994/95
(C) E 1-1
(F) D 0-1
-
3.º
- 4 (- 11)
3.º
- 15
1995/96
(F) D 0-3
(F) D 0-2
-
3.º
- 8 (- 3)
2.º
- 11
1996/97
(C) D 1-2
(F) D 0-1
-
3.º
- 14 (- 13)
3.º
- 27
1997/98
(F) D 0-2
(C) E 0-0
(C) V 1-0
5.º
- 16 (+ 7)
2.º
- 9
1998/99
(F) D 1-3
(F) V 2-1
(F) D 1-2
2.º
- 3 (- 11)
3.º
- 14
1999/00
(F) D 0-2
(C) E 0-0
-
2.º
- 3   (- 5)
3.º
- 8
2000/01
(F) D 0-2
(C) V 3-0
(F) D 0-1
5.º
- 7 (- 16)
6.º
- 23
2001/02
(C) E 0-0
(C) E 2-2
(F) D 0-1
5.º
- 7  (- 5)
4.º
- 12
2002/03
(F) D 1-2
(F) V 2-0
-
2.º
- 11  (=)
2.º
- 11
2003/04
(F) D 0-2
(C) D 1-3
-
3.º
- 11 (+ 3)
2.º
- 8
2005/06
(F) V 2-0
(F) D 1-2
-
2.º
- 6 (- 6)
3.º
- 12
2006/07
(F) D 2-3
(F) V 2-0
-
3.º
- 8 (+ 6)
3.º
- 2
2007/08
(C) D 0-1
(C) E 0-0
(C) E 0-0
2.º
- 9 (- 8)
4.º
- 17
2008/09
(C) E 1-1
(C) V 2-0
-
2.º
- 1 (- 10)
3.º
- 11
2010/11
(F) D 0-5
(C) V 2-0
-
2.º
- 8 (-11)
2.º
- 19
2011/12
(F) E 2-2
FCP + 2
(C) V 1-0
(F) E 1-1
1.º
+ 2 (- 8)
2.º
- 6
2012/13
(C) E 2-2
(F) V 3-1
(F) V 2-1
1.º
=   (- 1)
2.º
NOTAS: * Entre parêntesis pontos recuperados (+), igualdade (=) ou perdidos (-) durante a segunda volta; ** Pontos para o primeiro ou a quantos do segundo classificado (pontos recuperados ou perdidos na segunda volta); *** O adversário que ficou em 1.º, 2.º ou 3.º lugar não sendo o FCP ou o SCP; A vermelho os campeonatos com a vitória a equivaler a três pontos (até ai eram dois)

Perder o campeonato 2016/17
Se o Benfica conseguir manter os seis pontos de vantagem – vencendo o Boavista FC no próximo encontro - seria inédito. E poderia ser considerado o maior insucesso em 83 edições do campeonato nacional, desde 1934/35.

Não deixes Benfica!

Alberto Miguéns
6 comentários
comentários
  1. Dr Alberto,

    Faço uma leitura distinta da sua, e sobretudo mais abrangente, a estatística dita que quem "vira" líder no inverno, tendencialmente é campeão na primavera, depois, surgem algumas excepções, como por exemplo, a ultima temporada 15/16. Porém, a estatística, é como o bacalhau, pode ser cozinhado de varias formas!

    Segundo os meus registos, nos ultimos 60 Campeonatos, registam-se 12 “ultrapassagens” aos líderes da 1.ª volta, uma tendência, portanto, com menor probabilidade estatística de o Benfica perder este Campeonato, na ordem dos 20%. Nessas 12 “ultrapassagens” ao líder de inverno, foram feitas pelo Benfica (6 vezes), FC Porto (5 vezes) e Sporting (numa só ocasião), isto é, nesses 12 Campeonatos, os 3 grandes não lideravam no inverno, mas terminaram Campeões na primavera

    No tempo do PREC, meados da década de 70, as reviravoltas, e o assalto ao líder de inverno foram comuns. Tal aconteceu em 5 ocasiões e consecutivas: campeonatos de 1975, 1976, 1977, 1978 e 1979. E termina a década na temporada 1979/80 com uma liderança partilhada entre Sporting e FC Porto. Justamente nesse período, década de 70, o Campeão de inverno tendencialmente não terminou Campeão, talvez efeitos do PREC!

    Nos ultimos 60 Campeonatos disputados, registo duas recuperações ou reviravoltas extraordinárias. A primeira reviravolta situa-se na temporada 1958/59, sobretudo pela singularidade da derradeira jornada. O FC Porto, no inverno de 1958, “virou” 3º classificado à 13ª Jornada, final da 1ª volta, distava 4 pontos do líder Benfica (a vitória valia dois pontos), mas termina Campeão em igualdade pontual com o Benfica, vencendo esse Campeonato no “goal average". A chegada de Guttmann ao Porto no dia dos finados de 1958, para substituir Bumbel, ressuscitou o FC Porto, é aliás, essa a unica chicotada que gerou um Campeonato para o FC Porto. Bella Guttmann, entra em Portugal pela porta FC Porto em 1958, e despede-se de Portugal na Revolução de Abril de 1974, também pela porta do FC Porto. Guttmann, ainda é o unico Treinador que foi Tri Campeão em Portugal, por dois Clubes distintos, curiosamente, Jorge Jesus, na ultima temporada, poderia ter replicado Guttmann, mas "pela boca morre o peixe..."

    A segunda espantosa recuperação dos ultimos 60 Campeonatos ocorreu na temporada 1970/71, com apenas 26 jornadas. À 13ª jornada, o Sporting era líder da 1ª volta, e o Benfica do irascível Hagan em estreia era 4º classificado, a distar 6 pontos do vizinho de Alvalade (repito, e sublinho, a vitória valia 2 pontos). Pois bem, na 1ª temporada de Hagan no Benfica, este enceta uma recuperação extraordinária nessa 2ª volta, recupera esses 6 pontos de atraso e termina Campeão com 3 pontos de vantagem sobre o eterno rival Sporting!

    Finalmente, na recente temporada 2004/05, os 3 grandes, e de forma inédita, partilhavam a liderança no final da 1ª volta, todos acumulavam equitativamente 31 pontos. Esse Campeonato foi conquistado ao “sprint” pelo Benfica de Trapattoni!

    Todavia, bem recentemente, e já nas duas 2ª voltas respectivas, e de forma consecutiva, o FC Porto ultrapassou o Benfica:

    Campeonato 2011/12, Jornada 18, 12 jornadas por disputar, o Benfica era líder com 48 pontos, e o FC Porto 2º com 43 pontos (menos 5 pontos). Na 30ª Jornada o FC Porto foi Campeão com 6 pontos de avanço sobre o Benfica!

    Campeonato 2012/13, Jornada 27 (3 jornadas por disputar), o Benfica era líder com 73 pontos, e o FC Porto 2º com 69 pontos (menos 4 pontos). Na 30ª Jornada, o FC Porto foi Campeão!

    Recordo-lhe também, que o Benfica neste Campeonato irá a Alvalade na Jornada 30, e como bem sabe, o Sporting directa ou indirectamente tem o habito de oferecer Campeonatos ao FC Porto, por exemplo o de 1986, Campeonato fundamental para o FC Porto, porque sem esse título, o FC Porto não teria sido Campeão Europeu em 1987!

    Saudações des_Portistas dos amigos do Bairro da Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Representante dos Portistas do Bairro da Graça

      Tudo é possível. Neste momento faltam 18 jornadas, ou seja, estão 54 pontos para cada clube disputar.

      1. O Benfica vencendo o Boavista FC e o FC Porto o Moreirense FC continuam distanciados seis pontos com 51 por disputar (17 jornadas).

      2. O "Glorioso" nunca perdeu um campeonato com seis pontos de avanço a 17 jornadas do final.

      3. Em relação a 2011/12 e 2012/13 há a segurança que Pedro Proença já não é árbitro;

      4. Nem os portistas acreditam que alguma vez Nuno Espírito Santo (NES) recupere seis pontos. Nem em 34 jornadas quanto mais em 17. Antes pelo contrário. É mais fácil acreditar que o NES vai perder até mais de seis pontos em relação ao SLB até à 34.ª jornada. Não me admirava do FCP ficar a 18/20 pontos do SLB. Aliás vai sair da "Catedral" (27.ª jornada) a mais de dez pontos. O FCP não vence no Estoril (19.ª), SCP (20.ª), Guimarães (21.ª), pelo menos! E depois da "Catedral" tem deslocações a Braga (29.ª), Chaves (31.ª) e CS Marítimo (32.ª). Está bem! Está!

      Saudações. Tenha cuidado com o 3.º lugar!

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. Caro Alberto, espero que tantos argumentos e tanto optimismo não levem à sobranceria.

    Prefiro sem dúvida a abordagem de cerrar os dentes e trabalhar duramente para conquistarmos os 49 pontos em falta.

    Preocupa-me sobretudo que apesar de não haver Proença, ainda andam por aí os Capelas, os Veríssimos, os Dias, os Motas, os Esteves, os Sousas, ..., e sobretudo o Miguel (aqui não posso usar o plural, que há nomes que não se podem confundir!!!)

    Boa sorte para nós!

    Grande Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro

      Os adeptos podem andar eufóricos e dar os factos por consumados. Nós somos "amadores".

      Os dirigentes, treinadores e obrigação de sentirem isso como estímulo, mas como são profissionais não se deixarem contagiar.

      Na minha profissão podem dizer que eu sou o melhor do Mundo que no dia seguinte da manhã volto a ser o mais competente que posso, ainda que possa sorrir mais.

      TRIsaudações (a caminho das TETRA) Gloriosas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  3. Alberto,

    Seria interessante fazer um artigo para procurar a resposta à seguinte questão: "como é possível o Benfica com o seu historial riquíssimo e equipas míticas, não ter conseguido nunca ganhar mais de três campeonatos seguidos, enquanto os seus principais rivais já (o Sporting já ganhou 4 de seguida na década de 50, o Porto ganhou 5 de seguida na década de 90 e 4 de seguida na primeira década do novo milénio).

    Disso ninguém fala e questiona. Disso não se ouve ninguém a chorar em praça pública. Mas, a verdade é que há muito do paradoxo do poder sobre esse tema que deveria merecer reflexão e debate importante na nossa sociedade.

    De facto, sempre que o Benfica ganha consecutivamente, a tendência para os outros é a mesma que surgem nas tribos, i.e., tribos menos fortes com o receio de uma tribo que está a crescer, tentam unirem-se e usando estratégias de guerrilha, muitas de bastidores, vão impondo derrotas sobre a tal tribo em crescendo. Ora, através de pura pilhagem em momentos de distracção, ora por colocando uns contra outros dentro dessas estruturas.

    O problema é que este tipo de comportamentos tendem a nivelar por baixo a evolução. A tal tribo ao crescer e evoluir, com o impacto destas outras tribos, acabam por não conseguir crescer o suficiente e podem mesmo colapsar. O Benfica já vivenciou isso. Contudo, se conseguirem resistir a essas pilhagens e resistências, conseguirá crescer muito mais que as outras e o desnível será tão grande que estas jamais poderão competir com essas estratégias tribais. Elas próprias para poderem ombrear com a tribo mais desenvolvida, terão que inevitavelmente desenvolverem-se segundo um mesmo padrão.

    É este raciocínio o que está por detrás da mudança da organização social do homem como nómada para fixar-se como agricultor e em comunidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro PP,

      Isso sabe-se "mais ou menos" embora sem estudos exaustivos.

      O SLB perdia os "Tetras" devido a fornecer muitos jogadores à selecção nas fases críticas do apuramento para os Mundiais. Que coincidia com a primeira volta do tal campeonato perdido.

      1961/62 - 1962 Mundial no Chile

      1965/66 - 1966 Mundial em Inglaterra

      1968/70 - 1970 Mundial no México

      1973/74 - 1974 Mundial na RFA (Alemanha)

      Saudações Gloriosas

      Alberto Miguéns



      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail