A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

14/06/2016

Magalhães Goleia Góis Mota

14/06/2016 + 6 Comentários
EXTRAORDINÁRIA DECLARAÇÃO NUM EXCELENTE PROGRAMA DA RTP.2 AOS DOMINGOS À NOITE: A PIDE ANTES DA PIDE.



Aquele que foi o primeiro director do jornal "O Benfica" (José Magalhães Godinho) entre 1942 e 1946, tem uma intervenção brilhante no programa, colocando os "pontos nos is" relativamente a uma figura execrável do Estado Novo que também foi um dos mais destacados dirigentes sportinguistas (Góis Mota), chegando mesmo a presidente do Sporting CP, durante quatro anos entre 1953 a 1957.




O SL Benfica e o jornal "O Benfica" têm uma honra sem paralelo em ter como um dos seus, essa nobre e corajosa figura da História de Portugal. O Benfiquista José de Magalhães Godinho.


Não será hoje que o Em Defesa do Benfica fará a merecida evocação deste gigante da Resistência à Ditadura que aliás já teve destaque aqui neste blogue a propósito de Cândido Oliveira pois foi o primeiro director do jornal "O Benfica" que escreveu o prefácio para a primeira edição do livro "Tarrafal - O Pântano da Morte" (clicar). O destaque ficará para o tempo oportuno, no futuro, de um Grande Português e Benfiquista, nascido em 12 de Fevereiro de 1909 e falecido, em 25 de Março de 1994, aos 85 anos.

Ficha na PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado)

Acerca de quem foi Góis Mota no Sporting CP nada melhor que deixar os sportinguistas a falar dele e fazer o seu perfil (clicar)

Dois clubes tão diferentes, duas personalidades tão distintas
José Magalhães Godinho já tinha ampla actividade política antes de ser nomeado como primeiro director do jornal O Benfica" em 28 de Novembro de 1942. 

Antes
Terminado o curso dos liceus, José Magalhães Godinho ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde se licenciou, em 1932.  Antes, durante o ensino secundário, no Liceu Gil Vicente foi delegado de turma à Junta de delegados e membro activo da Associação Académica, na qual desempenhou vários cargos, incluindo o de presidente da direcção. Seguiu-se o ensino superior. No tempo de estudante universitário teve activa intervenção associativa e política. Desde muito jovem, manifestou um forte espírito associativo, que iria marcar a sua personalidade. Em Novembro de 1930, cerca de três dezenas de estudantes da Faculdade de Direito, depois de uma assembleia-geral, em protesto pela detenção de um colega (Francisco Mendes), invadem as instalações do Ministério da Instrução, com José de Magalhães Godinho, Teófilo Carvalho dos Santos e Artur Santos Silva, em destaque, entre outros. São presos e vão para a cadeia do Aljube, onde passam uma noite. Foi dirigente nas greves académicas de 1930 e 1931. Ainda neste ano, foi eleito (com Vitorino Nemésio e Francisco Mendes) para representar os alunos da Universidade Clássica de Lisboa num congresso Ibero-americano de estudantes, mas acabou impedido de participar pelo Ministro da Instrução. Intratável, corajoso e coerente, integrou a direcção da Liga da Mocidade Republicana da Faculdade.

Durante (a direcção de "O Benfica")
Em 1942, forma-se em Lisboa o «Núcleo de Acção e Doutrinação Socialista», constituído por um grupo de estudantes universitários – muitos dos quais, filhos de dirigentes republicanos (Primeira República) – que se propõe divulgar os ideais do socialismo. Entre os fundadores está José Magalhães Godinho, com o seu irmão Vitorino Magalhães Godinho, Afonso Costa Filho, Mário de Castro, Gustavo Soromenho, António Macedo, Mário Cal Brandão, Artur Santos Silva, Paulo Quintela, José Joaquim Teixeira Ribeiro e Fernandes Martins. Em Dezembro de 1943, José Magalhães Godinho é um dos fundadores do Movimento de Unidade Nacional Anti-Fascista (MUNAF), organização clandestina presidida por Norton de Matos, e que irá fazer parte da sua comissão executiva até 1947. O MUNAF reúne o PRP (Partido Republicano Português), a SPIO (tentativa de organizar o Partido Socialista como Secção Portuguesa da Internacional Operária), a recém-criada União Socialista, o grupo da Seara Nova, a Maçonaria, anarco-sindicalistas oriundos da CGT (Confederação Geral do Trabalho ex-UON - União Operária Nacional de que Manuel da Conceição Afonso - prresidente da Direcção do do SLB - foi delegado pelos linotipistas/tipógrafos), católicos progressistas, monárquicos anti-Ditadura e alguns militantes do PCP (Partido Comunista Português). Em Janeiro de 1944, o MUNAF divulga o primeiro comunicado, dando a conhecer a sua composição. Na comissão executiva aparecem José Magalhães Godinho, Fernando Piteira Santos, Jacinto Simões, Moreira de Campos, Alberto Rocha e Manuel Duarte. O MUNAF defende, desde logo, a criação de um Governo Provisório de Unidade Nacional, com eleições livres para uma Assembleia Nacional Constituinte, e propõe-se elaborar um programa de emergência. Toda esta actividade cívica e política em simultâneo com o cargo de director do semanário "O Benfica"!

Depois
Preocupado com as repercussões negativas que a sua actividade cívica e política podiam ter junto das entidades que regulavam o desporto prejudicando o Benfica decide afastar-se da direcção do jornal mantendo-se ligado ao clube como associado e noutros cargos com menos exposição e visibilidade. E sempre activo à procura de soluções que fizessem de Portugal um País Livre. Um País À Benfica!


DIRECTORES DO SEMANÁRIO “O BENFICA”
Ordem   Nome                                                                 Primeiro número        Último número    Total edições         
                                                                                                      N.º        Data                     N.º  Data                                                   
  1.º           Dr. José de Magalhães Godinho           1        28.11.1942           167       02.02.1946      167
  2.º           Dr. António José de Melo                              168       09.02.1946            288      29.05.1948           121
  3.º           Dr. Paulino Gomes Júnior                             289      05.06.1948           328      05.03.1949             40
  4.º           Rebelo da Silva                                                  329       02.03.1949            540      28.03.1953           212
  (3.º)       Dr. Paulino Gomes Júnior                             541       09.04.1953          1071       30.05.1963           531
  Interino Dr. António Fezas Vital                                1072      06.06.1963          1099      12.12.1963              28
  5.º           Afonso Botelho                                                1100      19.12.1963           1139       19.09.1964             40
  Interino Adolfo Vieira de Brito                                    1140       26.09.1964          1167       01.04.1965            28
  Interino Dr. Roman Navarro                                        1168       08.04.1965         1176       29.05.1965               9
  (3.º)       Dr. Paulino Gomes Júnior                           1177       05.06.1965          1234       07.07.1966              58
  6.º           J. Lourenço Gago                                            1235       14.07.1966          1288      20.07.1967              54
  7.º           Carlos Vieira de Carvalho                            1289      27.07.1967          1387      20.05.1969               99
  8.º          Baptista Rosa                                                   1388      27.05.1969          1513       19.10.1971              126
  (3.º)       Dr. Paulino Gomes Júnior                           1514       26.10.1971           1649       28.05.1974           264
  9.º           A. Barros Teixeira                                           1650      04.06.1974          1932       30.10.1979           283
10.º          Luís Marques Batoque                                   1933       06.11.1979           2016      10.06.1981              84
Interino  Mário Sérgio                                                     2017      18.06.1981          2024      06.08.1981                  8
11.º           Afonso Coelho Pinto                                      2025      12.08.1981          2070      22.06.1982               46
12.º           J.M. Boavida-Portugal                                2071      29.06.1982          2265      19.03.1986              195
(3.º)         Dr. Paulino Gomes Júnior                           2266      26.03.1986          2319       01.04.1987              54
13.º           João Loureiro                                                   2320      08.04.1987         2431       24.05.1989             112
14.º           José Respício                                                   2432      31.05.1989          2605      16.09.1992             174
Interino  António Ramos Gomes                                 2606      23.09.1992          2608      07.10.1992                3
15.º           João Sequeira Andrade                                 2609      14.10.1992           2728      25.01.1995            120
16.º           Carlos Morgado                                               2729      01.02.1995          2881      31.12.1997             153
Interino  Vieira de Carvalho                                          2882      07.01.1998                                                                1
17.º           José de Oliveira Santos                                2883      14.01.1998          2949      21.04.1999              67
18.º          Acácio Gomes                                                   2950      Maio.1999           2965      Agosto.2000          16
19.º           Adriano Cerqueira                                          2966      28.02.2001         3171       04.02.2005           204
Interino  Luís Lemos                                                       3172       11.02.2005          3174       26.02.2005                 3
20.º          Fernando Seara                                               3175       05.03.2005         3313       26.10.2007             139
Interino  Luís Lemos                                                       3314       02.11.2007          3346      13.06.2008               33
21.º           José Nuno Martins                                        3347      20.06.2008        3752       10.06.2016             416       

                                                                                                                          Dr. Paulino Gomes Júnior…. 767

É tão bom (e estar tão à vontade) ser do Benfica!

Alberto Miguéns


NOTA1: Um dos motivos que me levaram a deixar de escrever, semanalmente, em "O Benfica" foi ter sido vítima de censura, perceber a «piolhice» de quem andava mais preocupado em propaganda e menos em informação  e ter visto como se atentava contra o espírito de Liberdade e Responsabilidade que José Magalhães Godinho tinha dado como mote logo no início do Jornal, no início dos anos 40 do século XX. Estar a pactuar com uma figura sinistra e desengonçada como Pedro Guerra ou Fernando Santos ou lá como quer que o chamem era estar a enxovalhar a memória de um Grande Benfiquista! Eu até dizia nas instalações do Semanário que o Benfica andava ao contrário. Quando o País censurava, «O Benfica» era Liberdade. No país com liberdade, n'«O Benfica» censurava-se! Na realidade era ele que "punha e dispunha" no Jornal só não querendo o seu nome na ficha técnica por ser um tachista do grupo parlamentar do CDS/PP. E tal poder/designação/facto ter implicações legais e políticas. Mais tarde só pude ficar contente com a decisão que havia tomado, embora triste pelo que estava a passar-se, ao ver outros Benfiquistas, entre eles Manuel Arons de Carvalho, serem ostracizados. Felizmente a "promoção" do "verdadeiro director do jornal" (devido ao crónico absentismo do director nomeado e com nome em cabeçalho) para a BTV pode ter levado para lá a «piolhice» mas permite que o actual editor de O Benfica recupere a dignidade que o Semanário do Benfiquismo sempre teve dentro do Clube.

NOTA2 (às 01:15): Para que não se pense que este blogue é de esquerda ou anti-direita já se elogiaram figuras do Estado Novo pelo que fizeram como Benfiquistas. E sem vergonha, antes pelo contrário, com estima e consideração. 

Ver: http://em-defesa-do-benfica.blogspot.com/2014/08/augusto-cancella-de-abreu.html

E outras se seguirão. Se o "balanço" tende para a esquerda - talvez contabilizando seja assim - é porque é mais fácil encontrar grandes figuras Benfiquistas, assumidamente, em ideologia mais à esquerda. Embora a maioria nem estejam em destaque no blogue conotadas ideologicamente. Até porque o blogue sendo do Benfica tem propensão para dar mais valor ao colectivo que ao individual.

6 comentários
comentários
  1. Off topic:
    sporting tv: o sporting tem 22 campeonatos; porto 30; belenenses, 4 e o benfica 35
    21.35 esta noite.
    Bem sei que tem mais que fazer mas é só para avisar que se avizinham recontagens de campeonatos pelos lados de alvalade
    Saudações benfiquistas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro

      Eu infelizmente tenho de perceber o que o SCP está a fazer.Está a utilizar a inoperância e falta de definição da FPF.

      A culpa é da FPF que só faz cumprir 50 por cento do que decidiu em 1938. Faz equivaler os Campeonatos da I e da II Liga aos Campeonatos Nacionais da I e II Divisões, mas ignora que também decidiu que a Taça de Portugal, a partir de 1938/39, é a designação do Campeonato de Portugal. Se decidiu em 1938 que coloque a decisão implementada a 100 por cento e não, apenas, a metade.Que é o que acontece actualmente ou quase. E digo quase porque com a "não decisão" a FPF o que consegue é fazer esquecer que existiram 17 edições do campeonato de Portugal, como se a FPF conseguisse apagar a História do Futebol em Portugal.

      Gloriosíssimas TRisaudações

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Zé do Arrebimba14/6/16 14:23

      Mesmo assim, pela lógica o Benfica teria 38 e não 35. Além disso teriam de considerar, o Marítimo, Carcavelinhos e Olhanense como campeões nacionais, o que não é verdade, nem nunca foi. Trafulhices atrás de trafulhices.

      Eliminar
  2. Antes da deita. A FPF actual como continuação da FPF de 1914 que respeite aquilo que a FPF decidiu em 1938 e que está reproduzido em vários textos deste blogue incluindo este (na parte final de um longo texto explicativo) em 1 de Junho de 2014:

    http://em-defesa-do-benfica.blogspot.com/2014/06/ainda-28-taca-de-portugal-passado-e.html

    Acaba-se a "tosse e o catarro". Mas fácil que ir à farmácia!

    Alberto Miguéns

    ResponderEliminar
  3. Brilhante texto.
    A minha ideia do Dr. José Magalhães Godinho era vaga. Percebe-se aqui a sua qualidade superior como homem íntegro e grande Benfiquista.
    O SL Benfica foi sempre um raio de sol democrático. Que assim continue.

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail