A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

09/10/2015

O Encanto do Vazio

09/10/2015 + 15 Comentários
TINHA PENSADO HOJE ESCREVER ACERCA DE OUTRO ASSUNTO E NÃO ABORDAR – DESDE SEGUNDA-FEIRA QUE NÃO QUERIA FAZÊ-LO - O ASSUNTO QUE VOU ABORDAR. MAS…





A atribuição do prémio Nobel da Literatura à escritora soviética (agora bielorrussa) Svetlana Aleksievitch caiu como uma espécie de premonição. Há cada coincidência.


O Encanto do Vazio
Que dá título ao texto de hoje é o nome da segunda parte do único livro que li dessa autora, precisamente no Verão deste ano de 2015. E não é que a ver os programas “Mercado” da CMTV e agora da TVI24 me lembrava sempre do conteúdo do livro bem como deste título que a autora escolheu para a Parte II? E quando tinha a tentação de escrever neste blogue acerca desses programas acabava por não o fazer precisamente por encontrar no título “O Encanto do Vazio” exactamente o que eles significam? Ignorá-los, deixá-los no vazio tem esse encanto. Desprezá-los, como o sistema soviético foi desprezado pelos soviéticos quando se pensava que afinal 99 por cento deles seriam anti-capitalistas. Mentira. Passado um mês já não havia socialistas soviéticos. Como que tinham desaparecido. Volatilizados. Ler o livro “O Fim do Homem Soviético” é como ler um suposto livro chamado “O Fim do Homem Estado Novo”. Em Portugal no pós 25 de Abril de 1974 passou-se o mesmo. Em 24 de Abril pensar-se-ia que 99 dos portugueses seriam anti-comunistas. Um mês depois tudo fazia crer que 99 por cento era comunista. Tanto que os resultados das primeiras eleições para a Assembleia Constituinte, em 25 de Abril de 1975, foram a surpresa geral. Quando se pensava que o PCP ia vencer ou ficar muito perto disso foi a estupefação. Houve até quem falasse em eleições fraudulentas. Nada se provou! Passados alguns anos (poucas décadas) começou o saudosismo. Na Rússia, tal como em Portugal. Antigamente é que era bom. Salazar? Estaline? Duas "jóias" de pessoas. Para alguns. Portugueses. Russos! Que parecem sempre demais. Embora tenham as suas razões, certamente! Alonguei-me para justificar o porquê da leitura do livro no Verão passado ter-me entusiasmado – sabia lá eu que a autora seria Nobel em 8 de Outubro deste ano! - pois fez-me recordar o Portugal imediatamente antes e depois do 25 de Abril de 1974. No final contarei uma história puramente pessoal que ilustra o que acabei de afirmar. Regressemos aos programas supostamente acerca do futebol.

Eleições para a Assembleia Constituinte; retirado da www.wikipédia.pt às 22:52 de 8 de Outubro de 2015

O Encanto do Vazio (II)
Ver aqueles programas de domingo e segunda-feira, à noite, e depois apagá-los do interesse das “coisas” é fantástico. Então o último na TVI24 é mesmo, ao não falar dele, “o encanto do vazio”. Aquilo foi uma discussão entre um histérico e um estéril. A chamada “espuma dos dias” ou “fruta da época”. Discussões daquelas são marginais ao futebol. Mas sempre existiu “espuma dos dias” ou “fruta da época” ligado ao futebol. Só que passa à história e ninguém se lembrará um dia que existiu. Estas discussões labregas entre histéricos e estéreis são o sinal do fim de uma era no Futebol. Acredito. A era da alta finança (por isso são “às carradas”, muitos, a quererem lamber as notas) tem os dias contados. Se apertarem o cerco à FIFA vem por aí abaixo em cascata a podridão. Muitos bancos e outras instituições financeiras vão ser apanhados. No tempo do futebol dos tostões os bancos fugiam do futebol. Quando chegou o tempo dos milhões querem estar dentro do futebol. O sistema da alta finança quer estar onde estão os milhões. Principalmente milhões a coberto de paixões. Este poder tem vigorado porque quem está no futebol percebe que este permite fazer cortinas-de-fumo, numa vastidão de procedimentos, porque junta paixão a milhão. A generalidade dos cidadãos insurgem-se contra “os políticos” por ganharem cinco mil euros, apesar de serem “os políticos” (num sentido global) que têm conseguido melhorar desde há milhares de anos as condições de vida das pessoas. Mas acham que apresentadores rascas/cobardes ou artistas pimba, entre muita outra fauna, merecem ganhar cinco, dez vezes mais que os “políticos”. Olhem se algum político, mesmo em países como Espanha, Itália, Inglaterra, Portugal, entre outros, “se metesse” com o(s) seus(s) clube(s)? Por suspeitar de negócios ilícitos ou de lavagem de dinheiro. Era o caos. Ninguém, nenhum deles, se atreve, na actualidade, a ordenar o que quer que seja. Mesmo a FIFA só foi atingida via EUA. Na Europa ninguém se atreveria a incomodá-la. Porque sabe do efeito cascata que pode ter. E que ao chegar aos clubes provocará revolta generalizada dos seus adeptos. Já fugi outra vez do tema.


O Encanto do Vazio (III)
Estes supostos programas acerca do futebol entre excitados e incitados não vão ter qualquer impacte no futuro do Futebol. Reportando-me apenas a Portugal. O Futebol já foi utilizado pelos monárquicos (a seguir ao 5 de Outubro de 1910) e libertou-se. O Futebol já foi utilizado pelos fascistas (fazendo a saudação de braço estendido) e libertou-se. O Futebol já foi utilizado pelos espertos no tempo em que não existia a profissão de futebolista com a justificação que ninguém podia ter como profissão uma actividade que terminava aos 30 e poucos anos… (arranjavam emprego a futebolistas analfabetos dando-lhes a profissão de escriturários) e libertou-se. O Futebol já foi utilizado pelos comunistas no tempo da “Guerra Fria” (que faziam das medalhas olímpicas conquistadas pelos Países Comunistas, com destaque para a RDA e URSS, bandeira de supremacia sobre os Países Capitalistas) e libertou-se. O Futebol é utilizado pela alta finança (para negócios “esquisitos” com muita gente lateralmente a gritar para ter direito a algumas migalhas douradas) e vai libertar-se. Por isso não iria falar, como não costumo fazer, deste tema. Logo havia a autora da frase que melhor define o não querer falar destes temas – o Encanto do Vazio - de ser galardoada com o Nobel!



NOTA FINAL (Uma historieta meramente pessoal passada entre Outubro de 1971 e Maio de 1974. Espero conseguir resumir)
A tal história (portuguesa) de que me recordei ao ler, no Verão passado, o livro “O Fim do Homem Soviético” por perceber quão semelhantes eram os soviéticos (antes da “Queda do Comunismo” e depois dela…) com os portugueses (antes da Democracia e depois dela…)
No início dos anos 70 deixava-se a Escola Primária (1.ª à 4.ª classe) com um exame final. Era o fim da escolaridade obrigatória. Depois ia-se trabalhar ou prosseguiam-se os estudos noutra escola, a Escola Preparatória (1.º e 2.º ano). Outro Mundo. Deixava de haver um único professor, havia vários, um por disciplina. E até uma disciplina chamada Educação Física. Na minha Escola Primária (a n.º 4 no Campo de Santa Clara, mesmo na Feira da Ladra!) a educação física era nos recreios. Jogatanas à bola, mas vestidos “à civil”. E chegar suados e ofegantes à sala de aula. Na Escola Preparatória de Nuno Gonçalves (avenida General Roçadas) havia horário e fardamento (todo branco: sapatilhas com elástico em vez de atacadores, calção e camisola). E davam um símbolo quadrado da Mocidade Portuguesa com quatro acolchetes a cada canto para acolchetar nos outros quatro que estavam na camisola do lado do coração como se fosse um emblema. No primeiro dia da Educação Física, em 1971/72, levei-o no bolso, mas fiz esquecer-me de o acolchetar. Como o professor nada disse continuei assim durante o ano. Achava estranho pois todos (ou quase…) os outros usavam, mas eu não e nunca fui repreendido. Chegou o final do ano lectivo e o professor disse-me que a turma tinha sido convidada para ir ao Estádio Nacional ou a outro sítio, mas tenho ideia que era no Jamor, fazer uma “parada de ginástica para as altas individualidades da Nação” no dia 10 de Junho. Tremi. Tinha de arranjar maneira de me livrar de ir dar espectáculo obrigado. E não é que o professor chama-me à parte e diz-me: Desta vez, vais ter de usar o emblema!” Fiquei estupefacto. Afinal ele fizera-se desentendido, mas agora sabia que eu passara o ano a quebrar a regra da Escola! Cheguei a casa e pedi ao meu encarregado de educação para saber qual a penalização de não ir “dar espetáculo”. Lá foi o meu pai arranjar um dia de folga para saber. Veio de lá com uma “boa notícia”. Disse-me: «Deves ir. Estiveram a ver as tuas notas e és aluno do Quadro de Honra. Se fores ao 10 de Junho tens o teu nome na lista dos melhores alunos da Escola afixada na entrada da “Nuno Gonçalves”. Se não fores não podes fazer parte da lista mesmo que sejas o melhor aluno da Escola!» Respondi: «Só isso? Não sou expulso da escola, nem chamado ao director?» O meu pai gracejou. «Vai lá ao 10 de Junho! Deves pensar que se não fores, és preso pela PIDE!» Pensei foi noutro assunto. Tinha mais um motivo. Livro-me de ter o meu nome exposto aos outros na entrada principal da Escola. Passar despercebido é o melhor! No dia aprazado saí de casa, mas em vez de gastar os habituais 30 minutos para chegar da travessa da Pereira à “Nuno Gonçalves”, levei uma hora pois “enganei-me” e fui por um caminho mais longo. Até passei pela praça Paiva Couceiro e cheguei à entrada da escola em sentido contrário ao “normal”! Quando entrei, dirigi-me a um funcionário que me viu todo de branco e disse algo do género: «Isto é que são horas de chegar!? A pontualidade também é uma virtude! O autocarro já partiu. O aluno perdeu a honra da ida à parada atlética do Dia da Raça e do Império.» Encolhi os ombros e voltei para casa. Já não me lembro que explicação dei, nem sequer se o meu pai estava em casa. A minha mãe estava de certeza mas quando conto a história não se lembra. Para encurtar. No 2.º ano (1972/73) passou-se o mesmo. Também “perdi a honra”. Mas guardei sempre (e para sempre) o emblema da Mocidade Portuguesa (que nunca foi usado, devia estar como “novo” mas…está velho como eu)!



Depois da Escola Preparatória passei para o Liceu. Voltei para junto de casa. O Liceu de Gil Vicente ficava nas traseiras da minha casa. E fica, agora, “apenas” na da minha mãe! Cinco minutos a correr. No Liceu, a “política” fiava mais fino! Havia bufos (informadores) mais pela malta do 4.º e 5.º ano do Liceu (ex-6.º e 7.º antes de haver Preparatório e actual 10.º e 11.º) que eram já pré-universitários e pré-soldados para a Guerra Colonial. No meu primeiro ano lectivo de Liceu (1973/74) deu-se o 25 de Abril. Qual não foi o meu espanto quando em meados de Maio de 1974 vejo o bufo fascista de novo na Escola com um alfinete do PCP do peito! Os mais velhos, os finalistas, avisaram-me. Cuidado. Num mês, passou de caçador de comunistas a caçador de trotsequistas, maoistas e extrema-esquerdistas. (NOTA: em Portugal num mês, entre 25 de Abril e, mais ou menos, 25 de Maio de 1974 deixaram de existir pessoas de Direita. Até o CDS era Social-Democrata. Porque o PPD ainda não era PSD). Nada tinha, nem tenho, ainda na actualidade, em 2015, contra o PCP como partido político. Respeito-o como garante da Democracia como a qualquer outro. Para acabar a historieta. Ainda nesse dia - ou no(s) dia(s) seguinte(s)  - fui à Sede de trabalho do PCP no largo da Graça (a 50 metros de minha casa e outro tanto do Liceu) e pedi um alfinete. Havia vários. Escolhi um igual ao que vira no peito do ex-bufo fascista (até Abril de 1974) “actual” (Maio de 1974) bufo comunista. Disseram-me: «Se for para pôr ao peito é gratuito». Disse-lhes que me colocassem o alfinete na camisa. Saí da Sede de Trabalho do PCP, cheguei a casa, fui buscar o emblema da Mocidade Portuguesa, tirei o alfinete do PCP do peito e espetei-o no emblema de pano da Mocidade Portuguesa. Até hoje. Guardo-o religiosamente “intacto” desde esse dia de Maio de 1974. Há mais de 40 anos.



Benfica! O de ontem, hoje e amanhã. O da essência do Benfiquismo! O que conta!

Alberto Miguéns


NOTA (às 00:54, para quem tenha tido paciência, lido o texto do início ao seu final e tenha pensado no seguinte:)
Porque tinha o emblema acolchetes e não era cosido? 
Explicação em 1971 e que nunca esqueci.
Para estar sempre brilhante! A camisa teria de ser lavada todas as semanas mas sem o emblema. Assim a camisa ia envelhecendo mas o emblema estaria sempre novo. E duraria os dois anos de "Nuno Gonçalves"!
15 comentários
comentários
  1. Meu amigo ler qualquer coisa sua nem que seja só a dizer "Bom dia" é um enorme prazer mas não é no cáso este maravilhoso texto, de uma rquieza e de uma paixão enormes, muito obrigado meu amigo por continuar a escrever e a abençoar-nos quase diariamente com a sua escrita, Deus o abençoe sempre com saude e lucidez para continuar este seu enorme e precioso trabalho, grande Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Damião Soares,
      Muito obrigado.

      Grande abraço Benfiquista (ou seja com genica)

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. Dá gosto lê-lo, qualquer que seja o assunto.
    Abraço,
    José Almeida

    ResponderEliminar
  3. Texto muito bom, só é pena cair no erro clássico de equiparar coisas completamente diferentes. Mas mesmo discordando, gostei de ler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Pela Estrada Fora

      Isso de considerar diferentes é do domínio da subjectividade. Podem ser coisas completamente iguais feitas/ditas para parecerem completamente diferentes. Opinião.

      Obrigado pelo comentário.

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  4. Nunca deixo de sentir gratidão sempre que leio os seus textos. O caro Alberto Miguéns tem o condão de encantar quem o lê. E sou mais velho, nasci na década de 50, também tive de andar na "Mocidade" mas não guardei qualquer lembrança dessa época, pelo contrário, foi tudo para o lixo.
    E no 25 de Abril vi muitos bufos, muitos mesmo, alguns conhecia-os bem, a tornarem-se "comunistas" desde sempre. E, atenção, não sou comunista nem anti-comunista.
    Já pensou em escrever algum livro? Ou já o escreveu? Com a história do nosso Glorioso? ou com os textos que por aqui vai postando? seria o seu primeiro leitor garanto-lhe.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro FL

      Vou tentar escrever. Já há épocas (para o Futebol) e anos (para o Clube) feitos. Talvez comece por fornecê-los em pdf's aos leitores deste blogue.

      Grande abraço Benfiquista (ou seja, com genica)

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  5. Delicioso artigo, mas mais delicioso ainda foi a narrativa de uma história pessoal :)

    Filipe Santos

    ResponderEliminar
  6. Grande artigo.

    Há livros assim que aparecem na nossa vida num tempo certo.

    Não estou certo que a era da alta finança vá acabar no futebol. Essa é resiliente e esse altamente dependente. Como noutras épocas o futebol acompanhará as mudanças que a sociedade vai sofrer. Alguns clubes ficarão pelo caminho. Mais uma vez, como no passado. O Sport Lisboa e Benfica tem de adequar as suas estratégias. Com gente melhor ou pior é preciso ter pessoas que entendam os sinais dos tempos e mantenham a matriz essencial de valores do tempo passado.

    A sua história é "ligada" à mocidade Portuguesa é deliciosa. Os caminhos que uma criança esperta sabe encontrar... Eu, felizmente, não vivi esse tempo. Mas guardo relatos dos meus Pais descrevendo situações envolvendo outros "exemplares" que eles conheceram e que num mês percorreram sem problemas o espectro político. De Salazar até Cunhal. Era logo ali ao lado. Ao lado da conveniência.

    Grande notícia, essa a da evolução do seu livro! Estou certo que muita gente está a aguardar.

    ResponderEliminar
  7. Jonny8Forever9/10/15 14:23

    Caro amigo como sempre mais um texto espectacular e que versa também sobre um tema que a todos deveria interessar e despertar vontade de participação cidadã, o paradigma social e económico.
    No entanto eu vejo-me na obrigação de contestar uma expressão que utilizou, talvez por ser a sua percepção da coisa ou talvez por nunca ter-se debruçado a sério. Diz a certa altura, terem sido os políticos os responsável pela melhoria nas condições de vida. Ora não posso estar mais em desacordo, pois os problemas das pessoas são puramente técnicos, não são políticos. Fome, sem abrigo, doenças, são exemplos dos maiores problemas técnicos da sociedade para os quais medidas políticas nunca serão a solução, pelo contrário serão sempre (um dos) entraves. Para que fique claro o meu ponto de vista, o que melhora as condições de vida das pessoas é a tecnologia, e por arrasto as pessoas técnicas que as desenvolvem e investigam, os engenheiros, os cientistas e todos os estudiosos que dedicam as suas vidas a tentar resolver esses problemas sociais, genuinamente e não pelo lucro. Pode dizer-me assim, mas os políticos intermedeiam medidas para que os aspectos técnicos sucedam. Isso pode ter funcionado durante séculos mas não tem razão de ser na actualidade.

    Abraço benfiquista

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro,

      Os políticos é que criam condições para que a sociedade desenvolva a tecnologia. Alguém teve que cobrar num lado para entregar noutro (o da tecnologia, por exemplo).

      Se não houvesse um qualquer ministro que tivesse orçamento (dinheiro cobrado noutro sítio, para simplificar) para pagar aos professores que ensinam técnicas para que outras criem "tecnologia" para as pessoas usufruírem ia ser o "bom e o bonito".

      Se os políticos fossem prescindíveis já não existiam há muito. Aliás hoje ninguém quer Revoluções.

      Acabaram no Mundo Ocidental. Há 40/60 anos fazia-se uma revolução, mudavam-se as pessoas e pronto...

      Agora quem fizer uma Revolução tem dia X para pagar pensões, dia Y tem de pagar subsídios de desemprego e dia Z tem de pagar aos médicos, professores, tribunais. Está bem está. A Grécia mostrou que as Revoluções nos países com prazos com dinheiro distribuído ninguém as quer.

      Os políticos são como o ar. Ninguém pensa que ele faz falta, mas faz!

      Abraço Benfiquista (com genica)

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  8. Grande Alberto!

    Agora para além de lições de história Benfiquista dá também de história de Portugal? Hehehe!

    Parabéns pelo post!

    ResponderEliminar
  9. Gostei. Gostei mesmo muito. Devemos ter mais ou menos a mesma idade. Somos lisboetas. Regressei por alguns minutos à minha adolescência. Bem haja.

    ResponderEliminar
  10. AH AH AH AH AH AH , desculpe lá Alberto, mas desta vez achei que fez o artigo com muito humor, isto porque nos meus quase 53 anos de vida, passei por tudo o que passou excepto na entrada para o preparatório que o fiz em Moçambique em 73, mas quanto ao resto, deixou-me com um largo sorriso nos lábios e muita nostalgia, foram tempos tão marcantes o pré e o pós revolução
    Abraço Benfiquista apertado!!!
    Ângelo Medeiros

    ResponderEliminar
  11. que lição.
    vénia

    Pedro Paiva

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail