116 Anos Com Assinatura
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o SL Benfica e a sua Gloriosa História. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

28/02/2020

116 Anos Com Assinatura

28/02/2020 + 3 Comentários
QUASE DOZE DECÉNIOS CUMPRIDOS E O CLUBE CONTINUA A RECONHECER AS ASSINATURAS.



Fundado com princípios de elevação que condicionaram o Futuro e objectivos simples, mas ambiciosos, o Clube foi sempre fiel aos que o fundaram. Essa essência diária e coerência secular permitiram um crescimento imparável com o engrandecimento a colocá-lo entre os melhores do Mundo.


Solidariedade
O Lema “E Pluribus Unum” que para os fundadores significava “Todos Por Um” como consta da estrofe do Hino, marcou o início do Clube, então e até 1908, Grupo Sport Lisboa, vincando a Ideia de que o emblema só singraria se conseguisse ombrear rapidamente com os mais fortes e enfrentar o domínio que os ingleses exerciam no futebol em Portugal. O Clube fortaleceu-se, por dentro, com métodos elementares mas exigentes, onde a entreajuda permitiu ultrapassar dificuldades. Foram anos em que se encontraram soluções para problemas prementes e, até, começar a ter soluções que antecipassem problemas previsíveis. O Futebol depressa se tornou «Glorioso», logo em 1907, sendo o espelho, para o exterior, do que era a realidade vivida no Clube. A organização dos quatro plantéis ou categorias a participar nos quatro campeonatos regionais era feita de modo a tornar todas competitivas e conquistadoras. Eram os futebolistas que estavam ao serviço delas e não as equipas ao serviço de uns ou de outros. Esta exigência de superação nunca permitiu fazer distinções, excluir ou vilipendiar quem quer que fosse. Nem sequer os adversários, instituições ou jogadores, que eram respeitados como tal, mas sempre para se tentar vencer, por isso, categoricamente. Todos os que chegavam eram bem-vindos se viessem ajudar e engrandecer. E assim se foi erguendo um colosso desportivo com base numa sã solidariedade.


Lisura
A Águia como elemento-símbolo transportou o Clube até à actualidade fazendo reconhecer o Benfica, entre os portugueses e estrangeiros, como um emblema que era exemplo, nos processos e no modo como sabia vencer (quase sempre) mas também perder (quando outros eram mais fortes). Os portugueses desde cedo se apaixonaram por um clube que além de vencedor e conquistador era simples, nas atitudes e exemplar, nas decisões. Temerários e brilhantes os associados, dirigentes e jogadores souberam merecer o apoio de cada vez mais portugueses. A paixão de uns e outros tornou-se reciproca. Mesmo nas escassas derrotas e insucessos havia, até dos adversários, um reconhecimento inequívoco. O Benfica era um clube que honrava Portugal e o Desporto, porque encarava os jogos, as provas e competições com vontade extrema de as vencer, mas sempre com lisura.


Benevolência
O vermelho-e-branco pontuaram sempre a História do Clube, desde 1904 até 2020. Da arcaica flanela herdada do século XIX às fibras sintéticas do século XXI. O vermelho é símbolo de garra, orgulho e brilhantismo. Tolerantes e exigentes, o vermelho dá o toque da paixão, da fogosidade, emoção e beleza. Atrai quem o vê, emociona quem o usa. Jogadores e adeptos seguem juntos, irmanados numa conjugação forte onde impera a benevolência. 


S.L.B.
Após 116 anos e outras tantas temporadas a jogar futebol a um nível sempre elevado, praticando outros desportos praticamente pioneiro em todos, o Benfica de hoje mantém intactos os valores do início do século XX. Com a mesma garantia de outrora. O Benfiquismo não é algo exterior que se possa destruir com facilidade. É muito mais que uma carapaça, até uma impressão digital. Está dentro de cada um, herdado de gerações anteriores e passada às seguintes. É um sentimento de pertença em que cada um se entrega, por isso nunca se poderá temer o Futuro. Não há na globalidade máscaras ou armaduras. Os Benfiquistas deram de cada um a sua individualidade, como as assinaturas que mostram em escrita a personalidade de cada um para formar o todo. O conjunto de assinaturas de cada um de nós, por isso de todos, continuam diferentes, mas também continua intacta a assinatura colectiva:

Sempre Leais ao Benfiquismo

Carocha, Victor João
Miguéns, Alberto

NOTA: Que toque o Hino, interpretado pelo Órfeão do Sport Lisboa e Benfica. Nunca é supérfluo recordar que foi pedido por Félix Bermudes ao maestro Alves Coelho (pai), entre 1928 e 1929, uma melodia intimista para que os futebolistas - até aos Anos 50 todos sabiam a letra do Hino e a melodia - o entoassem em momentos, durante os jogos ou no intervalo, em que a actuação não estivesse a correr À Benfica. Por isso, o refrão incitava-os, reafirmando que tinham condições para redobrar os esforços e tudo correr melhor. 

  1. Há 116 anos, nesse Glorioso dia 28-02-1904, Cosme Damião registou o nome dos seus 23 companheiros. Nas décadas seguintes o conhecimento desse acto fundador foi-se desvanecendo da memória colectiva.

    Cinquenta anos depois, os indefectíveis Benfiquistas Mário de Oliveira e Carlos Rebelo da Silva, publicaram uma obra extraordinária que resgatou esse conhecimento. Publicaram a Acta, publicaram fotografias de 20 desses 24 homens, publicaram outros documentos há muito esquecidos. Foi um momento decisivo pois ainda viviam alguns dos fundadores, podendo assim ser obtida informação directa, sem filtros, de quem lá esteve.

    É com satisfação que tenho colaborado com o Alberto para irmos adicionando algum conhecimento acerca destes homens. Este texto relembra e homenageia os 24 fundadores. As assinaturas agora reunidas para 21 desses 24 fundadores, relembram-nos como eles foram homens reais. Os nossos fundadores viveram em tempos bem mais difíceis do que hoje mas ainda assim não deixaram de sonhar alto, sonhar grande. Eles foram os precursores do Ideal Benfiquista. Foram os primeiros de milhões de outros homens e mulheres. Todos por um. Todos deitando mãos à obra para construir o maior e melhor Clube Português.

    Obrigado aos 24 fundadores. Obrigado ao nosso querido Sport Lisboa e Benfica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado também ao Victor Carocha por, ao colaborar com o Alberto Miguéns, nos ir facultando tanto conhecimento.
      O Benfica é único e sobreviverá a todas as dificuldades que enfrenta e enfrentará.
      Que os seus sócios e adeptos nunca se conformem com a mediocridade e exijam sempre mais e mais de quem, momentaneamente, nos dirige.
      Viva o Benfica1

      Eliminar
  2. Eu Benfiquista me confesso. Nunca um Presidente do Benfica festejou golos contra o Benfica, à excepção deste, nunca um Presidente do Benfica alterou estatutos em beneficio próprio, à excepção deste, ou esteve 10 anos sem pagar cotas ou foi associado dos rivais, e ainda alterou o nº de sócio para ser eleito. Se bem me lembro. A caminho dos 60 anos com muita dificuldade lá ia pagando as cotas,minhas e da minha filha até que me fartei destas jogatanas! Vivo longe mas sempre que podia ia ver jogos ao estádio, hoje nem na tv.
    Outro ponto: mas alguém com lucidez acredita que se não fosse o vieira o Benfica teria um estádio novo na conjuntura de um Euro em PT. pois eu não acredito, ele viu uma oportunidade e soube aproveita-la.
    O Benfica tem uma história como instituição que sempre foi exemplo no nosso País. A única onde desde sempre houve eleições livres e democráticas, não deixemos perder estes valores, ou seremos só mais um!
    desculpem pelo tamanho texto.
    Saudações Benfiquistas.
    28 de fevereiro de 2020 às 14:0

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue