E Se Começassem A Respeitar o Passado?
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o SL Benfica e a sua Gloriosa História. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

08/09/2019

E Se Começassem A Respeitar o Passado?

08/09/2019 + 2 Comentários
ANDARAM A ANUNCIAR QUE IAM PUBLICAR UM GUIA CORRECTO E AFINAL...



Continuam a insistir nos mesmos erros e sei que têm sido avisados - já vi as mensagens enviadas e recebidas por um leitor desde blogue - há anos para que não tenham erros que penalizem o Benfica. Mas nada. Sabem que está errado e insistem neles.

Sabe-se que há sempre gralhas
Mas numa publicação paga, com uma redacção composta por dezenas de pessoas e avisados, há pelo menos cinco anos, já não sei se é ignorância, negligência ou teimosia.

Vou indicar três, mas há mais
E só foram verificadas informações referentes ao «Glorioso» que são sempre as mais fáceis devido à inúmera informação existente. Agora e desde sempre.



O treinador campeão em 1935/36 é Vítor Gonçalves e em 1936/37 é Lipo Herczka
A Glória Vítor Gonçalves foi um futebolista que subiu da 4.ª até à 1.ª categoria, depois de António Ribeiro dos Reis ter deixado de jogar foi nomeado capitão, foi internacional da I selecção nacional (1921) e na II selecção nacional, capitaneando a selecção nacional, em 1922. ainda capitão fez parte do Conselho Técnico de Cosme Damião (até 1925/26) e de António Ribeiro dos Reis. Este quis que Vítor Gonçalves fosse o treinador do Benfica e assegurou-lhe o seu apoio em 1934/35 (mesmo assegurando a participação e conquista do «Campeonato de Portugal» devida a contestação a Vítor Gonçalves depois dos fracassos no Campeonato Regional e no Campeonato da I Liga) e 1935/36 (com Vítor Gonçalves a perder mais um campeonato de Lisboa mas triunfar no campeonato da I Liga).
NOTA1: Se Vítor Gonçalves era o treinador "há dois anos" até 16 de Outubro de 1936 tinha conquistado o título em 1935/36 (clicar para o jornal «Diário de Lisboa»).
NOTA2: O treinador François Gutkas foi o treinador do FC Porto que se classificou em 4.º lugar.




Simão Sabrosa também foi o melhor marcador do campeonato nacional em 2002/2003
Marcou 18 golos tanto quanto os que Fary (SC Beira-Mar) marcou. Ser melhor marcador é marcar mais golos (mesmo que sejam dez os melhores marcadores) depois há os prémios que têm um regulamento com factores de desempate. Há até possibilidades de haver futebolistas diferentes a conquistar o prémio, basta um regulamento contemplar que vence quem participou em menos jogos ou outro regulamento em que vence quem jogou menos minutos e tal não coincidir em jogadores que marquem o mesmo número de golos. 


Se Figueiredo e Néné têm "direito à alínea a)" então Simão Sabrosa também tem!

Não se percebe o critério adoptado
Começando logo com Svilar e Zlobin? Em 2018/19, Svilar fez parte do plantel da Equipa B (com 2 jogos) e Zlobin (com 21 jogos... não). Svilar registou um jogo no campeonato nacional, seis na Taça de Portugal e quatro na Taça da Liga. Zlobin não fez jogos em nenhuma das principais competições, apenas foi suplente não utilizado em quatro jogos: Taça da Liga (meia-final) e três jornadas no campeonato nacional (19.ª, 23.ª e 26.ª). Em 2018/19, Svilar fez parte do plantel da Equipa B. Zlobin... não!



Uma "borla": E o Leixões SC? Ou duas!
Se houve 41 edições então o número de presenças terá que ser 82 e não 81. Falta o Leixões SC que a disputou no início da temporada de 2002/2003. E falta desde sempre pois tem sido sempre esquecido. 
O FC Porto tem 30 presenças, com 21 troféus conquistados e nove perdidos (Sporting CP (quatro), Boavista FC (três) e SL Benfica, Vitória SC Guimarães)


NOTA: Além disso em numeração romana 40.º é XL e não XXXX, tal como 41.º é XLI e não XXXXI (como se comprova). Felizmente a edição XXXXXXXXXX (100.ª) será apenas em 2078/79! 

Vamos esperar que em 2020/21 deixem de haver estes erros grosseiros

Alberto Miguéns

2 comentários blogger
comentários facebook
  1. Recorrente. Uma continuada vergonha para a ilustre história deste Jornal que já foi grande. Desrespeitar de forma recorrente e consciente a História do Futebol em Portugal é desprestigiarem a sua classe profissional e reduzirem-se à pequenez dos media que os rodeiam. Depois queixem-se de que têm cada vez menos leitores.

    ResponderEliminar
  2. O erro de não atribuírem ao Vitor Gonçalves como treinador ganhador, o Miguéns já está rouco de tanto berrar!!!

    Enfim...são os junta-letras que temos!

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue