A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

15/06/2017

Talvez Cândido de Oliveira Nem Se Apercebesse...

15/06/2017 + 1 Comentários API
QUE ESTA SUA CACHA EM "A BOLA" PROVAVELMENTE MUDOU O FUTEBOL PORTUGUÊS. COMO UMA NOTÍCIA E CRÓNICA BEM FEITA PODEM (OU DÃO A IDEIA QUE CONSEGUIRAM MUDAR TANTO).



Ou como o bom jornalismo faz evoluir as sociedades: pessoas e instituições. O mau tablóide? Antes pelo contrário.

A aposta no profissionalismo, em 1954/55, que hoje parece óbvia à época não foi. Pela primeira vez um treinador brasileiro vindo do Basquetebol (embora com experiência no Futebol) chamado Otto Glória? Tudo «normal»? Muito longe disso...Havia alguma desconfiança entre os associados do Benfica se o esforço financeiro compensava.

Pois, pois...
A proposta do presidente Bogalho só não teve mais oposição por ser uma ideia do presidente...Bogalho e pelo facto do "Glorioso" ter perdido (todos para o Sporting CP) as últimas quatro edições do campeonato nacional e nas últimas nove temporadas, entre 1945/46 e 1953/54, ter apenas conquistado um troféu, em 1949/50 que depois permitiu a conquista da Taça Latina. Um título em nove possíveis era mau de mais. Profissionalismo? Pior não seria em relação ao que se estava a passar.

Os primeiros jogos não convenceram
Com a construção da "Saudosa Catedral" em acabamentos finais - impressionante como aquele Monumento ao Benfiquismo foi feito com o clube a perder - os jogos de início de época não convenceram. Uma magra vitória (golo de Salvador) frente ao CF "Os Belenenses" na inauguração do estádio Pina Manique (do Casa Pia AC) e um empate a um golo (de Arsénio) na festa de homenagem (e despedida do Benfica rumo ao Oriental/COL de onde tinha saído ainda no tempo do Chelas FC) de Rogério foram os aperitivos para o início do campeonato nacional. Aquele tipo de futebol "cauteloso" podia agradar aos geómetras mas os adeptos preferiam o futebol caudaloso. E esse nem vê-lo. Então a derrota logo na primeira saída, a Guimarães, pôs a maior massa adepta do País em polvorosa. 




Já cansava...
Depois de quatro épocas atrás do SCP na segunda jornada lá estava o "Glorioso" atrás do Sporting CP. Começava a ser um hábito que não se queria habitual. A terceira jornada seria pela segunda vez consecutiva fora, em Évora. Eis que surge uma magnífica crónica - a que se seguiram outras - de Cândido de Oliveira a minimizar os "danos". Os adeptos não gostavam do "fio de jogo" (no futebolês actual, modelo de jogo) mas alguém sapiente dizia que o Benfica até jogava melhor. E Cândido de Oliveira puxou dos "galões" (de treinador experiente e conceituado, até seleccionador nacional) e deu-lhe "lustro" (eu sei o que é jogar À Benfica porque eu joguei seis épocas à Benfica - 1914/15 a 1919/20 - elogiado pelos Benfiquistas). Mestre Cândido em auxílio de Otto Glória e de...Bogalho!  


Jornal "A Bola"; 27 de Setembro de 1954; primeira página


Houve calmaria
Na 5.ª jornada (um-a-zero, no Barreiro, frente ao GD CUF com um golo "arrancado a ferros" por Águas) o Clube isolava-se. Ainda havia muito campeonato, pouco futebol (para os adeptos), bom futebol (para Mestre Cândido) mas o mais importante estava conseguido: liderar a competição.

Depois deu-se a tempestade
A 23.ª jornada, em 20 de Março de 1955, depois de concluída, fez ressurgir o coro de críticas. «Estava-se mesmo a ver. Afinal para quem justificava que os futebolistas deixavam de jogar em correrias inúteis mas afinal os "poupadinhos" não aguentaram fisicamente nem 23 jogos, quanto mais 26! Lá vai "ao ar" mais um campeonato. O quinto consecutivo. O "Belenenses de Matateu e Companhia" vai conseguir o segundo, depois de 1945/46. Têm tudo na "mão"». E tinham! E o presidente Bogalho eleito em...15 de Março de 1955, continuava sem tomar posse. Respondia: Ainda não é o momento, já sou presidente. Fui reeleito. Quando for o momento logo darei posse a mim mesmo!

EVOLUÇÃO NO CAMPEONATO 1954/55
Jornada
Res (S)
Class
Pontos
Líder
Pontos
5
V 1-0 (F)
1.º
8
SL Benfica
+ 1
10
V 1-0 (C)
1.º
16
SL Benfica
+ 2
13
V 2-1 (F)
1.º
20
SL Benfica
+ 1
15
V 4-0 (C)
1.º
22
SL Benfica
+ 2
20
E 0-0 (C)
1.º
30
SL Benfica
+ 2*
22
E 1-1 (C)
1.º
33
SL Benfica
+ 1**
23
D 0-3 (F)
2.º
- 1
CF "B"
34***
24
V 2-0 (C)
2.º
- 1
CF "B"
36
25
V 7-3 (F)
2.º
- 1
CF "B"
38
26
V 3-0 (C)
1.º
39
SL Benfica
=
NOTAS:
* Frente ao CF "Os Belenenses" resultado que foi o que acabou por permitir o título, pois o Benfica ficava em vantagem no confronto directo, ao vencer (2-1) na primeira volta, no estádio das Salésias;
** Frente ao Sporting CP um bom resultado em termos de "confronto directo" (ou razoável, ao permitir manter a liderança ainda que pela vantagem mínima) pois o "Glorioso" vencera na primeira volta por 1-0, golo de Chico Calado de grande penalidade) e o Sporting continuava "colado" à procura do quinto título consecutivo;
*** Desastre total frente ao FC Porto, no estádio das Antas, com os "três secos" a apearem o SLB da liderança e a deixar de depender dele próprio, ainda que o calendário corresse a favor pois na última jornada encontrava-se o líder com o tetracampeão Sporting CP que na 23.ª jornada se encontrava em 3.º lugar, com 32 pontos, ou seja, a um do SLB e a dois do CF "Os Belenenses".

Nas duas jornadas seguintes nenhum cedeu
Dois jogos (24.ª e 25.ª jornada) e os três clubes da frente mantinham as distâncias com duas vitórias. A malta do Benfica bem se queixava. Estamos em segundo, mas temos mais derrotas (cinco) que o Sporting (quatro).

Ao contrário do que circula por aí...há anos
Em 24 de Abril de 1955, o Sporting CP não foi fazer favor nenhum ao Benfica jogando (e empatando a dois golos) no campo do CF "Os Belenenses". O Sporting CP (36 pontos) jogaria no estádio das Salésias para ser pentacampeão. Com melhor diferença de golos (+ 46) que o adversário (+ 35) só tinha de vencer - chegava uma vitória por um golo de diferença - para igualar o CF "Os Belenenses" em pontos (38) anulando a desvantagem no confronto directo (D 1-2 na primeira volta) e esperar que o Benfica perdesse na "Saudosa Catedral" com o Atlético CP (9.º classificado - em 14 clubes - com 22 pontos). Um milagre! Mas possível! O que aconteceu todos sabem. Sabe-se em todo o Mundo-e-arredores pois não há quem não conheça o desfecho do campeonato que podia ser mas não foi! O CF "Os Belenenses" esteve em vantagem por 1-0 e 2-1 até aos instantes finais, ou seja, com o título à vista. Só que o «Glorioso-por-empréstimo» Martins, a quatro minutos do final do campeonato bateu o guarda-redes José Pereira e entregou o título ao Benfica que vencia, tranquilamente, os alcantarenses por 3-0.

Depois é...Gloriosa História
1. O presidente Bogalho, finalmente, tomou posse, em 5 de Maio de 1955 (dez dias depois do Dia das Salésias) e dois meses depois de reeleito, justificando: Se o Benfica não tem conquistado o campeonato os associados teriam de pronunciar-se acerca do rumo. Se estávamos no caminho certo;
2. Depois do campeonato ainda ganhámos a Taça de Portugal, numa "dobradinha", com vitória por 2-1, frente ao Sporting CP com...Martins a marcar primeiro, pouco depois do intervalo, e Arsénio a repor a normalidade com dois golos;
3. Estava "aceite" o profissionalismo e preparava-se o plantel para depois dos caboucos feitos por Bogalho/Otto caber a Maurício/Guttmann dar-lhe dimensão e recolher o Bicampeonato Europeu.

A crónica de Cândido de Oliveira ajudou? Bem me parece que sim. Logo ao primeiro sucesso quando se temia a segunda derrota consecutiva

Alberto Miguéns

NOTA1: Pois mesmo tendo em conta esta trabalheira toda de Otto Glória, remando contra tudo e mais alguns, no livro "Plantel Glorioso", com escolha feita no final do Verão de 2014, Otto Glória só teve 37 paineleiros em 100 a escolhê-lo como um dos três melhores treinadores do Benfica, atrás de Eriksson (87), Guttmann (85) e Jorge Jesus (52). Eu paineleiro me confesso. E não critico Jorge Jesus, mas nem (em Julho de 2014) nos sete melhores o colocava. Mas havia quem fosse mais "papista que o Papa" como no caso de Fernando Pedro Santos de Alves Guerra.    



NOTA2: A crónica de Mestre Cândido até deu para fazer inquéritos a vários Gloriosos Futebolistas e dirigentes, dos quais Master Groove só me deixa publicar metade das quádruplas-respostas pois diz ele que isto está para o "pesado"!

(clicar em cima da imagem para obter melhor visualização)



NOTA3 (os últimos são os primeiros): As páginas do jornal "A Bola" foram enviadas pelo indefectível Benfiquista Mário Pais. Obrigado.
1 comentários
comentários
  1. Havia que mudar para chegar a outro nível. Nunca é demais lembrar Otto Glória. Merecia ter tido mais sucesso na segunda vez que cá esteve. E no entanto o brilho da sua primeira vez. Tanto que ele nos deu. Tanto que ele semeou. Nunca é demais agradecer a ele e ao visionário Joaquim Ferreira Bogalho e à Gloriosa equipa de dirigentes de que ele se rodeou.

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail