A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

07/06/2014

Os Treinadores do Benfica São Como As Garrafas...

07/06/2014 + 2 Comentários
Podem Estar Meio Cheias ou Meio Vazias

DEPOIS DE DESAPARECER A ESPUMA - dos media e blogues - DA ENTREVISTA DE JORGE JESUS AO SEMANÁRIO SOL INTERESSA SITUÁ-LA (a entrevista) NA VIDA RECENTE DO "GLORIOSO" E O TREINADOR NA HISTÓRIA DA PARTICIPAÇÃO DOS TÉCNICOS DO BENFICA EM OITENTA CAMPEONATOS NACIONAIS


Ao ler a entrevista do treinador do futebol do "Glorioso" ao semanário "Sol" encontrei muitos aspectos dignos de serem comentados por um Benfiquista. Como gosto sempre de justificar o que comento deixo as respostas de Jorge Jesus que vão ser tema do texto de hoje:


Semanário SOL; Revista Tabu; página 42; 30 de Maio de 2014 

PONTO PRÉVIO: Eu desde que me conheço, pr'á'í desde os três/ quatro anos e por isso como Benfiquista (porque nunca fui outra coisa) só quero que os treinadores do Benfica - antes, com Jorge Jesus e depois dele - conquistem o Campeonato Nacional e - desde que o modelo da Taça dos Clubes Campeões Europeus é o actual - que ultrapassem a Fase de Grupos da Liga dos Campeões! Estes dois níveis - ser campeão nacional e passar para a fase a eliminar da Liga dos Campeões - são, para mim como adepto, associado do SLB desde Janeiro de 1979 e com 100 acções da Benfica SAD - o objectivo essencial. O "resto": Taça de Portugal, Supertaça, Taça da Liga ou Liga Europa (devido a insucesso na Liga dos Campeões) são objectivos acessórios. Sempre bem-vindos como é evidente. E se for para somar aos outros dois, ainda melhor. Já nem falo da Liga dos Campeões porque o Benfica não tem orçamento para se exigir a sua conquista! Mas isto sou eu! Mas também isto é um blogue pessoal, onde eu digo o que penso e quero. Nunca fiz uma sondagem para saber o que pensa e quer a maioria dos simpatizantes do Benfica!

NOTA: Apesar do esforço em tentar terminar o texto antes da meia-noite não foi possível. Quando estão programados como por exemplo o de amanhã é fácil porque são editados completos. O de hoje não estava concluído, nem está! O blogue é feito a partir do final do dia de trabalho e chegada a casa, estas sim prioritárias pelas razões que todos sabemos ao olhar para as mesas e cadeiras. Espero terminá-lo nas próximas horas, até porque amanhã é dia de descanso... do emprego! Deixo o esquema do que pretendo comentar. E deixo o esquema para me "obrigar" a acabar. Se não, adiava como já tem acontecido, e não havia comentário! O que também não se perderia muito, digo eu! COMPLETA ÀS 03:22 da matina! Chiça!

O Benfica é desde o 1.º campeonato SEMPRE o principal candidato ao título...
... e não é retórica! É normalidade sendo o Benfica o maior clube português desde há muitos anos. E em 1934/35 aquando do primeiro campeonato nacional, ainda com a designação de I Liga já o era!

Se em 2014/15 vamos para o 81.º campeonato quer dizer que...
... fomos o principal candidato em 80 dos quais conquistámos 33 e perdemos 47! Mas não foi pelo facto dos perdermos que não fomos o principal candidato no início de cada um desses Nacionais 47 perdidos!

E somos o principal candidato porquê?
Porque quando o campeonato nacional começou o "Glorioso" era reconhecidamente - como é possível ler na Imprensa da época - o clube português mais popular e aquele que mais garantias dava de ter perspectivas de ser bem sucedido.

Maior Clube porque, até 1934:
1.      As maiores assistências no futebol
Os jogos do Benfica eram sistematicamente aqueles que atraíam mais pessoas quer nos jogos em casa quer em terreno alheio. No Campeonato de Lisboa eram do Benfica os recordes de assistência. Só em anos de fracas prestações desportivas, ou seja, abaixo das expectativas o Sporting CP conseguia superiorizar-se. Mesmo nas temporadas em que o Sporting CP se sagrava campeão regional se o Benfica desse luta até final eram do Benfica as maiores assistências.

2.      As maiores receitas do futebol;
Quando o Campeonato da I Liga começou, os clubes por terem consciência que a cobrar a nível nacional o nível de preços dos bilhetes dos campeonatos regionais, os valores ao nível destas receitas não suportariam os maiores custos de um campeonato de âmbito nacional, com as deslocações - transporte de comboio e alojamento das delegações em hotéis de bom nível para proporcionar o devido repouso aos futebolistas para o dia seguinte. Foi criado um fundo de compensação para isso, obtido na venda de bilhetes a adeptos do clube visitante para custear essas despesas. O Benfica foi logo o clube a fazer maiores receitas neste fundo de compensação, que deixou de existir após a alteração do nome de I Liga para Campeonato Nacional, em 1938/39.

3.      A popularidade do futebolista Vítor Silva;
O futebolista mais popular nos anos 20 e 30 era o avançado-centro goleador do Benfica e da Selecção Nacional. Nem sequer havia comparação, mesmo Pepe do CF "Os Belenenses" apesar de popular não se comparava. É aliás com a sua morte trágica que o tornou mais popular, pelo inesperado e mistério a envolver a morte (suicídio, acidente ou homicídio?)

4.      A popularidade do ciclista José Maria Nicolau;
O ciclista que arrastava multidões era do Benfica. O Sporting CP teve necessidade de ir buscar o vencedor da volta a Portugal em 1932, ao Rio de Janeiro FC, do Bairro Alto, Trindade para poder fazer frente à mancha vermelha que alastrava pelo País aquando das voltas a Portugal em bicicleta nos anos 30.

5.      A popularidade da atleta  Manuel Dias;
Apesar de ter começado a correr no meio-fundo do Sporting CP, foi necessário representar o SL Benfica para Manuel Dias ser um ídolo do desporto português.

6.      As filiais "espalhadas" por Portugal, do Minho a Timor
Desde 1911, em Portalegre, que o Benfica atraía pessoas de todo o "Mundo Português", facto que ajudava o facto do "Glorioso" ser um clube agregador que não fazia distinção de classe social, etnia ou ideologia. 

Um treinador do Benfica, estando no principal emblema português, é por isso aquele que reúne as melhores condições. A "normalidade" é vencer e a "anormalidade" é perder
Como é evidente o Benfica apesar de ser o principal candidato a conquistar o campeonato nacional não o pode fazer sempre, por esta ou aquela razão, até a mais desportiva, que é ter adversários que lhe foram superiores porque se galvanizaram. Mas em oito décadas de competição devem contar-se pelos dedos das duas mãos os anos em que o Benfica não tinha, teoricamente, o melhor plantel e treinador entre todos os clubes intervenientes. Como o Benfica é sempre o principal candidato, quer dizer que terá sempre as maiores hipóteses de conquistar metade dos títulos em disputa. Foi assim até 1993/94. Se o clube oferece as melhores condições ou das melhores condições só há que ter capacidade para conquistar. 
Isto é válido para Jorge Jesus tal como para todos os que o antecederam e todos os que lhe vão suceder, desde que o Benfica continue a ser o principal candidato à conquista do título de campeão nacional.

Metodologia para indexar títulos com sucesso
É mais fácil estabelecer a norma para considerar um jogador campeão. É ter jogado pelo menos um segundo numa das jornadas. Com os treinadores aplica-se um conceito idêntico: ter orientado, como técnico principal, pelo menos, uma equipa, ou seja, numa jornada. No "Glorioso" o treinador campeão com menos jornadas sob a sua orientação é Otto Glória que treinou/ orientou cinco equipas do Benfica nas últimas cinco jornadas da temporada de 1967/68.

TREINADORES CAMPEÕES (33)
N.º Títulos
(33)
Treinador

(19)
Épocas

(33)
4
Otto Glória
54/55; 56/57;
67/68 (5); 68/69
3
Janos Biri
41/42; 42/43; 44/45
3
Fernando Riera
62/63; 66/67; 67/68 (7)
3
Jimmy Hagan
70/71; 71/72; 72/73
3
Sven Eriksson
82/83; 83/84; 90/91
2
Lipo Herczka
36/37; 37/38
2
Béla Guttmann
59/60; 60/61
2
John Mortimore
76/77; 86/87
2
Toni
88/89; 93/94
2
Jorge Jesus
09/10; 13/14
1
Vítor Gonçalves
35/36
1
Ted Smith
49/50
1
Lajos Czeizler
63/64
1
Elek Schwartz
64/65
1
Fernando Cabrita
67/68 (14)
1
Milorad Pavic
74/75
1
Mário Wilson
75/76
1
Lajos Baroti
80/81
1
Giovanni Trapattoni
04/05
NOTA: Entre parêntesis o número de jornadas em épocas incompletas

Metodologia para indexar títulos com insucesso
Num clube mítico que oferece todas as condições para vencer, ter insucesso significa impedir o clube de conquistar o título, embora sabendo-se que isso forçosamente terá de acontecer. Mas a estatística não se compadece com justificações.

TREINADORES NÃO CAMPEÕES (47)
(Apenas o treinador que fez mais jornadas)
N.º Títulos
(47)
Treinador

(25)
Épocas

(47)
5
Janos Biri
39/40; 40/41;
43/44; 45/46;
46/47 (13)
4
Otto Glória
55/56; 57/58;
58/59; 69/70 (18)
3
John Mortimore
77/78; 78/79;
85/86
3
Ted Smith
48/49 (20); 50/51;
51/52 (18)
3
Toni
87/88 (26); 92/93 (26);
00/01 (21)
3
José Camacho
02/03 (22); 03/04;
07/08 (21)
3
Jorge Jesus
10/11; 11/12;
12/13
2
Lipo Herczka
38/39; 47/48
2
Béla Guttmann
61/62; 65/66 (23)
2
Eriksson
89/90; 91/92
2
Mário Wilson
79/80; 95/96 (31)
2
Souness
97/98 (26); 98/99 (30)
1
Vítor Gonçalves
34/35
1
Alberto Zozaya
52/53 (15)
1
Ribeiro Reis/José Simões
53/54 (15)
1
Fernando Cabrita
73/74 (27)
1
Lajos Baroti
81/82
1
Pal Csernai
84/85
1
Artur Jorge
94/95
1
Manuel José
96/97 (17)
1
Heynckes
99/00
1
Jesualdo Ferreira
01/02 (18)
1
Ronald Koeman
05/06
1
Fernando Santos
06/07
1
Quique Flores
08/09
NOTA: Entre parêntesis o número de jornadas em épocas incompletas

Dificuldades próprias de um "artificialismo"
Deixo ao critério de cada um as épocas em que houve alteração de treinador. Em 19 apenas numa houve sucesso: 1967/68.

ÉPOCAS (19) COM MUDANÇAS TREINADORES
Épocas
N.º
J
Treinadores
1946/47
26
(13) Biri
(13) Manuel Alexandre
1948/49
26
(06) Herczka
(20) Ted Smith
1951/52
26
(18) Ted Smith
(08) Cândido Tavares
1952/53
26
(15) Zozaya
(11) R. Reis/ J. Simões
1953/54
26
(15) R. Reis/ J. Simões
(11) Valadas
1965/66
26
(23) Guttmann
(03) Fernando Cabrita
1967/68
26
(07) F. Riera
(14) Cabrita
(05) O. Glória
1969/70
26
(18) O. Glória
(08) José Augusto
1973/74
30
(03) J. Hagan
(27) Fernando Cabrita
1987/88
38
(12) Skovdhal
(26) Toni
1992/93
34
(08) Ivic
(26) Toni
1995/96
34
(03) A. Jorge
(31) Mário Wilson
1996/97
34
(16) Autuori
(01) M. Wilson
(17) M. José
1997/98
34
(04) M. José
(04) M. Wilson
(26) Souness
1998/99
34
(30) Souness
(04) Shéu
2000/01
34
(04) Heynckes
(09) Mourinho
(21) Toni
2001/02
34
(16) Toni
(18) Jesualdo Ferreira
2002/03
34
(11) Jesualdo
(01) Chalana
(22) Camacho
2007/08
30
(01) F. Santos
(21) Camacho
(08) Chalana
NOTA: Entre parêntesis o número de jornadas de cada treinador nessa temporada

Os "melhores" e os "piores"
Quem quiser que faça as suas escolhas. O que é mais importante: o  maior número de títulos conquistados, o menor número de títulos perdidos ou a melhor percentagem de sucesso. Um pouco de todas...

TREINADORES POR NÚMERO ÉPOCAS
NO CAMPEONATO NACIONAL (80)
(Apenas treinadores com épocas em que foram contratados para conquistarem o título; exclui treinadores de recurso contactados para terminarem a época ou gerirem jogos até solução definitiva)

Total CN
(%)
Treinadores
(33)
Épocas
(80)
C
P
T
4 (50%)
4
8
Otto Glória
54/55; 55/56; 56/57; 57/58; 58/59; 67/68; 68/69; 69/70
3 (38%)
5
8
Janos Biri
39/40; 40/41; 41/42; 42/43; 43/44; 44/45; 45/46; 46/47
2 (33%)
4
6
Toni
87/88; 88/89; 92/93; 93/94; 00/01; 01/02
3 (60%)
2
5
Sven Eriksson
82/83; 83/84; 89/90; 90/91; 91/92
2 (40%)
3
5
Lipo Herczka
36/37; 37/38; 38/39; 47/48; 48/49
2 (40%)
3
5
John Mortimore
76/77; 77/78; 78/79; 85/86; 86/87
2 (40%)
3
5
Jorge Jesus
09/10; 10/11; 11/12; 12/13; 13/14
3 (75%)
1
4
Jimmy Hagan
70/71; 71/72; 72/73; 73/74
2 (50%)
2
4
Béla Guttmann
59/60; 60/61; 61/62; 65/66
1 (25%)
3
4
Ted Smith
48/49; 49/50; 50/51; 51/52
3 (100%)
0
3
Fernando Riera
62/63; 66/67; 67/68
1 (33%)
2
3
Mário Wilson
75/76; 79/80; 95/96
0
3
3
Camacho
02/03; 03/04; 07/08
1 (50%)
1
2
Vítor Gonçalves
34/35; 35/36
1 (50%)
1
2
Fernando Cabrita
67/68; 73/74
1 (50%)
1
2
Lajos Baroti
80/81; 81/82
0
2
2
Conselho Técnico
52/53; 53/54
0
2
2
Artur Jorge
94/95; 95/96
0
2
2
Manuel José
96/97; 97/98
0
2
2
Souness
97/98; 98/99
0
2
2
Heynckes
99/00; 00/01
0
2
2
Jesualdo Ferreira
01/02; 02/03
0
2
2
Fernando Santos
06/07; 07/08
1 (100%)
0
1
Lajos Czeizler
63/64
1 (100%)
0
1
Elek Schwartz
64/65
1 (100%)
0
1
Milorad Pavic
74/75
1 (100%)
0
1
G. Trapattoni
04/05
0
1
1
Alberto Zozaya
52/53
0
1
1
Pal Csernai
84/85
0
1
1
Ebbe Skovdhal
87/88
0
1
1
Tomislav Ivic
92/93
0
1
1
Paulo Autuori
96/97
0
1
1
José Mourinho
00/01
0
1
1
Ronald Koeman
05/06
0
1
1
Quique Flores
08/09
NOTA PARA APROVEITAMENTO: Não é por acaso que eu há muito tempo que digo que Fernando Riera é o mais injustiçado treinador do Benfica! Está à vista!

Gostei da entrevista
E estou a referir-me apenas à parte que está directamente relacionada com o "Glorioso". O resto interessa-me como pessoa, mas como Benfiquista é-me indiferente! Depois de ler a entrevista fiquei com menos dúvidas. Se há alguém em condições e com condições de fazer história no Benfica e no futebol português, é Jorge Jesus!

Metas "À Benfica"!
oito épocas, desde 2005/06, que o Benfica não conquista a Supertaça;
27 épocas, desde 1986/87, que o Benfica não conquista duas Taças de Portugal consecutivas;
30 épocas, desde 1983/84, que o Benfica não é Bicampeão Nacional;
33 épocas, desde 1980/81, que o Benfica não conquista na mesma temporada os três troféus mais antigos do futebol português: Supertaça (1979/80), campeonato nacional (1934/35) e Taça de Portugal (1921/22);
37 épocas, desde 1976/77, que o Benfica não conquista o Tricampeonato nacional;
Em 78 edições, com possibilidade de fazer a "dobradinha" o Benfica - nem nenhum clube português  - fez uma "dupla-dobradinha"!

Se já - e aqui no EDB há um ano disse-o - tinha a ideia da importância de Jorge Jesus no Benfica e no futebol português, actualmente ainda tenho menos dúvidas...
O treinador da equipa de futebol do "Glorioso", Jorge Jesus...

É o homem certo, no lugar certo e no tempo certo!


Alberto Miguéns

Plano para Junho
(Previsão sempre à meia-noite)
De 07 para 08: Hóquei em Patins: SLB vs FC Porto;
De 08 para 09: Centenário da Gloriosa Natação;
De 09 para 10: Álvaro Gaspar (1913/14 - A Glória Final);
De 10 para 11: Atenção ao "Futeluso - versão 2015";
De 11 para 12: Eu Benfiquista no Museu do FCP by BMG (parte II);
De 12 para 13: Gostava Tanto Que..



2 comentários
comentários
  1. Concordo. Prioridade é sempre o campeonato. 100% das vezes. Qualquer coisa a mais é uma cereja, e eu adoro cerejas.

    Saudações gloriosas.

    ResponderEliminar
  2. Concordo porque, nem sei se por ele ou pela estrutura, houve evolução. Agora sabe-se de forma mais premente o que é necessário para vencer.

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail