A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

05/06/2012

Hoje (Ontem) Já Ganhei o Dia

05/06/2012 + 0 Comentários
HISTÓRIA
           
Andava entretido a fazer umas pesquisas acerca da minha profissão – Geógrafo – a propósito de um dos maiores geógrafos portugueses, Aristides de Amorim Girão (1895 – 1960) responsável pela divisão administrativa, em 1936, do território português no Continente Europeu em províncias, para perceber a origem e significado dos nomes dessas províncias, do Minho ao Algarve, eis que surge uma notícia relacionada com… o Benfica!

Manuel da Conceição Afonso (1890 - 1966)

E que notícia! Eis um dos maiores (no sentido de melhores) presidentes de Direcção do Benfica, Manuel da Conceição Afonso em actividade cívica e política, no distante ano de 1917, tinha ele 27 anos. Treze anos depois, em 1930, seria eleito, pela primeira – de seis vezes - presidente da Direcção do SLB, em 15 de Agosto. Mas datava de 1926 a sua primeira experiência como dirigente, quando foi eleito pelos associados do “Glorioso” para vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral. Aqui fica a notícia referente ao “nosso” presidente, com a profissão de operário linotipista na Imprensa Nacional.

Domingo, 29 de Abril de 1917
Conferência Operária de Lisboa

A conferência operária de Lisboa realizou-se entre os dias 29 de Abril e 1 de Maio, no Teatro Estrela. Significou a hegemonia da União Operária Nacional no seio de movimento operário português. Na reunião foram discutidas três teses: Sobre organização operária (o relator era Alexandre Vieira), Sobre a carestia da vida (o relator era Pinto Quartim) e, por fim, “Sobre a atitude da organização operária perante as condições da paz” (o relator era Manuel da Conceição Afonso). A alocução original, na conferência do teatro Estrela, foi proferida por Manuel da Conceição Afonso, pela comissão organizadora. Nela se fez um balanço da actividade da União Operária Nacional, desde Tomar. Nesta Conferência, os operários reconhecem que é necessário redinamizar a central dos sindicatos portugueses de modo a responder à difícil conjuntura da crise de guerra.


Lembrei-me logo de uma fotografia memorizada! Assim que li a notícia da alocação de Manuel Conceição Afonso surgiu na minha memória uma fotografia do nosso presidente-operário, em 1946, a discursar na nossa Sede após a tomada de posse. Ainda me lembro de José Joaquim Macarrão, dedicado funcionário do “Glorioso”, entre 1936 e 2003, dizer: “Já ouvi muita gente a falar. E muitos a falar bem. Igual, nunca”. E Manuel da Conceição Afonso foi muito mais que um grande tribuno, além de dominar as palavras, o silêncio e o improviso, sabia bem, muito bem, o que queria e para onde queria levar (e levou!) o Benfica.

Um tribuno de excelência num corpo franzino, magnânimo, mas de coragem sem limites
Um democrata em tempo de ditadura! Manuel Conceição Afonso entrou para associado, com o número 4595, em 2 de Maio de 1923, aos 33 anos, em plena campanha de angariação de titulares, para financiarem, a construção do estádio das Amoreiras, de que foi o titular n.º 767. Depois de uma vida dedicada ao Benfica, praticamente ininterrupta entre, 1926 e 1966 - mesmo em cargos “menores” (que para ele não eram…) como representante em Federações e Associações Regionais, ele que foi presidente e “Águia de Ouro”, quando faleceu em 23 de Maio de 1966, ficou a oito anos da madrugada de Liberdade de 25 de Abril de 1974. Mas, havia lutado para que existisse, foi um modelo para os que a devolveram a Portugal, foi pioneiro para que nós a usufruíssemos e sendo um exemplo de Benfiquismo, hoje é uma – talvez a mais significativa a par de Tamagnini Barbosa - das várias (felizmente…) referências democráticas, no Benfica, em tempo de Ditadura.

                     Resumo publicado no jornal "O Benfica",
                     página 31, em 17 de Junho de 2005


Regressando “à descoberta”. Não é que não esteja sempre à espera que estes documentos, notícias ou informações apareçam. Conhecendo a História do Glorioso é sempre possível. Mas é uma satisfação quando surgem. Porque como Benfiquista, está-se sempre à vontade. Quando aparece algo que ainda não se conhece é sempre positivo. Já com outros clubes é o oposto! Para quem for dos… outros clubes… claro!

Alberto Miguéns

NOTA: Hoje estava previsto escrever acerca do futuro secretário-geral da FPF que vai substituir o ex-actual Ângelo Brou. Outro andróide. Neste aspecto é troca de andróide por andróide. Hoje não vou conspurcar o texto de um democrata por esta gente rasca... ao serviço do clube frutado! Fica para amanhã. Os Amanhãs Que (Já) Não Cantam!

0 comentários
comentários

Enviar um comentário

Em Defesa do Benfica no seu E-mail