A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

14/05/2011

A esposa, a concubina, M. Madalena e os silêncios convenientes

14/05/2011 + 2 Comentários API
A esposa, a concubina, M. Madalena e os silêncios convenientes




Sou ateu. Religião só o Benfica e religião com sentido crítico. Carneiro jamais. Cobarde nunca e medo só de perder os que amo.
Católico temente a Deus, PC, terá de explicar, um dia ao Criador, porque enganou um Papa. Após abandonar a legítima esposa, Filomena Morais, visitou João Paulo II com Carolina Salgado, sua concubina, fazendo-a passar por sobrinha, a quem "devotava, grande afecto", mas que pouco tempo depois, não foi credora da veracidade dos seus depoimentos, em tribunal. Quer dizer serviu para a cama, serviu para "sobrinha", serviu para acompanhar a claque e tomar conta do guarda Abel, mereceu estar na presença do chefe da Igreja que PC professa, mas não de ser ouvida, como qualquer cidadão, perante os juízes que julgavam tudo o que o Youtube mostrou.
Quando a “coisa estava preta”, PC correu para a ex-mulher e, qual cachorro abandonado pediu perdão (!?) : _”Que tudo não tinha passado de um devaneio”.Jurou novamente amor eterno, á mãe de sua filha e deu entrevistas "despojado de orgulho e de coração(!?) aberto": -“Nunca deixei de amar Filomena”.
A filha de ambos serviu, naquela altura, para justificar esta re-união.
Tão forte amor e paixão,passado o perigo de sentenças e penas efectivas, esfumou-se, dando lugar a nova Carolina, agora de nome Fernanda. Repete-se o abandono do lar e o devaneio (esse malandro), outra vez instalado na sua vida, impoluta, pia e santa.
Tirando Filomena, a quem se reconhece um passado moralmente limpo, sabe-se que todas as "sobrinhas", faziam companhia a senhores solitários.
Mas, não é isto que espanta. O que espanta é o conivente silêncio, dos jornalistas, que ou omitem a notícia da presença, ou chamam “namorada” à amante de um homem casado, aliás, re-casado com a esposa. O que espanta é o silêncio da Igreja e dos Bispos, que ás vezes invoca, como D.Pedro Picoas (1134) e Armindo Lopes (97/07), ambos Bispos do Porto. E D.Manuel Clemente mantém o silêncio e abençoa, quem não teve vergonha de ludibriar um Papa.
Disse Jesus a propósito de M. Madalena: “- Quem nunca pecou que atire a primeira bola de golfe”.
É por isso que é nas Antas que se juntam os pecadores.
Shiu, não façam barulho :- São filhos de umas amigas da “namorada”.
  


                                                                                         ANTÓNIO MELO





                                                                                  
2 comentários
comentários
  1. Se necessário fosse encontrar um motivo para não acreditar naqueles que supostamente tinham que estar entre nós simples mortais pecadores e Deus, ele aí está.
    Mas se este fosse o seu primeiro pecado, até eu lhes perdoava.
    Só que a lista não é de agora. É desde que estes "intermediários" existem, ou seja, há 2012 anos pelo menos!
    Hoje já não consigo olhar para os podres do desporto do nosso "quintal" sem olhar para a podridão geral da sociedade em que vivemos.
    E aperta-se-me o coração ao pensar que deixo cá descendência.
    E se Deus realmente existe, não tenho problema nenhum de me cagar para os "intermediários" que dizem falar em seu nome e ir-lhe prestar contas directamente!

    ResponderEliminar
  2. clap clap clap. grande António Melo!

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail