A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

26/03/2011

A DINASTIA ARBITRAL E O CONTROLE DA "NATALIDADE"

26/03/2011 + 1 Comentários
Foi constituído Núcleo de Árbitros do Norte do Distrito de Leiria

O norte do distrito de Leiria já tem um núcleo de árbitros. De acordo com Paulo Leonardo, presidente do Núcleo de Árbitros do Norte do Distrito (NAND), há já alguns anos que este trabalho tinha sido iniciado, contudo só agora foi possível concretizar esta pretensão dos árbitros residentes nesta região.

A escassez de árbitros no decorrer da época passada levou a que estes profissionais se unissem de novo e tivessem iniciado, em Março, os trabalhos para a constituição do referido núcleo, que aguarda os trâmites para a sua legalização.

Na apresentação do NAND, que se realizou no dia 30 de Agosto, num restaurante da vila de Ansião, Paulo Leonardo adiantou que a formação e a captação de novos elementos são os grandes objectivos que vão nortear a acção do núcleo, que é composto por 29 elementos.

Para Manuel Benquerença, presidente do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Leiria, a inexistência de um núcleo de árbitros no norte do distrito era uma lacuna, augurando que o NAND seja um sucesso.

Presente também nesta sessão de apresentação, o árbitro internacional Olegário Benquerença, em declarações ao nosso jornal, afirmou que "os núcleos são as células mais básicas da formação dos árbitros" e estruturas com uma maior proximidade da residência dos árbitros. Em sua opinião, os núcleos permitem que os árbitros "se juntem regularmente, que troquem experiências, aprendam, estudem as leis do jogo e que, de alguma forma, por este meio consigam melhorar as suas prestações".




                       A DINASTIA ARBITRAL


O princípio monarquico continua vivo no nosso futebol. Não tenhamos dúvida que o polvo está de volta, agora com os tentáculos mais fortes e métodos mais subtis, após o “susto” do apito dourado, que se transformou em mais um pagode, que coloca Portugal na latrina em matéria de justiça e decência.

Mas, voltemos à monarquia. Dinastia Benquerença. Como chegar a internacional ultrapassando outros, bem mais competentes e imparciais, tudo o que se pede a um árbitro, ou a um juiz.

O pai do Sr.Benquerença é só o presidente do conselho de arbitragem da Associação de Futebol de Leiria. E quem é de Leiria? O ex-arbitro, o ex-arbitro, vá vamos lá a pensar, está quente, mais quente, vá, vá...o ex-arbitro António Garrido. Esso mesmo, que trabalha há anos para quem? Para o FCP Youtube (sabor a fruta), e que está também nas escutas a levar um “arranque” do Major da semelha, que emigrou das Beiras para a cidade do Porto.

Falando em Beiras, chegamos a outro artista do apito. Carlos Xistra. Que nomes. Mesmo assim tanto faz, podia ser Olegário Xistra ou Carlos Benquerença o resultado seria o mesmo. Têm tanta coisa em comum. Também o beirão é descendente de um ex – dirigente (já falecido) da Associação de Futebol de Castelo Branco, Carlos Ramito Xistra. Hora cá está o princípio monárquico da arbitragem no futebol português. Soares Dias também é filho de um ex-árbitro.Paraty também era. É extraordinário!

Quanto ao polvo, volta a ocupar ainda a cadeira papal, à espera da altura para gritar “Habemos Papa”, o novo Salvador do sistema está só a vestir-se.

Como qualquer contraventor, todos sabemos, que após ser ilibado, reforça a força da sua veia criminosa. É o que vai acontecer. E se nova investigação voltar a acontecer, após as certas desconfianças de atitudes que aí vêm para inquinar a lisura desportiva, o argumento será: -Outra vez? Já no “Apito Dourado” diziam que éramos corruptos, mas “provou-se que não”. Agora voltam à carga? Isto é o centralismo de Lisboa.

Termino com um apelo à união, ao trabalho e vigilância de todos.Cosme Machado, Proença, Duarte Gomes, Vasco Santos, João Ferreira, Bruno Paixão, Elmano Santos, Gralha, Paulo Baptista e Jorge Sousa, não sabemos de quem são filhos, mas há um princípio monárquico na arbitragem, ao qual não podem fugir.

O trabalho está à vista e é por isso que nenhum árbitro é orfão, disso tenho a certeza! E os juízes do “apito dourado”, também terão pai ou será, que só têm a mãe que já conhecemos?



ANTÓNIO MELO
1 comentários
comentários
  1. E os filhos do Fortunato Azevedo..o tal que saltou a cerca?

    Martins dos Santos, esse famigerado artista, onde andarão os seus filhos a apintar? Cuidado que mais dia menos dia eles aí estão na nossa Catedral a blasfemar

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail