A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

20/05/2017

Râguebi 93.ª: Regresso do Pioneiro

20/05/2017 + 2 Comentários
EM 2017/18 o "GLORIOSO" ESTARÁ DE NOVO A COMPETIR NO PRIMEIRO ESCALÃO (DIVISÃO DE HONRA) DE ONDE NUNCA DEVERIA TER CAÍDO!

Plantel 2016/17. Aceita-se alguém que queira legendar esta fotografia

O Benfica pratica ininterruptamente Râguebi desde 1924, o que faz do “Glorioso” o clube mais antigo de Portugal. No próximo dia 26 de Dezembro de 2017, completar-se-á o 93.º aniversário da estreia do "Glorioso" em competição.

Pioneiro da modalidade
O Benfica foi um dos clubes pioneiros na divulgação do râguebi no nosso país, adoptando a modalidade logo quando ela começou a disputar provas oficiais em Portugal. Consta que realizou o segundo jogo, em Portugal, entre clubes portugueses, pois os ingleses de Carcavelos e da Cruz Quebrada já jogavam râguebi desde o século XIX. A modalidade, desde 1924, ficou ininterruptamente no Clube… já lá vão 91 épocas em competição. A próxima será a 94.ª! Os primeiros jogos da modalidade em Portugal, jogada por portugueses, carecem de confirmação. Por enquanto, visto as datas não baterem certas, são uma lenda. Certo é que o Benfica não foi o primeiro, mas foi dos primeiros e é actualmente o clube que conta mas temporadas a disputar a modalidade. Isso não é lenda. É realidade.

A Lenda (na versão que me parece mais congruente, mas carece de muita pesquisa, que diga-se nunca farei. O que me interessa é o Benfica. E isso já tenho que chegue. É só ir actualizando)
A primeira notícia na Imprensa portuguesa acerca do râguebi data de 1903 quando se realiza um jogo no campo da Cruz Quebrada (do Lisbon Cricket Club) entre este clube de ingleses e um XV de um grupo de oficiais de um navio inglês ancorado no rio Tejo. Mas em Carcavelos, o Carcavellos Foot-Ball and Cricket Club também jogava. E bem. Aliás como no futebol!
Depois começam as divagações. O primeiro clube português a jogar râguebi foi o Royal FC (que também jogava futebol…mas pouco). O segundo foi o Sporting CP que criou a secção em 25 de Outubro de 1922. Depois começam as datas a não bater certa. Para uns o primeiro jogo de râguebi “português” foi em 22 de Março de 1922 entre o RFC e o SCP. Claro que não bate a “bota com a perdigota”! O primeiro registo de um jogo data de 11 de Novembro entre o SCP, que venceu por 10-0, o Royal FC.
Quanto a mim, longe de ter estudado (vasculhado) o tema a ideia que tenho é a seguinte:
22 de Maio de 1922 : RoyalFoot-Ball Club frente a um misto de raguebistas portugueses. No rescaldo deste jogo vão nascer secções de râguebi em dois clubes: Sporting CP (por Salazar Carreira) e Ginásio Clube Português (GCP).
11 de Novembro de 1922: primeiro jogo entre dois clubes portugueses: GCP (a maior parte eram jogadores do extinto RFC)frente ao SCP (que contava com um perito francês, em Portugal, o melhor conhecedor da modalidade: Maurice Baillehache).

O Râguebi no Benfica (apesar deste blogue – se ainda existir… - pretender dar grande destaque ao Centenário do Glorioso Râguebi em 2024)
Os Benfiquistas interessaram-se pela modalidade. Principalmente Alberto Freitas que jogara no Royal FC e no Sporting CP, mas era Benfiquista e repórter jornalístico. Em 4 de Outubro de 1924 é publicado no jornal “O Sport de Lisboa” (página 3) uma notícia a anunciar o início dos treinos para dia 11 de Outubro, pelas 17 horas.
`
As inscrições foram feitas (se é que houve alguma) na Secretaria do Clube na rua da Rosa Letra A, uma dependência do Palácio Palmela onde Cosme Damião trabalhava. Era o administrador da Casa Palmela (gestão das propriedades urbanas). Esta foi a primeira Secretaria do Clube (para desdobrar numa área central da cidade os serviços burocráticos do SLB) - a Sede ficava longe, em Benfica, a mais de 8 quilómetros - e foi utilizada até Cosme Damião ter deixado de ser dirigente do Clube após as eleições de 5 de Agosto de 1926
Primeiros adversários
Não era fácil jogar râguebi devido ao número de jogadores (15) e à extensão dos plantéis:
Fica um lamiré dos primeiros seis jogos (até à fundação da Associação de Râguebi de Lisboa (ARL) – 17 de Dezembro de 1926 - e organização do primeiro campeonato regional de Lisboa, em 1926/27):
26 de Dezembro de 1924: SLB – SCP (D 0-11);
4 de Janeiro de 1925: SLB – SCP (E 6-6);
5 de Abril de 1925: SLB – SCP (E 3-3);
7 de Novembro de 1926: SLB – SCP (D 0-6);
12 de Dezembro de 1926: SLB – GCP (V 8-0);
19 de Dezembro de 1926: SLB – SCP (E 0-0)


NOTA EXPLICATIVA: A vitória correspondia a 3 pontos, o empate a 2, a derrota a um e a falta de comparência a nenhum (zero). O campeão regional (Sporting CP) tem 17 pontos resultantes de 5 vitórias (15 p) e um empate (2 p) e não 5 como o classificação publicada no jornal "Os Sports" indica

NOTA: Em 27 de Setembro de 1957 foi fundada a Federação Portuguesa de Râguebi dissolvendo-se a ARL.

Décadas de Glória até ao Inferno
Depois de cobrir o Râguebi português de prestígio e jogadores do melhor que houve em Portugal, como Carlos Nobre e João Queimado, por exemplo, mas mesmo exemplo porque poderia citar meia-centena, o Benfica tombou no segundo escalão. Há terceira (tem sido de vez). Desde 2012/13 que o Benfica competia no 2.º escalão. Nas outras duas a passagem foi efémera. Apenas uma temporada e com o título conquistado no segundo escalão: 1983/84 e 1995/96. Em 1984 com uma proeza. Pela primeira vez um clube a competir no segundo escalão conquistou a Taça de Portugal vencendo, por 10-9, frente ao CDUL, tricampeão nacional! Foi o Benfica a ser Banfica!

Dificuldades nas duas competições
Em 2016/17 o “Glorioso” participou em duas competições mantendo-se a possibilidade de conquistar o Campeonato Nacional da I Divisão (segundo escalão) no próximo dia 27 de Maio, em Setúbal (Complexo Desportivo Vale da Rosa) frente ao CR Évora.

No campeonato nacional da I Divisão (II escalão) cedo se percebeu que não conseguindo o primeiro lugar restava ser segundo classificado e depois vencer o jogo das meias-finais (o que aconteceu hoje) aproveitando o facto desta época serem promovidos dois clubes do CN da I Divisão à Divisão de Honra.

Na Taça de Portugal ao primeiro confronto “a doer”, frente ao AEIS Técnico (Divisão de Honra) tudo se desmoronou.


22 J – 17 V - 0 E 5 D com 506/399 em pontos

CAMPEONATO NACIONAL
Adversários
1.ª volta
2.ª volta
Outras
S
Res.
S
Res.
Comp
S
Res.
CR Évora
F
D 13-25
C
D 3-51
FINAL
N
?
Rugby Vila da Moita
C
V 29-17
F
V 14-10



Vitória FC Setúbal
F
V 27-22
C
V 34-5



RC Bairrada
C
V 25-19
F
D 10-28
TP. 1/8
C
V 33-17
FF.1/2
C
V 34-22
AEIS Técnico B
F
D 3-26
C
V 36-17



Caldas RC
C
V 34-17
F
V 21-6



CR São Miguel
F
V 30-3
C
V 22-12



CR Arcos Valdevez
F
V 19-10
F
V 20-13



RC Santarém
C
V 27-7
F
V 20-0



RC Loulé
II Divisão (3.º escalão)
TP. 1/16
F
V 39-13
AEIS Técnico
Divisão de Honra (1.º esc.)
TP. 1/4
C
D 13-59


Numa modalidade que disputou a 93.ª temporada
Ininterrupta como é timbre do “Glorioso”. Com estreia em 24 de Dezembro de 1924 assinalar-se-á em 2017, o 93.º aniversário da estreia em competição quando já correrá a época 94! Noventa e quatro! Faltam seis para a 100.ª!

TROFÉUS OFICIAIS (TOTAIS)

COMPETIÇÕES
Títulos
Oficiais
SLB
Jogos Regionais
31
Jogos Nacionais
19
Jogos Internacionais
  4
      TOTAIS
 54
R
Torneio de Abertura
16
Campeonato Regional
12
Taça de Honra
3
N
Camp. Nacional
  9
Taça de Portugal
  10
I
Torneio Ibérico (1; 1971)/
Taça Ibérica (3)
4
NOTA: O Benfica (equipa principal) tem mais dois campeonatos nacionais (2.º escalão) em 1983/84 e 1995/96

À espera do Centenário
O quadro fica “preparado” para receber a totalidade dos jogos do Glorioso Râguebi (daí poder suscitar alguma confusão)

TROFÉUS OFICIAIS POR ORDEM CRONOLÓGICA
Épocas
REGIONAIS
(ARL/FPR)
NACIONAIS
(FPR)
Internacionais
TA
CR
TH
CN
TP
ST
Taça Ibérica
54
16
12
3
9
10
-
4
(01)       1924/25
NR
NR
NR
NR
NR
NR
NR
1925/26
NR
NR
NR
NR
NR
NR
NR
1926/27



NR
NR
NR
NR
1927/28


NR
NR
NR
NR
1928/29


NR
NR
NR
NR
1929/30


NR
NR
NR
NR
1930/31
1.º

NR
NR
NR
NR
1931/32



NR
NR
NR
NR
1932/33



NR
NR
NR
NR
(10)    1933/34



NR
NR
NR
NR
1934/35



NR
NR
NR
NR
1935/36

2.º

NR
NR
NR
NR
1936/37

3.º

NR
NR
NR
NR
1937/38



NR
NR
NR
NR
1938/39

4.º

NR
NR
NR
NR
1939/40



NR
NR
NR
NR
1940/41



NR
NR
NR
NR
1941/42

5.º

NR
NR
NR
NR
1942/43



NR
NR
NR
NR
(20)    1943/44



NR
NR
NR
NR
1944/45



NR
NR
NR
NR
1945/46



NR
NR
NR
NR
1946/47
1.º
6.º

NR
NR
NR
NR
1947/48
2.º
7.º

NR
NR
NR
NR
1948/49

8.º
1.º
NR
NR
NR
NR
1949/50

9.º
2.º
NR
NR
NR
NR
1950/51

10.º

NR
NR
NR
NR
1951/52
3.º


NR
NR
NR
NR
1952/53
4.º


NR
NR
NR
NR
(30)    1953/54
5.º
11.º

NR
NR
NR
NR
1954/55

12.º

NR
NR
NR
NR
1955/56



NR
NR
NR
NR
1956/57



NR
NR
NR
NR
1957/58



NR
NR
NR
NR
1958/59

NR



NR
NR
1959/60

NR

1.º
NR
NR
NR
1960/61

NR

2.º
1.º
NR
NR
1961/62
6.º
NR

3.º
NR
NR
NR
1962/63

NR


NR
NR
NR
(40)    1963/64

NR



NR
NR
1964/65
7.º
NR


2.º
NR
NR
1965/66

NR
3.º

3.º
NR
NR
1966/67

NR


NR
NR
NR
1967/68

NR



NR
NR
1968/69

NR



NR
NR
1969/70
8.º
NR

4.º
4.º
NR
NR
1970/71
9.º
NR


5.º
NR
1.ª (*)
1971/72
10.º
NR


6.º
NR
NR
1972/73

NR



NR
NR
(50)    1973/74

NR



NR
NR
1974/75

NR


7.º
NR
NR
1975/76

NR

5.º

NR
NR
1976/77

NR



NR
NR
1977/78
11.º
NR



NR
NR
1978/79

NR



NR
NR
1979/80
12.º
NR



NR
NR
1980/81
13.º
NR



NR
NR
1981/82
14.º
NR



NR
NR
1982/83
15.º
NR


8.º
NR
NR
(60)   1983/84
16.º
NR

II D
9.º
NR

1984/85

NR


10
NR

1985/86

NR

6.º

NR

1986/87

NR



NR
2.ª
1987/88

NR

7.º

NR

1988/89

NR




3.ª
1989/90

NR





1990/91

NR

8.º



1991/92

NR





1992/93

NR





(70)   1993/94

NR





1994/95

NR





1995/96

NR

II D



1996/97

NR





1997/98

NR





1998/99

NR





1999/00

NR





2000/01

NR

9.º



2001/02

NR




4.ª
2002/03

NR





(80) 2003/04

NR





2004/05

NR





2005/06

NR





2006/07

NR





2007/08

NR





2008/09

NR





2009/10

NR




NR
2010/11

NR




NR
2011/12

NR




NR
2012/13

NR





(90)   2013/14

NR





2014/15

NR





2015/16

NR





(93)   2016/17

NR

?



2017/18

NR





2018/19

NR





2019/20

NR





2020/21

NR





2021/22

NR





2022/23

NR





(100)  2023/24
NR



NOTA1: Em 1974/75 e 1975/76 a Reserva do SL Benfica sagrou-se Bicampeã nacional da II Divisão
NOTA2: Em 1958/59 realizou-se a primeira edição do campeonato nacional em substituição do campeonato regional de Lisboa. A diferença constou na entrada da equipa da Associação Académica de Coimbra que se juntou aos outros clubes do Regional, todos de…Lisboa.Depois juntou-se-lhes, em 196465, o Centro de Desporto da Universidade do Porto/ CDUP. Eis o campeonato nacional até aos anos 90 do século XX quando surgiram clubes de outros distritos, além de Lisboa, Coimbra e Porto;
NOTA3: Devido ao facto da ARL ter originado a FPR as competições regionais (sem AAC e CDUP) também são organizadas pela FPR

Que saudades. Plantel campeão nacional


Último plantel campeão Nacional 2000/01. Aceita-se alguém que queira legendar esta fotografia
Três quedas no Segundo escalão
Depois de duas passagens episódicas – 1983/84 e 1995/96 (com as conquistas do respectivo campeonato) – em 2016/17 foi a quarta temporada consecutiva no escalão secundário, sexta em 59 anos, desde que foi criado o principal campeonato nacional, em 1958/59.

ÚLTIMAS DOZE TEMPORADAS

Épocas
Campeonato
Nacional
Taça de
Portugal
Supertaça
Vencedores
SLB
Vencedores
SLB
Vencedores
SLB
2005/06
GD Direito
4.º
AE IS Agronomia
1/4
CF “Os Belenenses”
-
2006/07
AE IS Agronomia
6.º
C.D.U.P.
1/4
GD Direito
-
2007/08
CF “Os Belenenses”
4.º
GD Direito
1/8
AE IS Agronomia
-
2008/09
GD Direito
6.º
AE IS Agronomia
1/4
GD Direito
-
2009/10
GD Direito
6.º
AE IS Agronomia
1/4
GD Direito
-
2010/11
GD Direito
6.º
AE IS Agronomia
½
GD Direito
-
2011/12
 C.D.U.L.
7.º
AE IS Agronomia
1/4
AE IS Agronomia
-
2012/13
GD Direito
10.º
C.D.U.L.
1/4
C.D.U.L.
-
2013/14
C.D.U.L.
II D
GD Direito
1/8
GD Direito
-
2014/15
GD Direito
II D
C.D.U.L.
1/8
GD Direito
-
2015/16
GD Direito
II D
GD Direito
1/8
GD Direito
-
2016/17
C.D.U.L.
II D
27 de Maio
1/4
AE IS Agronomia
-
NOTA1: Em 2012/13 apesar do último lugar – 18 D em 18 J e 118/1007 em pontos, o Benfica teve duas oportunidades para manter-se no principal escalão, mas em ambas foi derrotado: D 5-64 com AE IS Técnico (7.º classificado) e D 12-19 com o CRAV (9.º classificado);
NOTA2: Entre 2013/14 e 2015/16 o Benfica disputou a fase final de acesso ao primeiro escalão mas foi, em ambas, eliminado nas meias-finais.

Os fracos não são os que perdem...
São os que desistem para não perder!

LISTAGEM TOTAL DE TROFÉUS
Campeonato
Nacional (59)
T
Taça de
Portugal (54)
T
Supertaças
(29)
T
CDUL
20
SL BENFICA
9
GD Direito
11
GD Direito
11
AE IS Agronomia
9
GDS Cascais
5
SL BENFICA
9
CDUL
9
AE IS Agronomia
4
GDS Cascais
7
GD Direito
8
CF “Os Belenenses”
3
CF “Os Belenenses”
6
As. Académica Coimbra
6
CDUL
3
As. Académica Coimbra
3
GDS Cascais
4
As. Académica Coimbra
2
AE IS Técnico
2
AE IS Técnico
4
AE IS Técnico
1
AE IS Agronomia
1
CF “Os Belenenses”
3




CDUP
2



Em 2017/18 espera-se uma aposta sustentada na qualidade rumo às conquistas! E acabar – como se adivinhava desde 2009/10 - com a história do ano zero que teve sete anos zero!

Alberto Miguéns
2 comentários
comentários
  1. A História do Benfica passa também pelo raguêbi. É uma ótima notícia o regresso do Glorioso ao mais alto patamar da modalidade em Portugal.

    ResponderEliminar
  2. O Benfica perdeu muito com a deslocação dos treinos e jogos para o Monte da Caparica. Eu, que pratiquei durante 8 anos, poderia ter jogado no Benfica (por influência do meu pai), mas acabei por jogar, primeiro no Belenenses, e depois no Direito.

    Lembro-me bem de ligar para o Estádio da Luz a perguntar onde eram os treinos e ouvi "Monte da Caparica" e desistir logo da ideia. O dinheiro não abundava lá por casa, e geograficamente o clube mais perto era o CFB.

    Mas no Direito muitos dos meus companheiros eram benfiquistas, que jogariam no Benfica, não fosse o local tão fora de mão para nós. Acabou por ser a geração que "deu" seis dos últimos 10 campeonatos ao GDD (abandonei aos 23 por lesão).

    E o GDD soube cativar-nos para ficarmos por lá, não permitindo assim que a equipa dispersa-se pelos clubes dos quais éramos adeptos (no meu caso seria difícil, já que o Atlético não tem rugby há mais de 50 anos).

    E joguei algumas vezes contra o Benfica, com o meu falecido pai na bancada com o coração dividido, e eram sempre encontros difíceis.

    Faz falta à Divisão de Honra um Benfica forte. Que compita com o GDD e CDUL pela conquista do campeonato.

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail