A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

13/10/2013

Historiador Surrealista

13/10/2013 + 7 Comentários
OPINIÃO

Em tempos deparei-me com um livro acerca de Cosme Damião cheio de imprecisões, desde notícias falsas (ver EDB em 13 de Junho de 2013) até considerações contraditórias e interpretações truncadas, por falta de critério e ligeireza na reprodução de factos documentados adulterando o seu significado, importância ou ordem.

Quem conta um conto acrescenta-lhe um ponto
Como seria de prever, porque quem não percebe porque erra tem tendência para fazer do erro continuidade, numa espécie de "modo de vida ou de viver", voltando a reproduzir o mesmo erro ou voltando a criar erros por não alterar procedimentos.
Atentemos no seguinte (o sublinhado no texto digitalizado é meu para ser contrariado):

O Estado Novo e o Futebol; página 185; Ricardo Serrado; Lisboa; 2012; Editora Prime Books

E agora no que sempre foi dito e faz parte da tradição do Clube:


História do SLB 1904 – 1954; volume I; página 8; de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva; Lisboa; Edição dos autores

Os Catataus com apelido Rodrigues. Os donos da Farmácia Franco com apelido Franco
Não há dúvidas acerca do seguinte:
1.   Os irmãos Rosa Rodrigues residiam no prédio da Farmácia Franco (na digitalização: linhas 6 a 9);
2. Daniel Santos Brito até podia ser "morador de Belém", mas o principal - para a história do Clube - era ser empregado na Farmácia Franco, tal como Manuel Gourlade (ou "funcionário da Farmácia Franco" como "ele" escreve!) (na digitalização: linhas 13, 14 e 15);
3.  Os donos da Farmácia Franco chamavam-se Pedro Augusto Franco e Inácio José Franco (2.º Conde do Restelo) (na digitalização: linhas 15 a 16 e mais desenvolvimento na página 10 da publicação referida).

Sempre os entendi como filhos de um armador
São inúmeras as referências, na obra citada de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva ligando os irmãos Rosa Rodrigues (José, Cândido, António e Jorge) à actividade dos seus pais (Cândido Rodrigues e Maria da Conceição Gomes Rosa... Rodrigues depois do casamento). Deixo apenas mais uma digitalização:

História do SLB 1904 – 1954; volume I; página 12; de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva; Lisboa; Edição dos autores

Afinal eram "farmacêuticos" (filhos do dono?)
Só que segundo o "historiador surrealista" os irmãos Rosa Rodrigues eram «filhos do dono da Farmácia Franco»!

Apesar da actividade descrita
Sabendo-se que a actividade de armador de pesca do pai e da família Rosa Rodrigues era tão importante na época para Portugal, que até está devidamente assinalada, quer em documentos, quer em publicações acerca da pesca portuguesa:


Um extracto do livro que descreve a passagem da sociedade Rosa & Comandita a C. Rodrigues & C.ª (Filhos), quando se previa o falecimento do fundador Cândido Rodrigues


Estamos sempre a ser surpreendidos
Apesar de haver tanta, tão boa e tão bem documentada informação, que não deixa qualquer dúvida acerca da filiação e actividade da família Rosa Rodrigues eis que alguém se lembra de inventar filiações e profissões. Afirmando-se como "Historiador". Surreal.

Estas historietas assépticas sem nexo (felizmente mentirosas) até fazem parecer mentira aspectos pitorescos que são verdadeiros!
O facto do principal núcleo dos 24 fundadores ser constituído por três irmãos Rosa Rodrigues (José, Cândido e António) filhos de um dos principais armadores portugueses de barcos de pesca do final do século XIX e início do século XX permitia que as redes das balizas utilizadas pelo “Glorioso” (tal como por um dos grupos - Belém FC ou Grupo dos Catataus - que esteve na sua origem) nos seus primeiros tempos fossem cedidas pela empresa de pesca do pai e tio dos três irmãos Rosa Rodrigues. Era esta a tradição. Com as recentes descobertas do “historiador surrealista” tudo isto deixou de fazer sentido. Apesar de um dos 24 fundadores e primeiro secretário do Clube – Daniel Santos Brito - ter relatado, em finais dos anos 40 e início dos anos 50, a Mário de Oliveira quando este decidiu investigar e divulgar a história do SLB, o seguinte:


História do SLB 1904 – 1954; volume I; página 17; de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva; Lisboa; Edição dos autores



Imoral da história
Se começarem a ler ou ouvir dizer que entre os fundadores do Clube estavam os filhos do dono da farmácia onde o Clube foi fundado, "isto" não data de 1904 mas de tão so-mente... 2012. Ontem!


Para memória futura
Se o “historiador surrealista” quiser fazer a história da minha família, para memória futura, declaro o seguinte: Vivi em tempos num 1.º andar tendo instalado no rés-do-chão uma dependência bancária do Banco Português do Atlântico, mas…

Os meus pais não eram os donos do Banco. Não sou bancário. Não sou banqueiro

Alberto Miguéns

NOTA1: O “historiador surrealista” acaba por ser mais vítima que incompetente. É mais uma das vítimas de uma parte do ensino universitário português decrépito e degradado, com casos mediatizados e públicos em demasia, que descredibilizam os "Estudos Superiores", que formata “cientistas” sem capacidade de utilizar, correctamente, métodos científicos de investigação baseados no rigor, humildade, reflexão e atenção. 

NOTA2: Próximo texto no EDB pela meia-noite de 19 para 20: O Benfica e os clubes de futebol do distrito de Viseu
7 comentários
comentários
  1. BOM DIA SR.ALBERTO MIGUÉNS, O ANDEBOL DO SL BENFICA NÃO JOGOU NAS PROVAS EUROPEIAS ANTES DE 1993-94? É QUE NO JORNAL "O BENFICA" NO HISTÓRICO NAS PROVAS EUROPEIAS TEM A NOSSA ESTREIA NA ÉPOCA DE 1993-94 NA CITY CUP.

    OBRIGADO


    SAUDAÇÕES BENFIQUISTAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Carlos Lima

      É evidente que sim. Muito mais épocas. A estreia ocorreu em 10 de Novembro de 1962 como foi escrito, aqui no EDB, em 17 de Novembro de 2011.

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. Fantástico trabalho. Devia haver mais gente como o senhor a repor a verdade e defender o Benfica!

    ResponderEliminar
  3. Mais uma demonstração esmagadora. Coragem para continuar esse trabalho de formiguinha! Infelizmente no nosso clube liga-se muito pouco a isso. Preferem o latão ao ferro.

    ResponderEliminar
  4. Alberto Minguéns devia estar á frente do nosso museu!!!Eu quero que o meu clube volte a reconquistar a hegemonia de antes!!!,Contra tudo e contra os corruptos acredito que quando o papa do alterne se engasgar na sua própria baba nós vamos demonstrar a nossa potência a nível galáctico!!!saudações gloriosas!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo3/8/14 21:53

    de onde é que escreveste isto pá...és 1 mentiroso,porque a palavra farmácia era com PH,não com F cabrão benfiquista...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És mesmo calhau. Ainda não percebeste que aquele texto foi escrito depois da lista dessa acta estar escrita. Pode ter sido uns dias ou anos depois, mas foi depois. por isso foi escrito em letra mais fina, desorganizada e em cunha. E de cunhas é coisa que tu percebes. E bem!

      Alberto Miguéns

      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail