A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

15/02/2014

Formação "Made in SLB"

15/02/2014 + 13 Comentários
OPINIÃO

NOTA INICIAL (Texto longo): Se não gosta da história do Benfica não leia. Espere pela meia-noite de domingo para segunda-feira quando forem editadas no EDB as habituais notas breves acerca do último jogo do "Glorioso".
 

O Benfica foi sempre um clube que promoveu a formação de futebolistas. É um histórico e tem feito história na formação de jogadores para o futebol. e foi muitas vezes pioneiro. Por isso, em breve, o "Glorioso" vai ser o melhor a formar atletas. Um regresso à essência do Benfiquismo.

Do Sport Lisboa a Sport Lisboa e Benfica
O sucesso do futebol Benfiquista durante as duas primeiras décadas da existência do Clube deveu-se à sapiência e apego de Cosme Damião na organização do futebol, essencialmente a partir de 1 de Maio de 1909 quando é nomeado pelos dirigentes eleitos em 26 de Fevereiro de 1909, como "capitão-geral"! Muito por acção do vice-presidente Alfredo Alexandre Luís da Silva com óbvio consentimento do presidente João José Pires. Por ser um director (Alfredo Silva) com a responsabilidade de "orientação do futebol" delegando em Cosme Damião proveniente do Sport Lisboa. Apesar de Cosme Damião ser associado dos dois clubes: fundador do Sport Lisboa em 28 de Fevereiro de 1904 e associado n.º 81 do Sport Benfica, aprovado em 27 de Outubro de 1907. É bom recordar que fazia parte do acordo de junção (artigo n.º 2) aprovado em reunião conjunta a 2 de Setembro de 1908, os dois clubes não perderem a sua individualidade. Ou seja, no Sport Lisboa e Benfica, o Sport Lisboa mantinha o "controle" do futebol e o Sport Benfica "controlava" a estratégia directiva: abrangência social, infraestruturas e desenvolvimento desportivo no pedestrianismo (atletismo) e velocipedia (ciclismo), o depois denominado eclectismo desportivo.

Cosme Damião e a estrutura vertical dinâmica
O nosso "mais que tudo" depressa implantou no Clube uma estrutura vencedora baseada na competência e apego clubístico dos futebolistas. Estes iniciavam-se nas categorias inferiores e ascenderiam à imediatamente superior quando revelassem apetência para tal - boa condição física, melhoria da técnica individual, boa interpretação táctica dentro do colectivo, pontualidade, treinamentos, resposta às necessidades, integração no espírito colectivo da equipa e Benfiquismo. E foi assim que se foram criando várias categorias.

Estreias das categorias
Categoria
1.ª
2.ª
3.ª
4.ª
Época
1904/05
1904/05
1906/07
1909/10
Data
1 Janeiro
19 Fevereiro
3 Fevereiro
14 Novembro
Resultado
V 1-0
V 1-0
V 3-0
V 1-0
Adversário
Grupo do Campo de Ourique
Grupo do Campo de Ourique
Internacional (CIF)
Sport Grupo Palhavã
(1.ª categoria)

Pensar o futebol honrando os ases que honraram o passado do Clube
Tal como havia ascensão também se fazia a "descida" dentro da estrutura das várias equipas (categorias). Geralmente por questões físicas (idade) mas também por falta de treino, devido a uma menor disponibilidade para o futebol devido a afazeres pessoais (vida familiar) e profissional (emprego). Mas Cosme Damião continuava a dar-lhes toda a importância, pois percebia que ter em coexistência nas categorias "inferiores" futebolistas veteranos multi-campeões com futebolistas jovens a iniciar-se no desporto era dar-lhes uma "injecção de Benfiquismo" para toda a vida. E a responsabilidade de continuarem a vencer e conquistar honrando os veteranos. Como depois Félix Bermudes (um bom exemplo de quem ascendeu até à 1.ª categoria e depois "desceu" até à 3.ª categoria) verteu para a letra do Hino de 1929: "Honrai agora os ases que nos honraram o passado"! É que nessas categorias (que para Cosme Damião não eram "inferiores", porque formavam um todo) jogavam veteranos com mais de 40 anos e jovens com pouco mais de 10 quase com idade, nesse tempo, para serem seus netos.

Cosme Damião (à direita) capitão da 1.ª categoria e "Capitão-Geral" (treinador e orientador) e os capitães das outras três categorias em 1914/15: Horácio Ferreira (4.ª categoria), Mário Monteiro (2.ª categoria) e Arnaldo Sobral (3.ª categoria). Conta-se que no final da temporada de 1916/17 (Horácio Ferreira era então capitão da 2.ª categoria) aquando do habitual e tradicional Jantar de homenagem aos futebolistas campeões, Cosme Damião foi propondo um brinde às categorias campeãs. Começou pela 4.ª, depois a 3.ª e passou à 1.ª. Horácio Ferreira (que foi quem contou esta história ao saudoso Joaquim Macarrão que depois a foi contando a outros para mostrar a "fibra" de Cosme Damião) pediu a palavra para solicitar um brinde à sua 2.ª categoria. Segundo ele, "Não fomos campeões mas conseguimos o vice-campeonato!". Cosme Damião como "Capitão-Geral" tomou a palavra e explicou. "No Benfica não há vice-campeões! Só há campeões! Só cabem exultações aos campeões! Se querem ser saudados por todos conquistem o campeonato na próxima época!" Segundo Horácio Ferreira, uma lição! Pois é! É à Benfica! (Foto digitalizada da página 308 do 1.º volume da História do SLB: 1904-1954, de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva)

CAMPEÕES REGIONAIS DE LISBOA (1906/07 - 1925/26)
Época
1.ª
2.ª
3.ª
4.ª
1906/07
Carcavellos
-----------
-----------
-----------
1907/08
Carcavellos
-----------
-----------
-----------
1908/09
Carcavellos
Internacional
CS Império
-----------
1909/10
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
-----------
1910/11
Internacional
SL Benfica
SL Benfica
-----------
1911/12
SL Benfica
GS Cruz Quebrada
SL Benfica
Sporting CP
1912/13
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
Sporting CP
1913/14
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
1914/15
Sporting CP
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
1915/16
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
1916/17
SL Benfica
Vitória FC Setúbal
SL Benfica
SL Benfica
1917/18
SL Benfica
SL Benfica
GD Fábrica Seixas
GF Benfica
1918/19
Sporting CP
SL Benfica
SL Benfica
SL Benfica
1919/20
SL Benfica
SL Benfica
União F Lisboa
GF Benfica
1920/21
Casa Pia AC
SL Benfica
SL Benfica
GF Benfica
1921/22
Sporting CP
Vitória FC Setúbal
SL Benfica
Carcavelinhos FC
1922/23
Sporting CP
CF "Os Belenenses"
União F Lisboa
SL Benfica
1923/24
Vitória FC Setúbal
Carcavelinhos FC
Sporting CP
CF "Os Belenenses"
1924/25
Sporting CP
Carcavelinhos FC
Império LC
SL Benfica
1925/26
CF "Os Belenenses"
Vitória FC Setúbal
SL Benfica
Carcavelinhos FC
TOTAIS
8 em 20
40 %
10 em 18
56 %
12 em 18
67 %
7 em 15
47 %

Três épocas inéditas: 1909/10, 1913/14 e 1915/16
O SL Benfica foi o único clube, entre 1908/09 e 1947/48, ou seja durante 40 temporadas (23 com quatro categorias - 1911/12 a 1933/34 - e as restantes 17 com três categorias) que conquistou a totalidade dos títulos: 1909/10 (três títulos de campeão regional) e 1913/14 e 1915/16 (ambas com quatro títulos de campeão regional). O Sporting CP viria a obter uma proeza idêntica, mas já com a competição reduzida a três categorias, em 1934/35. Inolvidável e inigualável "Glorioso". Três vezes a fazer o pleno!

As quatro equipas do "Glorioso" campeãs regionais de Lisboa em 1915/16

4.ª categoria campeã invicta: 12 vitórias em 12 jornadas e 54/3 em golos. 54 marcados e 3 sofridos, estes três golos nos dois jogos com o Ateneu CL: V 7-1 e V 5-2. O Sporting CP foi derrotado por 11-0 e teve falta de comparência na 2.ª volta! De cima para baixo. Da esquerda para a direita. António Brás, A. Caeiro, José Maria Bastos, Rogério Jonet, Ramiro Vito e Monteiro e Costa; Caetano Santos, José Tavares Bastos, Vítor Gonçalves (capitão), Jesus Munõz Crespo e Alberto Loureiro. Vítor Gonçalves foi internacional por Portugal na 1.ª e 2.ª selecções nacionais (1921 e 1922, nesta capitão). Jesus Muñoz Crespo foi goleador - 122 golos - na 1.ª categoria, onde jogou 12 temporadas entre 1916/17 e 1928/29. Foi o 3.º Águia de Ouro, mas o primeiro futebolista a receber o "Galardão Supremo do Benfiquismo", em 29 de Julho de 1928, por uma vida de futebolista dedicada ao Clube, durante 14 temporadas, entre 1914/15 e 1927/28. Inédito até então! Rogério Jonet chegou a ser o sócio n.º 1 do SLB, em 1993 e 1994. Tive o prazer de o visitar em casa, na rua de Timor, em Lisboa, com o dedicado jornalista Manuel Arons de Carvalho que o entrevistou para uma reportagem publicada no Semanário "O Benfica", na página 7, em 15 de Dezembro de 1993 (Foto digitalizada da página 330 do 1.º volume da História do SLB: 1904-1954, de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva)

3.ª categoria campeã invicta com 14 vitórias em 14 jornadas e 40/4 em golos. 40 marcados e 4 sofridos, estes em três jornadas: V 5-1 com o Vitória FC Setúbal, V 3-2 com o SG Sacavenense (ambos na 1.ª volta) e V 6-1 com o GS Cruz Quebrada.  De cima para baixo. Da esquerda para a direita. A confirmar toda a equipa. Guarda-redes: José Picoto (capitão); Francisco Nunes, Horácio Ferreira, Raul Nascimento e António Marques; Silvestre Rosmaninho, Robert Matos, João Coelho e José Forra; Carlos Pinto e Francisco França  (Foto digitalizada do jornal O Sport de Lisboa)

2.ª categoria campeã invicta com 12 vitórias em 12 jornadas e 32/3 em golos. 32 marcados e 3 sofridos, estes em três jornadas da 1.ª volta: V 4-1 com o Internacional, V 4-1 com o Sporting CP e V 12-1 com o SC Império. De cima para baixo. Da esquerda para a direita. João Morais, Ernesto Viegas, Júlio Ribeiro da Costa, Manuel Veloso, Romualdo Bogalho (com a velha camisola de flanela vermelha do Sport Lisboa, "estatuto de veterano", pois chegou à 1.ª categoria em 1910/11 depois de ter iniciado a carreira de futebolista nas categorias inferiores do Sport Lisboa), Carlos Pinto e Manuel Florêncio. Aníbal dos Santos, António Ribeiro dos Reis (capitão), Rogério Peres e Alfredo Mengo. Como 2.ª categoria (reservistas da 1.ª equipa) todos jogaram na 1.ª categoria. Júlio Ribeiro da Costa também foi futebolista na principal equipa da Associação Académica de Coimbra. Depois no regresso a Lisboa foi presidente da Direcção do "Glorioso" em 1938/39 e presidente da Mesa da Assembleia Geral, em 1939/40. António Ribeiro dos Reis foi capitão da 1.ª categoria do "Glorioso", internacional português em 1921, na 1.ª selecção nacional e seleccionador nacional em 1925 e 1926. No Clube não foi presidente da Direcção mas sucedeu a Cosme Damião como Capitão-Geral, em 1926, e foi um enorme presidente da Mesa da Assembleia Geral (sucedendo a... Júlio Ribeiro da Costa), entre 1940 e 1956 (Foto digitalizada da página 327 do 1.º volume da História do SLB: 1904-1954, de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva)

1.ª categoria campeã invicta com 7 vitórias em 8 jornadas (mais um empate) e 16/4 em golos. 16 marcados e 4 sofridos, estes em três jornadas da 1.ª volta: E 1-1 com o Sporting CP, V 4-2 com o SC Império e V 5-1 com o Internacional (CIF). De cima para baixo. Da esquerda para a direita. Cândido de Oliveira, Henrique Costa, Carlos Homem de Figueiredo, Cosme Damião (capitão), Adolfo Stock (guarda-redes) e Leopoldo Mocho. Artur Augusto, Manuel Veloso, Herculano dos Santos, Carlos Sobral e Alberto Rio. Cândido de Oliveira foi o primeiro capitão da selecção nacional, em 1921, e seleccionador nacional entre 1926 e 1929, 1935 e 1945 e em 1952. Foi treinador de muitas e variadas equipas de clubes portugueses e no Brasil. Em todos menos no "seu" Benfica. Saiu em 1920 para fundar o Casa Pia AC quando o Benfica tanto necessitava deste futebolista, que era capitão. Nunca mais poderia voltar. E se ele queria... O seu grande amigo Ribeiro dos Reis nunca o permitiria: "Nem que fosse o melhor treinador do Mundo!". Alberto Rio foi internacional português na II e III selecção nacional, em 1922 e 1923, nesta como capitão, mas em ambas como jogador do CF "Os Belenenses", pois saiu do "Glorioso" em 1918 para o Sporting CP e desde para Belém, em 1919, sendo um dos fundadores do CF "Os Belenenses"  (Foto digitalizada da página 320 do 1.º volume da História do SLB: 1904-1954, de Mário de Oliveira e Rebelo da Silva)


O Grupo Infantil
O Benfica conseguiu em meados dos anos 10, em 1913/14, ter uma quinta equipa, constituída por um grupo de jogadores muito jovens - 12/13 anos - que foi denominado "Grupo Infantil" para não ter a designação de 5.ª categoria, que tinha um significado pejorativo devido a dizer-se "é uma equipa de 5.ª categoria".

António Ribeiro dos Reis e a nova concepção do Futebol Benfiquista
Com o afastamento de Cosme Damião quando nas eleições de 1926 não aceitou o cargo de presidente querendo ser vice-presidente para continuar a liderar o futebol e não presidente tendo como vice-presidente Ribeiro dos Reis, o futebol do "Glorioso" passou a ter uma nova orgânica, com o Benfica finalmente a enveredar pelo semi-profissionalismo contratando futebolistas a outros clubes. Se os efeitos desta nova política para o futebol não tiveram grande impacto nas conquistas regionais da 1.ª categoria, permitiram as primeiras conquistas nacionais no Campeonato de Portugal (antepassado da Taça de Portugal) e no campeonato da I Liga (antepassado do Campeonato Nacional da I Divisão). O Benfica conquistou um inédito bicampeonato de Portugal (1929/30 e 1930/31), mais um Campeonato de Portugal (1934/35) e o tricampeonato da I Liga (1935/36, 1936/37 e 1937/38), antes de conquistar a Taça de Portugal (1939/40 e 1942/43) e o bicampeonato nacional da I Divisão (1941/42 e 1942/43), nesta última temporada - 1942/43 - com a primeira "dobradinha" de uma história gloriosa!

CAMPEÕES REGIONAIS DE LISBOA (1926/27 - 1947/48)
Época
1.ª
2.ª
3.ª
4.ª
1926/27
Vitória FC Setúbal
SL Benfica
CF "Os Belenenses"
Carcavelinhos FC
1927/28
Sporting CP
Carcavelinhos FC
SL Benfica
Casa Pia AC
1928/29
CF "Os Belenenses"
SL Benfica
SL Benfica
Casa Pia AC
1929/30
CF "Os Belenenses"
CF "Os Belenenses"
CF "Os Belenenses"
SL Benfica
1930/31
Sporting CP
SL Benfica
CF "Os Belenenses"
Sporting CP
1931/32
CF "Os Belenenses"
CF "Os Belenenses"
SL Benfica
União F Lisboa
1932/33
SL Benfica
CF "Os Belenenses"
SL Benfica
União F Lisboa
1933/34
Sporting CP
CF "Os Belenenses"
Carcavelinhos FC
União F Lisboa
1934/35
Sporting CP
Sporting CP
Sporting CP
-------------
1935/36
Sporting CP
SL Benfica
SL Benfica
-------------
1936/37
Sporting CP
CF "Os Belenenses"
Carcavelinhos FC
-------------
1937/38
Sporting CP
Sporting CP
SL Benfica
-------------
1938/39
Sporting CP
SL Benfica
SL Benfica
-------------
1939/40
SL Benfica
Sporting CP
SL Benfica
-------------
1940/41
Sporting CP
SL Benfica
Sporting CP
-------------
1941/42
Sporting CP
Sporting CP
SL Benfica
-------------
1942/43
Sporting CP
SL Benfica
SL Benfica
-------------
1943/44
CF "Os Belenenses"
CF "Os Belenenses"
SL Benfica
-------------
1944/45
Sporting CP
SL Benfica
SL Benfica
-------------
1945/46
CF "Os Belenenses"
CF "Os Belenenses"
Sporting CP
-------------
1946/47
Sporting CP
CF "Os Belenenses"
SL Benfica
-------------
1947/48 (1)
Sporting CP
CF "Os Belenenses"
CF "Os Belenenses"
-------------
TOTAIS
2 em 22 (2)
9 %
8 em 22 (3)
36 %
13 em 22
59 %
1 em 8
13 %
NOTA: (1) Em 1947/48 a competição denominou-se Taça de Honra de Lisboa;
      (2) O Sporting CP arrasou com 14 títulos em 22 temporadas, o CF "Os Belenenses" conquistou cinco títulos, o SL Benfica dois triunfos e o Vitória FC Setúbal (antes da criação do distrito de Setúbal e respectiva associação regional) conquistou o outro título de campeão regional de Lisboa;
         (3) O CF "Os Belenenses" conquistou nove títulos (mais um que o Benfica)

António Ribeiro dos Reis e a separação
Este enorme Benfiquista e desportista, pensador e inovador do futebol em Portugal (a par de Cândido de Oliveira) desde que deixara a prática do futebol como jogador da 1.ª categoria (no final de 1924/25) que estava integrado na estrutura criada por Cosme Damião, o conselho técnico. Ribeiro dos Reis foi sempre um defensor da separação entre veteranos e adolescentes. Por isso impulsionou em meados dos anos 20, em 1928/29, a criação do campeonato regional para a Categoria Infantil (na prática os actuais juniores) impedindo a sua presença nas equipas seniores, mesmo da 3.ª categoria. Um inovador. E recordemos que Ribeiro dos Reis apesar de exercer o cargo de seleccionador nacional na temporada de 1925/26, também jogava na 3.ª e 4.ª categoria do Benfica, sagrando-se campeão regional pela 3.ª categoria. Ou seja fazendo o percurso descendente tão do agrado de Cosme Damião.

António Ribeiro dos Reis. Um dos casapianos que não abandonou o "Glorioso" aquando da formação do Casa Pia AC em 1920. Ao contrário do seu amigo de toda a vida, Cândido de Oliveira. Ribeiro dos Reis é um dos mais importantes benfiquistas de sempre e para sempre. (10 de Julho de 1896 a 3 de Dezembro de 1961)

NOTA INTERMÉDIA: Como o texto já vai longo reservo para um futuro próximo (assim o espero!) a conclusão deste tema: Formação com Selo de Origem e Qualidade: SLB. Deixo os temas a desenvolver, que serão "ilustrados" com os quadros dos clubes campeões regionais de Lisboa e clubes campeões nacionais nos escalões de formação.
Mas nesta parte final, ainda vou detalhar o porquê de entender que o Sporting CP no início dos anos 90 do século XX tinha menor expressão na formação que o Benfica com o exemplo das duas selecções nacionais de sub-20 campeãs mundiais em Riade (1989) e Estádio da Luz (1991).

1.      Anos 40 e 50: Valdivielso e a dureza (versão I: querer ser ou não ser futebolista)

2.      Anos 60 e 70: Ângelo e a dureza (versão II: querer ser ou não ser campeão sénior)

3.      Anos 80: Nené e a formação integral


Continuadores da saga para atingir o topo do Mundo
A expressão máxima do histórico contributo do Benfica para as selecções nacionais foi o "contingente do Glorioso" na selecção de sub-20, que consagrou-se no final dos anos 80 e início de 90 com o bicampeonato mundial, em 1989 e 1991.


Oito dos 18 "Campeões de Riade", na Arábia Saudita, eram do Benfica
Foi o Benfica a "fornecer" o maior número de futebolistas, com oito elementos, quase uma equipa e com futebolistas para todos os sectores: dois guarda-redes (o titular Bizarro e Brassard), três (o lateral-direito goleador Abel Silva e os dois centrais Paulo Madeira e Valido), dois centrocampistas (o trinco Paulo Sousa e Xavier), bem como o avançado Resende. Na final, em 3 de Março de 1989, frente à congénere nigeriana actuaram como titulares: Bizarro, Abel e Paulo Madeira. Para o resultado de 2-0 contribuiu Abel Silva que marcou o primeiro golo aos 44 minutos.





FUTEBOLISTAS CAMPEÕES DO MUNDO DE SUB 20 (1989)
N.º
Nome
Posição
Clube
1986/87
Clube
1988/89
1
Brassard
Guarda-redes
SL Benfica (juv.)
SL Benfica
12
Bizarro
Guarda-redes
SL Benfica
SL Benfica
2
Abel Silva
Defesa
SL Benfica
SL Benfica
5
Morgado
Defesa
FC Porto
Gil Vicente
10
Paulo Madeira
Defesa
SL Benfica
SL Benfica
15
Valido
Defesa
SL Benfica
GD Estoril Praia
16
Fernando Couto
Defesa
FC Porto
FC Famalicão
4
Paulo Sousa
Médio
SL Benfica
SL Benfica
6
Jorge Couto
Médio
FC Porto
Gil Vicente FC
7
Tozé
Médio
Leixões SC
Leixões SC
8
Hélio
Médio
Vit. FC Setúbal
Vit. FC Setúbal
9
Xavier
Médio
SL Benfica
GD Estoril Praia
11
Filipe
Médio
SCU Torreense
SCU Torreense
18
Amaral
Médio
Sporting CP
Académico Viseu FC
3
Paulo Alves
Avançado
FC Porto
Gil Vicente FC
13
Resende
Avançado
SL Benfica
SL Benfica
14
João Pinto
Avançado
Boavista FC
Boavista FC
17
Folha
Avançado
FC Porto
FC Porto

Por Clube em 1986/87 (idade de júnior)

SL BENFICA (8)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
1
Brassard
Guarda-redes
SL Benfica (juniores)
12
Bizarro
Guarda-redes
SL Benfica
2
Abel Silva
Defesa
SL Benfica
10
Paulo Madeira
Defesa
SL Benfica
15
Valido
Defesa
GD Estoril Praia
4
Paulo Sousa
Médio
SL Benfica
9
Xavier
Médio
GD Estoril Praia
13
Resende
Avançado
SL Benfica
FC Porto (5)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
5
Morgado
Defesa
Gil Vicente
16
Fernando Couto
Defesa
FC Famalicão
6
Jorge Couto
Médio
Gil Vicente FC
3
Paulo Alves
Avançado
Gil Vicente FC
17
Folha
Avançado
FC Porto

Leixões SC (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
7
Tozé
Médio
Leixões SC

Vitória FC Setúbal (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
8
Hélio
Médio
Vit. FC Setúbal

SCU Torreense (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
11
Filipe
Médio
SCU Torreense

Sporting CP (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
18
Amaral
Médio
Académico Viseu FC

Boavista FC (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
14
João Pinto
Avançado
Boavista FC





Quatro dos 18 "Campeões de Lisboa", com a final jogada no Estádio da Luz, eram do Benfica
Foram quatro, um para cada posição em campo, o "contingente vermelho" na segunda conquista: Brassard (guarda-redes), Rui Bento (defesa-central), Rui Costa (maestro a meio-campo) e Gil (ponta-de-lança). No jogo decisivo, em 30 de Junho de 1991, no empate sem golos frente ao Brasil alinharam: Brassard, Rui Bento, Rui Costa e Gil. Todos! Portugal venceu o Brasil nos pontapés da marca de grande penalidade, com 4-2. Rui Costa marcou o último e decisivo pontapé!


FUTEBOLISTAS CAMPEÕES DO MUNDO DE SUB 20 (1991)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
Clube
1990/91
1
Brassard
Guarda-redes
SL Benfica
Louletano DC
12
Tó Ferreira *
Guarda-redes
Boavista FC
FC Famalicão
4
Peixe
Defesa
Sporting CP
Sporting CP
6
Jorge Costa
Defesa
FC Porto
FC Penafiel
7
Abel Xavier **
Defesa
CF Estrela Amadora
CF Estrela Amadora
8
Paulo Torres
Defesa
Sporting CP
Sporting CP
10
Nélson
Defesa
SC Salgueiros
SC Salgueiros
11
Rui Bento
Defesa
SL Benfica
SL Benfica
13
Capucho
Defesa
Gil Vicente FC
Gil Vicente FC
16
Cao
Defesa
FC Porto
FC Porto
3
Figo
Médio
Sporting CP
Sporting CP
5
Rui Costa
Médio
SL Benfica
AD Fafe
15
Tulipa
Médio
FC Porto
FC Porto
17
João Olv. Pinto
Médio
Sporting CP
Sporting CP
2
Gil
Avançado
SL Benfica
SL Benfica
9
Luís Miguel
Avançado
FC Porto
Gil Vicente FC
14
João Pinto
Avançado
Boavista FC
Atlético Madrileno
18
Toni
Avançado
FC Porto
FC Porto
NOTA:  * Tó Ferreira (emprestado ao Pedrouços AC);
           ** Abel Xavier (jogador do Sporting CP até 1987/88)

Por Clube em 1988/89 (idade de júnior)

FC Porto (5)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
6
Jorge Costa
Defesa
FC Penafiel
16
Cao
Defesa
FC Porto
15
Tulipa
Médio
FC Porto
9
Luís Miguel
Avançado
Gil Vicente FC
18
Toni
Avançado
FC Porto

SL BENFICA (4)
N.º
Nome
Posição
Clube
1990/91
1
Brassard
Guarda-redes
Louletano DC
11
Rui Bento
Defesa
SL Benfica
5
Rui Costa
Médio
AD Fafe
2
Gil
Avançado
SL Benfica

Sporting CP (4)
N.º
Nome
Posição
Clube
1990/91
4
Peixe
Defesa
Sporting CP
8
Paulo Torres
Defesa
Sporting CP
3
Figo
Médio
Sporting CP
17
João Olv. Pinto
Médio
Sporting CP

Boavista FC (2)
N.º
Nome
Posição
Clube
1990/91
12
Tó Ferreira
Guarda-redes
FC Famalicão
14
João Pinto
Avançado
Atlético Madrileno

CF Estrela Amadora (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
7
Abel Xavier
Defesa
CF Estrela Amadora

SC Salgueiros (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
10
Nélson
Defesa
SC Salgueiros

Gil Vicente FC (1)
N.º
Nome
Posição
Clube
1988/89
13
Capucho
Defesa
Gil Vicente FC

Formação de futebolistas, o Benfica e Portugal. Uma ligação de sempre e para sempre!

Alberto Miguéns
13 comentários
comentários
  1. Caro Alberto
    Como sempre, mais um excelente trabalho sobre a vida do nosso Glorioso e não só.
    Gostaria de lhe perguntar o seguinte:

    Nos Quadros dos Campeões Regionais acima indicados não está a categoria de Reservas?
    Pergunto isto por já ter visto várias publicações em que a categoria de Reserva substitui a 2ª Categoria e penso haver alguma confusão com os títulos destas categorias. Se me pudesse esclarecer agradecia.
    Saudações Benfiquistas

    Jorge Santos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jorge Santos

      É com satisfação que respondo.

      Para não criar confusão - e como não quis fazer mais texto para explicar - decidi simplificar. O que é simples esconde a informação correcta.

      Em 1928/29 reformularam-se os campeonatos regionais, alterando a designação das categorias.

      Categoria Honra (ex- 1.ª categoria);
      Categoria Reserva (ex- 2.ª categoria);
      2.ª categoria (ex- 3.ª categoria);
      3.ª categoria (ex- 4.ª categoria).

      Ou seja, com rigor em 1928/29 os títulos foram:

      CF "Os Belenenses".............Categoria Honra
      SL Benfica...............................Categoria Reserva
      SL Benfica...............................2.ª categoria
      Casa Pia AC...........................3.ª categoria

      Nas temporadas seguintes continuou essa designação até 1933/34. Depois de 1934/35 a 3.ª categoria foi suprimida, havendo três categorias até 1948/49. Depois de 1949/50 passou a duas: Honra e Reserva.

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Muitíssimo obrigado pelo esclarecimento

      O Sr Alberto apresenta as situações como ninguém.

      Realmente só podia ser BENFIQUISTA

      Bem haja e mais uma vez obrigado

      Saudações Benfiquistas

      Eliminar
  2. o melhor e de longe blog :-) obrigado

    ResponderEliminar
  3. Mais um exemplo notável de conhecimento e rigor acerca da história do nosso Glorioso. Não se importe nunca de ter estes textos longos.
    Existe pouca informação disponível acerca das categorias inferiores. Muito deste texto é novo e interessante para mim.

    Um destaque particular é a resposta que deu para uma dúvida que tinha acerca de Cândido de Oliveira nunca ter regressado ao SLB. Desconhecia a posição de Ribeiro dos Reis. Curioso uma vez que fundaram o jornal "A Bola" em 1945. Deve ter sido difícil para Cândido de Oliveira, que aliás se manteve amigo de Cosme Damião até ao fim. Mesmo, presumo, naqueles anos em que foi treinador do SCP.

    Existe uma fotografia interessante que presumo ser das categorias inferiores do SLB. Aqui:

    http://2.bp.blogspot.com/-hgFXjc3Op5E/UBkNDa50k3I/AAAAAAAAMJ8/zkimr11v6bc/s320/21.jpg

    Num outro site (http://retalhosdebemfica.blogspot.pt) encontrei mais alguma informação acerca dela:
    "Equipa suplementar do Sport Lisboa e Benfica no Campo da Feiteira" (Outubro 1910). Foto de Joshua Benoliel, in Arquivo Municipal de Lisboa"

    Sabe mais alguma coisa acerca dela?

    Muito obrigado!
    RedVC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro RedVC

      Agradecimento pelo elogio. Tudo é pouco para mostrar a grandeza de um clube grande desde há tanto tempo.

      Vou ver essas informações que desconheço. Depois responderei.

      Quanto ao "assunto" Ribeiro dos Reis/ Cândido de Oliveira pelo que sei foi doloroso para os dois. Cândido de Oliveira gostava de treinar o clube - ele que treinou tantos clubes (SCP, AAC, FCP, por exemplo) - onde se fizera jogador, porque ele dizia que homem fizera-se enquanto casapiano. Ribeiro dos Reis debateu-se com o problema de saber que o amigo era o melhor treinador português mas não abdicava do que se passara no verão de 1920. Cândido de Oliveira era o capitão da 1.ª categoria campeã regional e abandonou o Glorioso levando mais 12 futebolistas de todas as 4 categorias. Só houve três casapianos que disseram NãO: Cosme Damião (já não jogava), António Ribeiro dos Reis e Vítor Gonçalves.

      Apesar de Cândido de Oliveira argumentar que podia ter fundado o Casa Pia AC um ano antes (em 1919) mas não quis porque o Benfica perdera o título para o Sporting CP e abandonar o Clube era sinal de fraqueza, decidindo que só deixaria o Benfica quando este fosse novamente campeão, o que acabou por acontecer na época seguinte, Ribeiro dos Reis "culpou-o" sempre da seca de triunfos no Regional nos anos 20, 30 e 40. Chegou mesmo a dizer que Cândido de Oliveira ao fundar o Casa Pia AC (e com o enfraquecimento deste clube que não foi o que se pensava - potenciar o desporto casapiano) o que conseguiu foi fazer o Sporting CP ultrapassar o Benfica em títulos: 10/18.

      Há uma história curiosa, talvez lenda. Cândido de Oliveira foi pela primeira vez treinador do SCP em 1945/46. O SCP era campeão regional em 1944/45. Diz-se que Cândido de Oliveira não quis conquistar o título por ser do Benfica e ter essa história de com o seu abandono ter permitido que de um "parcial" de 8/2 se passasse para 10/17! Passou a ser conhecido no Sporting por melancia: verde por fora, mas vermelho por dentro! O certo é que o Belenenses., em 1945/46, juntou ao título de campeão regional o de campeão nacional com o SLB em 4.º no Regional (SCP em 2.º e Atlético CP em 3.º) e 2.º no Nacional (SCP em 3.º e Atlético CP em 5.º). Cândido de Oliveira terminaria a época a conquistar a Taça de Portugal pelo SCP frente ao Atlético CP. O SLB eliminou o Belenenses (CR e CN) por 3-0 e depois nos 1/4 final foi eliminado pelo ACP por 2-3!

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Notícias dessa fotografia.

      Foi tirada em 23 de Outubro de 1910 no campo do Glorioso, na Quinta da Feiteira, em Benfica.

      A fundação da AFL em 23 de Setembro de 1910 e a implantação da República em 5 de Outubro atrasou o início dos campeonatos regionais. O Benfica programou uma série de jogos particulares para treinar as três categorias. Um desses encontros (com três jogos entre as três equipas) foi com o Sport União Belenense. Este clube formara-se em 1909, mas só durou duas temporadas (1909/10 e 1910/11). Foi a primeira tentativa para organizar um clube em Belém. Utilizavam calção branco e camisola azul. Tal como o CF "Os Belenenses" dez anos depois em 1919.

      Essa fotografia é do jogo entre as duas equipas da 2.ª categoria. Os futebolistas estão misturados porque os do Benfica também eram de... Belém. Vizinhos e amigos uns dos outros, ou não tivesse o Sport Lisboa origem em Belém.

      Resultados (por ordem da realização dos jogos):

      3.ª categoria: D 0-1;
      2.ª categoria: D 0-2;
      1.ª categoria: E 0-0

      Um escândalo para a época. Em 1910/11. Que iria correr mal na 1.ª categoria (2.º lugar) mas a 2:º e 3.ª categoria sagrar-se-iam campeãs regionais.

      Futebolistas do SLB:
      1.ª fila: SUB, Jorge Rosa Rodrigues, Joaquim Cal, Goncalves, José Domingos Fernandes, Francisco Rocha e Artur Ferreira;
      2.ª fila: SUB, SUB, Arnaldo Sobral, SUB, Rogério Peres e SUB;
      3.ª fila: SUB, Francisco Pereira, SUB, Augusto Jorge, SUB, SUB, SUB, SUB e SLB (?).

      Grande parte - talvez todos os outros - futebolistas do SUB ingressaram no SLB em 1911/12.

      Eliminar
    3. Muito obrigado pela descoberta e partilha desta informação. Notável!
      União Belenense tenho a ideia de ter sido um clube que não alinhou em movimentos (já nessa altura...) do SCP para marginalizar o Sport Lisboa e Benfica. Ou é de inveja, ou é de mágoa...
      Estão aí jogadores com alguma relevância. Entre outros: Jorge Rosa Rodrigues (o único dos irmãos que não foi fundador), José Domingos Fernandes (mais um antigo Casapiano) e Francisco Pereira, irmão de Artur José Pereira (aliás não foi do União Belenense que Artur José Pereira veio para o Glorioso?)
      Isso leva-me a outra questão que é o clube de origem de Álvaro Gaspar. Saberá por acaso se foi jogador da formação do Sport Lisboa e Benfica ou se veio de outro clube?
      RedVC

      Eliminar
    4. Certo quanto à posição do Sport União Belenense.

      Artur José Pereira deve ter começado no Ajudense FC mas sem jogar no campeonato. Oficialmente estreou-se pelo Sport Lisboa em 1907/08.

      Álvaro Gaspar vivia na Graça (Bairro Estrela de Ouro n.º 16) mas jogou sempre no SLB. Numa ficha de inscrição para a temporada de 1913/14 ele quando questionado: Em que clubs ou grupos já jogou foot-ball? respondeu: S.L. Bemfica e Chega.

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    5. Muito obrigado pelas informações.

      O rasto destas figuras pioneiras e emblemáticas do nosso clube é complicado de seguir. é necessário saber quais as fontes, onde estão e consulta-las.
      Seria muito interessante que optasse por ter uma pequena secção tipo perguntas dos visitantes para nos ir priviligiando ainda mais com o seu conhecimento.
      Álvaro Gaspar é uma figura fascinante pelo que representou de um jogador de talento ímpar - ao nível de Artur José Pereira - e pela tragédia da morte enquanto um jovem. Essa resposta que nos deu a conhecer é impressionante por ser carregada de Benfiquismo. Ainda assim leva-me a uma dúvida intrigante. Terá álvaro Gaspar jogado nas categorias inferiores do Benfica? E desde quando? Presumo que nos tempos antigos não teríamos carreiras convencionais mas as datas levam--me a essas dúvidas.Ora vejamos, pelo que sei Álvaro Gaspar nasceu em 10 de Maio de 1889 e morreu a 3 de Setembro de 1915. Logo teria 26 anos. Para além disso uma vez mais segundo sei fez a sua primeira época em 1912-1913 logo nessa data já teria cerca de 23 anos. Creio que existiriam muitos jogos não oficiais mas ainda assim um jogador com aquele talento deveria ter sido notado antes. Esses anos mais precoces de Álvaro Gaspar são um pequeno e interessante mistério. Se alguma vez se cruzar com essa informação não deixe de a investigar. E já agora de nos dar o privilégio de a partilhar com os seus leitores.

      Saudações Benfiquistas

      RedVC

      Eliminar
    6. Caro RedVC

      Tenho previsto em 1 de Março de 2014 fazer uma evocação de Álvaro Gaspar. Pois completam-se nesse dia 100 anos do seu último jogo na 1.ª categoria. E vou publicar um documento assinado por ele. Entre várias indicações escreveu três importantes: tinha 23 anos; jogava há 7 anos; e só tinha tido um clube na carreira... o SL Benfica. Ora, como já percebi que conhece o "assunto" tão bem quanto eu, Álvaro Gaspar começou a jogar no SLB com 16 anos, ou seja, em 1905 ou 1906! Hei-de falar deste assunto em 1 de Março. Mas como há várias fotografias dele e das equipas onde jogou vou ter de repartir por vários dias. Ando há procura de 7 ou 8 datas significativas na sua vida, entre 1 de Março e 3 de Setembro (morte em 1915) para essas 7 ou 8 evocações terem mais significado.

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Albertro Miguéns

      Eliminar
    7. Caro Alberto,
      excelente novidade! Fico à espera desse seu oportuno trabalho de pesquisa. Pelo que diz e pela sua norma tenho a certeza que será rigoroso e profundo dando informações interessantes e originais para os que gostam da riquíssima história do Glorioso.

      De Álvaro Gaspar eu sei apenas o que está em livros recentes e alguma coisa publicada na internet. Fiz apenas umas contas a partir da sua informação. Essa sua investigação vai - já me apercebi pelo que refere - dar contribuições muito interessantes para esse período de 1904 a 1907. Álvaro Gaspar terá jogado ainda no tempo do Sport Lisboa... Fascinante!

      Fico muito interessado e expectante.

      Saudações Benfiquistas

      Victor João (RedVC)

      Eliminar
    8. Caro Victor João

      Vai ter (boas) surpresas, embora estas para o serem não se pode dizer que vão ser...

      Mas também algumas indefinições e perplexidades que vou deixar ao critério de cada um, embora dando informações factuais e visuais e a minha opinião.

      Posso dizer-lhe porque ninguém nos ouve, que Álvaro Gaspar assinou um Boletim de Inscrição como futebolista no SLB para a época 1912/13 (deve ter sido, pois diz ter 23 anos e isso quer dizer que a ficha foi preenchida com a sua caligrafia depois de 10 de Maio de 1912) em que responde a várias questões, entre elas (não necessariamente por esta ordem):

      Há quantos anos joga foot-ball? Sete;

      Em que Clubs ou grupos? S.L. Bemfica e Chega;

      Sem interrupção? Sim;

      Confessa pelo Club a sua dedicação e compromette-se a prestar-lhe o seu concurso incondicional? Até à morte!

      Arrepiante!

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns


      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail