A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

06/06/2013

Aprendizagem à Força Toda

06/06/2013 + 0 Comentários API
OPINIÃO


NOTA: Devido ao facto de ter estado na pavilhão n.º 1 da Cidade Desportiva do SL Benfica para assistir ao encontro da 29.ª jornada do campeonato nacional de hóquei em patins, na vitória por 10-4 sobre o Sporting CP não foi possível concluir o texto de hoje, que mostra - mais uma vez - a forma grosseira como um jornal (desta vez é o Record) tratam com desconhecimento e desprezo o futebol e o Benfica. Nas próximas horas conto publicar a "explicação"! E consegui! Concluído!

Fica desde já o recorte que servirá de mote:

Record; página 10; 5 de Junho de 2013

OPINIÃO

Impressiona o modo leviano e despreocupado com que os jornais em Portugal inventam acerca de assuntos onde não se deve inventar. Porque não há nada a inventar. Está tudo "inventado". Ou sabe-se ou não se sabe. e se não se sabe e quer saber-se o melhor é investigar e aprender.

Cosme Damião nunca orientou a equipa do "Manto Sagrado" em competições oficiais?! Se o Record diz eu (não) acredito!
Para quem escreve mentiras destas no Record - enganando os leitores e pagantes - pensando que conseguem enganar a história. No jornal deviam decretar quando é que começaram as competições oficiais em Portugal. Nós mortais cada vez sabemos menos perante tanta informação. Fiquei a saber que, por exemplo, os campeonatos regionais não são - para o Record - competições oficiais. Mais vale tarde do que nunca. É de lastimar que, entre 1921/22 - primeira edição do Campeonato de Portugal (actual Taça de Portugal) - e 1946/47 - último campeonato nacional da I Divisão em que os participantes foram apurados através dos campeonatos regionais - estes tenham sido competições não oficiais de onde saiam os participantes para jogar as competições oficiais. Sempre a inovar (e inventar) esta "imprensa de trazer por casa."

Modelo simples: Um campeonato a pontuar em duas voltas
Até 1920/21 não havia competições de âmbito nacional em Portugal, apesar da Federação Portuguesa de Futebol ter sido fundada em 31 de Março de 1914 (há quase 100 anos) para entre outras incumbências - como organizar uma selecção nacional de futebol - fazer o seguinte:

Art.º 3.º ponto 6.º - Organizar o campeonato de Portugal.

Quer a selecção, quer o campeonato (pseudo), quer o "verdadeiro" campeonato só muito mais tarde foram organizados, respectivamente em 18 de Dezembro de 1921, 4 de Junho de 1922 e 7 de Janeiro de 1935.

Mas... antes da FPF e das (des)organizações desta já havia futebol oficial em Portugal. Eram as competições da responsabilidade das Associações Regionais, pois até foram três delas (Lisboa, Portalegre e Porto) que fundaram a FPF!

Em Lisboa (AFL) o futebol era jogado essencialmente nos campeonatos regionais (a pontuar em duas voltas, por vezes com fases finais), onde chegaram a competir numa mesma temporada 78 emblemas repartidos por várias divisões e núcleos geográficos dentro do distrito de Lisboa. Quando era possível organizavam-se provas a eliminar de preparação para o Regional ou para encerramento da temporada.

ORGANIZAÇÃO DO FUTEBOL PORTUGUÊS
1906/07 - 1920/21 (LISBOA)
Épocas
1.ª competição
2.ª competição
3.ª competição
1906/07

I Campeonato regional

1911/12

VI Campeonato regional
III Taça Jogos Olímpicos Nacionais
1920/21
I Taça Associação
XV Campeonato regional
V Taça de Honra
NOTA: As competições (excepto o Campeonato Regional) nem sempre existiram em todas as épocas

Criação de uma competição de âmbito nacional, o Campeonato de Portugal
Em 1921/22 decidiu-se finalmente criar um campeonato de Portugal, mas para não dar muito trabalho, que sempre houve sol e calor no Verão português, o campeonato de Portugal (CP) era constituído por dois jogos (o primeiro até foram três pois houve que recorrer a uma finalíssima) entre os campeões regionais de Lisboa e do Porto. Um grande "campeonato"!
Mesmo com a implementação do CP as épocas continuavam a ser dominadas - maior número de jogos, mais tradição e dificuldade, porque tinha mais clubes - pelos Regionais. O CP jogava-se no final da temporada. Depois de concluídos os Regionais, pois eram as (boas) classificações obtidas nestes que permitiam a qualificação para o CP. E este lá se foi desenvolvendo: dois clubes na primeira edição, doze emblemas na quinta, a última sem Benfica (1925/26) e 15 na 17.ª edição (e última, em 1937/38) quando passou a designar-se Taça de Portugal.

1921/22 - 1933/34 (LISBOA)
Épocas
1.ª comp.
2.ª comp.
3.ª comp.
4.ª comp.
AFL
FPF
1921/22
I Taça Associação
VI Taça de Honra
XVI
Campeonato regional
I Campeonato Portugal
1928/29
II Torneio Preparação

XXIII
Campeonato regional
VIII
Campeonato Portugal
1933/34
VI Torneio Preparação

XXVIII
Campeonato regional
XIII
Campeonato Portugal
NOTA: As competições regionais (excepto o Campeonato de Lisboa) nem sempre existiram em todas as épocas

O modelo "quase actual": Apuramentos regionais para os campeonatos nacionais
Anda o futebol português neste "rong-rong" quando chega o dia 11 de Março de 1934, o dia fatídico para a selecção nacional que em Madrid, no estádio Chamartin do Real Madrid CF (actual Santiago Bernabéu) "leva" 9-0 do seleccionado espanhol, no jogo de apuramento para o Mundial de 1934. Os grandes jornalistas da época - Ricardo Ornelas, Cândido de Oliveira, Tavares da Silva e Ribeiro dos Reis, entre outros - aproveitaram para criticar e exigir o que há muito pediam à FPF: um "verdadeiro" campeonato nacional, pois a sua inexistência, ao contrário do que acontecia em Espanha, desde 1921, foi "dado" como a causa da consequência dos nove a zero!
Foi criado o campeonato da I e II Liga, cujo apuramento era feito através dos regionais: para a I Liga, Lisboa (4 clubes), Porto (dois clubes), Coimbra e Setúbal, nestes dois apenas os campeões regionais. O Campeonato de Portugal continuava a realizar-se no final da temporada, mas com os clubes apurados da I Liga (todos os oito) e II Liga (os oito melhores).

Uma nota, ou melhor duas! É sempre difícil fazer extrapolações e comparações mas o "Futeluso" nunca tinha sido criado pelo FC Porto, se existissem jornalistas íntegros, inteligentes, respeitados e intervenientes como Ricardo Ornelas, Cândido de Oliveira, Tavares da Silva e Ribeiro dos Reis! A outra nota - resultante dessa histórica derrota frente a Espanha - foi uma célebre canção interpretada por Beatriz Costa: (clicar) «Se a selecção trabalha como eu quero, agora é que não falha, nove a zero»



1934/35 - 1946/47 (LISBOA)
Épocas
1.ª comp.
2.ª comp.
3.ª comp.
4.ª comp.
AFL
FPF
1934/35
II Torneio Relâmpago
XXIX
Campeonato regional
I Campeonato I Liga
XIV
Campeonato Portugal
1938/39
VII Torneio Preparação
XXXIII
Campeonato regional
V Campeonato Nacional
XVIII
Taça de Portugal
1946/47
VI Torneio Relâmpago
XLI
Campeonato regional
XIII
Campeonato Nacional
Não se disputou a XXVI
Taça de
Portugal
NOTAS: As competições regionais (excepto o Campeonato de Lisboa) nem sempre existiram em todas as épocas;
A Taça de Portugal em 1946/47 não se realizou devido ao alargamento "mal calculado" (de 22 para 26 jornadas) do Campeonato Nacional (a última jornada disputou-se em 2 de Julho de 1947!!!!!)

Modelo actual: Acabaram os regionais, com competições nacionais de orgânica própria
Em 1947/48 iniciaram-se os campeonatos nacionais com um quadro competitivo definido, com as promoções e despromoções entre divisões previamente definidas. A Taça de Portugal manteve-se (no modelo iniciado em 1921/22) como uma competição de final de temporada, iniciando-se depois de terminados os campeonatos nacionais da I e II Divisões. Apenas em 1959/60 as eliminatórias da Taça de Portugal começaram a ser disputadas entre jornadas dos campeonatos nacionais, ainda que a partir dos quartos-de-final apenas depois de terminarem os campeonatos nacionais. O modelo semelhante ao actual - definição dos finalistas antes de terminarem os campeonatos nacionais - só depois de 1971/72.

Que saudades de uma final vitoriosa do "Glorioso" no Jamor!

Alberto Miguéns

NOTA1: Isto é tudo uma aberração. Os media e as federações são do mais rasca que existe. Quem não considerar a Taça de Portugal como prolongamento dos 17 Campeonatos de Portugal, também não pode considerar os Campeonatos Nacionais (I e II Divisões) como continuação dos 4 Campeonatos da Liga (I e II Liga).
Só podemos agregar estas quatro competições duas a duas devido à resolução do Congresso da FPF , publicada no Relatório da FPF de 1938/39:



in Relatório da Federação Portuguesa de Futebol em 1938/39; página 6

O que está correcto, tendo em conta esta resolução legal, é a seguinte repartição de títulos:
Títulos
Campeonatos Nacionais
Taças de Portugal
SLB
32
27
FCP
27
20

Isto está errado. Se as Taças de Portugal não são consideradas continuação dos 17 Campeonatos de Portugal, os 4 Campeonatos da Liga também não podem ser considerados Campeonatos Nacionais. Só faz sentido agregar as competições se forem as quatro agregadas, duas a duas. A justificação é a resolução do Relatório da FPF.
Títulos
Campeonatos Nacionais
Taças de Portugal
SLB
32
24
FCP
27
16

Ao não considerar a Taça de Portugal continuidade do Campeonato de Portugal, o quadro teria de ser (havendo honestidade e coerência) o seguinte:

Títulos
Competições a pontuar
Competições a eliminar
I Liga
I Divisão*
Campeonato
Portugal
Taça de Portugal
SLB
3
29
3
24
FCP
1
26
4
16
* Mais os "nomes da treta" que agora lhe chamam

NOTA2: Estava-me a esquecer do que "interessa". Cosme Damião orientou enquanto treinador do "Glorioso" as equipas que envergam o "Manto Sagrado" em  18 épocas (entre 1908/09 e 1925/26)

O resto é conversa!
De gente (uns rascas e outros à rasca)


NOTA3: À margem do assunto de hoje, mas na sequência do jogo de ontem. É impressionante a forma como vejo (e por mais esforço que faça nao consigo evitar) e sinto um Dérbi de Lisboa. Facto que é mais sentido em modalidades de pavilhão. Quando vejo um Benfica versus Sporting CP sinto que é uma representação da velha luta de classes: O Pobre contra o Rico. E vence, invariavelmente, o Pobre! Já um Benfica versus FC Porto é uma questão de justiça: O Bem contra o Mal. E vence - geralmente - o Mal! Tem de acabar!

Alberto Miguéns
0 comentários
comentários

Enviar um comentário

Em Defesa do Benfica no seu E-mail