A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

17/12/2011

Já estaaaaá…

17/12/2011 + 2 Comentários
       
NOTA: O facto de ter trabalhado até às 23.50 horas impossibilitou-me de ver o jogo. Vou ver a gravação.




OPINIÃO
             
Visão de um adepto, que viu o jogo “em gravação”, ou seja, depois de já saber o resultado.



Temos uma grande equipa, estruturada num plantel valioso e equilibrado.

O jogo
Estivemos bem, do princípio ao fim. Jogo controlado por um “onze” bem estruturado, compensado, polivalente e dinâmico. Hoje quem viesse “morria”. A diferença estaria nos números do marcador: mais forte um golo de diferença, menos forte dois e assim sucessivamente. O Rio Ave FC até conseguiu, apesar do domínio do “Glorioso” inaugurar o marcador, mas seria sempre circunstancial (a menos que o jogo fosse atípico, o que nem é pouco usual no futebol). A estratégia adversária, povoar o meio-campo e aproveitar o espaço nas alas “dado” o pendor ofensivo do Benfica para marcar, até deu o golo dos vilacondenses, aos 23’ 44’’. E assim foi… O Benfica continuou unido, confiante e crente. Porfiou e ganhou… Cardozo esteve bem, no cabeceamento (32’ 24’’) e na grande-penalidade (33’ 45’), porque mantendo o pontapé em força, variou a zona da baliza para colocar a bola, a meia-altura ao centro. E dá-se a “virada” numa jogada de Nolito, após excelente passe de Witsel a desmarcá-lo, com Nolito a improvisar, não servindo Cardozo, que se posicionou muito bem, mas arriscando o golo (35’ 17’’). Depois a “Jogada dos Mestres” com Saviola-Nolito-Aimar-Saviola e este numa “meia-coelhada” a fazer o golo do descanso (3-1 aos 44’ 14’’). Depois do intervalo surge a equipa adulta, a que saída do plantel promete ganhar mais do que competições, promete ganhar a época. Dois golos em jogadas treinadas: 4-1, aos 46’ 23’’, por Garay a cabecear no limite da pequena-área após grande execução técnica de Aimar num livre, da meia-esquerda, apontado a 20 metros, numa bola tensa, por alto, a solicitar a entrada, pela direita, de Garay, que se estreou a marcar com o “Manto Sagrado”; 5-1, aos 70’ 34’’, num pontapé de canto marcado do lado direito, a solicitar a entrada de Nolito na grande-área pelo lado direito para colocar uma bola com efeito junto ao poste, entre meia dúzia de pernas.

Estiveram todos bem, mas gostei (porque mostraram evolução para melhor) de:
Garay – Depois de tanto tentar, há vários jogos, conseguiu marcar golo. Importante porque os grandes centrais são aqueles que também marcam golos. Ficam a faltar mais golos de cabeça e o primeiro golo de livre-directo, que ele mostra ser capaz de conseguir.
Emerson – Mais confiante, auxiliou o ataque e soube defender-se da velocidade do médio-ala-direito contrário.
Nolito – Está a corrigir a sofreguidão, de querer ser ele a resolver, quando o futebol é um jogo colectivo que necessita de potenciar as individualidades. Esteve “mais colectivo”, indispensável nas equipas de clubes que jogam para conquistar títulos, e não resultados (mesmo de 7 a 1) ou prémios individuais.
Saviola – Melhor fisicamente (por vezes é a falta de confiança que parece inferiorizar os jogadores fisicamente e não a falta de preparação física) fez o melhor jogo oficial desta época (semelhante ao da Suíça com o Galatasaray SK).
Suplentes – Gaitán (25’) e Rodrigo (21’) já estavam em campo no 5 a 1; Nélson Oliveira (13’) continua a “ambientar-se” ao jogo adulto!

Única referência “negativa” – Rodrigo não mostra evolução, antes pelo contrário, revelando estar a passar por uma fase individualista, de sofreguidão e egoísmo que certamente vai mudar, em 2012.

A “meia-época” em 2011/12
A equipa/ plantel tem crescido a todos os níveis: físicos, emocionais e tácticos. E tem evoluído “em crescendo”: mais confiança, melhor conhecimento, mais segurança, mais rigor, maior capacidade de assumir o risco e maior possibilidade de ousar. Gosto!

Satisfações
1.     Temos o melhor plantel/ equipa de sempre?
Não! Sendo sempre difícil comparar épocas diferentes, face ao tipo de futebol e valor dos adversários, temos um plantel muito forte, muito bom para uma época com tantas aquisições.

2.   Temos o melhor plantel/ equipa dos últimos anos?
Sim! Mesmo comparando com o plantel/ equipa de há duas temporadas (2009/10), que foi campeão nacional, este é melhor a todos os níveis, apesar de Aimar (33 anos) e Saviola (31 anos) terem mais… dois anos! O guarda-redes Artur (31 anos) é melhor, Javi (24 anos), Ruben Amorim (26 anos), Maxi (27 anos), Cardozo (28 anos) e Luisão (30 anos) estão mais consistentes. Garay (24 anos) é um dos melhores defesas-centrais do mundo, fazendo da dupla Luisão/Garay a melhor dupla a jogar em Portugal. Emerson (25 anos) tem grande margem de progressão, quando integrado na equipa (no que ela quer!) e ganhar mais confiança. Witsel (24 anos) é excelente e Gaitán (23 anos) “percebe” cada vez mais o futebol europeu. Depois temos dois jogadores “adultos”, versáteis, complementares e desequilibradores: Bruno César (23 anos) e Nolito (25 anos). E temos, ainda, dois jovens (20 anos) avançados de inegável categoria, dos melhores a nível mundial na sua geração, com margem de progressão, crescimento e integração no “futebol adulto” espectável: Rodrigo (6 de Março de 1991) e Nélson Oliveira (8 de Agosto de 1991). E temos, também, futebolistas que vão ser a chave para conquistar mais do que um título, por exemplo “chegar longe” na Liga dos Campeões, ao permitirem substituir – por questões tácticas, físicas (lesões) ou suspensões (cartões amarelos e vermelhos) - sem sobressaltos os habituais titulares: Jardel (25 anos), Matic (24 anos) e Miguel Vítor (22 anos). Há ainda os que vão jogar mais, quando se iniciar a Taça da Liga: Capdevila (33 anos), Eduardo (31 anos), Perez (25 anos) e Mora (25 anos). Para além dos jovens, que por terem muita qualidade podem aparecer em grande, agarrando um momento que lhes seja favorável: David Simão (21 anos), Mika (20 anos), Rúben Pinto (19 anos) e Luís Martins (19 anos). O treinador JORGE JESUS com três épocas de Benfica sabe já, perfeitamente, o que é ser treinador do Benfica. Tem muita experiência no futebol português e percebe o que deve fazer para contornar empecilhos… Está apto!

3.   Temos o melhor plantel/ equipa da época?
Não e Sim! Há na Liga dos Campeões plantéis muito mais fortes, sustentados por orçamentos muitíssimo superiores (3 a 4 vezes mais). Somos superiores a alguns dos plantéis mais caros e não vislumbro, entre os plantéis com menor orçamento algum que nos seja superior. Em Portugal, nenhum clube tem um quadro de jogadores (a nível dos “onze”, “dezoito” ou plantel) que nos seja superior. Temos melhores valores, praticamente jogador a jogador, superiores aos do FC Porto (o único clube que se aproxima do nosso). O Sporting CP, futebolista a futebolista, por ordem do tempo de utilização/posição não tem um único futebolista superior a qualquer um dos nossos.

Temos plantel/ equipa para crescer durante a “segunda parte” da temporada. Se chegarmos às duas finais (Taça da Liga e Liga dos Campeões) temos 29 encontros para jogar: 17 jornadas no Campeonato Nacional, 7 na Liga dos Campeões e 5 na Taça da Liga. Já jogámos 34 encontros: 13 jornadas no Campeonato Nacional, 10 na Liga dos Campeões e 3 na Taça de Portugal, para além de 8 jogos não oficiais: 7 na pré-época e 1 em 13 de Novembro.

Temos plantel/ equipa para conquistar o título de campeão nacional e chegar “longe” (dependendo do sorteio) na Liga dos Campeões. Na Taça da Liga, a conquista dependerá das opções (rotação ou não) do Benfica e dos adversários. Se houver semelhança nas opções, ganhamos.

Será que o “sistema” (porque ele vai deitar a cabeça de fora) nos conseguirá parar?!

Para finalizar, não quero deixar de referir quatro notas.

1.      Jogo com o Rio Ave FC. O principal está feito! A liderança do Nacional, no final de 2011, ninguém nos tira. Mas o que conta é a classificação na 30.ª jornada. Mas… para lá chegarmos em 1.º estes três pontos contam e bem…

2.    FC Zenit. Gostei do sorteio. Do nosso e do “deles”. Vamos a eles… com sabedoria. Deixo o único jogo, num Torneio em Florença, entre o “Glorioso” e os “Zénites”.



1963/64
16 de Junho de 1964
Torneio de Florença
Meias-finais
Estádio Comunale
Florença (Itália)
FC Zenit Leninegrado
URSS


3.     Semana. Não gostei do facto de jogarmos a 2.ª mão dia 6 de Março. Ainda bem que é na “Catedral”. É que em 3 de Março defrontamos o FC Porto, para o Nacional (21.ª jornada). Mas… também não se pode ter tudo.

4.    Sortudos. Só queria, em 2012/13 ter a sorte que o FC Porto teve em 2003/04. Apanhar na final o AS Mónaco (57.º do ranking da UEFA no início da temporada de 2003/04). Até o “nosso” FC Basileia é melhor (52.º lugar no início desta época).

A sorte conta? Conta… e bem!

COEFICIENTES NO INÍCIO DE CADA ÉPOCA
DOS FINALISTAS DE CADA LIGA DOS CAMPEÕES
Época
Pos
V
Pos
F
Vencedor
Finalista
1991/92
5.º
28.º
FC Barcelona
UC Sampdoria
1992/93
6.º
16.º
O. Marselha
AC Milan
1993/94
4.º
2.º
AC Milan
FC Barcelona
1994/95
21.º
5.º
AFC Ajax
AC Milan
1995/96
5.º
3.º
Juventus FC
AFC Ajax
1996/97
20.º
10.º
BV Borússia Dort.
Juventus FC
1997/98
15.º
1.º
Real Madrid CF
Juventus FC
1998/99
11.º
9.º
Manchester U. FC
FC Bayern Munique
1999/00
10.º
43.º
Real Madrid CF
Valência CF
2000/01
3.º
13.º
FC Bayern Munique
Valência CF
2001/02
1.º
29.º
Real Madrid CF
Bayer 04 Leverkusen
2002/03
23.º
7.º
AC Milan
Juventus FC
2003/04
15.º
57.º
FC Porto
AS Mónaco
2004/05
10.º
9.º
Liverpool FC
AC Milan
2005/06
4.º
10.º
FC Barcelona
Arsenal FC
2006/07
1.º
6.º
AC Milan
Liverpool FC
2007/08
8.º
7.º
Manchester U. FC
Chelsea FC
2008/09
4.º
6.º
FC Barcelona
Manchester U. FC
2009/10
11.º
8.º
FC Inter Milão
FC Bayern Munique
2010/11
1.º
2.º
FC Barcelona
Manchester U. FC
2011/12
17.º
52.º
SL BENFICA
FC Basileia

É um orgulho ser do Benfica. Pela capacidade desportiva e pela componente associativa e social (simpatizantes). Enquanto o Benfica receber o amor que muitos Benfiquistas têm pelo “Glorioso” o nosso CLUBE será eterno!

Alberto Miguéns
2 comentários
comentários
  1. Toupeira Real17/12/11 13:40

    O maior divertimento que vou tendo após os jogos do SLB, é ler na "net" as apreciações do "tribunal" do Jogo. Já está na hora de alguém dedicar um post às maravilhosas análises dos ex-apitadeiros, sobretudo do Pedro Henriques, sim, esse mesmo que não viu 3 penalties na mesma jogada a favor do Glorioso mas conseguiu ver uma mão, lembrando que esse jogo marcou decididamente esse campeonato. dediquem, por muito pouco que eles mereçam, 2 ou 3 posts aos cavalheiros, sobretudo comparando análises com os jogos do porto, em situações idênticas.
    Quanto ao jogo, não gostei. E sobretudo não gostei porque as "bailarinas" continuam a entender que quando estão a ganhar o jogo deixa de existir (a eliminação da Taça não lhes serviu de lição) e, por outro lado, a condição física da equipa deixa muito a desejar. Ganhamos, é o essencial, mas será que, com estas condicionantes, tal é suficiente para ganharmos o campeonato?

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pelo lindo trabalho sr Alberto Miguéns

    Viva o Benficaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail