Aquele Inaudito Glorioso 3 de Julho de 1938 - Em Defesa do Benfica
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

03/07/2018

Aquele Inaudito Glorioso 3 de Julho de 1938

03/07/2018 + 1 Comentários
QUANDO UM FUTEBOLISTA DO BENFICA SUPEROU UM RECORDE NACIONAL EM ATLETISMO QUE DURAVA DESDE...1915!


Ainda Guilherme Espírito Santo não tinha nascido! Só 1919 teria esse desígnio.


Quem frequentar o Liceu Francês pode passar por onde se fez história da boa há mais de 80 anos num dia inolvidável mas do qual se perdeu a exactidão. foi num treino em 1937/38!

Como em todas as histórias mesmo as verdadeiras
Era uma vez um Clube ecléctico que tinha um estádio ali para Campolide/Amoreiras/Campo de Ourique. Durante a temporada de 1937/38 enquanto na caixa de saltos de areia dois atletas - enquanto um saltava outro colocava a fasquia que tombava - treinavam afincadamente o salto em altura que à época era o recorde que todos queriam bater pois já tinham passado 22 anos e os 182 centímetros (1,82 metros) mantinham-se inultrapassáveis. Em simultâneo os futebolistas treinavam no campo pelado para apurar o onze para mais um Glorioso domingo.



Quando sempre em qualquer e todos os treinos
A bola saiu de campo e dessa vez coube ao avançado-centro de 18 anos completados, em 30 de Outubro de 1937, ir buscá-la. Na ânsia de ser rápido, com os olhos fitos onde a bola parara, depara-se com um obstáculo e instintivamente salta por cima para não se aleijar. Quando se levanta da areia olha para os dois atletas - Álvaro Martins Vieira e Pedro Vasconcelos - que estavam incrédulos. Num momento inicial com aquele feitio diplomata e cauteloso o futebolista apressa-se a pedir desculpa por se ter apercebido que inadvertidamente tinha interferido com o treino dos dois saltadores. Depressa se apercebe que a incredibilidade é de espanto pois um deles diz-lhe algo assim: Sabes que bateste o recorde nacional do salto em altura? Passaste bem vinte centímetros acima da fasquia que estava a 1,70 metros! O velhinho recorde de Pascoal de Almeida de 1915!  



Depois foi o "bom e o bonito"
Depois ou antes dos treinos de futebol Guilherme Espírito Santo bem tentava, com o apoio de todos os atletas saltadores do "Glorioso" mas sem técnica de corrida e tempo de salto era impossível. A fasquia até a 1,70 metros incomodava quanto mais 1,82 metros! Mas Guilherme Espírito Santo era um verdadeiro atleta em que os desafios não intimidavam. Eram para superar. E assim foi. Nos tempos livres foi aprendendo. Deixou as chuteiras de travessas e adaptou-se às sapatilhas de pregos. Depressa aprendeu a técnica de saltos e nos treinos na caixa de areia das Amoreiras todos se aperceberam que o recorde nacional de Salto em Altura de Pascoal de Almeida já era...



Já se "andava" lá perto
Havia saltadores que estavam muito próximos de bater o recorde mas só nos treinos. Chegavam às competições e vacilavam. Nem a 1,80 metros chegavam. O enorme Pascoal de Almeida, do GS Cruz Quebrada, revelava-se intransponível até porque havia uma frase mítica que perdurava desde esse dia do ano de 1915 em que colocara o recorde em 1,82 metros: «Duvidam deste recorde? Ainda não nasceu quem o vai bater!».


Há precisamente 80 anos completados hoje
O recorde nacional do Salto em Altura, que datava de...8 de Agosto de 1915 (há quase 23 anos) foi estoirado em 3 de Julho de 1938, no Campeonato Nacional de Juniores. E provavelmente não foi mais cedo (em 26 de Junho de 1938) porque não pôde participar, nesses Regionais de Juniores, em Atletismo, pois o nosso Guilherme Espírito Santo (GES) estava a jogar, como avançado-centro, a final do Campeonato de Portugal (em Futebol) frente ao Sporting CP, no estádio do Lumiar, propriedade do...SCP. Ainda estou para saber porque foram os nossos dirigentes no "canto do lagarto" jogar a final para o campo do adversário. Por vezes somos mesmo «choninhas»! 

Os "mais loucos 15 dias do Atletismo português" entre 3 e 17 de Julho de 1938 da responsabilidade de um miúdo com menos de 19 anos
Em que foram sendo acrescentados centímetros a marcas que custavam dias (somando horas de treino) aos especialistas, por um miúdo, com 18 anos, oito meses e poucos dias (4 a 18, conforme as datas dos recordes)  que só teve de adaptar-se ao "material" e pular.
A 3 foram apenas cinco milímetros (de 1820 para 1825) mas em tempo foi muito mais - quase 23 anos - pois os 182 centímetros, no Salto em Altura, datavam desse incrível dia 8 de Agosto de...1915! Estava o "nosso" miúdo a mais de quatro anos de nascer (30 de Outubro de 1919).


Uma semana depois, em 10 de Julho, outro "estoiro" acrescentando nove centímetros (de 6,80 para 6,89 m) ao recorde no Salto em Comprimento que caminhava para os sete anos de existência (desde 13 de Setembro de 1931). Tinha o "nosso" miúdo menos de 12 anos e vivia em Angola.




Para acabar em beleza, a 17 de Julho, em que passa a ser o primeiro português a "triplar" para lá dos 14 metros (de 13,43 para 14,015) ou seja mais 58,5 centímetros (acima de meio metro) pulverizando um recorde nacional, no Triplo Salto, com dez anos e 16 dias (desde 1 de Julho de 1928) tinha o "nosso" miúdo quase nove anos e acabara de chegar a Luanda.






Depois a história continuou

Com Guilherme Espírito Santo a estabelecer sucessivamente novos recordes. De 1,825 metros, para 1,85 metros até 1,88 metros. E depois parou que o Glorioso Futebol não podia estar sujeito a perder um dos seus melhores jogadores sujeito a alguma lesão no atletismo e numa especialidade tão exigente a nível da estrutura das pernas e ancas. Os especialistas da época, entre eles Salazar Carreira, afirmavam nos jornais que o nosso avançado-centro tinha capacidade de chegar a 1,90/1,95 metros. 



O salto do 1,88 metros, no estádio das Salésias (CF "Os Belenenses") em 25 de Agosto de 1940, que durou duas décadas como recorde nacional, até 1960

Um relâmpago negro no Céu Vermelho!

Alberto Miguéns

NOTA: Para outros recordes do nosso Glorioso Guilherme Espírito Santo e tudo o mais que se quiser saber acerca do Atletismo é só clicar para quem sabe.

1 comentários
comentários
  1. Um homem que nasceu para ser desportista, campeão e Benfiquista. Tudo rima nesta frase.

    Guilherme Espírito Santo foi um dos mais extraordinários atletas de sempre do Desporto em Portugal. Nem a doença o impediu de se destacar de forma inesquecível no Atletismo e no Futebol. Com os modernos métodos de treino, alimentação e cuidados médicos até onde teria chegado este predestinado? E também bem merecia ter tido uma carreira internacional. Nem o futebol de selecções era o que é hoje nem as competições atléticas lhe deram essa hipótese. A deflagração da II Guerra Mundial ter-lhe-à roubado a hipótese de participar nuns Jogos Olímpicos. Guilherme Espírito Santo bem merecia ter participado num evento desses. teria certamente deixado marca indelével no Olimpismo Nacional.

    Inesquecível. Glorioso.

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue