A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

03/01/2017

Jogar Para a Primeira Vitória em 2017

03/01/2017 + 7 Comentários API
A PRIMEIRA DE MUITAS. MUITÍSSIMAS MAIS ATÉ 31 DE DEZEMBRO DE 2017.



É fundamental vencer o FC Vizela (somar seis pontos) pois o Vitória SC não deverá ter qualquer dificuldade em conseguir os seis pontos no final do jogo de hoje frente ao FC Paços de Ferreira. Assim o jogo em Guimarães, a 10 deste mês, será uma espécie de quartos-de-final para o “Glorioso” e para o Vitória SC. O “tira-teimas” acerca de qual clube seguirá para o Algarve para defrontar, em 26 deste Janeiro, o vencedor do grupo B (o do FC Porto) que ficará definido já hoje depois do “Glorioso” jogar.



Rotação “QB”
Com o 83.º campeonato nacional de regresso no próximo sábado – e em Guimarães frente ao Vitória SC - é previsível que o treinador do Benfica possa fazer, hoje, algumas “mexidas” em relação ao onze titular sábado. Sempre ouvi dizer que alterar um jogador em cada sector – defesa, meio-campo e ataque – não afecta o rendimento da equipa. Se os “novos” estiverem motivados “antes pelo contrário”.

GLORIOSO PLANTEL 2016/17
Previsão pessoal (tendo em conta o que penso ser o critério de Rui Vitória):
Titulares; Suplentes; Convocados não utilizados

(clicar em cima da imagem para obter melhor visualização)


NOTA: Minutos jogados; Titular; Suplente utilizado; Titular substituído que reentrou; Suplente não utilizado; Convocado não utilizado; L - Lesionado; NC – Não convocado; NI – Não inscrito; SN – Convocado para selecções nacionais AA- Suspenso por motivos disciplinares: expulsão com cartão vermelho (duplo cartão amarelo); A – Assistências para golo; G – Golos

NOTA: Como há leitores que sei gostarem de saber todos os jogos - e não sendo "tecnicamente" possível - podem visualizar os 15 jogos iniciais aqui (clicar)


O meteoro FC Vizela
O FC Vizela era um clube secundário dentro da própria Associação de Futebol de Braga (AFB) até que no final dos anos 70/início da década de 80 consegue o protagonismo (apoio económico e político) para ser o quarto clube da AFB a atingir o primeiro escalão do futebol português depois do Vitória SC Guimarães (1941/42), FC Famalicão (1946/47) e SC Braga (1947/78). O FC Vizela esteve uma temporada na I Divisão, em 1984/85, classificou-se no último lugar onde permaneceu desde a 19.ª jornada, estando todo o campeonato na “zona de descida", foi despromovido e “desapareceu”. Ressurgiu esta temporada no segundo escalão depois de “penar” muitas temporadas no terceiro escalão. Se condensarmos as épocas, temos depois da “queda” para fora da I Divisão: 5 (II), 15 (III), 4 (II) e 7 (III), ou seja, nas 31 temporadas, entre 1985/86 e 2015/16, regista nove passagens pelo segundo escalão e 22 pelo terceiro.







O anacronismo português
Quando a “luta” deveria ser e deverá para reduzir o número exagerado de Municípios (308) face a desertificação demográfica - por exemplo o concelho de Alcoutim/Algarve tem cinco (cinco! 5 hab/km2) habitantes por quilómetro quadrado! (clicar) - eis que, após o 25 de Abril de 1974, o MRCV – Movimento para a Restauração do Concelho de Vizela, criado em 1964 - surge imparável, provocando desacatos, quase uma guerra civil à volta do seu território e enfrentando Guimarães. Raro era o dia no Telejornal da RTP (única emissora de televisão) que não se assistia aos destemperos incentivados pelo MRCV. Seria de Guimarães que receberia cinco (actualmente reunidas em três) freguesias, uma de Lousada e outra de Felgueiras, para organizar o território do concelho de Vizela. Em 2013 ficou-se por um "arremedo" de reorganização administrativa - junção de freguesias, algumas no interior rural português com menos de dez habitantes - não foi "mal de todo"!

(clicar em cima da imagem para obter melhor visibilidade)


FC Vizela bandeira de uma luta
O MRCV percebeu que tinha no clube FC Vizela (a disputar o campeonato distrital de Braga) o objecto político por excelência para dar mais visibilidade à sua luta a nível nacional. Assim rapidamente passou dos Distritais (1976/77) para o primeiro escalão (1984/85). Em menos de uma década saltou quatro escalões. O FC Vizela no primeiro escalão significava que o território tinha capacidade económica e social para merecer atenção política, ou seja, capacidade de sustentação para se tornar um concelho autónomo de Guimarães (clicar).

Tão depressa chegou como partiu
Como era óbvio tudo "cheirava" a falso. Uma encenação. Até a situação caricata de não ter infraestruturas para competições nacionais, sendo obrigado a jogar no estádio municipal de Guimarães! O concelho e cidade odiada pelo MRCV! Revoltas À portuguesa! Em breve começaram a sacudir a “água do capote”. Os dirigentes a justificar que a escassez de vitórias – quatro em 30 jornadas – deviam-se a ter faltado o prometido apoio das “forças vivas” do território. Estes a justificar que o problema era o poder político querer destruir o FC Vizela para inviabilizar a criação do concelho! Justificações À portuguesa! O MRCV a dizer que era tudo incompetente! O certo é que o FC Vizela tombou e sumiu-se do mediatismo. A visibilidade do principal emblema…foi-se. Mais ainda quando é criado o concelho e Vizela é elevada a cidade. Uma cidade tal como Guimarães. Assim Vizela também era cidade, embora quem por lá passasse pensava que estava numa aldeia maior que a média! Mas havia aldeias no Alentejo, nos anos 80, maiores que a cidade de Vizela!

  JOGOS TOTAIS POR COMPETIÇÃO
  com FC Vizela
Competição
J
V
E
D
GM
GS
TOTAIS
2
2
0
0
7
2
Campeonato Nacional
2
2
0
0
7
2
Taça da Liga
0
0
0
0
0
0


Dois jogos, duas vitórias
Sete golos marcados (2 + 5) e dois sofridos (um em cada encontro) todos para o campeonato nacional.

  JOGOS “EM CASA” POR COMPETIÇÃO
  com FC Vizela

Competição
J
V
E
D
GM
GS
TOTAIS
1
1
0
0
5
1
Campeonato Nacional
1
1
0
0
5
1
Taça da Liga
0
0
0
0
0
0

Quatro marcadores para sete golos
Os dois avançados bisaram no jogo na "Saudosa Catedral", Maniche tratou deles em Guimarães e Carlos Manuel fez um golo em cada jogo (1.ª jornada de ada volta). Agora "a estatística" espera por mais candidatos a aumentarem esta lista de quatro!

GOLO-RIOSOS
N.º
Futebolista
Fora
Casa
2
Nené
-
2
2
Jorge Silva
-
2
2
Carlos Manuel
1
1
1
Maniche
1
-

Segundo jogo (e despedida) na “Catedral” para a X Taça da Liga 2016/17
O “Glorioso” procura a 36.ª vitória em 44 jogos na competição e o golo n.º 93 e seguintes... Será a 13.ª vitória consecutiva desde o empate com “sabor a vitória” (no desempate por pontapés da marca de grande penalidade) em pleno estádio do FC Porto nas meias-finais da competição em 2013/14.

      OS 2 SLB vs FC Vizela
Jogo
N.º
Época
Comp
Sit
V
E
D
01
1984/
1985
CN
F*
2-1


02
CN
C
5-1


03
2016/17
TL
C


TOTAIS
2 J - 2 - 0 - 0  (7/2)
NOTA: Em destaque os jogos como visitado; * No estádio municipal de Guimarães, actual D. Afonso Henriques (estreia do treinador Csernai, pois a pré-época foi da responsabilidade de Toni)


Em 2016/17 já há uma vitória


Na 4.ª jornada da Liga Led-qualquer-coisa a Equipa B foi vencer a Vizela - 2 a 1 como golos de Diogo Gonçalves e José Gomes - com Yuri Ribeiro a jogar a defesa-esquerda, talvez como hoje...


CCAARRRREEGGAA BBEENNFFIICCAA

Alberto Miguéns

NOTA: Obrigado ao leitor José Vasco por ter respondido à minha solicitação: Os resultados totais do FC Vizela nos campeonatos distritais da AF Braga
7 comentários
comentários
  1. Anónimo3/1/17 01:25

    Caro Dr Alberto,

    O FC Vizela, sempre teve tradição no Futebol Nacional (divisões secundarias), e não só a partir da década de 80!

    Vejamos, nas temporadas balizadas entre 1962/63 e 1974/75, foram 13 temporadas desportivas consecutivas nos Nacionais, 9 na III Divisão Nacional, com duas promoções, e estiveram em 3 Edições na II Divisão Nacional Zona Norte, por exemplo na temporada 1969/70, foram 6º classificados da II Divisão Zona Norte!

    Em 75/76 e 76/77, o FC Vizela mergulhou nos Distritais, mas foi um mero hiato passageiro, aliás, nas 55 ultimas temporadas desportivas, o FC Vizela, apenas regista duas passagens pelos Distritais de BragA, justamente essas duas Edições em meados da decada de 70. Estes registos provam e comprovam que o FC Vizela nunca foi um Clube com tradição na AF Braga, mas sim de Nacionais!

    Se o MRCV, pode ter exacerbado o bairrismo da Freguesia de Vizela, e com isso terá influenciado o crescimento desportivo do FC Vizela do Nelo Barros? Talvez, mas recordo-lhe que pós 25 de Abril o Futebol felizmente democratizou-se, e virou a Norte, o Futebol de Primeira chegou a Tras os Montes, o Minho alargou-se a outros concelhos, chegou ao Vale do Sousa, ou ao Vale do Ave, com muitos concelhos ou Regioes do Norte a serem representados na I Divisão, exemplos : D Chaves, D Aves, Vizela, Famalicao (tinha tido uma passagem fugaz na decada de 40), Gil Vicente, Moreirense, Rio Ave, Penafiel, P Ferreira, Arouca, Felgueiras. Clubes que alcançaram a I Divisão pela primeira vez pós Abril (excepçao FC Famalicao)|

    Observe a geografia do Futebol da I Divisão no Estado Novo: Benfica, Sporting, Belem, Atletico, Oriental, depois, na Margem Sul, V Setubal, Barreirense, CUF, ou Montijo. Isto é, no Estado Novo, cerca de 8 Clubes estavam situados na Grande Lisboa, em Campeonatos com 14 ou 16 Clubes. Hoje a realidade é bem contraste, felizmente o Futebol de Primeira chegou a Tras os Montes ou às Ilhas, entre outras Regiões ou concelhos sem qq visibilidade!

    Quer um exemplo similar ao FC Vizela? Não consta que a Vila das Aves tivesse pretensões a ser Concelho e a separar-se de St Tirso, porquê? 0 D Aves do Prof Neca em duas temporadas, voou da III Divisão Nacional até à I Divisão, entre 1983/84 e 1986/86, repito, em duas meras temporadas, o D Aves voou da III Nacional à I Divisão!
    (FC Vizela e D Aves, um trajecto desportivo identico, apenas separado por um ano, ou temporada desportiva, acaba por desmontar a sua tese).

    Aproveito a oportunidade, e desejo-lhe um bom vinte dezassete, mas sem "treta", claro!

    Saudações do Bairro da Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Representante do Bairro da Graça

      1. O FC Vizela desde a sua fundação (1 de Janeiro de 1939) até à criação do MRCV (em 1964) era um clube incipiente. Depois coloco aqui as participações nas Divisões secundárias do FC Vizela na AF Braga;

      2. Entre os clubes da AF Braga - que sempre foi uma associação distrital com um contingente forte na zona Norte da II Divisão e série A da III Divisão - o FC Vizela passava despercebido;

      3. O Futebol na área de Lisboa era forte durante o Estado Novo porque a Indústria e Construção Civil (que sempre foi o principal suporte dos Clubes) era forte em Lisboa. Com lógica, pois Portugal era um país colonial. E como sabe o Norte sempre fui muito mais conservador e adepto do modelo colonial que o Sul. O 28 de Maio de 1926 iniciou-se em Braga. O suporte do Estado Novo estava a Norte. A Igreja teve um papel fortíssimo tal como o exército e as forças policiais. Ainda hoje a maior parte (cerca de 70 por cento) das incorporações são a norte do rio Mondego. A capital era (e é) Lisboa. Lisboa mandava no País, mas quem mandava em Lisboa era gente do Norte. Salazar era mais do Norte que do Sul. Quer fisicamente, quer em moral e ética;

      4. O CD Aves também teve ascensão rápida, mas não caiu como o FC Vizela. O FCV subiu e caiu. O CD Aves anda no sobe e desce. O FCV em 1976/77 estava no Distrital, em 1984/85 na I Divisão e em...1994/95 safou-se à justa (14.ª lugar) de ir parar ao 4.º escalão!

      Um Bom Ano de 2017. Aos portistas não consigo desejar nada, não por má educação, mas por estarem a zeros há três épocas. Só quando ganharem algum troféu posso lançar desejos. Zero vezes qualquer número é sempre zero!

      Como não lhe posso desejar Bom Ano (pelos motivos apontados) a um portista desejo-lhe um Bom 2017 para si e restante família...biológica

      Saudações do TRIcampeão

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. ADENDA:
    O FC Vizela competiu 28 temporadas consecutivas nos Campeonatos Distritais da AF Braga.
    Uma temporada (1939/40) no campeonato da Promoção;
    Doze no campeonato da II Divisão Distrital, conquistando quatro edições: 1940/41, 1948/49, 1954/55 e 1961/62;
    Quinze no campeonato da I Divisão Distrital, conquistando quatro edições: 1962/63 e 1965/66. Algumas boas classificações permitiram a participação na II Divisão Nacional disputada no final da época regional:
    1942/43... 5.º na série A1;
    1943/44... 7.º/último na série A1.
    A criação do campeonato Nacional da III Divisão em 1947/48 permitiu participações nesta competição no final da época regional em Braga:
    1962/63... 4.º na série A1
    1963/64... 4.º na série A1
    1964/65... 2.º na série A1 (atrás do FC Penafiel)
    1965/66... 5.º na série A2
    1966/67... 1.º na série A1 (Promovido à II Divisão Nacional); Sagrou-se campeão da III Divisão depois de eliminar:
    QF: Boavista FC (a duas mãos);
    MF: CD Gouveia;
    FIN: Tramagal SU;
    NOTA: Após 28 temporadas ininterruptas deixava de competir na Distrital de Braga, onde regressaria mais duas temporadas: 1975/76 e 1976/77.
    1967/68... 14.º lugar na zona Norte da II Divisão (Despromovido);
    1968/69... 1.º lugar na série A da III Divisão (Promovido); Eliminado nas MF do apuramento de campeão pelo CF União Lamas (duas mãos);
    1969/70... 9.º lugar na zona Norte da II Divisão
    1970/71... 14.º lugar/último na zona Norte da II Divisão (Despromovido)
    1971/72... 7.º lugar na série A da III Divisão
    1972/73... 12.º lugar na série A da III Divisão; Foi obrigado a jogar um torneio de permanência com os outros três 12.ºs classificados, ficando em último. Despromovido à I Divisão Distrital de Braga foi "salva" por um alargamento;
    1974/75... 17.º classificado na série A (Despromovido ao Distrital)
    1975/76 e 1976/77... Disputou a I Divisão Distrital não conquistando qualquer título;
    1977/78 a 1979/80... Disputou o 3.º escalão
    1980/81... 14.º lugar na zona Norte (Despromovido)
    1981/82... 1.º lugar na série A da III Divisão (Promovido); 1.º lugar na zona norte da fase final de apuramento do campeão; Campeão da II divisão após derrotar, por 2-1, o Atlético CP;
    1982/83... 2.º lugar na zona Norte; Perdeu no Torneio de Competência a possibilidade de ser promovido à I Divisão)
    1983/84... 1.º lugar na zona Norte (Promovido); Ficou em 2.º lugar atrás do CF "Os Belenenses" no apuramento do CN da II Divisão;
    1984/85... 14.ª e último lugar na I Divisão (despromovido)
    1985/86 a 1989/90... 5 épocas no 2.º escalão (Despromovido)
    1990/91 a 2004/05... 15 épocas no 3.º escalão (Promovido)
    2005/06 a 2008/09... 4 épocas no 2.º escalão (Despromovido)
    2009/10 a 2015/16... 7 épocas no 3.º escalão (Promovido)
    2016/17... Compete no II escalão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cito...por exemplo na temporada 1969/70, foram 6º classificados da II Divisão Zona Norte!

      Em 1969/70 a classificação foi um 9.º lugar e não em 6.º!

      1.º... 38 p... FC Tirsense
      2.º... 32 p... AD Sanjoanense
      3.º... 32 p... FC Famalicão
      4.º... 31 p... SC Salgueiros
      5.º... 30 p... SC Beira-Mar
      6.º... 24 p... AC Marinhense
      7.º... 24 p... CF União de Lamas
      8.º... 24 p... FC Penafiel
      9.º... 24 p... FC Vizela
      10.º.. 24 p... CD Torres Novas
      11.º.. 22 p... CD Gouveia
      12.º.. 22 p... SC Espinho
      13.º.. 19 p... CAF/Viseu (Despromovido)
      14.º.. 18 p... Leça FC


      Eliminar
  3. 1. Continuo com a opinião que até final dos anos 70 o emblema de Vizela era um clube suplantado por uma dúzia de emblemas da AF Braga alguns - até da AF Porto - superiores que nunca chegaram à I Divisão ou se chegaram foi depois do FC Vizela;

    2. O FC Vizela durante 28 temporadas foi um clube essencialmente a disputar o Distrital (II e I Divisão de Braga) com dois apuramentos episódicos para a II DN e cinco para o III DN devido ao regulamento da época que permitia uma primeira parte no Distrital e finalizar no Nacional.

    3. Por força da Luta do MRCV o FC Vizela sofreu um impulso entre 1977/78 e 1984/85 (oito temporadas) - 3 (III) + 1 (II) + 1 (III) + 2 (II) + 1 (I).

    4. Depois foi eclipsado: 5 (II) + 15 (III) + 4 (II) + 7 (III): 22 no III e 9 no III

    5. Em 2016/17 no II escalão. Vamos esperar.

    6. Em 2007/08 ficou em 3.º lugar na II Liga. Muito próximo da promoção; CD Trofense e Rio Ave FC.

    7. Com tantos emblemas (embora já fossem mais) também era ridículo o FC Vizela não conseguir pelo menos manter-se no 3.º escalão.

    8. Para mim na FC Vizela há um antes "Vizela a concelho e Cidade" e um depois. O FC Vizela beneficiou no seu período dourado dessa luta. São as suas melhores temporadas: Entre 1981/82 e 1984/85, campeão na III Divisão, falha por pouco a promoção à I Divisão, é promovido à I Divisão em 2.º lugar na II Divisão e joga uma temporada entre os maiores clubes de Portugal.

    ResponderEliminar
  4. Não será assunto para um blog deste tipo mas não resisto a manifestar a minha discordância da opinião do autor.

    Não só não considero que o país não tem municipios a mais (o caso que dá, se calhar melhor é perguntar porque não vive mais gente naquelas belas terras - será porque o acesso à saúde, à educação, ao emprego, à cultura, transportes, etc..., contribui para a desertificação do interior? - e não qual o papel que o municipio tem - onde será, talvez a ultima instituição empregadora, a ultima ligação administrativa ao resto do pais, e na sua ausência, que sobrará? o deserto?), como considero que a extinção das freguesias foi um crime perpetrado contra o Poder Local Democrático, afastando ainda mais as populações dos centros de decisão sobre o que a elas diz respeito, da sua participação activa na sua vida social e politica, ao mesmo tempo que provocou enormes constrangimentos aos trabalhadores para cumprir para com as exigências das competências atribuídas às Juntas de Freguesia, promovendo-se assim (em conjunto com todas as outras medidas de ataque aos trabalhadores da administração pública) a privatização de serviços e remetendo-se as Juntas de Freguesia meramente ao papel de assinantes de atestados de residência.

    O Poder local democrático, conquista da revolução dos cravos, foi feito para que as populações pudessem efectivamente decidir do seu futuro, no que a elas diz respeito. A reorganização administrativa do território necessária está prevista na constituição no capitulo da "REGIONALIZAÇÃO".

    Cumpra-se a constituição e teremos um país mais justo e desenvolvido.

    Como sempre os meus cumprimentos a este excelente blog.
    (e os necessários pedidos de desculpa pelo comentário "off-topic")

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro

      Um Poder Local Municipal com menos de 100 hab/km2 (mais ou menos) não dá apoio a ninguém. Dá EMPREGO autárquico no concelho e freguesias a alguns.

      Eu não preciso de perguntar. Nasci e sou de um Município (Nisa) e freguesia (Montalvão) desses desertificados. Não é por haver Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia que essas regiões não estão desertificadas. Elas desertificaram-se com a existência dos 308 Municípios e 1279 Juntas de Freguesia como chegou a existir.

      Foi rara nas zonas rurais as Juntas de Freguesia que se unificaram que tinham mais de 500 habitantes. Um anacronismo. Em Portugal havia Feguesias com zero habitantes a viver em permanência. Daqui a 50 anos vão existir mais de 100 Municípios com menos de 100 pessoas, 90 por cento com mais de 60 anos.

      Aliás se lhe mostrasse a pirâmide etária dos 308 Municípios ia ver que 60 por cento tem mais de metade da população com mais de 65 anos!

      Só o bairrismo e inércia, ou seja, um país atrasado e com pouca capacidade cívica e de pensar os assuntos, permite que isto aconteça.

      A Regionalização não rejuvenesce a demografia. A Regionalização não século XXI dá uma ajuda ligeira no aumento da população activa. Gera empregos na Administração Pública.

      É a minha opinião - por isso este espaço é um blogue e como é um blogue Benfiquista admite todas as opiniões desde que responsáveis e expressas com urbanidade como foi o caso da sua. Resta dizer que é a minha opinião - neste caso - como geógrafo e colaborador entre 1986 e 1996 na elaboração de três PDM's - Planos Directores Municipais.

      Alberto Miguéns

      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail