Ó Benfica! Se Fosses Só Três Sílabas... - Em Defesa do Benfica
A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

19/12/2017

Ó Benfica! Se Fosses Só Três Sílabas...

19/12/2017 + 3 Comentários
ERAS PORTUGAL. ÉS COMO PORTUGAL. HÁ DÚVIDAS QUE O CLUBE TEM AS VIRTUDES E OS DEFEITOS DE PORTUGAL?


Depois das mentiras Calabote e Clube do Regime surgiu agora uma nova demagogia. O "Nacional-Benfiquismo" (em analogia com o "Nacional-Socialismo") como se fosse o Benfica que mandasse no País neste século XXI e se a popularidade do "Glorioso" conseguida durante o século XX fosse programada e formatada pelo Estado português.

Características abrangentes que garriram o cinzentismo português
O Benfica é popular por todo o Portugal porque identifica-se com os portugueses. Com a sua diversidade, cultura e prazeres. Durante décadas as camisolas vermelhas e os calções brancos deram aos portugueses o que o País não conseguiu: alegria!

  Se em vez de três sílabas fosses um Ideal assente em três Ideias:

1. Vencedor: Desde cedo a aura de clube de futebol vencedor trouxe popularidade ao Clube. Rapidamente tornou-se o melhor clube de Lisboa, derrotou os ingleses invencíveis de Carcavelos, afirmou-se com oito títulos de campeão de Lisboa em onze temporadas consecutivas com dois tricampeonatos regionais e era considerado o melhor clube a defrontar as poderosas equipas de clubes estrangeiros que faziam digressões a Portugal. Afirmou-se em todo o país litoral derrotando com goleadas os melhores emblemas do Sul (SC Olhanense), Setúbal (Vitória FC), Coimbra (Associação Académica de Coimbra) e Porto (FC Porto com 8-2, na estreia, em 28 de Abril de 1912) chegando também a Braga (SC Braga) e Guimarães (Vitória SC) onde fez das balizas adversárias a razão de ser poderoso. Logo no início dos anos 20, com pouco mais de vinte anos de existência  era o mais popular e bem sucedido clube português. Depois foi sempre em expansão associativa, mas principalmente de simpatizantes de Norte a Sul com o ciclista José Maria Nicolau e a valorosa equipa de ciclismo a levar as camisolas rubras da Águia altaneira a todos os recantos de Portugal onde o futebol não chegava. Há ainda o indomável atleta maratonista Manuel Dias um orgulho de Portugal a nível internacional bem como o avançado-centro da selecção nacional, Vítor Silva. Tinha o Clube 25 anos (1929) e já era imparável, nos campos, nas pistas e nas estradas. E mais que tudo no coração dos portugueses.

2.Universalista: Sem fazer distinção de qualquer tipo, ideológica, étnica ou sócio-económica antes procurando agregar todos em torno de um Ideal dando aos melhores a primazia de honrar o emblema o Benfica soube ser uma referência de qualidade, vontade e genica que a camisola vermelha arrebatava multidões envolvidas numa irmandade ímpar em que só havia um objectivo: Ser Grande para o Benfica ser Maior.

3. Democrático: A existência de eleições anuais para escolher os seus dirigentes fez dos associados o elemento-chave do sucesso. Ao elegerem de um modo livre quem sentiam ser melhor identificavam-se com os que os dirigiam sentido neles uma extensão de todos. Esta característica mais orgânica permitiu expandir as outras duas com mais visibilidade externa, a capacidade vencedora e o desígnio universalista.

Eis o Benfica como Clube do Povo.



Identificou-se bem com TODO o Portugal: Do Minho ao Algarve (passando por Lisboa e Porto) e terminando nas Colónias
O Benfica tem as características que lhe permitem ter um pouco de cada uma das regiões de Portugal, quando estas tinham características próprias antes da massificação que a televisão proporcionou. É alegre como os minhotos, antes quebrar que torcer como os transmontanos, exuberante como os dourienses, abnegado como os beirões, corajoso como os ribatejanos, sincero como os alentejanos e orgulhoso como os algarvios. E resistente como os nativos do Ultramar. BEN-FI-CA é como POR-TU-GAL.

É trocar POR-TU-GAL por BEN-FI-CA!



Ó Benfica, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho,
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul,
o ladino pardal,
o manso boi coloquial,
a rechinante sardinha,
a desancada varina,
o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,
a muda queixa amendoada
duns olhos pestanítidos,
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,
o ferrugento cão asmático das praias,
o grilo engaiolado, a grila no lábio,
o calendário na parede, o emblema na lapela,
ó Benfica, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!
        *
Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,
rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,
não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,
galo que cante a cores na minha prateleira,
alvura arrendada para o meu devaneio,
bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.
         *
Benfica: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós . . . 


Adaptado de Alexandre O'Neill


Alberto Miguéns
3 comentários
comentários
  1. Belo texto.

    Não me esqueço de palavras de Marcelo Rebelo de Sousa quando confrontado com celebrações Benfiquistas nas ruas de Lisboa disse "nada é como o Benfica". Afirmação insuspeita porque nem é Benfiquista.

    É muito importante ligar o sucesso, carinho e popularidade do Clube à construção permanente que este Clube foi, é e será. Feita por Portugueses de todas as classe, credos, cores e convicções políticas. Um elemento comum: o Ideal Benfiquista. Esse Ideal que o Alberto á aqui falou várias vezes e que Félix Bermudes um dia tão bem resumiu.

    O Benfica é Portugal.É o que há de mais Português. O mais querido, o mais amado. Nada, nunca ninguém alguma vez o domestica. Já começaram a tentar em 1906. Passam as décadas e nada, nunca, ninguém o poderá domesticar, muito menos abater.

    Viva o Sport Lisboa e Benfica!

    ResponderEliminar
  2. Um post delicioso de se ler e sentir... arrepia... identifico-me da forma como sentes o Benfica.
    Um grande abraço e VIVA O BENFICA.

    ResponderEliminar
  3. Caro Alberto Miguéns,
    Obrigado por este texto.
    Quanto às tretas deles são já o histerismo de quem se sabe a afundar-se.
    Compete ao Benfica continuar a ser tudo isso que referiu.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar

Subscrever este blogue