A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

03/09/2016

Sob o Signo das Primeiras Vezes (V: Autocarro)

03/09/2016 + 7 Comentários
FOI ESTE O PRIMEIRO DE SEIS CONTANDO COM O ACTUAL: 1954, 1963, 1985, 1991, 2004 e 2009.


Na actualidade qualquer clube tem um autocarro ou estabelece protocolos com entidades oficiais para poder ter um sempre disponível. É um bem de primeira necessidade e estratégico para um clube desportivo poder deslocar-se sem constrangimentos de tempo e atrapalhar a actividade desportiva.



Campeão Europeu 1961
Mas  não foi sempre assim. O Benfica esteve 50 anos (meio século) sem ter um autocarro privativo. E quando o conseguiu através de uma compra ao antigo autocarro de "Os Companheiros da Alegria" de Igrejas Caeiro" - uma espécie de companhia de teatro e representações cénicas itinerante - foi como que um despertar de possibilidades. Menos de uma década pois o autocarro transportava Campeões Europeus. 


Bicampeão Europeu 1962
E no ano seguinte já levava para todo o país ou a caminho (ida e volta) do aeroporto da Portela os Bicampeões da Europa. Um autocarro que Igrejas Caeiro foi buscar a França em 1951 (clicar para saber mais) foi o autocarro que mais Campeões Europeus transportou. Em Portugal foi transporte dos únicos Bicampeões - dois triunfos consecutivos - até hoje.


Até ao século XXI
Seguiram-se mais autocarros até aos dias de hoje. Com cada vez mais potência e condições. Mas aquele primeiro autocarro. Não há amor como o primeiro. E eu que ainda o vi - embora não soubesse a história dele - enferrujado encostado a um canto, no campo do Sport Lisboa e Olivais (SLO), em finais dos anos 70/início da década de 80. Ao que consta envolvido numa transferência de um futebolista do SLO para o SLB!


Como era antes de haver autocarro (Parte I)?
Quem assistiu a esta transição, entre o antes e o depois do autocarro foi a nossa Glória, Artur Santos, bem como Francisco Palmeiro e José Bastos. Já falei com Artur Santos acerca deste assunto, bem como das mudanças antes e depois de Otto Glória que um dia hei-de pôr "preto-no-branco" neste blogue. 
Antes. Segundo Artur Santos em Lisboa era cada um por si. Para fora da cidade era cada um por si até ao Rossio, Santa Apolónia ou Sul e Sueste (Praça do Comércio) e depois uma carruagem reservada no comboio para os futebolistas do Benfica. Às vezes alugava-se uma "Automotora". A "Benfica", para viagens mais curtas até Coimbra, por exemplo. Desde o apeadeiro do Rego. Outros tempos. 
Depois. A compra do autocarro resolveu muitos problemas. Como se escreveu no Relatório do Clube em 1954. O autocarro permitia transportar os futebolistas entre o "Lar do Jogador" (em Benfica, no topo da caçada do Tojal) até à "Saudosa Catedral" pelas estradas existentes e que eram poucas - havia até quem dissesse que a pé chegava primeiro - para jogar num outro estádio - Lumiar/José Alvalade, Salésias/Restelo, Estádio Nacional, Tapadinha ou Eng.º Carlos Salema e até às estações de comboio que eram utilizadas para viagens mais longas, para lá de Santarém ou para lá de Setúbal. 


(clicar em cima da imagem para obter melhor leitura)


Como era antes de haver autocarro (Parte II)?
Antes de Otto Glória e do autocarro (1954) e depois de 1926 (afastamento de Cosme Damião) os futebolistas podiam utilizar o meio de transporte que quisessem. Tinha é de estar duas horas/hora-e-meia antes do início dos jogos. Podiam ir a pé, de transporte público (eléctrico) ou de táxi. Até de transporte privado - automóvel - mas isso poucos possuíam. Rogério de Carvalho em 1954 era, provavelmente o único (a estadia no Brasil deu para o comprar), embora existissem outros futebolistas, como Jacinto Marques, que utilizassem veículos das empresas nas quais trabalhavam. O Benfica só pagava as deslocações mediante a apresentação dos bilhetes de eléctrico. De táxi que o pagassem eles! Já contei neste blogue uma história que um dos melhores futebolistas do Benfica (e de Portugal) de sempre me coutou: Francisco Albino em 28 e 29 de Março de 2015: «Arrabenta com eles Albino» (parte I) e (parte II).

Jornal O Benfica" n.º 625; 18 de Novembro de 1954; Página 5

A primeira vez de autocarro que não conta (1 de Dezembro de 1954)
O Benfica adquiriu o autocarro de modo a estar operacional - devidamente embelezado" À Benfica" - aquando da inauguração da "Saudosa Catedral" (1 de Dezembro de 1954). Depois era o trivial. Levar e trazer jogadores dos treinos, na Luz ou no Campo Grande. E levar os futebolistas dentro da cidade, por exemplo ao estádio da Tapadinha (2 de Janeiro) para defrontar o Atlético CP. Estas viagens de tão curtas é como se não contassem.


Depois de pequenas viagens o teste a "sério"
Mesmo a ida ao campo dos Arcos, em 9 de Janeiro de 1955, foi de curta duração. Foi do Lar do Jogador ao Cais do Sodré, depois dentro do barco, e a seguir os 40 quilómetros da estrada nacional 10 até Setúbal. Ida e volta com 80 quilómetros. Nem dava para aquecer. Arrefecido foi esse jogo da 14.ª jornada, numa derrota por 0-1, que começava a colocar o CF "Os Belenenses" demasiado próximo, tal como o Tetracampeão Sporting CP. 



Autocarro estreia-se em época de recuperar o título de campeão nacional após quatro temporadas de insucesso
É o tal campeonato que o CF "Os Belenenses" esteve a quatro minutos de o conquistar, deixando fugir a vitória por 2-1, com um golo do simpático avançado-centro sportinguista Martins que ao restabelecer o empate a dois golos, no estádio das Salésias, fez "explodir" de contentamento a "Saudosa Catedral". É que o Benfica já não era campeão desde que há quatro anos decidira fazer uma digressão por África, com mais de 40 dias, centenas de horas de viagens, milhares de quilómetros percorridos e 15 jogos (20 horas a jogar), chegando nas vésperas da 1.ª jornada do campeonato de 1950/51. Até nisto aquele autocarro SAMUA foi talismã.

O desaparecido "ferry" - a ponte sobre o Tejo tratou de lhe fazer a "cama" devagarinho - que era uma delícia. Passeava-se entre carros de corrida, camionetas, carros de bombeiros, ambulâncias e até dava para "conversar" com animais que puxavam carroças atestadas!
(clicar em cima da imagem para melhor visualização)



A primeira vez de autocarro "a sério" (29 de Janeiro de 1955) A viagem deu para tudo. 600 quilómetros não são 600 metros.
Uma excursão de Lisboa a Aveiro e regresso para fazer um jogo contratualizado aquando da transferência do interior-direito do SC Beira-Mar para o SL Benfica: Azevedo. Uma viagem para um joga amigável que teve muito que contar pelo menos no percurso de ida. E à volta presume-se que também. O "Glorioso" deixara a sua marca frente ao SC Beira-Mar: oito-a-um.

A História dos Gloriosos Autocarros
Depois deste primeiro autocarro outros se lhe seguiram. O primeiro já foi há mais de 60 anos (1954 - 2016). Sessenta anos não são sessenta meses. Depois deste primeiro veio um segundo, depois outro e ainda mais uns quantos. Para saber mais histórias acerca da História dos Gloriosos Autocarros o melhor é visionar uns textos (e fotografias) que em tempos fiz na colaboração deliciosa com o nosso "O Benfica" (clicar: parte inicial) (clicar: conclusão)

       (clicar em cima da imagem para melhor visualização)


REFORMADOS

Primeiro


Segundo




AINDA DO ACTIVO

Terceiro


Quarto


Quinto


Junto aos inconfundíveis balneários do Estádio Nacional



Olhem onde ela "anda"


Sexto

Mantorras
A inspirar-se na viagem inaugural para garantir três pontos frente ao Rio Ave FC.


Depois destes autocarros surgiu o actual
Com estreia em 31 de Janeiro de 2009 - no dia anterior tinha transportado os futebolistas até ao local de estágio - trazendo os Gloriosos Futebolistas que haviam de derrotar, por 1-0 (golo de Mantorras) na "Catedral" o Rio Ave FC. Como no Benfica pode-se sempre atribuir conquistas e títulos ou troféus a várias entidades eis o valioso currículo deste veterano das estradas portuguesas. 

Campeonatos Nacionais (4 com um TRI): 2009/10; 2013/14; 2014/15; 2015/16;
Taças de Portugal (uma): 2014/15;
Taças da Liga (seis com 3 + 3): 2009/10; 2010/11; 2011/12; 2013/14; 2014/15; 2015/16
Supertaças (duas): 2014/15; 2016/17.


Que vai mudando de visual
Cada ano há uma roupagem nova. É o marquetingue. Venha ele. Desde que seja do bom! Que não enxovalhe a Gloriosa História e as regras e normas do Clube! Que os associados decidiram e decidem...

O primeiro título (2009/10)



Depois várias "peles", mas sempre o mesmo apego e amor ao Clube



Embora este último visual arrepie. Rumo ao Tetra! Nós os adeptos podemos (e devemos) repetir isso até à exaustão. Agora o clube assumir! Espero bem que se confirme. É que se o Benfica for afastado da conquista do TETRA e seis a umas jornadas do final é melhor dizer que está na oficina e que falta uma peça insubstituível.E alugar um à Barraqueiro. É que no Benfica não se podem garantir títulos antes de os ter. O que se deve é garantir ir tudo fazer para os ter.



Glorioso Benfica! O Benfica é lindo!

Alberto Miguéns

Previsão para amanhã:


04 de Setembro: A primeira vez de avião fretado.

7 comentários
comentários
  1. Os autocarros hoje são viatura impressionantes. Mas de facto, a beleza e o carisma do primeiro é inigualável. Lindo. Ainda há dois anos havia um quiosque na Luz a lembrar esse autocarro. E até nas bancadas houve um cartaz do autocarro da glória. Benfica é lindo!
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  2. O primeiro autocarro devia estar no Museu!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António Madeira4/9/16 19:45

      Provavelmente já não existe (se o Miguéns o viu a um canto nos anos 70 no campo do Sport Lisboa e Olivais...).
      Mas imaginem só esse autocarro restaurado à porta do Estádio da Luz, como peça de museu! Seria certamente um espetáculo.

      Eliminar
  3. Caro Alberto,
    Há algum acervo digital onde se possa encontrar todos ou quase todos os relatórios e contas do Clube?

    Saudações

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Rui Ferreira

      O CDI (Centro Documentação e Informação) tem essa documentação digitalizada. E devia disponibilizá-la aos associados numa espécie de Hemeroteca Digital do Benfica. Se o trabalho de digitalização está feito era só - é fácil e barato - criar uma plataforma para que todos tivessem acesso.

      É algo que não entendo. Esconder o que nada tem de secreto dos associados e Benfiquistas. Incompreensível. Até era uma forma de interessar sempre mais alguns Benfiquistas por pesquisarem a saberem mais acerca do Clube. O SLB só tinha a ganhar e nada tinha a perder.

      Saudações

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  4. Caro Dr. Alberto Miguens

    Excelente trabalho, no entanto, o autocarro 3 nao esta reformado, continua no activo e pode ser visto na garagem do nosso estadio.

    Saudacoes benfiquistas.

    Campos Luis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Campos Luís

      Obrigado pelo elogio e informação.

      Quanto a esta já alterei no texto. assim está correcto.

      Quanto ao elogio é sempre motivo de orgulho sermos elogiados pelos que estão e são como nós. Benfiquistas. São sempre elogios sinceros, sem segundas intenções nem pretensões.

      Obrigado mais uma vez

      Saudações Tricampeãs

      Alberto Miguéns

      Eliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail