A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

14/08/2014

Augusto Cancella de Abreu

14/08/2014 + 6 Comentários
HÁ 119 ANOS NASCEU, EM 14 DE AGOSTO DE 1895, NA ALDEIA DE ARCOS NO CONCELHO DE ANADIA, AUGUSTO CANCELLA DE ABREU


Tal como havia prometido em 5 de Julho de 2014 hoje é dia de homenagem a um dos mais ilustres presidentes da mesa da Assembleia geral do "Glorioso".

NOTA INICIAL 1 (pessoal): O facto de não haver por hábito destacar figuras dos clubes (não é só no Benfica) que não sejam presidentes da Direcção e atletas, com predominância dos futebolistas, obriga a esta nota inicial, mas espero que seja breve pois o objectivo é apenas um. Aproveitar esta efeméride para um Benfiquista escrever acerca de um seu presidente da mesa da Assembleia geral, embora não o tenha conhecido pessoalmente, pois quando ele faleceu (6 de Abril de 1965) o Benfiquista que escreverá essas linhas tinha quatro anos. Mas há registos familiares de que vivendo na Figueira da Foz já dizia ser do Benfica e "exigia" que a mãe lhe fizesse camisolas de lã vermelhas.

NOTA INICIAL 2 (institucional): Os presidentes da mesa da Assembleia geral são em qualquer clube personalidades destacadas quanto ao clubismo. E muito mais num clube de tradição democrática ininterrupta (1904 - 2014) como é a vida associativa do "Glorioso". Os nossos presidentes da mesa da Assembleia geral além de terem sempre "muito que fazer" (o carácter democrático obriga a inúmeras reuniões da Assembleia geral, incluindo as eleitorais) mas para além disso "funcionaram" muitos anos, mesmo décadas, como autênticos "Provedores dos associados". Eles são o presidente dos sócios, enquanto o presidente da Direcção é o presidente do Clube. Por isso durante muitos anos - nos 60 iniciais do "Glorioso" - os presidentes da mesa da Assembleia geral eram transversais às restantes presidências dos outros dois Órgãos Sociais. Num comparativo basta dizer que entre 1904 e 1964 o Benfica teve nove presidentes da mesa da Assembleia geral enquanto teve 20 presidentes da Direcção, ou seja, mais do dobro. Neste caso os "números dizem mesmo tudo"! (ver NOTA FINAL contendo um quadro com todas as presidências da mesa da Assembleia geral, que está no final para se poder avançar, desde já, para o texto de hoje).


Infância e adolescência (1895 - 1920)
Desde cedo que mostrou ser uma pessoa muito sociável, de agradável convívio, de visitar e receber amigos, como de escrever e registar notícias que considerava importantes para o seu futuro.
Crescendo numa família monárquica e convivendo de perto com grandes figuras públicas e políticas (o pai era um mediático juiz do Tribunal do Comércio de Lisboa) nunca renegou a sua formação monárquica e muito menos perdoou aos que a dilaceraram: os republicanos que cometeram o Regicídio (1908), que implantaram a República (1910) e que dirigiram Portugal (até 1926).
Aluno de excelência revelava-se aplicado, pontual e cosmopolita. Em 1911 o pai é desterrado para a Índia pelo Regime triunfante em 1910 com Cancella de Abreu a abdicar de tudo para acompanhar o pai que entretanto enviuvara, com Augusto órfão de mãe aos 15 anos. Perdeu o ano e só depois do regresso concluiria o ensino liceal.
Ingressa no Instituto Superior Técnico onde cursa engenharia civil e tem oportunidade de envolver-se em lutas académicas de oposição ao poder republicano utilizando uma divisa que o acompanhará até ao fim: «vencer pela Razão e não pela Força».
Com o eclodir da I Guerra Mundial é mobilizado partindo para França, onde vai "fazer a Guerra" entre 1917 e 1918. Não sem antes, com a sua irreverência - recusou-se a fazer o juramento militar segundo as regras republicanas - ter arranjado problemas acabando punido e detido. Em 1919, depois de terminada a Grande Guerra e regressar a Portugal, conclui o curso de engenharia. Mesmo com dois percalços - a Índia interrompeu-lhe o Liceu e a Grande Guerra a Engenharia - não impediu que fosse o melhor do seu ano no Liceu Pedro Nunes e no Instituto Superior Técnico.


Monárquico irreverente (1920 - 1935)
Depois de empregos como engenheiro civil camarário (Lisboa) e na Companhia Geral de Seguros, a sua capacidade de organização e orientação permitem a ascensão na Sociedade Estoril (Companhia dos Caminhos-de-Ferro de Cascais) como subdirector, entre 1923 e 1941. Entretanto em 1923 regista-se o seu casamento.

Enceta uma carreira profissional de sucesso, sempre interessado na vida política do país, incomodado com a instabilidade social, descalabro financeiro e insegurança pública dos últimos anos da I República, mas não se mostra entusiasmado com o golpe do 28 de Maio de 1926. «Generais Republicanos "heróis" da humilhação na I Guerra Mundial. Monarquia sim. Não o são? Não interessam». Mas a morte do estimado pai em 1931 tudo vai alterar. Subitamente  a ligação familiar monárquica (os talassas) como que fica lassa e decide, para surpresa de familiares e amigos, aderir à União Nacional como forma de "corrigir os erros da I República" - talvez fosse mais ajustar contas em nome do pai.  


Política: surpresa e lealdade (1935 - 1957)
Em 1933, com a promulgação da nova Constituição Política da República Portuguesa, plebiscitada em 19 de Março, nasce o Estado Novo e com ele a divisa "Tudo Pela Nação, Nada Contra a Nação".
Com alguns dos seus amigos - incluindo amizades do tempo do Liceu da Lapa (Pedro Nunes) - nos organismos do Estado Novo, Cancella de Abreu tem um percurso vertiginoso dentro do aparelho: da ausência de actividade política (até 1931) em 1935 já é deputado da União Nacional. E seria deputado na Assembleia Nacional em três Legislaturas: Primeira (1935 a 1938), Segunda (1938 a 1942) e depois, já muito a contragosto na Sexta (1953 a 1957). Entretanto entre 1944 e 1950 foi ministro: Obras Públicas e Comunicações (entre 1944 e 1947) e Interior (1947 a 1950).



17 de Maio de 1946: Um dos mais Gloriosos Dias do Benfiquismo
Esse ano de 1946, em Portugal, foi muito mais do que apenas "mais um ano"! Nesse ano, houve um local em Portugal onde houve eleições livres: universais, directas e por voto secreto. Mas no Benfica era habitual. Neste ano de 1946 o Benfica ainda foi mais longe, para alerta das instituições do Estado Novo. Houve acesa disputa eleitoral entre dois modos de conduzir o Clube e fazer história. Houve escolha Democrática e Pluralista. O Benfica e o Estado Novo. Em 1946, um incómodo (Benfica) mas um incómodo a dobrar para o Poder (duas listas em confronto escolhidas por voto secreto universal, sem impedimentos por etnia, género, classe social ou ideologia). Houve Benfica, a marcar a história política de Portugal. Em 1946!



O Benfica tem um dom, entre muitos
Ver uma fotografia antiga é viajar do passado para o presente. Pelo mesmo caminho. Se o passado é História. O presente é Essência. Se a História é Benfica, a Essência é Benfiquismo. É disso que essa fotografia trata. O Benfiquismo no Benfica. Data: 17 de Maio de 1946. Há mais de 68 anos. Motivo: Resolução definitiva do problema das instalações provisórias do Benfica no campo de jogos no Campo Grande, inaugurado em 5 de Outubro de 1941. Há quase cinco anos! O provisório estava a passar a definitivo. A Câmara Municipal de Lisboa (CML) indicara à Direcção do Clube, presidida por Félix Bermudes, em 1945, uma localização próxima do Campo Grande, mas na actual avenida do Brasil, junto ao hospital Júlio de Matos, para instalar, definitivamente, o estádio do Benfica. Um grupo de associados foi visitar o local e ficou desagradado. Deu indicação disso mesmo, com transparência, à Direcção do Clube numa assembleia geral. A Direcção não cedeu. Ripostou que a CML tinha razão. Nas eleições seguintes - nesse tempo os mandatos eram anuais - em 19 de Janeiro de 1946 a Direcção que pedia a recondução foi derrotada. Os associados do Clube não queriam a solução da CML para o novo campo de jogos! E mostraram o desagrado derrotando essa solução num acto eleitoral em tempo de ditadura no País!

Gabinete do Ministro das Obras Públicas. À esquerda, o ministro de Portugal (Augusto Cancela de Abreu). À direita, usando da palavra o presidente da Direcção do Benfica (Manuel da Conceição Afonso) e a seu lado o presidente da Mesa da Assembleia Geral (João Tamagnini Barbosa). Em termos ideológicos, no dia-a-dia, era ao contrário: um ministro de Direita e dois interlocutores de Esquerda!
Depois da tomada de posse dos Órgãos Sociais (6 de Fevereiro) foi planeada a primeira acção. Pedir uma audiência ao Ministro das Obras Públicas, engenheiro Augusto Cancela de Abreu para expor o problema. A ordem surgiu: audiência marcada para 17 de Maio. Na delegação praticamente todo o elenco directivo e o presidente da mesa da assembleia geral. Este era o brigadeiro João Tamagnini Barbosa, ministro de Sidónio Pais, nos anos 10. Chegou a Chefe de Governo, actual cargo de primeiro-ministro. Depois do golpe de Maio de 1926 foi desterrado para os Açores, onde a eclosão da II Guerra Mundial o "resgatou" à vida activa. O presidente da Direcção era o linotipista e tipógrafo sindicalista Manuel da Conceição Afonso, que nos anos dez teve exacerbada acção frente ao Poder representado pelos sidonistas. Dois antagonistas públicos e facciosos dos anos 10/20 unidos no Benfiquismo na década de 40, pelo Benfica.  Em frente ao ministro salazarista que os dois combatiam em 1946 enquanto ideologia! Depois da exposição do assunto e revelada a preocupação, sustentada e sintética, pela delegação do Glorioso, o Ministro falou (uma frase histórica que nos conduz ao local onde se edificou a actual Catedral em substituição de outra!): «Não tenham receios a tal respeito. De resto o Benfica é de Benfica e logicamente é para Benfica que ele deve voltar».


Uma fotografia. Uma sala do Poder português. Três sensibilidades. Três percursos cívicos diferentes. Três visões ideológicas. Um Ideal. Uma Ideia. O Benfiquismo. O Benfica. Foi decidido em 1946 a actualidade do ano de 2014 e seguintes... Onde está hoje o "Ninho da Águia Suprema". Ficou decidido, está decidido. Juntos numa sala. Algures no Ministério das Obras Públicas. Em Portugal. Em prol do Clube. Há 68 anos! Só o Benfica! Só no Benfica!

No Benfica (1956 - 1964)
Depois dos dirigentes do "Glorioso" ficarem surpreendidos, em 1946, com a simpatia do Ministro pelo Benfica, pois geralmente os ministros eram sportinguistas, soube-se do facto de Augusto Cancella de Abreu "estar cansado da política portuguesa muito paroquial e pouco dinâmica para o seu gosto!" Cumpridor e leal continuou ligado ao poder na Sexta Legislatura (1953 a 1957) por pedidos insistentes do aparelho político do Estado Novo, mas revelava sinais de fadiga, advogava que o aparelho devia ser rejuvenescido e afirmava que se aceitou ser pela terceira vez deputado (não há duas sem três), não haveria uma quarta.

No Benfica com o presidente da mesa da Assembleia geral, António Ribeiro dos Reis em dificuldades físicas minado pela doença que seria fatal os dirigentes do Benfica entenderam que Augusto Cancella de Abreu ao abandonar os cargos políticos de nível superior reunia excelentes condições para suceder a Ribeiro dos Reis. Por isso, decidiram propor aos associados a candidatura de Cancella de Abreu, para completar os oito meses que restavam no mandato dos Órgãos Sociais tendo Ferreira Bogalho como presidente da Direcção. Augusto Cancella de Abreu revelou-se um Benfiquista de grande qualidade conseguindo ombrear com os presidentes que o antecederam e que, ao contrário dele, tinham um percurso longo dentro do Clube, alguns até como futebolistas, como Cosme Damião, Augusto da Fonseca, Ribeiro da Costa ou Ribeiro dos Reis.


Três presidentes da Direcção, oito vitórias eleitorais
Augusto Cancella de Abreu foi o homem certo, no tempo certo no lugar certo. Entrou pela "mão" de Bogalho, continuou com Maurício Vieira de Brito e saiu com o "delfim" deste, Fezas Vital. Ou seja esteve no período mais brilhante do Glorioso Futebol - o Bicampeonato Europeu. Nem vale a pena ir contabilizar campeonatos nacionais, Taças de Portugal e proezas como "dobradinhas" ou troféus particulares de prestígio. Para quem é Bicampeão Europeu tudo o resto é acessório.
Dirigiu 31 Assembleias gerais (pelo menos no plano teórico e certamente esteve em todas, apesar de apenas ter contabilizado o número e não sei se por algum motivo - particular ou físico - esteve ausente). Entre essas 31 houve oito eleitorais, pois as eleições para os Órgãos Sociais eram anuais. No período em que foi presidente da mesa da Assembleia geral dotou o Clube de Estatutos, os de 1958. Viu nascer e morrer um projecto de poder intermédio, a Assembleia dos Representantes, condenada ao fracasso num clube de Liberdade como é o Benfica. Instituiu a Medalha de Honra da Assembleia Geral para Homenagear os Campeões Europeus (1961) e Bicampeões Europeus (1962).


Que contributo?
Augusto Cancella de Abreu conduziu com mestria as reuniões da Assembleia geral ou não tivesse ele ampla experiência como deputado da Assembleia Nacional, na sexta Legislatura dirigiu mesmo algumas sessões plenárias como vice-presidente.
Dotado de brilhante capacidade intelectual e grande conhecedor da realidade social e económica do País (como poucos) soube adaptar BEM os Estatutos de 1958 à realidade social de Portugal. Que é o mais importante em qualquer revisão estatutária.
Foi provavelmente - embora outros que lhe sucederam tenham honrado o importante cargo - o último de uma gesta de presidentes da mesa da Assembleia geral que sabiam ser o baluarte dos anseios e desejos da massa associativa na sua essência. Na linha de Mascarenhas de Melo, Cosme Damião, Augusto da Fonseca, Ribeiro da Costa ou Ribeiro dos Reis, por exemplo.


Foi agraciado com a distinção máxima do Clube, a "Águia de Ouro". Melhor do que eu poderia escrever ou exprimir deixo uma fotografia de Roland de Oliveira e uma digitalização de um texto do «Relatório e Contas da Direcção e Parecer do Conselho Fiscal do Clube referente a 1964 (páginas 41 e 42).

 


Cancella de Abreu um Benfiquista de sempre. De todos os tempos.

Alberto Miguéns

NOTA FINAL: Os presidentes da mesa da Assembleia geral têm sido, e foram-no até 1975 e depois desta data "houve dias", intensamente Benfiquistas: o paradigma do Benfiquismo. Personalidades integras em termos sociais e associativos. Personalidades nas quais os associados reconheciam lealdade e valor para serem seus superiores representantes junto dos Órgãos Sociais.
A presidência da mesa da Assembleia geral do "Glorioso" ficou desde logo marcada por uma enorme personalidade Benfiquista e Benemérito da cidade de Lisboa: Doutor João Carlos Mascarenhas de Melo. Associado dedicado, presidente da mesa da Assembleia geral entre 1908 e 1931 e Águia de Ouro em 6 de Setembro de 1931. Médico ilustre serviu todos com igual grandeza, sem distinção de classes ou poder económico, mesmo SEM NENHUM poder económico, ou seja, até profissionalmente foi "à Benfica", enquanto viveu, até 1949, desde o popular bairro de Benfica até aos arrabaldes para lá da Porcalhota e Venteira, actual Amadora.



Data Eleições
Presidentes da Mesa da Assembleia Geral
28.06.1908
(1) Dr. João Carlos Mascarenhas de Melo
26.02.1909
02.02.1910
26.03.1911
09.07.1911
31.03.1912
05.12.1912
23.06.1913
13.08.1914
29.08.1915
15.07.1916
07.10.1916
22.07.1917
28.07.1918
19.09.1919
22.09.1920
10.09.1921
04.02.1923
27.07.1924
27.09.1925
05.08.1926
25.08.1926
31.07.1927
29.07.1928
28.07.1929
18.07.1930
15.08.1930
06.09.1931
Cosme Damião
07.08.1932
20.08.1933
04.09.1934
15.10.1935
Dr. Augusto da Fonseca
04.11.1936
25.07.1937
31.07.1938
01.08.1939
Cap. Júlio Ribeiro da Costa
31.08.1940
Cap. António Ribeiro dos Reis
06.09.1941
27.08.1942
26.08.1943
18.01.1945
Eng.º  Alfredo Silva Ávila de Melo
19.01.1946
Brig. João Tamagnini Barbosa
25.01.1947
Mário de Noronha
30.01.1948
Major  António Ribeiro dos Reis
29.01.1949
Ten-Cor                        “
04.02.1950
17.02.1951
15.03.1952
31.01.1953
30.01.1954
15.03.1955
18.02.1956
(2)                                  “
27.07.1956
(3)    Eng.º Augusto Cancella de Abreu
30.03.1957
05.04.1958
23.05.1959
30.04.1960
29.04.1961
31.03.1962
25.05.1963
26.03.1964
Prof. Lima Basto
08.05.1965
Dr. Sidónio Rito
17.06.1966
03.07.1967
Prof. José Maria Gaspar
12.04.1969
Justino Pinheiro Machado
03.07.1971
Dr. Mário de Oliveira
31.03.1973
24.06.1975
Dr. Martins Canaverde
26.05.1977
Dr. Adriano Afonso
10.05.1979
29.05.1981
Dr. Araújo e Sá
25.03.1983
Prof. Martins da Cruz
29.03.1985
27.03.1987
Dr. Adriano Afonso
31.03.1989
24.04.1992
07.01.1994
Dr. António Martinez
05.06.1996
Dr. José António Reis Martinez
31.10.1997
Dr. António Roman Navarro
27.10.2000
Dr. Paulo Pitta e Cunha
31.10.2003
Dr. Tinoco de Faria
27.10.2006
Dr. Manuel Vilarinho        
03.07.2009
Dr. Luís Filipe Nazaré
26.10.2012
28.10.2016
Previsão pelos prazos estatutários

                        NOTAS: (1) A estrutura directiva do Sport Lisboa compunha-se apenas de uma Direcção, enquanto a do Sport Benfica era composta pelos três Órgãos Sociais. Aquando da junção dos dois emblemas em 13 de Setembro de 1908 foi decidido manter a estrutura desportiva e tradição do "gloriosíssimo" Sport Lisboa, mas manter a estrutura dirigente do Sport Benfica que servia melhor os interesses de expansão do Clube; (2) Por motivos de saúde António Ribeiro dos Reis pediu a demissão em 4 de Julho de 1956; (3) Eleição intercalar para a presidência da mesa da assembleia geral.

                   
6 comentários
comentários
  1. BOA NOITE SR. ALBERTO MIGUÉNS.

    QUERIA FAZER DOIS PEDIDOS(QUANDO TIVER TEMPO, CLARO)

    1 - QUANTOS JOGOS REALIZAMOS COM VENCEDOR TAÇA LIBERTADORES O SAN LORENZO DA ARGENTINA, NOS MEUS REGISTOS TENHO UM JOGO

    2 - PODIADIZER-ME QUANTOS JOGOS A EQUIPA DE FUTEBOL DO BENFICA REALIZOU NO DIA 26 AGOSTO (DIA DO MEU ANIVERSARIO)


    MUITO OBRIGADO


    SAUDAÇOES BENFIQUISTAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Carlos Lima

      Onde estou não tenho acesso à base de dados.

      Certamente que domingo depois do jogo (e antes de voltar para onde estou) vou lembrar-me, consultar a base de dados e responder às duas questões.

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
    2. Respostas:

      1. Apenas um jogo (15 de Janeiro de 1950; Estádio Nacional; D 2-5; golos de Rosário e Arsénio;

      2. 11 jogos - 7 vitórias - 3 empates - 1 derrota - 24/8 em golos
      1967 - E 1-1...... CA Boca Juniores;
      1970 - V 3-0...... Selecção Japão;
      1972 - V 3-0...... Botafogo FR;
      1975 - E 1-1...... Selecção URSS;
      1976 - V 1-0...... Canon Yaoundé;
      1979 - V 4-0...... Jeuness D´Esch;
      1984 - V 2-1...... FC Vizela;
      1989 - E 1-1...... Vitória SC Guimarães;
      1995 - V 1-0...... FC Tirsense;
      1998 - D 2-4...... Beitar FC Jerusalém;
      2012 - V 5-0...... Vitória FC Setúbal

      Marcadores (24 golos)
      Nené (4); Eusébio (2); Reinaldo (2); Rodrigo (2); Artur Jorge; Jordão; Moinhos; José Domingos; Manniche; Carlos Manuel; Magnusson; Panduru; Nuno Gomes; João Pinto; Salvio; Enzo Perez; Nolito; um autogolo (1972)

      Espero que tenho um bom aniversário

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns

      NOTA: Casa de ferreiro espeto de pau. Não sei os resultados do dia no meu aniversário!

      Eliminar
    3. BOA NOITE SR. ALBERTO MIGUÉNS.

      OBRIGADO PELAS RESPOSTAS.

      O BENFICA DEVE SER UMA DOS CLUBES DO MUNDO QUE MAIS JOGOS REALIZOU CONTRA SELECÇOES NACIONAIS (VARIOS ESCALÕES)?


      SAUDAÇOES BENFIQUISTAS

      Eliminar
    4. Caro Carlos Lima

      Pois deve ser. E que selecções. França, Argentina, Itália, Colômbia, Hungria, URSS, Chile, Uruguai, Checoslováquia, etc. Um dia hei-de falar disso!

      Gloriosas Saudações Benfiquistas

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. Notabilíssima lista de Presidentes da Mesa da Assembleia Geral!

    O Engº Cancella de Abreu era apenas uma figura de uma fotografia em que se via a maquete do nosso antigo Estádio. Agora passou a ser um grande Benfiquista. Mais um que merece o nosso reconhecimento pela sua contribuição par o nosso querido clube.
    Muito obrigado por mais um artigo notável.
    VJC

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail