A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

16/05/2014

Mais Neurónios, Menos Língua

16/05/2014 + 3 Comentários
SANTICES

Infelizmente vivemos menos numa fase Ricardo Ornelas e mais Rui Santos, ou seja, trocámos os neurónios de Ricardo Ornelas pela língua de Rui Santos. E vamos atrás da sua língua mesmo sabendo que é trapalhona para ser "ligeirinho" na apreciação da dita.




Primeiro uma apreciação factual, depois uma interpretativa - opinião de adepto

É mentira que o futebol do Benfica nunca tenha conquistado três troféus oficiais numa temporada
Em 1980/81 registamos o seguinte:

Campeonato Nacional
Taça de Portugal
Supertaça*
Portuguesa
Taça dos Clubes Vencedores das Taças
1
2
3
Meias-finais
NOTA: * A Supertaça não era organizada pela FPF - que não a quis organizar - mas pelos clubes. No entanto a FPF, agora, considera essas duas edições (1979/80 e 1980/81) como "suas". Depois passou a organizá-la como "Cândido de Oliveira". E bem! Espera-se de tudo de entidades sem coerência ao sabor da conveniência;
1 - Em 24 de Maio de 1981 na 29.ª (e penúltima) jornada frente ao Vitória FC Setúbal (V 5-1);
2 - Em 6 de Junho de 1981 conquista da Taça de Portugal frente ao FC Porto (V 3-1);
3 - Em 29 de Outubro de 1980, após V 2-1 sobre o Sporting CP (na 1.ª mão, E 2-2, no estádio José Alvalade);
Nas competições da UEFA: O Benfica foi eliminado nas meias-finais pelo FC Carl Zeiss Jena clube da RDA (ex- Alemanha de Leste) em 22 de Abril de 1981 (V 1-0) depois de D 0-2 na 1.ª mão em Jena (RDA)

Contas de mercearia
A numerologia é interessante mas há limites para tudo. "Pensar" com a língua ajuda pouco. Equiparar qualquer título ou troféu a um número tem muito de merceeiro (apesar do respeito pelos merceeiros que infelizmente vão sendo actividade em extinção) e pouco de ética. Fazer equivaler uma Liga dos Campeões a Supertaças é hilariante. Esta vertigem pela numerologia ainda vai dar um dia destes, considerar-se que um clube que vença na mesma temporada, por exemplo, a Supertaça e a Taça da Liga (dois troféus) tem mais "sucesso" do que um que "apenas" conquiste a Liga dos Campeões (1 troféu).

Enquanto o Benfica não voltar a ser Campeão Europeu as melhores épocas serão sempre 1960/61 e 1961/62. E até se ganhou mais qualquer "coisita" nessas duas temporadas...


Alberto Miguéns
3 comentários
comentários
  1. Caro Alberto

    O Benfica já ganhou quase tudo o que havia para ganhar numa época...e épocas como esta, onde chegámos a todas as finais...inclusive a europeia....embora tenhamos sido afastados da Liga dos Campeões, já foram algumas(noutros tempos não havia repescagem). Essa equipa de 1980/1981 e a de 1982/1983 são a prova disso...e que perto estiveram de paparem tudo, e que bem jogavam. Não é o Rui Santos e a sua contabilidade parva que dá ou tira a glória às equipas...para mim, chegar a uma final da Uefa nos anos 80 era bem mais difícil...pela quantidade de equipas de topo que haviam, bem como o formato das competições, pois qualquer erro numa mão de uma eliminatória, deitava logo por terra as aspirações de uma equipa. Foram enormes esses jogadores dos anos 80, bem como estes agora...brilhantes e a construirem uma época de sonho, que se não fosse as contingências do árbitro alemao, teriamos ja os 3 titulos. No domingo, espero que todos nós possamos festejar a dobradinha que já nos foge ha 27 anos.

    Saudações Benfiquistas e um abraço

    Fernando Antunes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Fernando Antunes

      Também concordo consigo. Não podemos deixar de honrar os nossos que desde 1904 tendo em conta as condicionantes do futebol de "cada tempo" sempre fizeram (e conseguiram, no caso do Benfica) o melhor que puderam.

      Quanto ao árbitro alemão e Platini só estou à espera da final da Taça de Portugal (porque o passado já está feito) e temos de nos concentrar na Taça e ter cuidado com o Xistra. Mas depois vou falar de um assunto que não vejo abordado.


      Os bascos, mesmo os não violentos, são nacionalistas. Protegem-se uns aos outros - principalmente na mesma profissão, são corporativistas ao extremo - porque para eles, sendo o País Basco uma ilha o sucesso de um é o sucesso de todos. O que é que têm em comum o presidente da arbitragem da UEFA, um tal Ángel Villar Llona, o treinador do Sevilha FC e o treinador do FC Porto? São todos bascos!

      Alberto Miguéns

      Eliminar
  2. Caro Alberto

    Agora disse tudo ...infelizmente, para mal do nosso Benfica.

    Abraço

    Fernando Antunes

    ResponderEliminar

Em Defesa do Benfica no seu E-mail