A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

29/07/2013

Morreu Um Presidente

29/07/2013 + 1 Comentários
LUTO



EDITORIAL: O "Em Defesa do Benfica" (EDB) não é um blogue institucional, mas um igual entre todos os blogues que são fontes de ideias se bem que exclusivo com opiniões relacionadas com o SL Benfica. Blogue de dois benfiquistas, António Melo e Alberto Miguéns, as opiniões são da sua "bi-única" e respectiva responsabilidade. Assim, face ao falecimento do Nosso Presidente (este e todos os outros 32 são nossos presidentes) António Melo e Alberto Miguéns declaram o seguinte:
1. O EDB estará de luto uma semana, entre 29 de Julho e 3 de Agosto de 2013;
2. O EDB apresentará, durante o dia de hoje - velório e véspera do funeral de Fernando Martins - um texto de homenagem ao 27.º presidente da Direcção do Sport Lisboa e Benfica, cuja gerência decorreu entre 4 de Junho de 1981 e 3 de Abril de 1987, respectivamente, datas da sua tomada de posse (sucedendo a Ferreira Queimado) e da tomada de posse do seu sucessor (João Santos);
3. O EDB como blogue que divulga com regularidade a história do "Glorioso" (por entender que é tão brilhante que chega o seu conhecimento verídico para "defender" o Clube) não deixa de ser um blogue, por isso elege a opinião como premissa maior. Mas durante a "semana de luto" mesmo já com o texto, provavelmente em arquivo, apenas destacará o contributo positivo desta enorme personalidade da Vida Benfiquista;
4. O EDB depois de 5 de Agosto de 2013 (provavelmente com o texto de hoje em arquivo) para "memória futura", completará esta homenagem referindo-se aos aspectos "menos positivos" (na opinião do autor) de Fernando Martins enquanto presidente do Benfica. Porque não há homens sem defeitos. Ninguém está acima da perfeição, infelizmente!

António Melo e Alberto Miguéns


Uma gerência, com três mandatos bienais, de expansão benfiquista, conseguindo aumentar a lotação do Estádio para 120 mil pessoas.

A eleição realizada a 29 de Maio de 1981 foi a mais “mediatizada” de sempre em Portugal, no Benfica e num clube desportivo, tendo mesmo um debate televisivo no programa desportivo da RTP 2 entre os dois candidatos ao cargo de presidente da Direcção. Com uma campanha eleitoral mobilizadora dos associados, houve por isso uma afluência recorde de 4 470 associados, superando em 812 sócios o anterior máximo datado com 15 anos, em 1966. Foi eleito com 51 por cento dos votos pela lista B, Fernando Martins que derrotou por escassa margem de 1 442 votos (em 64 130) o presidente da Direcção cessante pela lista A, José Ferreira Queimado com 49 por cento dos votos. O grande trunfo da lista vencedora consistiu na promessa de concluir a obra interrompida em 1960 – a conclusão da imponente bancada do “Terceiro Anel” elevando a lotação do nosso Estádio para 120 mil pessoas! 


Vasta tarimba como dirigente do Clube
Fernando Martins nasceu a 25 de Janeiro de 1917, no Paúl uma pequena aldeia do concelho de Alenquer. Aos 30 anos entrou para associado do “Glorioso”, com o n.º 23 908, em 27 de Outubro de 1947. Aos 48 anos, nas eleições de 8 de Maio de 1965 foi escolhido como suplente do Conselho Fiscal numa Direcção presidida por António Catarino Duarte e no ano seguinte - os mandatos eram anuais - integrou a lista da Direcção presidida por António Catarino Duarte como vogal das Instalações Sociais, mas foi derrotado recebendo apenas cinco por cento dos votos. Entre 1967 e 1968 presidiu à Comissão de Obras do Novo Parque dos Jogos. Concorreria já como indigitado para presidente da Direcção do Clube nas eleições de 12 de Abril de 1969 e de 26 de Maio de 1977, saindo derrotado, respectivamente, por 26 por cento e 48 por cento dos votos.




Finalmente a presidência do "Glorioso"
Após três derrotas eleitorais - 1966 (como vogal da Direcção), 1969 e 1977 - foi eleito aos 64 anos, em 29 de Maio de 1981 presidente da Direcção do “Glorioso”. Manteve-se no cargo durante seis anos, correspondentes a três biénios consecutivos entre 1981 e 1987. No 2.º biénio – 25 de Março de 1983 - derrotou com 67 por cento dos votos o candidato Jorge de Brito, indigitado na outra lista para presidente da Direcção e nas eleições para o 3.º biénio – a 29 de Março de 1985 – concorreu sem “oposição”. Entretanto, em 16 de Março de 1984 foi eleito como “Águia de Ouro”, distinção máxima no Clube.
O primeiro biénio (1981/82) não foi fácil porque os Órgãos Sociais eleitos, em particular a Direcção e a Mesa da Assembleia Geral, desagregaram-se em Julho de 1982 com os dirigentes a demitirem-se - a totalidade da Mesa da Assembleia Geral e 70 por cento da Direcção - permitindo um nível de conflituosidade no interior da Direcção que transbordou depois para todo o Clube, se bem que a inequívoca vitória eleitoral em 1983 permitisse condições excelentes para gerir o Clube, conseguindo neste biénio (1983/84) e no biénio seguinte (1985/86) as maiores realizações da sua gerência.
As eleições realizadas em 1983 permitiram registar um novo máximo de afluência, com a votação de 6 747 associados, mais 2 277 sócios do que no anterior acto eleitoral realizado dois anos antes, em 1981.



Soluções inovadoras
Quando Fernando Martins foi eleito presidente do “Glorioso” era já um empresário de sucesso com ampla experiência no ramo do imobiliário e da hotelaria trazendo para a gestão do Benfica muitos desses importantes conhecimentos, baseados no imediatismo, eficiência, empreendedorismo e capacidade de gerar motivação. O Benfica beneficiou extraordinariamente com esses métodos e conceitos inovadores: construção de uma “Urbanização” em terrenos anexos ao Estádio, entre 1984 e 1986; nome de patrocinador (SHELL) na camisola da equipa principal de futebol com início na época de 1984/85; exploração do “Posto de Abastecimento de Combustíveis”, na Avenida Norton de Matos (vulgo Segunda Circular), em 1985; financiamento de uma sala de jogo reservada ao Bingo, no Coliseu dos Recreios, em 1985; e outras formas inovadoras de angariar publicidade ou desta suportar custos (como exemplo, a contratação do treinador Sven Goran Eriksson, através da “Macieira”).  


Quinze dias "loucos"
O mês de Maio de 1981 é avassalador na história do "Glorioso". Com eleições marcadas para 29 de Maio, no fim-de-semana anterior, em 24 de Maio, o Benfica vence por 5-1, na Luz, o Vitória FC Setúbal e sagra-se campeão nacional a uma jornada do final da competição. Quando se esperava que tal facto fosse um trunfo eleitoral para a lista A (Ferreira Queimado) a Polícia de Choque (talvez na primeira atitude agressiva - excesso de força - de um corpo policial em Portugal no pós-25 de Abril) invade o relvado para expulsar a festa benfiquista e carrega sobre os adeptos em plena bancada do Primeiro Anel do lado dos sócios. Durante a semana antes das eleições responsabiliza-se a Direcção pelo facto de ter permitido tal actuação. O trunfo passa para a Lista B (Fernando Martins). Depois de vencer o acto eleitoral (já com o Benfica campeão) Fernando Martins vê o Benfica disputar a última jornada (em Espinho, a 31 de Maio), toma posse em 4 de Junho (data oficial de início de mandato) e dois dias depois, em 6 de Junho, assiste no Estádio Nacional, à conquista da Taça de Portugal, numa vitória frenética do Benfica sobre o FC Porto, com três golos de Nené, depois de um autogolo de Veloso a favor do FC Porto. Para início de mandato... 



De regresso às finais europeias
Após uma época de 1981/82 com triunfos escassos obtidos pela principal equipa de futebol, treinada por Lajos Baroti, conquistando "apenas" a Taça de Honra de Lisboa, houve uma remodelação do futebol do Clube que se revelaria decisiva no relançamento do Benfica de novo para a ribalta do futebol europeu, com a contratação do jovem (mas ambicioso, competente, trabalhador, idealista e dedicado) treinador Eriksson que fez uma “pequena revolução” no Benfica e no futebol português dos anos 80. Aliás, foi o bom desempenho da nossa equipa principal durante a época de 1982/83, com a obtenção de uma “dobradinha” – conquista do campeonato nacional e da Taça de Portugal – apurando-se para a final da Taça UEFA que permitiu duas situações decisivas: a sobrevivência de uma Direcção composta apenas por seis elementos, pois outros 12 directores já se haviam demitido(!); e a vitória nas eleições de 1983 com 67 por cento dos votos. No final da temporada de 1982/83 o Benfica regressava 14 épocas depois, desde 1967/68 na TCCE, a uma final europeia na Taça UEFA, cuja final a duas mãos seria resolvida no nosso Estádio – o Benfica esteve muito perto do êxito, mas o facto de ter estado tanto tempo afastado das grandes decisões foi fatal no “controle dos tempos de tomada de decisões durante o jogo.” Foi já no início da época seguinte que após peripécias a roçar o escândalo e a insensatez, fomos obrigados a jogar a final da Taça de Portugal em casa do adversário, onde derrotámos por 1-0, o FC Porto, em pleno Estádio das Antas! (com esta imagem soberba)



Em 1983/84 conquistámos o bicampeonato nacional e a Taça de Honra de Lisboa. Nas temporadas seguintes (1985/86 e 1986/87, esta já depois de ter perdido as eleições, em 1987) obtivemos a conquista de duas Taças de Portugal consecutivas e nesta última época também da Supertaça “Cândido de Oliveira” e da Taça de Honra, mas o 3.º lugar obtido no Nacional de 1984/85 após o bicampeonato (1982/83 - 1983/84), bem como o facto de não conquistarmos o título em duas épocas consecutivas (1984/85 e 1985/86), foram rudes golpes que teriam efeitos nas eleições de 1987. A redução dos encargos com o futebol em 1984 e 1985 teve também efeitos na diminuição da capacidade competitiva das outras equipas de futebol, em particular a Reserva, os Juniores e os Juvenis, mantendo-se a hegemonia benfiquista nos outros dois escalões – Iniciados e Infantis. 





Investimentos sem critério (talvez não…)
Quando se justificava um crescimento sustentado dos investimentos no futebol, qual quê! Há no entanto a salientar, que de um modo geral, em seis anos houve um aumento dos encargos com o futebol: 143 206 761$00 (714 312 euros) em 1981, para 299 015 098$90 (1 491 481 euros) em 1983 e 382 158 307$80 (1 906 197 euros) em 1986, ou seja apenas em duas épocas houve desinvestimento, precisamente aquelas em que os resultados finais ficaram muito aquém do esperado.



Fecho do Terceiro Anel
A grande promessa eleitoral de 1981 foi finalmente concretizada com a inauguração em 21 de Setembro de 1985 do “Fecho do Terceiro Anel” elevando a lotação do nosso Estádio para 120 mil pessoas, ou seja o maior estádio europeu e o 3.º maior do Mundo para a prática do futebol. Finalmente após 31 anos, estava concluída a 3.ª fase do projecto iniciado em 1954 e que teria a primeira parte do “Terceiro Anel” concluída em 1960!
Foi também nesta gerência que se processaram melhoramentos notáveis em toda a “Cidade Desportiva da Luz” – inauguração da nova iluminação no Estádio principal; inauguração do Pavilhão 2, transferindo para estas instalações o andebol e o voleibol, mantendo-se no Pavilhão 1, o hóquei em patins e o basquetebol; inauguração de três novos campos de ténis; iluminação artificial no campo 2 e 3, com a construção de cabinas neste último, permitindo a sua autonomia; concluiu-se (finalmente…) a reconstrução do campo 4, em 1984; e a inauguração dos Tanques de Aprendizagem anexos à Piscina. Tudo isto permitiu que o Benfica concretizasse um dos melhores complexos desportivos europeus, pertencentes a um clube cuja principal modalidade é o futebol.


Em 1 de Julho de 1981, na rua Jardim do Regedor, passou a funcionar em conjunto a Sede e a Secretaria do Benfica, sendo finalmente adquirido o edifício, alugado desde 1 de Janeiro de 1934.
Processou-se em simultâneo uma reestruturação administrativa no Clube, beneficiando da ampliação do Estádio, pois este ficou dotado de amplas instalações nos pisos inferiores às novas bancadas. Em 1 de Junho de 1987 os serviços administrativos e a Sede passaram para o Estádio da Luz, num processo gradual mas progressivo.



Modalidades: eclectismo vencedor
Mesmo com tantas limitações financeiras para um clube desportivo nos anos 80, em Portugal, o Benfica continuava um clube ecléctico praticando 22 modalidades desportivas, com as senhoras a praticar sete desportos, apesar da suspensão da equipa sénior feminina de Voleibol  (1982) e da equipa feminina do Xadrez (1987).
Durante a sua gerência o “Glorioso” conquistou 43 títulos nacionais, dos quais 27 campeonatos nacionais em dez modalidades, com destaque para o Atletismo com nove Nacionais de Pista – quatro em masculinos e cinco consecutivos em femininos, entre 1982 e 1986; em Andebol com cinco Nacionais – dois masculinos consecutivos, entre 1982 e 1983, e três femininos e seis Taças de Portugal – três consecutivas em masculinos e três consecutivas em femininos, incluindo duas “dobradinhas”, em 1986 e 1987; em Basquetebol um tricampeonato entre 1985 e 1987; em Bilhar, um tricampeonato nacional; no Hóquei em Campo uma Taça de Portugal em 1982 e uma “dobradinha” em 1987 – Nacional e Taça; no Hóquei em Patins, o tricampeonato em 1981 e uma Taça de Portugal em 1982, a 4.ª consecutiva; na Luta, uma Taça de Portugal em 1986; na Natação, um campeonato nacional por equipas masculinas em 1987; no Râguebi, quatro títulos nacionais consecutivos – três Taças de Portugal consecutivas, entre 1983 e 1985 e um Nacional da I Divisão em 1986; no Ténis de Mesa um tricampeonato nacional entre 1982 e 1984, e uma Taça de Portugal em 1983, época de mais uma “dobradinha”; e no Xadrez, duas Taças de Portugal em 1986 e 1987, temporada com “dobradinha” ao conquistarmos também a Taça de Portugal.
Em seis anos de gerência 27 campeonatos nacionais da I Divisão e 16 Taças de Portugal, em doze modalidades! 



Crescimento financeiro e associativo
O “Glorioso” movimentava verbas cada vez mais elevadas tendo um crescimento económico avassalador, pois se em 1981 o resultado de gerência foi de 275 660 183$40 (1 374 987 euros) seis anos depois em 1986 esse valor era já sete (!) vezes superior, ultrapassando pela primeira vez na nossa história um milhão de contos – quase dois milhões! – passando para 1 938 710 143$80 (9 670 245 euros).



  
Finanças “complicadas”
O Passivo que esteve praticamente extinto em 1983 registando um valor (aceitável) de 15 850 971$40 (79 064 euros), ou seja o valor aproximado de dois meses da quotização associativa desse ano, atingiu em 1986 o valor de 391 538 079$10 (1 952 984 euros), quase o dobro do valor da quotização dos associados nesse ano! Havia por isso preocupações legítimas, até porque a venda dos 109 apartamentos dos cinco lotes da “Urbanização” infelizmente não estavam a corresponder às expectativas criadas.



João Rocha (Sporting CP) e Fernando Martins

O nosso Clube contava, em 1981, com 20 Filiais, seis Delegações e sete Casas do Benfica, registando em 1987 um acréscimo de mais três Filiais e mais uma Casa.
Os benfiquistas continuavam a aumentar o número de associados, que de 62 020 em 1981 se passou para 69 611 em 1986, ultrapassando-se pela primeira vez na nossa gloriosa história os 70 mil associados, em Fevereiro de 1987, ou seja aos 83 anos de vida ímpar da nossa colectividade. Também as receitas geradas pelas quotizações dos associados passaram de 89 953 945$00 (448 688 euros) em 1981 para 204 517 424$00 (1 020 129 euros) em 1986, ou seja ultrapassamos pela primeira vez os 100 mil contos em 1983 e os 200 mil contos em 1986! Registava-se no entanto que o contributo da quotização associativa representava progressivamente uma parcela cada vez menor nas receitas globais do Clube – de 25 por cento em 1981 para 11 por cento em 1986!  




Alianças problemáticas
Num período de grandes transformações no futebol português, o Benfica deixou de ter capacidade de orientação ou de influenciar decisões correctas. Foi durante a década de 80 que perdeu importância o eixo futebolístico Lisboa/Setúbal para ganhar protagonismo o eixo Porto/Guimarães, facto que iria complicar (e ter efeitos perniciosos) as conquistas desportivas do Benfica das décadas seguintes (ainda na actualidade)!Um sistema de alianças – privilegiar alguns e isolamento de outros – mal calculado tornou-se nefasto, devido aos equívocos gerados, para o progresso harmonioso e conquistador do Benfica.O “caso” mais gravoso registou-se no desinvestimento na equipa de futebol em 1984 e 1985, não só pelo enfraquecimento competitivo do nosso futebol, quando se tornava fundamental o Benfica regressar ao galarim europeu, mas pelo fortalecimento de outros que com hipocrisia davam a entender que não investiam quando estavam a montar plantéis mais fortes, inclusive para as competições europeias!





Afluência eleitoral histórica: 8 159 associados (1987)

Derrota eleitoral
Após dois anos de pouco investimento (1984 e 1985) os reinvestimentos efectuados em 1986 e 1987 permitiram a conquista de mais uma dobradinha – Nacional e Taça – no final de 1986/87, mas o continuo afastamento do Clube das grandes decisões nas competições europeias, bem como à ideia feita “Grande Estádio, pequenas equipas” que ia sendo fomentada na comunicação social, não permitiu a reeleição destes Órgãos Sociais para um 4.º biénio consecutivo, nas eleições realizadas a 27 de Março de 1987, acabando derrotados por 45 por cento, com a lista vencedora, liderada por João Santos (e "suportada financeiramente" por Jorge de Brito) a receber 51 por cento dos votos. Em 3.º lugar, com quatro por cento, ficou a lista encabeçada por Cavaleiro Madeira. O futebol do "Glorioso" comandava a classificação do campeonato nacional, na 23.ª jornada (a sete do final) mas acabara de empatar, sem golos, em Chaves, com o GD Chaves, em 22 de Março! Um trunfo a favor de João Santos! Quando o Benfica conquista a "dobradinha" em 1986/87 - o campeonato, em 24 de Maio (V 2-1 com o Sporting CP) e a Taça de Portugal, em 7 de Junho (V 2-1 com o... Sporting CP) - há mais de um mês que Fernando Martins deixara a presidência.


Fernando Martins era o associado n.º 1308 contando com 65 anos de dedicação ao Ideal. O nosso 27.º é na história do "Glorioso", uma personalidade prestigiada entre os Benfiquistas. Ele foi um dos que tudo fizeram para tornar ainda maior um Clube já muito grande!

O "Em Defesa do Benfica" associa-se ao luto da instituição bem como da familia, endereçando a todos (e em particular ao seu filho Raul Martins) sentidos pêsames!

Até Sempre Presidente!

Alberto Miguéns



NOTAS EM FORMA DE EFEMÉRIDES

ELEIÇÕES (em 29 de Maio de 1981)
N.º Sócios: 4 470 N.º votos: 64 130
Votação nominal
LISTA B   Fernando Martins                 32 738 votos (51%)
LISTA A  José Ferreira Queimado       31 296 votos (49%)
Outros                                                               96 votos

ÓRGÃOS SOCIAIS ELEITOS
Presidente da Direcção -                          Fernando Martins     
Presidente da Mesa da Assembleia Geral –  Dr. Araújo e Sá (1.º mandato), Prof. Martins da Cruz (2.º e 3.º mandatos)
Presidente do Conselho Fiscal –             Dr. José Trindade Martinez

DADOS HISTÓRICOS

1981.05.29 – 71.ª eleição dos Órgãos Sociais
1981.06.04 - Tomada de posse, no Salão da Luz

1981.06.06 - Conquista da Taça de Portugal, em futebol (V 3-1 ao FC Porto) (“dobradinha”)
1981.07.01 – Início do funcionamento da Sede no edifício da Secretaria, na Rua Jardim do Regedor
1981.07.04 – Conquista da TP, em Basquetebol
1981.07.12 – Conquista do tricampeonato nacional de Hóquei em Patins (“dobradinha”)
1981.10.10 – Conquista da Taça de Honra, em futebol (no Restelo, V 1-0 ao Atlético CP)

1982.01.27 – Conquista do CD da Reserva, em futebol
1982.02.28 – Inauguração do Pavilhão n.º 2
1982.03.28 – Conquista do CN de Ténis de Mesa masculino
1982.04.24 – Conquista do CD de Iniciados A, em futebol
1982.04.30 – Conquista do CD de Juvenis, em futebol
1982.06.13 – Conquista do CN de Andebol masculino
1982.06.27 – Conquista da TN de Iniciados, em futebol (V 1-0 ao FC Porto)
1982.06.30 – Conquista da TP, no Hóquei em Patins (5.ª consecutiva)
1982.08.08 - Conquista do Torneio Internacional de Toronto
1982.07.03 – Conquista da TP, no Hóquei em Campo
1982.08.01 – Conquista do CN de Pista, em atletismo masculino
1982.08.01 – Conquista do CN de Pista, em atletismo feminino

1983.03.25 – 72.ª eleição dos Órgãos Sociais
1983.04.08 - Tomada de posse
1983.05.22 - Conquista do campeonato nacional, em futebol (a 3 jornadas do final)
1983.08.14 – Conquista do Torneio Internacional de Lisboa
1983.08.21 - Conquista da Taça de Portugal, em futebol (nas Antas, V 1-0 ao FC Porto) (“dobradinha”)
1983.08.24 – Conquista da Taça Ibérica (V 3-1 ao Atlético de Bilbau)
1983.10.11 – Conquista da Taça de Honra, em futebol (no Restelo, V 1-0 ao CF “Os Belenenses”)

1983/…/…. – Conquista do CD da Reserva, em futebol
1983/…/…. – Conquista do CN de Juvenis, em futebol
1983/…/…. – Conquista do CD de Infantis A, em futebol
1983/…/…. – Conquista do CN de Pista, em atletismo masculino (2.º consecutivo)
1983/…/…. – Conquista do CN de Pista, em atletismo feminino (2.º consecutivo)
1983/…/…. – Conquista do CN de andebol masculino (2.º consecutivo)
1983/…/…. – Conquista da TP em Râguebi
1983/…/…. – Conquista do CN de Ténis de Mesa masculino (2.º consecutivo)
1983/…/…. – Conquista do TP de Ténis de Mesa masculino (“dobradinha”)

1984.05.06 - Conquista do campeonato nacional, em futebol (a 2 jornadas do final)

1984/…/…. – Conquista do CD de Iniciados A, em futebol
1984/…/…. – Conquista do CD de Infantis A, em futebol
1984/…/…. – Conquista do CN de Pista, em atletismo masculino (3.º consecutivo)
1984/…/…. – Conquista do CN de Pista, em atletismo feminino (3.º consecutivo)
1984/…/…. – Conquista do CN de andebol feminino
1984/…/…. – Conquista da TP em Râguebi (2.º consecutivo)
1984/…/…. – Conquista do CN de Ténis de Mesa masculino (3.º consecutivo)

1985.03.29 – 73.ª eleição dos Órgãos Sociais
1985.04.24 - Tomada de posse

1985.06.10 - Conquista da Taça de Portugal, em futebol (V 3-1 ao FC Porto)
1985.08.18 – Conquista do Torneio Internacional de Lisboa

1985/…/…. – Conquista do CN de Juniores, em futebol
1985/…/…. – Conquista do CD de Juvenis, em futebol
1985/…/…. – Conquista do CD de Iniciados A, em futebol
1985/…/…. – Conquista do CD de Iniciados B, em futebol
1985/…/…. – Conquista do CN de Pista, em atletismo feminino (4.º consecutivo)
1985/…/…. – Conquista do TP de Andebol masculino
1985/…/…. – Conquista do TP de Andebol feminino
1985/…/…. – Conquista do CN de Basquetebol
1985/…/…. – Conquista do CN de Bilhar
1985/…/…. – Conquista da TP em Râguebi (3.º consecutivo)

1985.09.04 – Conquista da Taça de Honra, em futebol (no Restelo, V 1-0 ao CF “Os Belenenses”)
1985.12.04 – Conquista da Supertaça, em futebol
1986.04.27 - Conquista da Taça de Portugal, em futebol (V 2-0 ao CF “Os Belenenses”) (2.ª consecutiva)
1986.08.10 – Conquista do Torneio Internacional de Lisboa

1986/…/…. – Conquista do CD de Iniciados A, em futebol
1986/…/…. – Conquista do CD de Iniciados B, em futebol
1986/…/…. – Conquista do CD de Infantis A, em futebol
1986/…/…. – Conquista do CN de Pista, em atletismo masculino
1986/…/…. – Conquista do CN de Pista, em atletismo feminino (5.º consecutivo)
1986/…/…. – Conquista da TP de andebol masculino (2.º consecutivo)
1986/…/…. – Conquista do CN de andebol feminino
1986/…/…. – Conquista da TP de andebol feminino (2.ª consecutivo) (“dobradinha”)
1986/…/…. – Conquista do CN de Basquetebol (2.º consecutivo)
1986/…/…. – Conquista do CN de Bilhar (2.º consecutivo)
1986/…/…. – Conquista do CN de Râguebi
1986/…/…. – Conquista da TP de Luta
1986/…/…. – Conquista da TP de Xadrez

1987.01.06 – Conquista do CD da Reserva, em futebol
1987.03.15 – Conquista do CN de Natação, equipas masculinas
1 comentários
comentários

Em Defesa do Benfica no seu E-mail